01/07/2016

[SOBRE HISTÓRIA] PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL - CENTENÁRIO DA BATALHA DO SOMME

Olá pessoal! Meu nome é Max Wagner, novo colunista do Saga Literária. Sou escritor e historiador, autor do romance A Última Poesia - Do Orgulho Nasce a Guerra. Esta é a minha primeira postagem, vou compartilhar com vocês sobre a maior batalha da Primeira Guerra Mundial, que hoje está comemorando 100 anos.

Vou lhes apresentar um romance que retrata a famosa batalha do Somme, e também compartilharei um trecho do meu livro sobre essa grande batalha que entrou para a história como uma das maiores catástrofes da humanidade.


Título: Birdsong ou Canção dos Pássaros.
Autor: Sebastian Faulks
Editora: Difel
Ano: 2003
ISBN: 9789722906425
Páginas: 488
Onde Comprar -   Wook


Sinopse: A Canção dos Pássaros é o romance do talentoso escritor Sebastian Faulks. Aplaudida pela crítica e pelos leitores internacionais, esta intensa obra romântica embora simultaneamente realista, atravessa três gerações e o inimaginável fosso entre a I Guerra Mundial e o presente. 



À medida que o jovem inglês Stephen Wraysford vive um tempestuoso romance com Isabelle Azaire, em França, e entra no obscuro e surreal mundo existente por baixo das trincheiras da Terra de Ninguém, Sebastian Faulks cria um mundo fictício que é tão trágico como O Adeus às Armas, de Hemingway e tão sensual como O Paciente Inglês. Inserido entre as ruínas da guerra e a indestrutibilidade do amor, O Canto dos Pássaros é um romance que vai maravilhar o leitor português. 


Birdsong significa "A Canção dos Pássaros" é uma frase que homenageia os pássaros que cantavam acima das trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Enquanto na terra os homens se matavam provocando um grande terror, os passarinhos continuavam cantando. Essa era a única visão boa que os soldados tinham das trincheiras. Mesmo diante do caos os infantes sabiam que existia vida através dos pássaros.


Sebastian Faulks nasceu no dia 20 de Abril de 1953 em Newbury - em Berkshire - e estudou no Wellingtom College e no Emmanuel College, em Cambridge. Foi o primeiro editor literário do The Independent e tornou-se o sub-editor do Independent on Sunday. Trabalhou como jornalista durante catorze anos antes de começar a escrever a tempo inteiro em 1991. É um dos mais conceituados escritores britânicos da actualidade, reconhecido internacionalmente. Em 1995, foi nomeado Autor do Ano pelos British Book Awards com O Canto dos Pássaros, o seu quarto romance. É também autor de Human TracesOn Green Dolphin StreetCharlotte Gray (adaptado para cinema), The Fatal EnglishmanA Rapariga do Lion d’Or. A Civilização Editora publicou em 2008 A Essência do Mal e Memória Traiçoeira. Vive em Londres com a mulher e três filhos.

Em 2014 a BBC produziu o longa Birdsong baseado no romance de Faulks. O ator principal foi Eddie Redmayne, ganhador do Oscar de 2015 que interpretou Stephen Hawking nas telonas. Faulks consegue captar o lirismo das guerras como ninguém. 


Birdsong foi o melhor filme que eu assisti em 2015




Trecho do romance histórico A Última Poesia - Do Orgulho Nasce a Guerra que narra a batalha do Somme.



O vale do Somme não possuía valor militar, era uma região remota do norte da França. A ofensiva britânica tinha como objetivo desviar a atenção alemã de Verdun. O local estava nas mãos dos alemães desde o início da guerra, e foram construídas três linhas de entrincheiramentos germânicos. Essas linhas eram fortemente defendidas e possuíam várias fortificações de concreto e muitos ninhos de metralhadoras escondidos entre bosques, pequenas vilas e quintas. 

 Em fevereiro quando a ofensiva alemã em Verdun teve início, intensificou-se no Somme a construção de hospitais, estradas, campos e estações de água. Estava claro que algo iria acontecer na região.


  A força principal de ataque no Somme era formada pelo 4º Exército britânico constituído pelos “Batalhões de Amigos” que possuíam vínculos de amizade, trabalho e residência; na verdade não passavam de civis que não possuíam experiência militar. Esses homens eram voluntários da campanha de propaganda militar do ministro de guerra Sir Kitchener. O ministro conclamou os civis à guerra visto que o alistamento militar não era obrigatório na Inglaterra.



O Exército inglês sofria de escassez de material humano, a maior parte estava em luta encarniçada em Flandres, principalmente na cidade belga de Ypres.

Em maio de 1916, foi organizada uma missão diplomática na Rússia, que acabou nas mãos do marechal Kitchener. Mas a missão gerou uma enorme tragédia para os ingleses, o navio abrigando o marechal Kitchener que se dirigia à Rússia colidiu com uma mina submarina, afundando seus 650 homens. A morte de Kitchener foi terrível para os ingleses.



  A Guarda de Reserva francesa foi usada para apoiar os britânicos no Somme, eram excelentes unidades. No dia 24 de junho, quatro mil canhões britânicos e franceses, distribuídos numa frente de 40 km dispararam nos campos do Somme uma chuva de bombas que cobriram o céu de fogo e aço; atingiram principalmente a Primeira Linha Alemã.



 Os britânicos acreditavam que nada sobreviveria às cataratas de projéteis que caíram sobre os alemães. A primeira cobertura de bombas transformou as trincheiras alemãs em pó; mal sabiam os britânicos que os alemães haviam previsto um forte bombardeio na Primeira Linha e transferiram a maioria dos homens para a Segunda Linha de trincheiras.



 Embora a Primeira Linha tenha ficado irreconhecível, poucos alemães morreram; na verdade a terra é que foi castigada. Após o bombardeio: árvores, abrigos e alguns boches viraram destroços. Em seguida os aviões Nieuport 17 e Sopwith Strutter metralharam e bombardearam o local; essas aeronaves estabeleceram superioridade aérea contra a aviação alemã. Até então os alemães não possuíam uma força aérea capaz de superar os Aliados, isso só viria a acontecer alguns meses depois; quando o Barão Vermelho organizou e assumiu as esquadrilhas de caça alemãs.



As bombas lançadas no Somme foram sentidas a 250 km de distância, balançando as janelas de Londres. Nesse primeiro dia começou a chover a noite, e os disparos dos canhões reiniciaram trazendo uma enxurrada de fogo, que se misturava a torrencial chuva transformando o Somme num mar de lama. Era uma visão aterradora, pois o céu negro foi surpreendido por milhares de projéteis que pareciam fogos de artifício.

 No dia 26 de manhã, os britânicos e franceses lançaram obuses carregados com gás venenoso. Á tarde os aviões atacaram novamente, dessa vez estavam carregados com torpedos aéreos, que ao serem lançados emitiam um apito aterrorizante e afundavam na lama; segundos depois explodiam provocando enormes crateras. Os subterrâneos abrigos alemães haviam suportado o poder de fogo dos canhões, embora nada acima deles estivesse vivo ou inteiro; mas esses torpedos aéreos começaram a fazer estragos até nas intocáveis casamatas subterrâneas.

 Os alemães começaram a ficar apavorados, pois alguns deles estavam sendo atingidos debaixo da terra e sendo lançados aos pedaços pela superfície. O silvar do torpedo matava de pânico mesmo antes de cair. O impacto dos bombardeios estava sendo tão terrível que alguns alemães começaram a desertar. Após o ataque com torpedos, começou a jorrar fumaça e fogo de dentro da terra, era como se o inferno quisesse sair.  O poder dos torpedos foi terrível, em muitos abrigos subterrâneos os alemães acabaram enterrados vivos. No dia 28 de junho, as trincheiras alemãs quase não existiam mais, haviam se transformado em crateras; era uma paisagem lunar aterradora.

