09/11/2016

[FILMES] TARZAN - 100 ANOS DE HISTÓRIA

        Filme A Lenda de Tarzan - 2016

        
Tarzan está comemorando 104 anos desde a sua primeira publicação em 1912. Eu sempre fui super fã do Tarzan criado pelo escritor Edgar Rice Burroughs, são os meus livros preferidos de aventura. Um filme foi lançado em julho, mas só tive a oportunidade de assistir agora. Os pontos altos do filme foram a fotografia que ficou maravilhosa, e também a presença da maravilhosa atriz Margot Robbie que ficou famosa no filme "O Lobo de Wall Street" por causa de seu corpo estonteante. O ponto negativo foi os efeitos especiais que deixou desejar, no geral eu dou uma nota 8 para o filme, mas se Margot não estivesse no filme eu daria 7.

 (A Lenda de Tarzan), é um filme de ação e aventura dirigido por David Yates, baseado no personagem Tarzan, criado por Edgar Rice Burroughs. The Legend of Tarzan é coproduzido por Jerry Weintraub, e escrito por Stuart Beattie, Craig Brewer, John Collee e Adam Cozad. Tem a participação de Alexander Skarsgård como Tarzan, Samuel L. Jackson, Margot Robbie, Djimon Hounsou e Christoph Waltz. A fotografia foi iniciada em junho de 2009 nos estúdios da Warner Bros. em Leavesden no Reino Unido. A Warner, Village Roadshow Pictures e Jerry Weintraub Productions coproduziram o filme com a Dark Horse Entertainment e Riche Productions. Foi lançado em 1 de julho de 2016 em 3D e IMAX 3D. O filme é dedicado a Weintraub, que faleceu em 6 de julho de 2015.

Já se passaram muitos anos desde que o homem conhecido como Tarzan deixou as selvas de África para viver em Londres como John Clayton III, Lorde Greystoke, junto de sua esposa, Jane Porter. Agora, foi convidado para regressar ao Congo para servir como emissário do Parlamento, sem perceber que é apenas um peão numa convergência letal de ganância e vingança, engendrada pelo corrupção|corrupto Capitão Rom.

Elenco
Alexander Skarsgård como John Clayton III, Lord Greystoke / Tarzan. Sobre o seu personagem, Skarsgård disse "é um homem que está agarrado atrás e lentamente vai descascando as camadas, ficando num estado mais animalesco, permitindo que esse lado da sua personalidade saia para fora. Para ficar na forma de Tarzan, Skarsgård esteve quatro meses em regime de treino antes de começarem a produção de fotografia.

Rory J. Saper como o jovem Tarzan
Margot Robbie como Jane Porter
Ella Purnell como a jovem Jane Porter
Samuel L. Jackson como George Washington Williams
Christoph Waltz como o Capitão Rom, um capitão belga impiedoso e corrupto.
Djimon Hounsou como o Chefe Mbonga
John Hurt como Professor Archimedes Q. Porter, pai de Jane, sogro de Tarzan.
Simon Russell Beale como o Senhor Frum
Osy Ikhile Como No
Casper Crump como o Capitão Kerchover
Ashley Byam como Kasai
TRAILER






A maravilhosa atriz Margot Robbie ao lado de Jane da Disney

                                                          






Contexto histórico - A Jornada de Tarzan 

Tarzan ou Tarzã é um personagem de ficção criado pelo escritor estadunidense Edgar Rice Burroughs na revista pulp All-Story Magazine em 1912 e publicado em formato livro em 1914. O personagem apareceu em mais vinte e quatro livros e em diversos contos avulsos. Outros escritores também escreveram obras com o herói: Barton Werper, Fritz Leiber, Philip José Farmer.

Tarzan é filho de aristocratas ingleses que desembarcam em uma selva africana após um motim. Com a morte de seus pais, Tarzan é criado por macacos ("manganis", na linguagem dos símios, criada por Burroughs) na África. Seu verdadeiro nome é John Clayton III, Lorde Greystoke. Tarzan é o nome dado a ele pelos macacos e significa "Pele Branca". É uma adaptação moderna da tradição mitológico-literária de heróis criados por animais. Uma destas histórias é a de Rômulo e Remo, que foram criados por lobos e posteriormente fundaram Roma.

Por ter sobrevivido na selva desde sua infância, Tarzan mostra habilidades físicas superiores às de atletas do "mundo civilizado", além de poder se comunicar com os animais. No final do primeiro volume, Tarzan renuncia ao amor de Jane e ao título, por acreditar que ambos estariam melhor com o primo. Somente no romance seguinte, The Return of Tarzan, de 1913, o casal passa a viver junto. A visão da África criada por Burroughs tem pouco a ver com a realidade do continente, pois ele inventa que a selva africana esconderia civilizações perdidas e criaturas estranhas. Burroughs, entretanto, nunca esteve na África.

Onde comprar  - Saraiva  - Estante Virtual

No Brasil
Dezoito livros de Tarzan foram publicados no Brasil pela Companhia Editora Nacional a partir de 1933, na coleção Terramarear. As traduções foram feitas por importantes escritores, como Monteiro Lobato, Godofredo Rangel, Manuel Bandeira e outros. Na década de 1970, a Editora Record relançou oito desses volumes, com capas de Burne Hogarth. No final da década de 1980, foram publicados pela editora Tempo Cultural. Esses livros foram traduzidos do espanhol e não do inglês. Em Janeiro de 2014, o livro Tarzan dos Macacos foi republicado pela Jorge Zahar Editor com tradução de Thiago Lins e ilustrações de Hal Foster em decorrência do lançado do filme animado alemão Tarzan: A Evolução da Lenda e o centenário do lançamento do romance em livro. Já em Portugal, a editora Portugal Press, de Lisboa, editou a obra completa do herói.

Os Filmes
Entre 1918 e 2016 foram produzidos mais de 60 filmes e séries sobre Tarzan, alguns deles foram filmados no Brasil. Um dos filmes mais conhecidos foi " Greystoke - A Lenda de Tarzan" de 1984 com Christopher Lambert, as animações da Disney também ficaram muito famosas. Ron Ely interpretou Tarzan em uma cultuada série que teve cinquenta e sete episódios entre 1966 e 1968. Alguns episódios duplos foram fundidos e exibidos nos cinemas.

Os estúdios Filmation produziram, entre 1976 e 1977, a série animada Tarzan, Lord of the Jungle, mais tarde, a série dividiu blocos de animação com outras séries, exemplo é a presença, no desenho da Filmation, do macaquinho N'kima como mascote de Tarzan, em vez da chimpanzé Cheetah, que só existia nos cinemas. Este desenho foi exibido no Brasil pelo canal SBT nas tardes dos anos 1980, voltando a ser exibido recentemente nos sábados, pela manhã.

Em 1989, foi lançado o telefilme Tarzan in Manhattan, estrelado por Joe Lara, entre 1991 e 1994, foi exibida a série franco-canadense-mexicana Tarzán, estrelada por Wolf Larson, entre 1996 e 1997, Joe Lara volta a interpretar o personagem em Tarzan: The Epic Adventures, apesar disso, a série não possui cronologia com o telefilme. Em 2003, surge uma outra série live-action, estrelada por Travis Fimmel.

O primeiro Tarzan do cinema foi Elmo Lincoln, no filme Tarzan, O Homem Macaco ou Tarzan dos Macacos (Tarzan of the Apes), de 1918. Lincoln também estrelou o filme seguinte, O Romance de Tarzan ou Os Amores de Tarzan (The Romance of Tarzan, 1918) e o seriado As Aventuras de Tarzan, 1921, quinze episódios. Na era muda foram produzidos quatro filmes e quatro seriados com o herói; além de Lincoln, ele foi interpretado, entre outros, por Gene Pollar e James Pierce.

O primeiro Tarzan do cinema sonoro foi também o mais famoso: o nadador estadunidense Johnny Weissmuller, que encarnou o herói em doze fitas, primeiro na MGM, depois na RKO. O refinado lorde dos livros foi transformado por Weissmuller em um selvagem que conseguia apenas grunhir e emitir frases monossilábicas, do tipo "me Tarzan, you Jane" (que ele, a bem da verdade, nunca disse. O que ele disse no filme Tarzan, O Filho das Selvas foi, simplesmente "Tarzan… Jane", apontando para si mesmo e depois para Jane Porter. Weissmuller é responsável por emitir, pela primeira vez, o famoso grito de vitória de Tarzan. Esse grito, que seria reproduzido por todos os Tarzans subsequentes, não passava de uma hábil mixagem dos sons de um barítono, uma soprano e de cães treinados.

Devido à censura da época, os trajes de Weissmuller e, principalmente, de O'Sullivan foram aumentando de tamanho de filme para filme; a censura também é responsável pela ausência de filhos da dupla, que não era legalmente casada: Boy (vivido por Johnny Sheffield), introduzido em O Filho de Tarzan -1939) não era filho do casal e, sim, adotado, conforme mostra o título original. Nos livros, no entanto, Tarzan e Jane são pais do menino Korak, que chega à idade adulta nos romances finais.

Depois de atuar em Tarzan e a Caçadora -1947, Johnny Sheffield disse adeus ao papel de Boy, porque já estava com dezesseis anos. Ele foi para a Monogram e fez os doze filmes da série Bomba, o Filho das Selvas/Bomba The Jungle Boy (um personagem inspirado em Tarzan, publicado em uma série de livros publicada entre 1926 e 1938, entre 1949 e 1955.

Quando já não possuía o físico necessário para viver o herói, Weissmuller estrelou a série Jim das Selvas/Jungle Jim para a Columbia. Foram dezesseis filmes entre 1948 e 1955. Nesse ano, o herói foi para a televisão, onde foram feitos vinte e seis episódios de meia hora cada, com um Weissmuller já gordo e envelhecido. Outros Tarzans que ficaram famosos foram Lex Barker, que substituiu Weissmuller a partir de 1948 e Gordon Scott, que é considerado por alguns críticos como o ator que melhor interpretou o herói. Já Mike Henry é visto como o mais parecido com os desenhos de Burne Hogarth.

Das atrizes que interpretaram Jane, a única lembrada é Maureen O'Sullivan, que fez os seis primeiros filmes da série com Johnny Weissmuller e depois saiu porque não queria ficar presa à personagem. Jane não aparece em todos os filmes de Tarzan: ela esteve em apenas um dos cinco filmes com Gordon Scott e esteve ausente de todas as produções com os Tarzans Jock Mahoney, Mike Henry e Ron Ely. Foi noticiado que a personagem Cheeta, a macaca (Cheeta, na verdade era um macho) que protagonizou os filmes da década de 1930 e 1940 e do seriado para televisão da década de 1960, faleceu em 2011, aos 80 anos de idade, notícia essa, entretanto, colocada em dúvida por uma reportagem da agência de notícias Associated Press, pela ausência de documentos que comprovem se tratar do mesmo primata, além de outras inconsistências apontadas.                                                     
A atriz Maureen O'Sullivan

Os Quadrinhos
Hal Foster foi o primeiro artista a desenhar o herói em tiras de aventura: a estreia foi  em novembro de 1928 na revista inglesa Tit-Bits, em 7 de janeiro de 1929, estreou nos jornais americanos, coincidentemente essa também foi a data de estreia da adaptação de outro herói dos pulps, Buck Rogers, foram publicadas as sessenta tiras diárias de Tarzan dos Macacos.                                                       
A partir de 1937, Foster foi substituído por Burne Hogarth. Influenciado por Michelângelo e pelo expressionismo alemão, Hogarth utilizou seus conhecimentos de anatomia para mostrar uma explosão de músculos, um turbilhão de movimentos, paisagens atormentadas mas vibrantes, selvas fantasmagóricas e raízes com formas monstruosas. Ele desenharia essas páginas até 1950, quando foi substituído pelo também importante Bob Lubbers, mas voltou em 1972, com uma nova versão da história de Tarzan em forma de livro. Rex Maxon começou uma longa série de aventuras de Tarzan ainda em 1929, quando Foster se recusou a desenhar O Retorno de Tarzan. Dono de um traço duro, que melhorou com o tempo, Maxon desenhava tiras diárias, distribuídas para os jornais do mundo inteiro, mas se encarregou também de páginas dominicais durante vinte e oito semanas em 1931, enquanto Foster não voltava. Maxon desenhou Tarzan até 1947.

A partir de 1968, no entanto, tanto as tiras diárias quanto as páginas dominicais foram entregues a outro artista:Russ Manning, que também desenhou as histórias de Korak, o filho de Tarzan. Mestre absoluto do preto e branco, Manning desenvolveu uma visão moderna do herói, sem os barroquismos de Hogarth. Vários outros desenhistas se dedicaram ao personagem. Dentre os autores, destaca-se Gaylord DuBois. Poucos artistas conseguem capturar a essência da figura humana em sequências de ação como Joe Kubert. Seu expressivo talento encontra-se plenamente exposto nas HQs do Tarzan da década de 1970.

Tarzan apareceu em muitas revistas em quadrinhos em vários editoras. Em 1947, o personagem foi publicado pela Dell Comics em parceria com Western Publishing. O Tarzan da Dell pouco tinha a ver com os livros Edgar Rice Burroughs, era mais parecido com o Tarzan dos cinemas. Pelo selo Whitman, a Western publicou uma série de Big Little Books do personagem. Inspirado nos filmes estrelados por Johnny Weissmuller, o filho de Tarzan era Boy, que substituía o Korak, presente nos livros, na década de 1960, Boy substituído por Korak.

Em 1962 a parceira entre a Dell e Western foi desfeita, logo foi criado pelo Western, o selo Gold Key Comics.Tarzan foi um dos títulos publicados pela Gold Key. Entre Dezembro de 1964-julho 1965, a Charlton Comics publicou a revista Jungle Tales of Tarzan, a editora pensava que com a morte do criador em 1950, o herói estive em domínio público. Em 1972, a DC consegue a licença de Tarzan e inicia uma série de quadrinhos produzida por Joe Kubert, a primeira edição da revista é a número 207, continuando a numeração da Dell Em 1977, a DC publica seu último número de Tarzan, encerrada na edição 259, nesse mesmo ano o personagem passa a ser publicado pela Marvel Comics, na Marvel a numeração é reiniciada, a revista teve 29 edições e possuía arte de John Buscema.

Dark Horse Comics publica várias séries Tarzan desde 1996 até os dias atuais, incluindo republicações de editoras anteriores como a Western/Gold Key, em parceria com a DC, publicou  crossover de Tarzan com Batman e Superman: Batman/Tarzan,Tarzan também lutou contra os Predadores e alienígenas.Em dezembro de 2011, a Dynamite Entertainment lançou a série Lord of the Jungle, estrelada por Tarzan, a editora evitou usar o nome do personagem na capa, a fim de não violar a marca registrada, mesmo que o personagem esteja em  domínio público. No entanto, em 2012, a Edgar Rice Burroughs, Inc. processou a editora.

Em 2012, a Edgar Rice Burroughs, Inc. iniciou a publicação de webcomics em seu site oficial, incluindo Tarzan pelo roteirista Roy Thomas e o ilustrador Tom Grindberg e Tarzan dos Macacos, também roteirizada por Thomas, ilustrada por Pablo Marcos com letras e cores de Oscar Gonzales. 2013, Dynamite Entertainment  publicou um crossover com outro personagem do autor, John Carter de Marte na minissérie Lords of Mars. Em 2014, o filho de Tarzan, Korak, ganhou uma webcomic solo, roteirizada por Ron Marz e ilustrada por Rick Leonardi.

Em 2015, o selo Sequential Pulp Comics da Dark Horse publicou a graphic novel Jungle Tales of Tarzan, escrita por Martin Powel.  A capa foi desenhada por Daren Bader. No mesmo ano, a Dynamite anunciou um crossover de Tarzan e Sheena. Em 2016, foram anunciados crossovers com King Kong, publicado pela Altus Press e Planeta dos Macacos, publicado pela Dark Horse com a Boom! Studios.

No Brasil, a primeira publicação do herói deu-se no número 31 do Suplemento Juvenil, de 10 de outubro de 1934, com Tarzan, O Filho das Selvas, a história desenhada por Harold Foster cinco anos antes. Com o sucesso, as tiras foram reunidas no álbum "A Primeira Aventura de Tarzan em Quadrinhos", relançado em 1975 pela EBAL. Em seguida o Suplemento Juvenil passou a publicar A Volta de Tarzan e depois histórias de Rex Maxon e Burne Hogarth. O primeiro número da revista dedicada exclusivamente ao herói data de julho de 1951 e trazia uma foto de Lex Barker na capa. A revista seria a mais duradoura da história da EBAL, tendo sido editada, de várias formas. 

