[RESENHA #294] O VOO DA VESPA - KEN FOLLETT - Saga Literária

Novidades

segunda-feira, julho 31, 2017

[RESENHA #294] O VOO DA VESPA - KEN FOLLETT


Título: O Voo da Vespa
Autor: Ken Follett
Editora: Arqueiro
Páginas: 416
Ano: 2017
ISBN: 9788580417098
Onde Comprar: Amazon

Sinopse
“Caiu nas minhas mãos uma história extraordinária sobre dois jovens que desejavam escapar da Dinamarca ocupada em 1941. Eles queriam fugir para a Inglaterra, mas para isso teriam que atravessar o Canal. Decidiram então realizar a travessia num bimotor feito de madeira e tecido, uma viagem bastante arriscada para um avião tão pequeno. O voo da vespa é livremente baseado nessa incrível aventura. Eu combinei elementos reais da história para criar este romance.” – Ken Follett
Freya é o nome da deusa nórdica do amor. Também é o codinome da mais recente invenção nazista, de acordo com uma mensagem interceptada pelas forças aliadas. A inteligência britânica desconfia que é graças a ela que os alemães estão conseguindo abater os bombardeiros ingleses a uma velocidade tão alarmante. Hermia Mount, uma analista do MI6, é recrutada para ajudar a descobrir qual é essa nova arma. Tendo morado a vida inteira na Dinamarca, ela possui contatos valiosos que poderão auxiliá-la em sua missão. Do outro lado do mar do Norte, numa ilha dinamarquesa ocupada pelos alemães, o estudante Harald Olufsen descobre uma instalação estranha dentro da base militar nazista. Ele não sabe o que é, mas não se parece com nada que já tenha visto, e ele precisa contar para alguém. Em Copenhague, o detetive Peter Flemming colabora com os alemães para desvendar quem está repassando informações de dentro do país nórdico para os aliados britânicos. Numa Europa praticamente dominada pela Alemanha, a vida dessas três pessoas se entrelaça de forma irreversível, e quando um decrépito avião bimotor se transforma no único meio de fazer a verdade chegar até as forças aliadas, o destino delas poderá mudar o rumo da guerra – e da história.

Resenha: A história em O Voo da Vespa se passa no ano de 1941, em plena Segunda Grande Guerra Mundial, período em que a Dinamarca precisa lidar com os invasores nazistas em seu território. Tudo começa quando o jovem estudante Harald Olufsen decide pegar um atalho na volta da capital para a sua cidade natal, Morlunde, localizada na costa da Dinamarca e depara-se com um segredo de estado, uma estranha estrutura, repleta de antenas apontadas para o céu, e o jovem fica com a impressão de que essa construção é algo importante para os alemães.

"Quem ocupava o selim era Harald Olufsen, um jovem de 18 anos alto e louro, com o cabelo penteado para trás e a testa larga. Harald parecia um viking vestindo um blazer escolar. Tinha economizado durante um ano para comprar a Nimbus, que lhe custara 600 coroas. Só que, um dia depois de comprá-la, os alemães haviam imposto as restrições de combustível." p. 18.

Essa ideia de Harald sobre a estrutura mostra-se correta. Chamado de Freya, nome desconhecido até então pelo serviço de inteligência inglesa (MI6), o aparelho intriga o setor de inteligência, pois a estrutura está atrapalhando constantemente os planos de combate aéreos dos britânicos. Surge então a personagem Hermia Mount, inglesa e  namorada de Arne Olufsen, irmão de Harald. Após diversas tentativas fracassadas do MI6 de frear e conter os bombardeios nazistas, Hermia Mount é encarregada pela seção dinamarquesa, reunindo informações sobre as movimentações dos nazistas.
"Todos se recolheram cedo. Hermia não tirou a roupa, permanecendo sentada na cama, com a luz acesa. Tinha medo de que, se dormisse demais, Sten saísse sem ela. A família Munch não era dada a grandes leituras e o único livro que pôde encontrar foi uma Bíblia em dinamarquês, mas isso serviu para mantê-la acordada [...]." p. 97

Hermia obtém suas informações através do grupo de resistência chamado Vigilantes Noturnos. A inglesa decide empregar um plano junto para tentar descobrir rapidamente o que é essa estrutura e qual é grau de importância que esse mecanismo representa para os alemães. Em paralelo surge a figura de Peter Flemming, um policial dinamarquês que deseja ganhar status e seguir carreira na força policial. Para alcançar o seu intento, Flemming acaba descobrindo o interesse dos ingleses nessa estrutura enigmática, bem como o envolvimento dos irmãos Olusfen para descobrir o que é Freya, dessa forma ele fica empenhado em descobrir o mais rápido possível o que é essa estrutura. 
A Europa está praticamente dominada pela Alemanha. O terceiro reich tenta expandir suas conquistas para o território da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), a Inglaterra é a única resistência real nesse cenário de horror. Em poucas semanas, a história de Harald, Arne, Hermia e Peter entrelaçam-se, eis que a esperança repousa em um avião bimotor que está caindo aos pedaços, pois este é o único meio para levar aos aliados algo que poderá dar uma guinada nos rumos da guerra.

Opinião: Narrado em terceira pessoa, O Voo da Vespa é baseado em fatos reais, é um livro dinâmico e bem escrito, as descrições são breves e os diálogos são constantes. Com muito de espionagem em sua história,  Ken Follett leva ao leitor um grande quebra cabeça que aos poucos é montado de forma perfeita em uma história bem construída. Com incrível maestria, Ken Follett apresenta uma narrativa maravilhosa e envolvente, levando ao leitor vários momentos de ação, nos inserindo nesse cenário destruidor que foi a Segunda Guerra Mundial de forma tão magistral, que foi possível enxergar e imaginar as ações e anseios dos personagens, as explosões e os embates da guerra.
Cada personagem criado pelo autor britânico tem sua importância e papéis bem definidos no decorrer do livro. É surpreendente ver personagens como Harald e Karen, ainda jovens, que precisam amadurecer, se tornarem adultos e tomarem decisões importantes que podem afetar a vida de muitas pessoas em um breve período nesses tempos de guerra. Follett ainda nos deixa constantemente tensos, principalmente em relação ao destino dos espiões.
Fica claro que o autor dedicou-se de coração ao livro e impressiona suas pesquisas sobre as aeronaves, além das descrições precisas sobre diversos aspectos da aviação. Essa dedicação ao livro e ao leitor, faz com que nossa experiência ao ler O Voo da Vespa, mesmo não dominando assuntos ligados diretamente ao campo militar, seja enriquecedora e prazerosa. Nessa excelente trama e precisa reconstituição histórica, Follett nos coloca no cockpit de um avião para que possamos sentir o clima da guerra.
Sobre a Edição: A Editora Arqueiro apresenta um belo projeto gráfico, a capa tem o mapa da Dinamarca ao fundo com um velho avião. As folhas são amareladas, fonte e espaçamento estão em tamanho confortável. A revisão ficou muito boa e não encontrei erros que possam atrapalhar a leitura. O livro tem ao todo 33 capítulos, que por sinal são curtos, algo que vejo como positivo. Deixo meu agradecimento à Editora Arqueiro por me enviar O Voo da Vespa de Ken Follett.
Sobre o Autor: Kenneth Martin Follett é um escritor britânico nascido no País de Gales, autor de thrillers e romances históricos. Follett é formado em Filosofia pela University College, de Londres. Começou sua carreira profissional como jornalista no South Wales Echo e, depois, no Evening Standard de Londres. O seu primeiro best seller foi O Buraco de Agulho, publicado em 1978 e vencedor do prêmio Edgar Award como melhor romance. O seu livro de maior sucesso é Os Pilares da Terra publicado em 1989. A obra ganhou uma sequência em 2007: Mundo Sem Fim.