 Um milhão e quinhentos mil obuses foram lançados contra os alemães durante aqueles primeiros dias da ofensiva; 30% estavam carregados com gás químico. Alguns soldados britânicos foram enviados para sondar a situação dos alemães, entretanto acabaram capturados e foram obrigados a dizer onde e quando seria realizado o principal ataque da infantaria.

 Logo os alemães possuíam informações; que o ataque principal seria lançado na madrugada de 29 de junho, em ambos os lados dos rios Somme e Ancre. Os alemães então se prepararam para enfrentar os ingleses e franceses, mas o ataque não veio no dia 29 e muito menos no dia 30 de junho.

 Uma força de 750 mil homens; entre britânicos e franceses estavam reunidos no Somme para conquistar 24 km de trincheiras alemãs. Os britânicos acreditavam que seria muito fácil conquistar esse terreno, visto que o general Sir Douglas Haig afirmara que o bombardeio inicial destroçara os alemães completamente. O sistema de trincheiras estava defendido por 35 mil alemães.

 Às 07h30 os apitos dos oficiais ingleses podiam ser ouvidos de longe, prenunciando o tão esperado ataque por terra. Sessenta mil britânicos avançaram gritando e cantando para ocupar o espaço dos inimigos; acreditavam que nenhum alemão tivesse sobrevivido, estavam orientados a caminhar como conquistadores vitoriosos.

De repente os alemães surgiram dos escombros como se fossem mortos vivos e receberam os ingleses à balas; mesmo assim muitos ingleses conseguiram atravessar a Primeira Linha, entretanto metralhadoras e espingardas que estavam posicionadas na Segunda Linha destroçaram os britânicos. Alguns lança-chamas queimaram muitos ainda vivos.  Os alemães que haviam sido transferidos para a Segunda Linha foram chamados para ajudar no massacre britânico. Logo o Exército inglês se viu cercado por um bolsão; eram alvejados tanto pelos sobreviventes da Primeira Linha quanto pelos intactos da Segunda Linha. Quase toda a força de ataque foi destruída, 57.470 fora de combate, dentre os quais 21 mil mortos instantaneamente.

O desastre foi terrível, pois as unidades britânicas eram constituídas por vizinhos e amigos; as cidades inglesas choraram num único dia a morte de seus entes queridos. Foi a maior perda britânica num único dia, um desastre terrível para a Inglaterra. Apenas 4,5 km de trincheiras foram capturados, o objetivo era conquistar 24 km.

Muitos soldados ingleses foram abandonados na Terra de Ninguém; estavam feridos, choravam por socorro e agonizavam. Certamente passariam dias de sofrimento até sucumbir à morte; entretanto muitos acabaram salvos à noite pela heroica ação de alguns enfermeiros, que arriscaram a vida para resgatá-los. Alguns desses padioleiros acabaram alvejados por snipers (atiradores de elite alemães). Esses atiradores conseguiam visualizar os inimigos graças aos sinais luminosos que eram lançados pelos alemães, e desciam na cor vermelha alaranjada iluminando a Terra de Ninguém.

Os britânicos tiveram quase 60 mil baixas, os alemães somavam apenas seis mil entre mortos e feridos. A catástrofe havia sido tão grande que o moral dos britânicos foi reduzido a nada; muitos abandonaram suas trincheiras e desertavam para o lado alemão.

Os atiradores alemães acertavam qualquer um que se aventurasse pela Terra de Ninguém, os soldados britânicos evitavam fumar à noite, pois corriam o risco de serem alvejados pelos atiradores, que tinham como mira a brasa dos cigarros. Alguns perderam a vida simplesmente por que decidiram acender um cigarro. Nesse caso, o cigarro estava literalmente matando.

Embora o ataque tenha se transformado em tragédia para os britânicos, os franceses conseguiram ocupar nos dias seguintes a Segunda Linha Alemã. Diante da vitória francesa o comandante Von Falkenhayn foi obrigado a aliviar a pressão em Verdun, e desviar alguns soldados para o Somme antes que caísse em mãos aliadas.

 O Somme foi um desastre em perdas humanas, mas a intenção de salvar Verdun havia sido alcançada. Nos dias seguintes os aliados continuaram avançando, enquanto os alemães surgiam das crateras provocadas pelas bombas e dizimavam os invasores com suas metralhadoras e espingardas, aumentando as baixas aliadas. A primeira fase da batalha estendeu-se até o dia 17 de julho. Vinte dias de batalha haviam transformado a região do Somme numa massa de lama e carne mal cheirosa.

 No dia 18 de julho foi colocada em ação a segunda fase da batalha. No dia 20, uma nova ofensiva aliada foi realizada, mas obteve pouco êxito contra os alemães que conseguiram barrar a ofensiva no dia 25. Embora os alemães tenham barrado os britânicos, Falkenhayn desviava mais e mais homens de Verdun para o Somme, isso não era bom para seus planos.

Os franceses reiniciaram a ofensiva no mês de agosto, mas as chuvas atrapalharam qualquer sucesso. No mês de setembro, os alemães haviam recuado 8 km a um custo de milhares de vidas. Apenas 1/3 do local havia sido alcançado; esse era o grande sucesso que o general Douglas Haig havia prometido às suas tropas.

No dia 03 de setembro, os aliados novamente lançaram um ataque, que terminou no dia 14 tendo alcançado um pouco mais de terreno. Algo estava para mudar a favor dos aliados; eles tinham uma nova arma (tanques de guerra) que seriam usados pela primeira vez, o carro de aço faria sua estreia no Somme. No dia 15, o ataque dos carros de combate teve início com grande sucesso, as fortes linhas alemãs e os ninhos de metralhadora foram incapazes de conter os carros de combate.

No dia 20 de setembro, os alemães contra-atacaram, mas foram repelidos. No dia 26, os ingleses conquistaram Combles, a principal fortaleza alemã que era muito bem fortificada. Nos túneis subterrâneos de Combles, foram encontrados mais de dois mil cadáveres alemães, era prova de que os bombardeios haviam tido algum êxito. Depois da queda dessa fortaleza, a Terceira e última linha alemã foi alcançada.

 Entre outubro e novembro, os ingleses lançaram uma série de ofensivas atacando e capturando várias vilas que estavam em poder dos alemães, a intenção era expulsar os boches do Somme; porém o inverno chegou tornando impossível às ofensivas no local.  Quatorze quilômetros foram alcançados pelos aliados; porém dez quilômetros ainda permaneceram nas mãos alemãs, que foram mantidas ao custo de milhares de vidas.

 A ofensiva no vale do rio Somme terminou no dia 17 de novembro. Cinco meses de lutas encarniçadas deixaram um saldo de 420 mil ingleses, 204 mil franceses e 464 mil baixas alemãs entre mortos e feridos. Mais de um milhão de baixas por causa de 24 km de terra. Embora a batalha do Somme fosse uma catástrofe em perdas humanas, o objetivo principal fora alcançado: desviar forças alemãs de Verdun. A batalha de Verdun foi considerada o próprio inferno, o Somme foi ainda pior, uma tragédia humana sem precedentes que iria marcar os homens para sempre. Alguns homens se destacaram nessa batalha; o soldado alemão Adolf Hitler, e os infantes do Exército britânico J.R.R. Tolkien  e  C. S. Lewis.


 
                          
                                                      Soldado  C. S. Lewis
                                         

                                                             Cabo Adolf Hitler
Soldado J. R. R. Tolkien

Nenhum comentário:

Postar um comentário

INSTAGRAM

Publicações Recentes

recentposts

Publicações Populares