[RESENHA #109] PEDRA NO CÉU - ISAAC ASIMOV - Saga Literária

Novidades

Post Top Ad

Responsive Ads Here

segunda-feira, agosto 22, 2016

[RESENHA #109] PEDRA NO CÉU - ISAAC ASIMOV


Título: Pedra no Céu
Autor: Isaac Asimov
Editora: Aleph
Páginas: 312
Ano: 2016
ISBN: 9788576573210
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Qualquer planeta é a Terra para aqueles que nele vivem. O alfaiate aposentado Joseph Schwartz desfrutava de uma pacífica caminhada de verão quando, devido a um acidente em um laboratório na mesma cidade, foi involuntariamente transportado milhares de anos para o futuro. Chega então a uma Terra marginal e abandonada, cuja superfície é quase toda inabitável, e que fica às margens de um grandioso Império. Publicado pela primeira vez em 1950, “Pedra no Céu” foi o romance de estreia de Isaac Asimov e é um marco do que se tornaria o Império de sua mais famosa obra, Fundação. Complemento fundamental às outras histórias do autor, este romance também serve como porta de entrada para apresentar o leitor ao universo de Asimov.

Resenha: Pedra no Céu é o romance de estréia de Isaac Asimov, publicado originalmente em 1950 como contos e transformado em romance no ano de 1951. Asimov ficou famoso por obras como Eu, Robô, O Fim da Eternidade e série Fundação.



No início da obra somos apresentados ao protagonista Joseph Schwartz, um senhor, ex-alfaiate e aposentado, que em um belo dia, acaba sendo teletransportado para o futuro. A história se passa no futuro da Terra, durante a Era Galáctica, 827 anos após a fundação do Império Galáctico, época onde a história dos humanos se perdeu. Nesse universo que Asimov nos apresenta, somos apresentados para um universo no qual a Terra é apenas um grão de areia quando comparada com os milhões de planetas do Império Galáctico.

"Para o resto da Galáxia, se é que notam a nossa existência, a Terra é apenas uma pedra no céu." p. 58.

A Terra é vista como a escória do universo, um planeta radioativo e perigoso, com líderes extramente ufanistas, porém a Sociedade dos Anciões acredita que a Terra foi o primeiro planeta com vida humana e que depois esses humanos foram colonizando e habitando os outros planetas. Essa motivação não pode ser dita para o resto da galáxia, pois os demais habitantes dos milhões de planetas não acreditam que a vida tenha origem no planeta Terra, devido suas áreas de completa radiação e também pelo ar completamente poluído.

"Durante a noite, o palácio do procurador mantinha sua semelhança a um reino encantado. As flores noturnas (nenhuma delas nativa da Terra) abriam suas grandes pétalas brancas em festões, espalhando sua delicada fragância até as paredes do palácio." p. 85.

No decorrer da leitura percebemos com claridade exemplos de xenofobia, o tratamento dispensado por habitantes de outros planetas para com os da Terra, as pressões infligidas pelo Império e também pelos Anciões contra os habitantes do planeta Terra e o ódio dos terráqueos contra os forasteiros.

"Tudo se resolvera de forma tão clara na mente metódica de Schwartz.  Uma vez que ele não queria morrer, teria de deixar a fazenda. Se ficasse onde estava, o Censo viria e, com ele, a morte." p. 171.

É dentro desse cenário que o nosso protagonista e viajante do tempo Schwartz é investigado, colocado em uma máquina de testes que tem como objetivo "aumentar a inteligência terráqueos", pois de acordo com a maioria os habitantes da terra são considerados "mais burros" que os outros humanos espalhados pela galáxia. Nesse cenário acaba surgindo outro personagem, conhecido como Arvadan, um arqueólogo que visa encontrar provas científicas de que a raça humana de fato surgiu na Terra, contrariando o pensamento consolidado existente da galáxia.

Opinião: Asimov em seu primeiro livro já consegue nos envolver por meio da sua escrita, que se mostra espetacular em diversas outras obras como em O Fim da Eternidade, Os Próprios Deuses ou nos livros da série Fundação. Pedra no Céu é um livro que se conecta com os outros livros da série acima citada e já dá um vislumbre desse universo grandioso que o autor criou.
É interessante ver que os personagens, no decorrer da história se conectam em um determinado ponto, pois cada capítulo mostra o ponto de vista de determinado personagem. Como sempre, existem explicações científicas, mas isso não é um complicador.
Asimov consegue criar obras atemporais, que retratam por exemplo experimentos com seres humanos, aborda também assuntos como o preconceito, egoísmo e a busca incessante pelo poder, Pedra no Céu seguramente é uma essas obras.

Destaco como ponto negativo o início um pouco confuso, onde Asimov nos apresenta diversos personagens, algo que impediu um melhor desenvolvimento dos mesmos.  Esse ponto negativo não afeta Pedra no Céu que tem uma história muito bem construída.
Fica meus parabéns para a Editora Aleph que é meu grande amor. A edição está linda, a capa e lombada encantam tamanho os detalhes inseridos pela editora. As páginas são amareladas e isso é algo que valorizo muito. A tradução está perfeita, a diagramação excelente, fonte confortável.