A EBAL lançou também várias edições especiais.A Editora Abril publicou histórias baseadas no filme animado da Disney. Entre 2002 e 2003, as tiras de Russ Manning foram publicadas nas edições #1 e #2 da revista Stripmania da Opera Graphica. Em maio de 2010, a Devir Livraria anuncia o lançamento da versão traduzida de Joe Kubert, englobando em um único volume do número 207 ao 214, com introdução do próprio autor. Em 2015, a Pixel Media (selo de quadrinhos da Ediouro Publicações) publica a graphic novel  "Tarzan: Contos da Selva".

Rádio
Nos Estados Unidos, Tarzan era o herói de dois programas de rádio populares: o primeiro entre 1932 e 1936 com James Pierce no papel-título; o segundo entre 1951 e 1953, estrelado por Lamont Johnson. Na Argentina, no início de 1950, a Radio Splendid lançou uma série chamada Las aventuras de Tarzán, com César Llanos papel principal.

Trabalhos inspirados em Tarzan
Tarzan inspirou uma série de personagens selvagens nos pulps, filmes e quadrinhos chamados de tarzanides e garotas das selvas.

Dicionário da selva
Edgar Rice Burroughs inventou toda uma língua para os mangani, isto é, os grandes macacos que criaram Tarzan. Esses termos estão espalhados, não só por seus livros, mas também pelos quadrinhos e outras mídias. Essa língua é entendida pelos primatas—macacos, babuínos e gorilas—e também pelos primitivos sagoths de Pellucidar. Os Ho-don e os Waz-don de Pal-ul-Don entendem algumas palavras, apesar de terem linguagem própria. A maioria das criaturas da selva de Tarzan, de leões a elefantes, entende a língua, mas, obviamente, não a fala.

Ainda que transcrita foneticamente para a linguagem humana, a fala dos mangani, segundo Burroughs, "soa aos nossos ouvidos como rosnados, uivos e grunhidos, pontuada às vezes por gritos agudos, e é, praticamente, intraduzível para qualquer língua conhecida pelo Homem.Apesar de apenas uma parte dessas palavras aparecer em suas obras, Burroughs providenciou uma lista completa delas no livreto Tarzan Clans of America Official Guide, escrito em 1939 para um fã-clube. 

Edgar Rice Burroughs

Edgar Rice Burroughs foi um escritor norte-americano, conhecido pelos personagens Tarzan e John Carter. Em 1912 ele publicou Tarzan dos Macacos pela primeira vez, ainda em 1912 publicaria A Princesa de Marte, com o famoso personagem John Carter, que foi levado há pouco tempo para o cinema, em John Carter entre dois Mundos. Ele escreveu mais de 100 livros:Tarzan,  Marte, Guerra Civil Americana, romances históricos, faroeste e algumas séries de Literatura Fantástica. 

 John Carter, herói da guerra civil americana que foi abduzido por marcianos verdes, salvou uma princesa inimiga e se meteu na guerra civil marciana. A série de ficção cientifica foi escrita inicialmente como contos, iniciados em 1912, e depois se transformaria numa coleção de 11 livros. Ele também foi jornalista antes de se tornar escritor. Ao morrer, em 1950, Burroughs foi enterrado numa pequena cidade do estado da Califórnia chamada Tarzana.


Edgard  participou de uma meia dúzia de escolas públicas e privadas, antes que ele finalmente se formou em 1895 a partir de Michigan Academia Militar, uma instituição que ele descreveu como "uma escola de reforma educado."

Tendo falhado no exame de admissão para a Academia Militar dos EUA em West Point, alistou-se como soldado na Sétima Cavalaria dos Estados Unidos, pois ele tinha a noção de que ainda pode obter uma comissão como oficial se ele realizar uma tarefa difícil. Assim, ele pediu para ser enviado para o pior lugar  pedido que foi rapidamente concedido, foi enviado para Fort Grant no deserto do Arizona, e sua missão, como ele dizia, era "perseguir os Apaches". "Eu persegui  muitos Apaches", ele nos diz: "Mas, felizmente para mim, eu nunca encontrei com qualquer um deles."

