[ENTREVISTA #01] CONVERSAMOS COM JIM CARBONARA - Saga Literária

Novidades

terça-feira, março 29, 2016

[ENTREVISTA #01] CONVERSAMOS COM JIM CARBONARA

Essa é a primeira entrevista que a Saga Literária realiza, é um prazer para a Saga que esta tenha sido com o nosso parceiro e amigo Jim Carbonera, autor dos livros Divina Sujeira, Verme! e Royal 47.

Jim ao lado de Andreas Nora, foram os primeiros que acreditaram no trabalho e potencial da Saga Literária, por isso deixo meu agradecimento para vocês. Vamos então para a entrevista, de modo que vocês leitores, seguidores da Saga, possam conhecer um pouco mais sobre o autor, escritor Jim Carbonera.

1. Jim, nos conte um pouco sobre você.

Jim: Sou natural de Porto Alegre e resido ainda hoje nessa cidade que serve de inspiração para minhas escritas. Tenho como principais influências autores latino-americanos. Exemplo: Alberto Fuguet do Chile, Pedro Juan Gutiérrez de Cuba e Reinaldo Moraes do Brasil. Sou formado em turismo e exerci a profissão por quatro anos. Abandonei-a para dedicar-me integralmente à literatura. Minhas obras têm como cenários ambientes ríspidos, libertinos, melancólicos e atrozes; e meus personagens possuem a subversidade como característica principal. Sigo o estilo literário do Realismo Urbano e Transgressivo. Sou autor dos livros Divina Sujeira, Verme! e Royal 47.

2. Lembra qual foi o primeiro livro que leu na vida? E qual foi o livro que mais te marcou?

Jim: Ah, não lembro. Mas suspeito que tenha sido algum do Sherlock Holmes. E pra mim foi um grande impulso para a leitura. Me mostrando um gênero literário que eu não conhecia. 
O livro que mais me marcou foi Animal Tropical, do cubano Pedro Juan Gutiérrez. Por mostrar, de maneira explícita, a diferença cultural do seu país em relação à Suécia. Mundos com diferenças abissais.

3. Qual a sua inspiração e motivação para escrever?

Jim: O que mais me inspira e motiva a escrever é a parte obscura do ser humano, aquela que tentamos esconder. Essa, para mim, é a que revela o nosso verdadeiro eu. Nossas fantasias e segredos que tentamos guardar a seteve chaves, ma que volta e meia acabamos expondo em dado momento da vida. Vivemos numa sociedade em que atuamos diariamente. Temos que nos encaixar nesse ou naquele grupo, e somos obrigados a agirmos como atores. Por isso não me interessa esse lado da encenação humana, pois é falsa. Diferentemente daquele que nos angustia e, em alguns casos, nos enlouquece. É sobre esse lado, o soturno, que vem a minha inspiração. Além dos cenários urbanos em que os meus livros se passam.

4. Existe algum autor ou alguma obra que você utilizou de inspiração para escrever seus livros?

Jim: Há, com certeza. Vou citar algumas que foram grandes fontes de inspiração:

Baixo Astral - Alberto Fuguet

On the Road - Jack Kerouac

Factótum - Charles Bukowski

Animal Tropical e Trilogia Suja e Havana - Pedro Juan Gutiérrez

Tanto Faz & Abacaxi - Reinaldo Moraes

5. Nos conte um pouco sobre suas obras publicadas.

Jim: Vou tentar ser bem sucinto. Divina Sujeira é o meu livro de garagem. É a obra mais subversiva.
A primeira parte mostra o protagonista, Rino Caldarola, ainda perdido pela vida. Gosta de escrever, mas não faz ideia se é isso que ele quer da vida. Então segue vivendo entre vitórias e derrotas guiado apenas pelos prazeres carnais. Na segunda parte, são contos subversivos narrados em terceira pessoa, cheios de temas polêmicos, como: estupro, vingança, castração, necrofilia, etc.

Verme! temos um Rino mais reflexivo e menos agitado. Está morando com seus pais e não vê a hora de se mandar dali. Já sabe que quer se tornar um escritor, mas não acredita que conseguirá. Ao mesmo tempo, por ser um tanto narcisista, não quer se dar por derrotado. E entre suas reflexões e questionamentos, ele tenta buscar inspiração para escrever em shows undergrounds e nos relacionamentos que surgem.

Royal 47 já temos o Rino fora da casa dos pais e morando sozinho numa zona boêmia de Porto Alegre. Começa a escrever um romance na sua máquina de escrever Royal Quiet Delux 1947 e passa a viver mais e questionar menos. Retoma a áurea do bom vivante do Divina Sujeira, porém com mais maturidade.

6. Quais os desafios enfrentou para escrever as obras, Divina Sujeira, Verme! e Royal 47?


Jim: Em todos eles a dificuldade é manter a coerência de personagem, locais, etc. Como é a história de uma mesma pessoa, e às vezes personagens e locais se cruzam de um livro ao outro, tenho que cuidar para manter a coerência de continuidade. Não posso pôr que num livro o cara é negro e tem 20 anos, e no outro é branco e tem 45 (sendo que se passaram dois anos). Assim como os gostos pessoais do Rino. Outro cuidado é não repetir frases e trechos que já apareceram num dos livros.

