[ENTREVISTA #03] CONVERSAMOS COM ANDERS DE LA MOTTE - Saga Literária

Novidades

terça-feira, outubro 11, 2016

[ENTREVISTA #03] CONVERSAMOS COM ANDERS DE LA MOTTE

É com muita alegria que a Saga Literária realizou a sua primeira entrevista internacional, esta ocorreu com o autor sueco Anders de la Motte, criador da trilogia The Game (O Jogo) publicada pela Darkside Books. Anders foi oficial na polícia sueca e ex-gerente de segurança na área de TI.

1. Primeiro eu gostaria de agradecer a você pela entrevista e oportunidade que nos deu. Segundo, após uma longa carreira na polícia e como chefe de segurança na área de TI, porque ou quando você decidiu se tornar um escritor?

AM: Eu sempre fui um ávido leitor. Minha mãe trabalhou em uma biblioteca e nossa casa estava sempre cheia de livros e suas literaturas. Desde que eu cresci  em uma pequena aldeia, na zona rural, nos anos 70 e 80, eu era um jogador de futebol mediano, os livros acabavam por ser uma saída, uma distração. Mais tarde em minhas carreira como gerente de segurança, os livros se tornou a minha única companhia em vôos longos, em hotéis ou salões. Foi então que comecei a me tornar mais envolvido nas histórias, criando-as ao invés de apenas consumi-las. Eu não tive a coragem de começar a escrever até que minha esposa me incentivou a fazê-lo. É por isso que meus livros são dedicados a ela. Sem Anette, não há livros.

2. Quando você percebeu que tinha o dom para escrever? O que te motiva a escrever?

AM: Eu era muito bom em escrever na escola, bem como depois nas minhas carreiras como profissional. Mais tarde eu percebi que a escrita, tanto nos aspectos técnicos como na formulação de textos, foram fáceis para mim. No entanto, existe uma grande diferença entre escrever um ensaio de 10 páginas na escola, um relatório policial, um manual de segurança em comparação com escrever uma história de ficção com 300 páginas. Mas quando Anette finalmente me deu aquele empurrão para que eu tentasse, eu imediamente adorei, fui aperfeiçoando minhas habilidades e em pouco tempo comecei a entender que eu era muito bom nisso.

3. Como você descreveria a trilogia The Game?

AM: É uma trilogia agitada, com muitas referências da cultura pop, com reviravoltas inesperadas e personagens bastante incomuns. Os livros são ao mesmo tempo divertidos de ler, mas também nos dizem muito sobre a nossa sociedade, o clima, como agimos nas mídias sociais (o jogo), o que lemos e postamos na internet (ruído) ou para onde vai todos os nossos dados de usuários e como ele é usado (a bolha).
4. Nos fala um pouco sobre Henrik "HP" Petterson e Rebecca Normén.

AM: HP reflete das pessoas em modo geral, dizendo: "Eu sou único, eu mereço mais do que eu tenho, eu quero apreço, reconhecimento e fama". Mas ele também é a nossa criança interior, em que parte de nós quer apertar o botão do elevador que diz "aperte em caso de emergência". Certa vez, um leitor sugeriu que HP é o que as pessoas são no final da adolescência e início da fase adulta com 20 anos, onde tudo deve girar em torno deles. Eu amo HP, mas ele pode ser bastante desagradável de lidar. É por isso que eu inventei a sua irmã Rebecca Normén, que é agente do serviço secreto. Ela faz tudo pelo código de conduta, cuida do que a cerca e planeja o futuro. Rebecca é uma pessoa controlada, gerente de segunra e sempre me leva verificar uma saída de emergência em qualquer ambiente. 

Talvez você poderia dizer que a Rebecca é o adulto que a maioria de nós se transforma aos nossos 20 anos, quando assumimos responsabilidades e obrigações, que por vezes vão além de nós mesmos. Entre os dois, eu sou muito mais Rebecca que HP. Mas, não totalmente.

5. O que você acha que os amantes de romance policial vão gostar na trilogia The Game?

AM: O ritmo, as idas e vindas, reviravoltas inesperadas, as referências da cultura pop e espero que os toques de humor negro.
6. Como você descreveria o seu estilo de narrativa?

AM: Uau... essa é uma pergunta difícil. Provavelmente eu sou curto e direto, vou logo ao ponto. A razão de HP usar um monte de frases em inglês é porque na época eu trabalhava para uma empresa americana, eu só escrevia e falava em inglês no meu trabalho. Às vezes, a palavra em inglês saía antes do sueco, mas ao invés de corrigir, eu deixava HP manter, já que funciona muito bem com o personagem.

7. Onde e quando você prefere escrever?

AM: Eu escrevo no meu escritório, entre 10 e 16 horas, durante a semana. A escrita é agora o meu trabalho e trato ela dessa maneira. Mas tenho que admitir que, quando eu chego perto do prazo para entregar meus trabalho, eu faço hora extra, escrevendo das 10 até 02 da madrugada. Eu trabalho surpreendentemente bem quando minha família toda está dormindo.

8. Nos diga, quais foram os escritores que te influenciaram e porquê?

AM: Uau... há muitos para contar.  Eu aprendi a maioria das minhas habilidades com outros escritores. Citando alguns, eu realmente adoro Paul Auster, Gillian Flynn e o norueguês Jo Nesbo. Atualmente estou lendo Elena Ferrante.

9. Você está trabalhando em algum projeto agora?

AM: Eu estou escrevendo a segunda parte do que provavelmente vai ser uma séries de quatro livros independentes. Parece um pouco contraditório, eu sei, esses livros se relacionam no estilo, localização e tom, porém não na trama. A primeira parte chama "Final do Verão", acaba de ser lançada aqui na Suécia e é um grande sucesso. O livro é muito diferente da trilogia O Jogo, bem como da série MemoRandom, tem um ritmo mais lento e um tom mais melancólico.

A série gira em torno de um menino de 5 anos, que desapareceu de uma fazenda em uma pequena aldeia na zona rural no início dos anos 80 e reaparece mais tarde, ainda jovem, com 20 anos, porém com algumas memórias perturbadoras. 

A vila em questão é a minha e assim como eu, o protagonista da história tem uma irmã mais velha. Vera é a irmã mais velha do garoto desaparecido e tem 12 anos quando a história começa nos anos 80. 

Eu queria escrever esse tipo de história há algum tempo, principalmente para ver se eu poderia lidar com uma mudança de estilo e escrever um thriller lento, sem utilizar das minhas ferramentais habituais. A julgar pela resposta do leitor aqui na Suécia, está sendo um sucesso.

O livro que estou escrevendo agora é chamado de "Início da Queda" e começa em 1989 com cinco jovens em uma festa de pijama em um lago, dias antes de entrar na vida adulta. Como você provavelmente já adivinhou, a noite vai se tornar um ponto de passagem para todos eles, mas não da maneira que esperavam. E um deles vai acabar morto.
10. Por que você acha que os thrillers suecos estão fazendo tanto sucesso fora da Suécia?

AM: Eu acho que são diversos fatores. Primeiro, a Suécia é considerado um lugar muito seguro para se viver e a dinâmica entre o seguro e o perigoso é sempre um grande começo para qualquer enredo. Segundo, somos um país do norte, com invernos longos e escuros, verões curtos e brilhantes, onde o dia parece que nunca vai acabar, com uma natureza e clima que criam um pano de fundo interessantes. Em terceiro lugar, o sucesso gera sucesso, significando que a competição encoraja os escritores a continuar melhorando suas habilidades e competências. O sucesso dos outros escritores aumenta o interesse pelo o gênero em geral. Nós todos somos beneficiados com esse sucesso, tanto os escritores como os leitores.
11. Existem planos para adaptações dos seus livros para a TV ou Cinema?

AM: Tanto a trilogia The Game (O Jogo) como Memorandom tiveram seus direitos adquiridos por empresas que produzem séries para a televisão. Para ser honesto, esse foi um processo longo para acontecer, especialmente quando você está lidando com o mundo de Hollywood. Espero que possamos ver HP,  Rebecca ou David Sarac na tela da tv, em algum momento.
12. Obrigado novamente pela entrevista Anders. Que mensagem gostaria de deixar para os brasileiros e leitores da Saga Literária?

AM: Eu gostaria de agradecer aos leitores no Brasil que realmente levaram HP, Rebecca e O Jogo em seus corações e espero um dia ter a chance de conhecê-los pessoalmente, em algum momento no futuro.

26 comentários:

  1. Olá Yvens, tudo bem? Nossa que tudo uma entrevista internacional hein? Parabéns. Muito sucesso e muitas leituras à você. Ainda não li nenhum livro da Darkside, mas já li muitos comentários positivos sobre essa editora espero ler um de seus livros muito em breve.
    http://www.facesemlivros.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Faby, em breve teremos mais entrevistas internacionais!

      Excluir
  2. Eu ainda não li os livros dele mas estou com muita curiosidade, eu, como uma boa amante de romance policial, vi que muita coisa na série vai me agradar e não vejo a hora de ler. Gostei bastante das respostas do autor e de ver a primeira entrevista internacional aqui do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beatriz, a trilogia é muito boa, vale investir!

      Excluir
  3. Oiii Yvens, como vai?
    Que louco, meu deus!!! Se é louco de sortudo amigo ahuaahuahaua sério conseguir entrevista com esse autor incrível é de emocionar mesmo, parabéns e amei as perguntas, ele é um cara incrível.
    Beiijnhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem amiga e você?
      Então, tenho mais entrevistas internacionais, em breve irei publicar, esperando apenas os autores responder!
      Bjus

      Excluir
  4. Olá!
    Não conhecia o autor e fiquei mega interessada. Adorei as perguntas e respostas.
    E que show hein?! Uma entrevista internacional! Parabéns.
    Gostei demais.
    Sucesso!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcia,
      pesquisa mais sobre o autor, tem essa trilogia publicada pela Darkside e também Memorandom publicada pela Record. Bjus

      Excluir
  5. Parabéns pela entrevista com o autor!
    Eu ainda não o conhecia, nem a trilogia,
    Mas pelo que ele falou com certeza eu me identificarei com o estilo de escrita dele!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, parabéns pela super entrevista internacional e pela entrevista em si, muito boa. Adoro livros policiais e pela entrevista me interessou os livros, vou procurar resenhas sobre eles, bjs e até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Paula, se tiver oportunidade, pode ler sem medo! Os livros são bem legais!

      Excluir
  7. Estou louca para ler esta série, então qual não foi minha surpresa ao me deparar com esta ótima resenha. Parabéns, pude conhecer um pouco mais sobre o autor.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabrica dos Convites,

      em breve teremos mais entrevistas internacionais, fique atenta!
      Bjuss

      Excluir
  8. Olá!
    Nossa, que chique, estão ficando internacionais rsrs
    Adorei a entrevista! Adoro este estilo de histórias e estou com os dois primeiros volumes para ler aqui, espero que eu realmente adore! Gostei de conhecer um pouco mais sobre o autor.
    Beijos.
    https://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina, tudo bem?
      Acredito que vai gostar sim, os livros são bem legais, envolventes e bem construídos!

      Excluir
  9. Olá! Tudo bem?
    Não conhecia o autor e os livros, mas gostei! Parabéns pela entrevista, internacional ainda! Ual, que máximo! Quanto prestigio para o blog! Adorei conhecer o autor e sua obra e fiquei super feliz pela conquista do blog! Parabéns e sucesso sempre! Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sophia!
      Em breve tem mais!
      bjus

      Excluir
  10. A entrevista ficou fantástica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo,
      está faltando a nossa!

      Excluir
  11. Uou, entrevista internacional? Meus parabéns =D
    Eu ainda não conhecia a série, mas parece bem bacana, principalmente se foi lançada pela Dark hahha, que parece que só publica os tops do mercado :) Legal saber que os direitos já foram adquiridos. Espero que saia uma série, pois parece bem interessante =D
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A trilogia ficou top! Com a Dark, melhor ainda!

      Excluir
  12. Nossa! Que chique e bacana uma entrevista internacional.
    Confesso que sabia quase nada sobre ele e sua obra.
    Achei a entrevista bem interessante e curti saber apesar de não curtir muito o estilo da escrita.

    ResponderExcluir
  13. Eu já tinha vontade de conhecer melhor a história, agora depois de conhecer o autor fiquei ainda mais curiosa.
    Como resistir? hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Anders é muito gente boa, parece ser um cara bem legal!

      Excluir