21 comentários:

  1. Olá, Yvens!
    Percebo que muitos livros bons começam de maneira confusa. E isso pode ser legal para manter um certo mistério, porém tem horas que muitos livros sem determinada claridade passam a incomodar.
    Ultimamente, percebo que autores brasileiros entraram nessa tendência. Fico pensando o que há de mal em expor as coisas de maneira que possamos entender?
    Evidente que em alguns casos, a confusão ocorre pela falta de habilidade de alguns escritores, todavia noto que alguns criam confusões como recurso literário. Não sei se é o caso do Isaac Asimov.
    De qualquer forma, sua resenha instigou-me a ler o livro. Aliás, tenho alguns em minha lista de desejos desse autor. Pretendo lê-los em breve.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Asimov é um mestre e referência no campo da ficção científica, procure ler mais, pois as obras que vieram depois desta fica melhores! Deixo como dicas: Eu, Robô; O Fim da Eternidade, Os Próprios Deuses e os livros da Fundação!

      Excluir
  2. To bastannnnnnnnnnnnte curiosa com esse livro! Amei a resenha!
    Beijoss!

    http://www.outrocapitulo.com/

    ResponderExcluir
  3. Apesar de não costumar gostar de livros do gênero, esse me interessou bastante. Ótima resenha.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dê uma oportunidade para os clássicos de ficção científica e subgêneros como distopia!

      Excluir
  4. cara, o livro está belissimo. A Aleph caprichou mais uma vez <3
    Fiquei super encantada com a premissa e já quero ler o quanto antes... achei legal o livro tratar de uma questão tão importante como a xenofobia...
    dica anotada, e excelente resenha, Yvens ^^
    bjs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha amiga, tudo bem?
      Então, o livro está lindão, para mim as editoras que mais capricham no projeto gráfico são a Aleph e a Dark! E sim, tem xenofobia!
      É uma obra reflexiva!
      Bjuss

      Excluir
  5. Oi, mesmo gostando da sua resenha, o livro não faz o meu gênero, o meu estilo, por isso, não leria, e mesmo sendo de Asimov, um famoso autor, não leria, pois seu estilo de escrita e narrativa não é do meu gosto. Por isso, deixo passar a dica.
    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas você já leu algum dos autores clássicos como Pierre Boulle, Arthur C. Clarke, Asimov, Philip K Dick ou Burgess? Dê uma oportunidade, tem livros belíssimos!

      Excluir
  6. Sua resenha está maravilhosa, muito bem escrita e não deixou faltar nenhum detalhe sobre a obra, quase me deu vontade de ler KKK, mas não sou uma pessoa adepta ao gênero ficção cientifica, acho que demoraria muito para engatar na leitura e iria demorar muito para conseguir terminar o livro, mas parece ser um livro maravilhoso para os fãs de ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comece por obras mais acessíveis, mais tranquilas como Planeta dos Macacos, O Fim da Infância, O Fim da Eternidade, vai gostar!

      Excluir
  7. Olá!
    Sua resenha ficou maravilhosa! Eu gosto muito de livros que falam sobre alienígenas e o universo, mas esse, por algum motivo, não me chamou a atenção. Apesar de que, vou adicionar na minha lista para ver se futuramente mudo de ideia.
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro muito bom mesmo!
      Falando sobre alienígenas e universo, já leu Guerra do Velho?

      Excluir
  8. Gostei da sua resenha, você explanou bem os pontos positivos e negativos.
    Nunca li nada do autor e não tenho vontade, pois o gênero não me agrada muito.

    ResponderExcluir
  9. Já tinha ouvido falar desse livro, mas nunca tinha lido resenha dele. Parece ser muito bom, vou adicionar na minha lista de leituras. Gostei da capa também, chamou minha atenção, ficou muito legal.
    Adorei sua resenha, você escreve muito bem, parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Olá.
    Eu não conhecia esse livro, mas mesmo você tendo gostado eu não me senti atraída com a leitura, mesmo gostando da temática, mas mesmo assim irei anotar a dica e quem sabe futuramente venha a ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Desta vez o enredo não me chamou muito atenção, afora o fato do livro ser contado por va´rios personagens. Gosto quando podemos ver vários pontos de vista, acho que a narrativa fica mais dinâmica.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Oie!
    Parabéns pela sua resenha, está muito boa, de verdade.
    Eu não conhecia o livro e pela sua resenha pude ver que infelizmente ele não faz muito o meu estilo. Por isso dessa vez não o leria.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?

    Adorei sua resenha, muito envolvente. Nunca li nada desse autor, porque a temática dele não condiz muito com o meu gosto literário (mas já assisti algumas vezes Eu, Robô hehe). Pedra no Céu parece muito bom, o fato de a Terra ser vista assim pelos personagens do livro me deixou, sei lá, bem interessada. Fiquei me perguntando se, no livro, há passagens que retratem algum humano da Terra e o que ele falaria/pensaria dos outros. A capa me chamou atenção também. Nunca li nada da Editora Aleph, mas gosto de acompanhar o catálogo dela :)

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Olá!

    Não conhecia o livro, mas já tinha ouvido falar do autor. O livro parece ter uma estória bem interessante e achei ele até bem "moderno" para umas estória criada em 1950, mas achei isso bem interessante. Gostei bastante da sua introdução falando sobre o autor e o livro.

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir