[RESENHA #202] ELANTRIS - BRANDON SANDERSON - Saga Literária

Novidades

segunda-feira, março 20, 2017

[RESENHA #202] ELANTRIS - BRANDON SANDERSON


Título: Elantris
Autor: Brandon Sanderson
Editora: Leya
Páginas: 576
Ano: 2012
ISBN: 9788580445046
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Elantris era conhecida como a cidade dos Deuses. Nela, uma bênção chamada Shaod transformava as pessoas em semideuses. Porém, há dez anos, as coisas começaram a mudar e a magia transformou Elantris em uma cidade amaldiçoada, onde as pessoas tocadas pela Shaod se transfiguravam em seres sem vida e sem sentidos próprios. A maldição os tornava mortos-vivos e a cidade tornou-se um cemitério de zumbis.

Resenha: Em Elantris iremos acompanhar a história do príncipe Raoden de Arelon, que da noite para o dia tem seu chamado pela Shaod e se torna um elantrino, um morto-vivo que deve passar o resto de seus dias atrás dos portões de Elantris. O príncipe Raoden é filho do rei de Arelon, Iadon, um soberano que subiu quando da queda de Elantris e que não é muito bem visto pelos seus súditos, tendo em vista as políticas desastrosas que pouco a pouco estão levando Arelon a falência.

"Raoden se virou, empurrando os móveis que estavam em seu caminho enquanto se aproximava do espelho alto em um canto de seus aposentos. A luz do amanhecer aumentara o suficiente para que pudesse ver o reflexo que o encarava de volta: o reflexo de um estranho." p. 14. 

Após cumprir o ritual de entrega daquele que foi chamado aos portões de Elantris, Raoden, se vê dentro da cidade que somente há dez anos foi a mais bela e rica do mundo. Lá não havia enfermos, não havia fome, não havia mortes, porém, Raoden, agora, tinha à sua frente apenas uma cidade em ruínas, tomada pelo lodo e com mortos-vivos por todos os lados.

Em pouco tempo Raoden aprende que até mesmo numa decadente Elantris existem perigos maiores do que a morte: As gangues. Ele também aprende que a dor em Elantris é eterna, assim como a fome e todo cuidado é pouco, pois cada machucado tem sua dor amplificada e vai apenas somando-se aos outros e aumentando cada vez mais a dor.

"Um homem viu que Raoden os observava. A criatura rosnou, estendendo a mão para agarrar a clava quase esquecida em seu lado. Raoden procurou freneticamente por uma arma e encontrou um pedaço de madeira um pouco menos podre do que o resto. Segurou a arma com as mãos inseguras, tentando projetar um ar de perigo." p. 18.

Raoden, conhece Galladon, um homem que diz ter sido apenas um fazendeiro de Duladel, antes de ser chamado pela Shaod. Ambos acabam fazendo um acordo e consequentemente, se tornando amigos, contrariando todo o caos que reina em Elantris. O chamado de Shaod, tirou tudo de Raoden, inclusive sua esposa que não conheceu: Sarene.

Sarene é a princesa de Teod, que por um acordo comercial, se casa com Raoden. Quando chega Kae, que abriga a aristocracia de Arelon, pretendendo fazer uma surpresa para seu marido que nunca conheceu, descobre que é viúva. Raoden está morto, vitimado por uma súbita doença.

"Sarene desceu do barco para descobrir que era viúva. Uma notícia inesperada, é claro, mas não tão devastadora quanto poderia ter sido. Afinal, não chegara a conhecer se marido. De fato, quando Sarene deixara sua terra natal, ela e Raoden eram apenas noivos." p. 24.

Sarene não é uma princesa comum, ela é forte, inteligente, resoluta e uma líder nata. Desconfiada do mal súbito de seu falecido marido, Sarene vai fazer de tudo para descobrir a verdade, enquanto lida com sua nova posição em Arelon, seu novo pai, Iadon e também, um rival inesperado: Hrathen.

Hrathen, chega em Arelon com uma única missão: converter o povo de Arelon à religião derethi. Hrathen é um gyorn, um alto sacerdote que tem conexão direta com Wyrn, o senhor do Império Jaddeth, que conquistou e converteu quase todos os países, com exceção de Arelon e Teod. Sua missão deve ser completada em três meses ou Arelon e Elantres serão invadidas e purificadas pelo exército do Império Jaddeth

"Ninguém do povo de Arelon saudou seu salvador quando ele chegou. Era uma afronta, é claro, mas não inesperada." p. 37.

Opinião: Elantris de Brandon Sanderson, me arrebatou desde suas primeiras linhas. Não só pelo núcleo de personagens cativantes, mas também pela narrativa do autor que é bastante fluída e acolhedora. Os diálogos são sempre bem colocados e a cada cena de reunião dos personagens, a imersão é tão grande que você acaba realmente se sentindo parte do acontecimento.
Como toda trama que se preze, as conjecturas políticas de Elantris avançam com intuito de salvar o reino da desgraça financeira que as leis de Iadon impôs em seu reino. A crítica social também está bastante presente em Elantris, pois pode-se ver como os personagens da trama demonstram sua rejeição clara e abertamente aos que são chamados pelo Shaod, que por sua vez se tornam os elantrinos que devem viver trancados dentro dos portões de Elantris.

A crítica política é clara quando das conjeturas, associações e traições que vão ocorrendo durante a trama toda. Um cenário político que é bastante comum em muitas tramas medievais e que se estendem até os nossos dias.
Acredito que a maior crítica que Elantris apresenta seja a religiosa. Através do ultimato de Wyrn, fica claro pela demonstração que de uma forma ou de outra a religião Jaddeth será implantada como a única e verdadeira. Uma luta pelo poder religioso e político de uma certa forma. A imposição de um estado pela força e pela morte se for preciso.

Outra faceta de Elantris é a demonstração de que com o direcionamento certo, as coisas podem melhorar, se tornarem suportáveis e até mudarem completamente, desde que se tenha vontade.
Elantris de Brandon Sanderson, tem um ritmo muito bom e contagiante, como disse acima. Uma obra que não cansa em nenhum momento da história e em alguns momentos a história vai te dar algumas belas surpresas e é isso que faz esse livro ser tão bom.

A edição de Elantris é de brochura com páginas amareladas, fontes confortáveis e apesar de suas 576 páginas oficiais, a edição aguentou bem a leitura, sendo carregada para todos os lados, sem qualquer sinal de deterioração.
Gostaria de agradecer a editora LeYa por ter cedido o livro para esta resenha e lembrar a todos vocês que Elantris de Brandon Sanderson é I.M.P.E.R.D.Í.V.E.L.

8 comentários:

  1. Talvez, se só conhecesse a sinopse desse livro, não teria vontade de ler. Porém, já li outro livro desse mesmo autor e gostei bastante. Acredito que por isso leria bem essa história.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, foi o primeiro livro que li dele e gostei bastante mesmo. Muito obrigado, beijos.

      Excluir
  2. Olá, tudo bem? Tenho MEGA vontade de começar a ler algo do autor, já que sempre vejo elogios para suas séries. Ainda estou decidindo quais série começo, essa ou Mistborn mas sei que sempre posso ter altas expectativas. Adorei a tua resenha e ela só me deixou com mais curiosidade ainda <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, é um ótimo começo. Eu gostei muito e muito obrigado, viu. Beijos.

      Excluir
  3. Oie
    ainda não conhecia o livro mas parece ser super legal, é um gênero bem instigante e diferente do que costumo ler mas parece valer muito a pena

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catharina, vale sim. Muito obrigado. Beijos.

      Excluir
  4. Oi Jeffa, tudo bem?
    O que é esse Shaod? E por que o príncipe tinha que obedecer ao seu chamado, já que perderia a vida e a esposa? Ele não tinha escolha? Achei esse enredo bem diferente e como sou fã de fantasia já estou muito curiosa e bem animada depois da sua resenha que ficou ótima!!! Não vejo a hora de ler.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cila, Shaod, na atual situação de Elantris, era um chamado da morte. Quem era chamado não tinha escolha alguma e perdia tudo e era considerado morto. Leia sim, pois tudo fica bem explicado na história. Vale muito a pena. Muito obrigado, viu. Beijos.

      Excluir