[RESENHA #299] ALIEN - VOLUME 03: RIO DE SOFRIMENTO - CHRISTOPHER GOLDEN - Saga Literária

Novidades

quinta-feira, agosto 10, 2017

[RESENHA #299] ALIEN - VOLUME 03: RIO DE SOFRIMENTO - CHRISTOPHER GOLDEN

Título: Alien: Rio de Sofrimento
Autor: Christopher Golden
Editora: LeYa
Páginas: 304
Ano: 2017
ISBN:9788544105122
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Terceiro livro da série Alien é terror em estado puro! Enquanto Ellen Ripley hiberna no espaço, o planeta LV426 - onde ela e a equipe da Nostromo encontram o xenomorfo original - é colonizado e rebatizado de Aqueronte. Durante o processo de terraformação do planeta, uma das expedições descobre a imensa e decadente espaçonave responsável pelo destino de Ripley. O achado é de grande interesse para a Weyland-Yutani, e pode ser a resposta para os sonhos de Anne e Russell, um casal que se mudou para Aqueronte em busca de fortuna e acabou de ter o primeiro bebê nascido na colônia: Rebecca Jordan, mais conhecida como Newt. Mas o que eles descobre a bordo da espaçonave acaba dando origem não a um sonho, mas a um pesadelo. Um romance original e oficial do universo expandido da série Alien, Rio de Sofrimento se passa entre os filmes "Alien - O Oitavo Passageiro" e "Aliens - O Resgate", revelando a construção e a queda de Hadley's Hope, a colônia humana que se estabeleceu em LV426 enquanto Ripley hibernava. O livro chega ao público junto do novo filme da franquia, "Alien - Covenant".

Resenha: Anne e Russel Jorden, estavam muito felizes em saber que a primeira criança a nascer na colônia humana de Hadley's Hope em Aqueronte, seria a deles. Ambos, juntamente com Timmy, outro filho do casal, haviam largado tudo na Terra e rumado para Aqueronte para tentar fortuna na nova colônia, o que ainda não havia acontecido. Aqueronte era um lugar infernal, com tempestades aterradoras e muitas vezes mortais, um erro de cálculo e você poderia estar morto em segundos. Mas ali na colônia, todos estavam seguros, e naquele momento, ansiosos e esperando a pequena Rebecca Jorden vir ao mundo naquele planeta violento.

"Treze minutos depois, a dra. Komiskey colocou Rebecca Jorden nos braços da mãe. Russ sorria tanto que o rosto chegava a doer, o peito tão cheio de amor que parecia prestes a explodir. Quando Anne beijou a testa da menininha, Russ tocou a minúscula mão e a filha segurou firme no seu dedo. Já era forte." p. 23.
Sete anos depois do nascimento da pequena Rebecca, mais conhecida como Newt, o capitão Demian Brackett, chegava em Aqueronte. Escalado para comandar as forças do exército em Hadley's Hope, Brackett, vinha com a certeza de ser um trabalho calmo e dentro das normas. Mas, o capitão havia aceitado o trabalho com um certo interesse pessoal em uma das pessoas que vivia naquele lugar. Devido ao seu trabalho com os Fuzileiros Coloniais, Brackett tinha sido forçado a terminar seu relacionamento com a mulher que amava, que havia construído uma nova vida com outro homem. Naquela época ela ainda se chamava Anne Ridley.

"Enquanto os três percorriam a colônia, passaram por vários civis. Brackett ouviu risadas num corredor lateral e olhou para lá, vendo duas crianças dar cambalhotas no chão. Isto era algo com que precisaria se acostumar, ter crianças por perto." p. 41.

Mas a calmaria que Brackett esperava ainda não havia aparecido, pois mal havia chegado e já tinha uma situação perigosa para resolver. Uma expedição tinha saído e haviam sido pegos pela forte tempestade daquela manhã e agora precisavam de ajuda. Otto e Curtis Finch e mais dois fuzileiros, Yousseff e Draper estavam com problemas na torre de processamento número seis. Um deles estava ferido e outro tinha perdido a cabeça.
Anne e Russell, depois de todo aquele tempo na colônia, não pareciam acreditar que algo estava por acontecer com eles, algo bom e algo grande. Depois da ordem que receberam para ir até um local para averiguação, tudo indicava que eles, dessa vez, iriam finalmente conseguir a fortuna que vieram buscar. Não era nem um pouco comum ordens como aquela, praticamente todos os dias, os habitantes de Hadley's Hope obtinham permissões para exploração, mas nunca com endereço certo. Não era nenhum segredo que a Weyland-Yutani pagaria muito dinheiro para quem conseguisse informações, amostras ou qualquer coisa concreta com relação a vida alienígena, fosse de Aqueronte ou não. E, era isso que Anne e Russell, contavam agora. As coordenadas exatas para uma expedição de reconhecimento, só poderia ser algo bom, muito bom.
A família Jorden estava realmente empolgada com aquela expedição, mesmo sem a proteção dos fuzileiros, eles achavam que não teria nenhum perigo. Então, em 21 de junho de 2179, Russell dirigia o veículo, que eles chamavam de lagarta, até as coordenadas que lhe foram entregues pelo supervisor da colônia, Al Simpson e em meio ao barulhos das crianças que ele foi obrigado a parar a lagarta, pois dali em diante não precisariam mais se locomover, a não ser a pé, pois Russell ainda olhava para a imensa nave na frente deles quando Anne se juntou e olhou para cima pelo para-brisa do veículo.

"O que quer que o magnetoscópio tivesse identificado, com certeza não era nenhum tipo de rocha natural ou formação mineral. O tinido estava forte demais, regular demais, e ele conhecia o terreno ali bem o bastante para saber que tinham encontrado uma imensa anomalia." p. 127.
Anne e Russel deixaram as crianças no veículo e foram à exploração. Depois de analisarem aquela enorme nave, acabaram por encontrar uma entrada. Eles precisavam de provas e a melhor forma de se fazer isso era entrando na nave registrando em vídeo e depois entregar tudo para os seus superiores e esperar pelo vultoso pagamento. Eles sabiam que tinham tirado a sorte grande, mas o interior daquela coisa, acabou fazendo com que ambos ficassem com medo, mas o registro era obrigatório e engolindo o medo, começaram a filmar tudo. Mal sabiam eles que naquele 21 de junho de 2179, no interior daquela nave começariam os primeiros de muitos gritos que estariam por vir.

Opinião: Alien - Volume 03: Rio de Sofrimento de Christopher Golden encerra o ciclo dessa trilogia oficial do universo expandido da franquia Alien. Confesso que achei esse terceiro livro bem mais construído do que os anteriores. Christopher Golden é aquele tipo de escritor que constrói seu universo e mostra seus personagens de uma maneira que o leitor acaba se afeiçoando por eles e, depois disso, Rio de Sofrimento passa a ser uma leitura realmente agoniante, pois nos deparamos com uma colônia inteira de seres humanos, em um planeta totalmente inóspito, encontrar uma forma alienígena de vida extremamente brutal e ter que, de alguma forma, sobreviver à ela. A relação que temos com os xenomorfos nesse volume é um pouco mais lenta, mas quando eles entram em cena, o terror toma conta totalmente de tudo e todos.
Como em todos os livros da série, a Weyland-Yutani é o "personagem" mais odiado dentre os odiados. A empresa é aquela que corrompe todos que são maleáveis para que consiga aquilo que sempre quis: Um exemplar vivo de um xenomorfo. Muitos são os heróis dessa história, mas o capitão Brackett se sobressai como, praticamente, o personagem principal de toda a trama. Interessante saber que essa trama coloca às claras o que realmente aconteceu com a pequena Newt, pois ela preenche a lacuna antes existente entre os filmes "Alien - O Oitavo Passageiro" e "Aliens - O Resgate". Aqui, o personagem da Ripley está hibernando enquanto a Weyland-Yutani está colonizando o planeta LV426, onde tudo começou, depois rebatizado de Aqueronte. Mas todos sabemos que ela vai acordar, mas enquanto isso não acontece, Aqueronte precisa contar sua história.
Sobre a Edição: Mais uma vez a editora LeYa surpreende mantendo o mesmo nível de qualidade dos outros dois livros. A capa continua sendo metalizada com a foto de uma rainha ao fundo. Internamente, manteve o mesmo padrão de fontes e ilustrações das edições anteriores. O que, diga-se de passagem, é belíssimo. Alien - Volume 03: Rio de Sofrimento de Christopher Golden, meus queridos leitores; é sem sombra de dúvidas IMPERDÍVEL. Agradeço imensamente a editora LeYa por ter cedido o livro e me proporcionado um imenso prazer de poder trazer essa resenha para vocês: leitores do Saga Literária.
Sobre o Autor: Escritor norte-americano, Christopher Golden nasceu em 1967 em Massachusetts. Golden se notabilizou por escrever livros de ficção científica, além disso é autor de diversos romances de fantasia negra e quadrinhos. O autor se aventurou como roteirista na TV, contribuindo com o seriado Buffy, a Caça Vampiros.

4 comentários:

  1. Oii, tudo bem?
    Ainda não li nenhum livro da trilogia mas estou morrendo de vontade! Ficção científica é um dos meus gêneros favoritos e essas edições são incríveis. Espero poder realizar a leitura em breve.
    Beijos!
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karina, muito obrigado. Leia a trilogia que é muito boa sim. Beijos.

      Excluir
  2. Olá,
    Ainda não li nenhum dos livros dessa trilogia da franquia de Alien.
    A premissa é bem interessante e é inegável sua empolgação ao falar sobre esse terceiro livro.
    Fico feliz em saber que ele foi muito bem construído e que também apresenta o mesmo padrão físico dos outros dois volumes, tornando a série bem bonita visualmente.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michele, muito obrigado. Eu realmente gostei dessa trilogia. Beijos.

      Excluir