7. Qual foi o tempo necessário para finalizar cada uma das suas obras já publicadas?

Jim: Em média, contando com as revisões, fica entre 7 e 10 meses.

8. O que podemos esperar dos seus livros?

Jim: Honestidade, intensidade, movimentação urbana, descrições explícitas, gozo e uma narrativa visceral.

9. Quer deixar alguma mensagem para os leitores que sonham em escrever um livro?

Jim: Para quem está iniciando uma carreira literária, deixo o seguinte recado: primeiramente assuma isso como uma profissão. Mesmo que trabalhe em outros locais, não leve à literatura como um hobby. Escrever é algo sério, árduo e doloroso. O artista no Brasil é desdenhado e taxado de vagabundo, justamente por não brigar pela causa e não assumir aquilo que faz. Um músico não precisa aparecer na televisão para poder dizer que é músico. Um escritor não precisa ser o Paulo Coelho para ter o direito de assumir aquilo que é.

E outro conselho, não desrespeite à literatura escrevendo por achar cool ou para falar que é escritor. Há muita gente fazendo isso como forma de imposição intelectual. Bobagem pura. Acabam banalizando a profissão como crianças mimadas que descartam seus brinquedos depois de enjoar. Dentro de pouco tempo essas pessoas abandonam a literatura e tocam suas vidas em outros segmentos.

E não esqueça, mande sempre à preguiça se foder. Sente na cadeira e escreva. Se está com falta de inspiração, ache ela. Coloque no papel algum acontecimento do seu dia. Alguma lembrança. Ou simplesmente descreva o seu quarto. Mas escreva, escreva e escreva. Se isso não for uma prioridade para você, uma paixão; nem comece, pois de aventureiros à literatura já está abarrotada.

Por Yvens Castro.

10 comentários:

  1. Oiii, tudo bem?
    Eu tenho muita vontade de ler os livros deste autor, logo que entrei neste mundo literário foi dos primeiros autores que comecei a seguir e conhecer melhor. Sua entrevista está incrível para ser uma das primeiras <3
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Nunca li nada do autor, mas adorei a entrevista. Gostei de saber que ele é de Porto Alegre, eu sou do RS também :)

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Adoro a escrita do Jim,porque ele é profundo e tenebroso com seu enredo e os personagens são verdadeiros e desnudos para o leitor.
    Eu me conectei com Verne e fui levada a uma leitura boêmia e aprofundada.

    Escrever é paixão e não brincadeira de criança.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?

    Não conhecia o autor, mas achei interessante as repostas dele. Confesso que o pouco que foi apresentado das obras dele ali na entrevista, não me cativou muito, entretanto ao ler "O que podemos esperar dos seus livros?" A resposta dele me deixou mega curiosa. :D

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Legal a entrevista,não conhecia o autor e foi bom ler um pouco sobre ele,sua vida e seus livros. Me interessei pelo seu estilo de narrativa, a resposta dele sobre o que podemos esperar de seus livros me conquistou e acho que vou escolher Divina Sujeira para conhecer essa narrativa que me deixou bastante curiosa.

    bjsss

    Apaixonadas por Livros

    ResponderExcluir
  6. Oi, achei bem legal a entrevista e é sempre bom conhecer melhor o autor e os seus gostos e manias. Me interessei pelo estilo de narrativa e escrita do autor e fiquei interessada em ler seus livros. Fico aguardando a resenha no blog dos livros.
    bjus
    http://recantoliterarioeversos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Yvens,
    Adorei a entrevista. É muito bom conhecer um pouco mais dos autores, pois temos o contato apenas com o produto final da sua produção, né.
    Gostei das dicas deles sobre escrever também.
    beijos
    www.prateleirasemfim.com.br

    ResponderExcluir
  8. Adoro entrevistas com autores pois além de suas obras conhecemos mais a pessoa por trás dos livros.
    Infelizmente seus livros não né chamaram a atenção pelo enredo mas desejo sucesso ao autor.
    Abraço
    Camila Bernardini Coelho

    ResponderExcluir
  9. Olá

    Conheço o autor das redes sociais e de já ter lido resenhas e comentários a respeito do livro dele, a entrevista ficou bem interessante, essa última resposta que ele deu,concordo com várias coisas que ele falou de aventureiros a literatura nacional realmente tá cheia.

    Bjss

    ResponderExcluir
  10. Amei esse cara. Pelo que me parece, ele tem muito boas influências de escritores, como Kerouac e Bukowski, que eu admiro muito, na questão da escrita. E também ama Paulo Coelho, assim como eu. Fiquei tentada a conhecê-lo. Já tinha ouvido falar do Royal 47, mas sem saber o enredo. Muito bacana, anotei todas as referências que ele fez. Parabéns pela entrevista!

    ResponderExcluir