15 comentários:

  1. Oiii tudo bem?
    Fiquei bastante interessada em realizar a leitura desse livro gente, não sabia da existência e achei super interessante a criatividade dos personagens e quero saber se irão conseguir atingir seus objetivos, além do mais essa capa está linda.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Morgana. É uma leitura interessante, principalmente por abordar eventos históricos ao meu ver. Os personagens foram bem trabalhados pelo autor e nos envolvem. Eu também adorei essa capa!
      Bjs

      Excluir
  2. Oi tudo bem?
    Já tinha visto esse livro por aí mas nunca lido de fato algo sobre ele, mas a premissa me chamou bastante a atenção afinal é baseada em fatos reais e eu adoro.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tais!
      Deixa eu te dizer, a maioria dos livros desse autor, se não for todos, são baseados em momentos históricos e fatos reais. É por isso que eu coloco o Ken Follett no hall dos meus autores favoritos. Obrigado pela visita!
      Bjs

      Excluir
  3. Oie
    Infelizmente ainda não li nada do Ken. Não por falta de interesse pois só vejo resenhas incríveis sobre as suas obras, mas por falta de oportunidade mesmo.
    Esse livro já está na lista pra dar ler assim q tiver tempo. Acredito que ainda esse ano conhecerei a escrita do autor. Gosto de histórias baseados em fatos reais e pelo jeito, essa obra está bem desenvolvida.
    Espero ler em breve,
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    O que fez meus olhos brilharem foi saber que a obra é baseada em fatos reais. Não gosto muito de obras mais histórias, com exceção dos que falem sobre a Segunda Guerra.
    Ainda não tive nenhum contato com a escrita do Ken, mas já vi muitos elogios sobre suas outras obras e tenho muita curiosidade de conhecer.
    Saber que o livro é dinâmico e bem escrito e que o autor com certeza fez uma extensa pesquisa para escrevê-lo só me deixa mais animada.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  5. Olá, quero muito ler algo do autor, sempre vejo elogios aos livros dele. Ainda não conhecia esse livro mas pela sua resenha ele parece super interessante. Gostei de ele ter um foco mais na Dinamarca, país sobre o qual li pouco.

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Sempre vejo elogios sobre o autor, mas ainda não tive oportunidade de ler. Adoro a premissa desse livro, e é um dos que mais me chama atenção. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Nunca li nada do autor Ken Follett. e esse livro me chamou a atenção justamente por se passar no inicio da segunda guerra mundial. Adoro essa temática. quem sabe me arrisco nessa leitura. Adorei a resenha, valeu pela dica.
    Nizete
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  8. Olá Yvens como vai?
    Gosto muito de ler livros que tenha fatos reais e esse já me ganhou
    Fiquei muito surpresa em sabe que eles conseguiram atravessar com o bimotor feito de madeira e tecido. Só de imaginar me causou arrepios
    Um abraço:
    http://keilyces.blogspot.com.br/?m=0

    ResponderExcluir
  9. Olá! Gosto bastante do trabalho do autor e estou curiosa para ler esse livro também. Parece ser muito bom. Vale a pena indicação. Ótima sua resenha, bjo

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Nunca li nada do autor, e sempre leio boas resenhas, com muitos elogios. A história parece prender mesmo, gostei da premissa e quero ler algo do autor, gosto de histórias baseados em fatos reais e históricos. Espero ler!

    beijos!
    https://blogdatahis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oie
    eu imagino que deva ser uma história muito encantadora e um livro muito bom mas não sei se leria no momento, ainda assim adorei a dica e vejo inúmeros elogios ao autor, então coisa ruim nao deve ser mesmo

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Yvens,
    Gosto muito de livros de suspense e espionagem, mas nunca li nada do Ken Follett. Uma falta terrível, eu sei. Eu tenho Jackdaws - Agentes Especiais, lançado pela editora Rocco que depois foi relançado pela editora Arqueiro com o título As Espiãs do Dia D. Pretendo lê-lo em breve.
    Adorei a resenha!!
    Abraços,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Acredita que nunca li nada do autor?
    Sua resenha me deixou curiosa, mas não é muito o tipo de livro que me atraí.


    Bjs!
    http://blogimaginacaoliteraria.blogspot.com/

    ResponderExcluir