Burroughs logo encheu-se de Fort Grant, e depois de apelar para o pai para sair, sua dispensa foi organizada através de amigos. Em 1900, ele se casou com Emma Centennia Hulbert, que obedientemente o seguiu por onze anos  em toda a América. Ele se tornou um cowboy em Idaho, em seguida, comerciante, um policial da estrada de ferro, um mineiro de ouro, e até mesmo um "perito contador", embora ele não sabia nada da profissão. Durante todo este período, ele de alguma forma levantou dinheiro para uma série de seus próprios negócios, mas que afundaram.

A vida era sombria para o casal recém-casado. Burroughs ficou deprimido, sua esposa desencorajada. Talvez para escapar da dura realidade de sua própria vida, ou talvez para divertir Emma, ​​ele costumava esboçar charges humorísticas ou escrever contos de fadas fantásticos de outros mundos. Muito mais tarde, ele foi para confirmar o fato de que ele escreveu todas as suas histórias, particularmente aqueles de outros mundos, tanto para seu próprio entretenimento como para a de seus leitores.

"Em todos esses anos eu não aprendi uma única regra para escrever ficção. Eu ainda escrevo como eu fiz há 30 anos; histórias que eu sinto me divertir e me dar o relaxamento mental, sabendo que há milhões de pessoas como eu, que gostam  das mesmas coisas que eu gosto. De qualquer forma, eu tenho uma grande diversão com as minhas fantasias, e eu posso apreciar. "

Em 1911, a posição de Burroughs tinha-se tornado tão desesperada que nem mesmo seus desenhos animados e histórias poderiam bloquear o fato frustrante de seus fracassos sucessivos. Mal sabia  como se virar, e até  se candidatou a uma comissão no exército chinês, onde foi sumariamente rejeitada.Finalmente, ele chegou ao fundo do poço. Ele tinha 35 anos, sem trabalho, sem dinheiro, uma esposa e dois filhos para sustentar, e uma terceira criança viria em breve. Ele poderia comprar comida e carvão apenas por penhorar o relógio e jóias de Emma.

"Então", ele nos diz, "de alguma forma eu tenho de segurar alguns dólares e levou uma agência para a venda de um apontador de lápis preto. Eu não iria tentar vender os apontadores, mas eu anunciava para os agentes que vendiam. Eles não vendiam os apontadores de lápis, mas nos momentos de lazer, enquanto eu estava esperando por eles para voltar para me dizer que eles não tinham vendido nada, eu comecei a escrever sob a luas de Marte, a minha primeira história. "

"Eu não tinha idéia de como submeter uma história ou o que eu poderia esperar de pagamento. Se eu soubesse qualquer coisa, eu nunca teria pensado de submeter metade de um romance, mas é isso que eu fiz. Thomas Newell Metcalf, então editor do All-Story Magazine, publicado pelo The Prank A. Munsey Co., escreveu-me que ele gostou da primeira metade da história e se o segundo for tão bom  ele poderia usá-lo. Se ele não tivesse me dado este incentivo, eu nunca teria terminado a história e minha carreira de escritor teria sido o fim, já que eu não estava escrevendo por causa de qualquer desejo de escrever nem por qualquer amor particular de escrita. Eu estava escrevendo, porque eu tinha uma esposa e dois filhos, uma combinação que não funciona bem sem dinheiro.

"Eu terminei a segunda metade da história e obtive 400 dólares de direitos na  primeira revista. A verificação foi o primeiro grande evento na minha vida. Nenhuma quantidade de dinheiro hoje poderia me dar a emoção que este primeiro cheque de  400 dólares me deu"

Hoje, a história é aclamada pelos estudiosos como o ponto de viragem da ficção científica do século 20, e novas edições que continuam a ser publicadas a cada ano em todo o mundo. Mas, para Burroughs era ainda um caminho longo até virar escritor estabelecido. O próximo livro foi um romance histórico ambientado na Inglaterra dos reis, mas foi rejeitado.Ele quase desistiu, mas a sua editora não quis ouvi-lo. "Tente novamente", Ele o fez, e com o seu próximo romance seu futuro foi decidido para sempre. 

A novela era Tarzan dos Macacos. Um sucesso surpreendente em sua aparência em All-Story Magazine em 1912, Tarzan dos Macacos trouxe à Burroughs apenas 700 dólares, mas depois de ser rejeitado por praticamente todas as principais editora de livros no país,  finalmente foi impressa em forma de livro pela AC McClurg and Co., e tornou-se um bestseller 1914. Uma torrente de novelas seguidas; histórias sobre Marte, Vênus, Apaches, westerns, comentários sociais, histórias de detetive, contos da Lua e do meio da terra e mais e mais livros de Tarzan. No momento em que a caneta foi acalmada,cerca de 100 histórias foram escritas por Burroughs.

Em 1918, Tarzan veio para a tela com Tarzan dos Macacos, estrelado por Elmo Lincoln, o primeiro filme da história a arrecadar mais de um milhão de dólares. Desde então, 41 filmes Tarzan e 57 episódios de televisão  foram produzidos, com um grande sucesso financeiro. Entretanto, Burroughs ficou amargamente decepcionado com os filmes de Tarzan. Muitas vezes ele não iria vê-los. Seu Tarzan era um homem extremamente inteligente, sensível, sentou-se na Câmara dos Lordes, quando não de outra maneira ocupava os terraços superiores da selva Africana, foi um foi homem herói e civilizado, bonito, e acima de tudo, livre.

Em 1919, com a segurança financeira garantida, Burroughs mudou para a Califórnia, onde ele adquiriu a propriedade de 550 acres do general Harrison Cinzento Otis, renomeou  "Tarzana Ranch '. Em 1923, a cidade de Los Angeles estava cercada pelo Rancho Tarzana, e Burroughs vendeu grande parte dele. Em 1930, uma estação de correios foi criada na comunidade, e os 300 moradores realizaram um concurso para encontrar um outro nome à comunidade. O vencedor foi "Tarzana". Hoje, Tarzana tem seu próprio parque, biblioteca, uma auto-estrada, instalações bancárias, centros de boliche, edifícios médicos, clubes de campo e um futuro brilhante para seus 35.000 residentes em uma atmosfera relativamente tranquila.

Em 1923, Edgar Rice Burroughs  tinha vendido milhões de revistas em quadrinhos, e uma série de rádio de Tarzan emocionou ouvintes em todo o país, com a filha de Burroughs, Joan, no papel de Jane, e seu marido, James H. Pierce, como TARZAN. Hoje, os programas de televisão Tarzan são distribuídos para mais de 200 emissoras de TV nos EUA e no exterior. Filmes de Tarzan desempenham sucesso em quase todos os países do mundo a cada dia. Com a ênfase contemporânea no espaço exterior, os escritor de Burroughs sobre Ficção Científica  estão sendo impressos em números cada vez maiores.

Mais importante, ele está gradualmente recebendo a aclamação da crítica, ele foi negado em sua vida. Já não é Tarzan dos Macacos considerado mero entretenimento-de TARZAN é o "macaco nu", o ancestral tribal de Marshall McLuhan. E pensamentos selvagens Burroughs entre as estrelas não estão mais sob o aviso de homens sérios; eles tornaram-se temas para estudiosos e uma inspiração para uma nova geração de escritores de ficção imaginativa.

Ele é lembrado como um homem modesto que nunca tomou a si mesmo ou qualquer outra coisa muito a sério. Seus amigos recordam seu senso de humor pronto, seu grande amor do ar livre e seu orgulho ilimitado em seu país.Em 1942 ele se tornou mais antigo correspondente de guerra dos Estados Unidos, cobrindo histórias com a frota do Pacífico para a United Press. Ele voltou para casa a partir do Pacífico Sul apenas depois de sofrer uma série de ataques cardíacos. Ironicamente, ele foi incapaz de encontrar uma casa adequada em Tarzana, e ele passou seus últimos anos em uma casa modesta no Encino.It nas proximidadesá, em 19 de março de 1950,  Edgar Rice Burroughs usou sua pena de escrever pela última vez.Um estudioso sugere que a última linha do último romance pode ser tomado como própria despedida não intencional 'Tive uma vida muito significativa: "Graças a Deus por tudo."

                             

Nenhum comentário:

Postar um comentário

INSTAGRAM

Publicações Recentes

recentposts

Publicações Populares