[RESENHA #273] BELAS MALDIÇÕES - NEIL GAIMAN E TERRY PRATCHETT - Saga Literária

Novidades

quarta-feira, junho 21, 2017

[RESENHA #273] BELAS MALDIÇÕES - NEIL GAIMAN E TERRY PRATCHETT


Título: Belas Maldições
Autores: Neil Gaiman e Terry Pratchett
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 350
Ano: 2017
ISBN: 9788528622003
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Um descendente direto de O Guia do Mochileiro das Galáxias escrito por dois dos maiores autores britânicos de fantasia. O mundo vai acabar em um sábado. No próximo sábado, e ainda por cima antes do jantar. O que é um grande problema para Crowley, o demônio mais acessível do Inferno, residente na Terra, e sua contraparte e velho amigo Aziraphale, anjo genuíno e dono de livraria em Londres. Depois de quatro mil anos vivendo entre os humanos, eles pegaram um gosto pelo mundo, e o Armagedom lhes parece um evento bastante inconveniente. Então, para evitar o fim do mundo, precisam encontrar a chave de tudo: o jovem Anticristo, agora um menino de 11 anos vivendo tranquilamente em uma cidadezinha inglesa. Em seu caminho, acabarão trombando com uma jovem ocultista, dona do único livro que prevê precisamente os acontecimentos do fim do mundo, caçadores de bruxas ainda na ativa e, quem sabe, até os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Mas eles precisam ser rápidos. Não é só o tempo que está acabando...

Resenha: Belas Maldições foi escrito por Terry Pratchett e Neil Gaiman, dois autores britânicos que tem como o forte a fantasia. Os autores nos apresentam como premissa a iminente ocorrência do Armagedon. Para isso ocorrer, uma criança deverá nascer, é o filho do Diabo que dará início ao apocalipse, ele será o responsável por toda a catástrofe que acontecerá na Terra. Acompanhamos durante a história um anjo que ama e comercia livros raros, ele é Aziraphale; mas também um demônio chamado Crowley, que já esteve no Jardim do Eden e que agora circula pela Terra, o demônio ama a banda Queen e circular pelas ruas com o seu Bentley.

"As teorias atuais sobre a criação do Universo afirmam que, se ele foi realmente criado e não começou simplesmente, como se diz, de forma não oficial, ele surgiu entre dez e vinte bilhões de anos atrás. Pela mesma referência, costuma-se calcular a idade da própria Terra em cerca de quatro bilhões e meio de anos." p. 19.

"O cão do inferno parou. No fundo de seu diabólico cérebro canino, ele sabia que havia algo de errado, mas ele era obediente, e seu grande e súbito amor pelo Dono superava todas as adversidades. E quem havia determinado qual deveria ser seu tamanho, de qualquer forma?" p. 78

Aziraphale e Crowley passados alguns séculos se reencontram, na verdade eles são parceiros e a notícia desse apocalipse não é vista com bons olhos pela dupla, pois eles estão habituados com a vida terrena. A dupla resolve monitorar o Anticristo, com o objetivo de demovê-lo da ideia do apocalipse, pois eles acreditam que todos merecem continuar vivos e tudo deveria ser mantido como está.

"Isso era ridículo. A última coisa de que precisava era ser morto. Isso exigiria toda espécie de explicações. Eles não davam corpos novos assim tranquilamente; sempre queriam saber o que haviam feito com o antigo. Era como tentar obter uma caneta nova com um almoxarifado particularmente antipático." p. 92.

Em certo momento eles encontram o próprio Anticristo, conhecido como Adam Young, um garoto de família pobre que cresceu em um cidade no interior da Inglaterra. Adam é um garoto charmoso e apresenta um grande poder de convencimento, envolvendo todos com a sua conversa. Adam é o líder de um grupo formado por seus amigos, além disso é um garoto inteligente, amoroso e equilibrado. É com a chegada do seu aniversário de 11 anos que os Cavaleiros do Apocalipse modernos (Fome, Guerra, Morte e Poluição) aparecem e buscam por Adam, para iniciar o fim do mundo. 

"Era o começo da manhã de sábado, o último dia do mundo, e o céu estava mais vermelho do que sangue." p. 171.

Opinião: Belas Maldições é narrado em terceira pessoa e apresenta pontos de vista distintos, o que é de acordo com os personagens, além disso conta com notas explicativas no rodapé. Belas Maldições tem uma narrativa bem construída, leve, fluída e simples. Ao mesmo tempo os autores apresentam um trabalho peculiar, que consegue ser sutil e irreverente. Neil e Terry conseguiram me envolver, suscitando assuntos polêmicos e realizando críticas sobre temas como poluição, guerras e a busca do ser humano pela perfeição.
Os personagens apresentados pela dupla são bem desenvolvidos, cativam e são engraçados, as piadas que aparecem no decorrer da trama são inteligentes. Eles são distintos uns dos outros, são únicos e cada um precisa enfrentar determinada situação. Existe ainda diversas referências à cultura inglesa, algo que achei bem legal. Antes que eu me esqueça, os autores levantam uma ideia interessante sobre a percepção que temos sobre o bem e o mal, o quanto o meio pode nos influenciar.
O projeto gráfico está bem feito, achei legal esse destaque dado ao título do livro e dos autores na capa. A fonte e espaçamento estão em tamanho confortáveis, as folhas são amareladas, os capítulos são intitulados pelos dias da semana. A revisão está muito boa e existe notas explicativas no rodapé. A Bertrand Brasil está de parabéns. Super recomendo a leitura de Belas Maldições que tem Neil Gaiman e Terry Pratchett como autores, dois grandes nomes da literatura britânica.

7 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar deste livro aqui em Portugal, mas fiquei super curiosa para conhecer! Vou adicionar à minha lista de leituras, obrigada pela dica :)

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Apesar de não gostar muito de fantasia esse livro me chamou muita a atenção pelo tema abordado. Falamos tanto sobre o fim do mundo e acredito que um dia irá acontecer. Fiquei curiosa para saber como o autor abordou esse tema.
    Adorei a sua resenha e vou anotar sua dica.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Acredito que esse livro deva ser maravilhoso, afinal são dois autores de peso. Gosto muito de Gaiman.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu gosto quando a obra faz um elogio a algo inalcançável como a perfeição, ao menos da forma como o capitalismo e a sociedade Ocidental impõe. Eu conheço esse livro e a crítica, de certa forma, me remete a Sociedade do Cansaço.

    ResponderExcluir
  5. Oieeee, como não querer ler algo escrito por esses dois? ja pedi o meu e estou ansiosa para começar a leitura, obrigada por partilhar sua opinião sobre ele!

    Bjs

    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  6. Gostei de sua resenha, apesar de ter ficado um pouco perdida ao ler inicialmente a sinopse. Acredito que o livro me agradaria bastante, gosto do tema e da forma como é abordado, mas por enquanto fica em standy by, já que minha lista está gigante e urgente... Beijos

    Nara Dias
    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem? Já conhecia o livro e essa capa, tão simples, me chama muita atenção. Mas, não tinha lido a sinopse e confesso, não gostei. Mesmo com sua resenha ótima e positiva, não consegui ficar curiosa com toda a premissa. Basicamente, não funcionou comigo. Uma pena!

    Beijos,
    www.paginasincriveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir