[CRÍTICA] DUNKIRK - Saga Literária

Novidades

sábado, agosto 05, 2017

[CRÍTICA] DUNKIRK

Não resta dúvida que Christopher Nolan é um dos diretores mais competentes e aclamados pelo público e pela crítica de sua geração. O diretor é responsável por obras de peso como Amnésia lançado em 2000, Insônia baseado no livro homônimo de Stephen King e lançado em 2002, quando dirigiu ninguém menos do que os atores Al Pacino e Robin Williams, além é claro dos filmes O Grande Truque, A Origem, Interestelar e a trilogia Batman com Christian Bale, comprovando a sua diversidade de gênero no cinema, transitando pelos campos do drama familiar ao campo da ficção científica. 

Christopher Nolan retorna agora com Dunkirk, filme que foi baseado no best-seller homônimo de Joshua Levine, o filme retrata alguns acontecimentos durante a Segunda Grande Guerra Mundial, em especial no que diz respeito a Operação Dínamo, que tinha por objetivo retirar as encurraladas tropas britânicas pelos alemães quando foram invadir a França. É importante ressaltar que a Batalha de Dunrkirk aconteceu entre os dias 26 de maio e 4 de Junho no ano de 1940. Nessa oportunidade, a cidade que dá nome ao filme, localizada no litoral da França, foi cercada pelas força armadas alemãs e cerca de 400 mil homens das forças armadas britânicas encontraram-se sem saída, sem provisões e principalmente, ficaram sem esperanças.
A história em Dunkirk é contada e dividida em três perspectivas, sendo elas no ar, no mar e na terra, de modo que cada visão tem sua própria linha temporal. No ar vamos acompanhar a trajetória de Ferrier (Tom Hardy) que recebe a companhia de mais dois pilotos para batalhar no Canal da Mancha. No mar, temos como protagonista o Senhor Dawson (Mark Rylance) e seu pequeno grupo de barcos pesqueiros que partem em busca dos soldados cercados em Dunkirk. Por fim, na terra acompanhamos a rotina dos soldados que precisam enfrentar a desesperança e o terror da guerra, enquanto desejam retornar para suas casas.
Opinião: Christopher Nolan, além de dirigir Dunkirk também foi o responsável pelo roteiro. O cineasta contou com uma ajuda valiosa para a construção do seu filme, tendo ao seu lado o historiador Joshua Levine na produção, detalhe esse que garantiu a fidelidade dos fatos. A experiência que Nolan leva ao público é original. O filme é imersivo, uma experiência avassaladora, repleta de brutalidade, desespero, onde tiros, explosões, mortes e gritos tornam-se algo bastante verossímil. Dunkirk não é um filme que preza pelo patriotismo ou heroísmo exacerbado, é um filme menos poético que desfere logo um soco em nosso estômago.
A Segunda Guerra Mundial é um tema amplamente explorado e disseminado, mas Nolan nos mostra um conflito com dois lados distintos, o bem e o mal, criando personagens complexos e explorando as fraquezas humanas, mas também as qualidades inerentes aos seres humanos. É ainda interessante que apesar do filme ser ambientando em 1940, 77 anos atrás, Dunkirk consegue nos levar ao campo da reflexão, abordando aspectos como a indiferença ao próximo, como o orgulho e egos inflados podem respingar sobre vidas alheias. Nolan reafirma a ideia de que devemos conhecer a história para não repetirmos os erros do passado.
Nolan consegue nos envolver e contar essa história de uma forma única. Esse é um filme original que merece todo o destaque, tendo em vista que estamos em uma fase onde franquias e blockbusters estão reinando. Dunkirk é um filme com conteúdo, com embasamento histórico, toca o nosso coração e nos emociona. Tecnicamente Dunkirk está entre os melhores filmes do diretor, se não for o melhor. É espetacular a forma como Nolan trabalha os aspectos visuais e sonoros, em especial as cenas de batalha. Dunkirk é sem sombra de dúvida uma das melhores produções de 2017 e coloca Nolan em uma boa condição para concorrer ao Oscar de 2018 na categoria de melhor diretor. A editora HarperCollins Brasil publicou o livro de Joshua Levine, eu quero ler Dunkirk e vocês?

13 comentários:

  1. Sensacional! Estou louco para assistir esse filme, a minha saga A Ùltima Poesia também retrata a retirada de Dunquerque, tem como subtítulo "Os Anjos de Aço" que começa em Dunquerque e avança na Batalha da Inglaterra. O livro será o sexto volume da saga e deverá ser publicado em 2022.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito massa Max, já quero ler os próximos volumes!

      Excluir
  2. Maravilha! Estou louca querendo assistir justamente pela forma contada no filme sobre a guerra.
    Assim que der pra eu baixar vou assistir
    Valeu por compartilhar!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Estou louco para ver o filme, mas queria primeiro ler o livro que a HarperCollins tem no seu catálogo. Suas impressões me deixaram mais animada ainda. Espero conseguir em breve <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá, gostei de conhecer um pouco mais sobre o filme, do qual eu tinha visto apenas o trailer. Achei interessante termos essas três linhas de ação, na terra, no mar e nos céus. Certamente assistirei quado puder.

    ResponderExcluir
  5. Oii
    Amei o trailer desse filme. eu adoro filmes sobre a Segunda Guerra. Achei bem interessante esse lance de três perspectivas. Verei certamente!
    Bjus

    ResponderExcluir
  6. Eu não assisti esse filme, mas a história me parece muito interessante, apesar de que, confesso, não gosto muito de filmes que retratem guerras e batalhas. Porém vi muita gente elogiando e talvez dê uma chance.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  7. Já vi o trailer desse filme, mas não cheguei a assistir, mas agora vendo sua opinião sobre ele fiquei bastante curiosa mais do que já estava. Não sabia que seria livro, espero que você tenha uma boa leitura com ele.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia o filme, gosto muito de assistir documentários sobre a Guerra, vi alguns nos últimos dias e chorei horrores, no Canal Brasil. Também não conhecia o livro e quero os dois, livro e filme. Parabéns pela excelência do texto.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Eu ainda não conhecia o filme mas parece bem interessante. Gostei da forma como você analisou a história e produção. Vale a pena conferir, bjo

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu não conhecia o filme mas pelo seus comentários fiquei bem curiosa para assisti-lo, adoro filmes/séries/livros que retratam guerras *-*

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem?
    Não sou muito fã de filmes de guerra, mas conheço os trabalhos do Nolan e são muito bons!
    Gostei muito do seu post!
    Beijos, Lari (laoliphant.com.br)

    ResponderExcluir