[RESENHA #330] FUCK LOVE - TARRYN FISHER - Saga Literária

Novidades

quarta-feira, outubro 11, 2017

[RESENHA #330] FUCK LOVE - TARRYN FISHER


Título: F*ck Love - Louco Amor
Autora: Tarryn Fisher
Editora: Faro Editorial
Páginas: 288
Ano: 2017
ISBN: 9788562409998
Onde Comprar:
 Amazon - Saraiva

Sinopse:
 Helena Conway se apaixonou. Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo. Kit Isley é o oposto dela – desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu. Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito... se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga. Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz... 'Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio; sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente.' Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas. Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.

Resenha: Fuck Love é uma obra que uma vez iniciado não se consegue mais parar, porque o romance de Kit e Helena arrebatam com paixão os leitores. Helena Conway é estudantes de Contabilidade e vive tranquilamente na Flórida. Ela tem mais ou menos vinte três anos, é mais centrada – "certinha" – desastrada – derruba tudo rs – e tem sérios problemas em demonstrar sentimentos e emoções. Ela namora o exuberante Neil e estão juntos há bastante tempo. Sua melhor amiga é a estonteante Della que engatou um relacionamento com o encantador Kit.

"[...]E tudo que afeta nossas vidas nos controla. As pessoas têm menos poder do que pensam. Nós só podemos controlar nossas reações." p. 141

Ela sempre fora uma jovem passiva que espera os outros solicitarem seus "serviços" para ajudar e assim tornou-se amiga da insegura – mesmo sendo lindíssima – Della e possuem uma amizade que ultrapassa a casa dos dez anos. Elas sempre contam seus segredos uma para outra. São carne e unha, mas isso muda quando um sonho de Helena muda sua vida para sempre.

Della, Neil e Kit estão numa lanchonete esperando Helena chegar para iniciarem a noite de casais, mas coração solitário – vocês vão entender lendo esse apelido da jovem – está em seu carro tendo um sonho bem estranho – já tive um sonho assim – na qual ela é casada com Kit – namorado de sua amiga – e eles moram na cidade natal dele em Washington. Eles se amam intensamente e do fruto desse amor nasceu Brandi e eles criam o filho do relacionamento de Helena com Neil. No sonho a casa deles é digna de um arquiteto talentoso e uma decoração harmoniosa e sofisticada. Helena sente um sentimento poderoso tomar conta dela nesse momento. Será que aquele sonho era verdade? Por que Kit? Ele nem faz o tipo dela.

"Por que será que quando acordamos, os sonhos nos parecem tão confusos e distorcidos." p. 16

Após esse sonho para lá de inesperado, acontece uma mudança interior em nossa mocinha imperfeita. Ela começa a cuidar das rédeas de sua vida. Ela inicia cursos de artes – algo que ela sempre quis fazer – pensar se realmente quer ser contadora, descobre uma traição dolorosa e seu olhar sob o namorado de sua amiga muda completamente e desperta em si um amor indesejado e inconveniente que pode terminar sua amizade com Della.

O que Helena fará? Será que ela deve dar lógica a esse sonho? Será que realmente podemos ter vislumbres do futuro? Será que podemos controlar nossos sentimentos? Você contaria para o namorado de sua melhor amiga que estar apaixonada por ele? E Kit tem o mesmo sentimento por Helena? E se tiver, será que venceriam as críticas e consequências desse amor?

"– Nós dois estávamos em busca de algo que fosse verdadeiro. Algumas vezes, a verdade de uma pessoa é o amor de outra." p. 18

Opinião: Simplesmente fantástico!!! Tarryn consegue transformar um simples romance em uma história doce, realista e cheia de emoções que o aviso da capa “Se você não quer se viciar não leia a primeira página.” é completamente bem dado, porque uma vez iniciado não tem como parar a leitura, já que os personagens são cativantes.

Helena é uma personagem tão real em suas características que fiquei assustada com tamanha ousadia da autora. Não é comum vemos personagens femininas que se pareçam conosco. Na maioria das vezes são umas “santas” bobas que dar até vontade de bater para acordar para a vida. Nossa personagem aqui é uma jovem que está se descobrindo diante o sonho que mudou seu universo interior e ler seu amadurecimento é intenso e sensível, porque nos vemos em suas conquistas e lutas diárias.
Ela passa de uma jovem passiva e assertiva para uma mulher forte, ousada e divertida – mesmo sendo a “chata do bege” rs – e assim se transforma e obriga as pessoas ao seu redor a entenderem que não importam suas opiniões sobre ela, porque ela era quem queria ser e isso era o suficiente e muito disso se deve ao seu contato com Kit e sua espontaneidade.

Kit! Que homem!!! Ele é espontâneo, carinhoso, doce, sensível, engraçado – mesmo sorrindo pouco – e desconectado as exigências sociais. Ele tem um passado marcado por dores e sofrimentos que modificaram seu comportamento e principalmente aumentaram seu medo em se envolver e por isso acaba tendo problemas com sua namorada, Della. Ela é controladora, ciumenta e insegura. Linda, mas incapaz de ser humilde e aceitar perder. Ele não tem sentimentos fortes por ela, porém outros fatores influenciam sua insistência em continuar com ela, mesmo quando seu coração se enamora profundamente por Helena.

"É engraçado quando não enxergamos algo diante do nosso nariz." p. 110

Dela é uma mulher linda, poderosa, mas insegura até o último fio de cabelo. Ela é uma daquelas garotas que era humilhada no colegial por ser “feia” e ainda usar aparelho dentário, mas quando cresceu tornou-se uma mulher deslumbrante e arrasadora de corações. Ela sabe disso e usa e abusa desse poder. Só que seu coração desapegado se apaixonou por Kit. Ele um homem sem amarras com pessoas possessivas e ela uma mulher tomada pela paixão desenfreada e assim utilizando deliberadamente meios para mantê-lo ao seu lado.

Confesso que não gostei de Della desde que a vi pela primeira vez na história. Ela é muito focada nos problemas e anseios dela. Todos são extensões de suas necessidades. Seus amigos são apenas “psicólogos” e ouvintes de seus dramas pessoais. Sua insegurança me dar nervos e suas jogadas sujas me dão náuseas.

Outro personagem que não vale mais do que uma nota de trinta reais é Neil. Ele é uma cópia masculina de Della. Egocêntrico e egoísta. Tem complexo de Narciso e nunca ouviu de verdade os problemas de Helena. Não sabe ouvir ninguém e muito menos estar disponível para ajudar. Somente quando ele erra é que percebe que perdeu uma mulher maravilhosa como Helena, mas a vida não é um conto de fadas para os outros serem obrigados a viver com seres escrotos e infiéis. Ponto para Helena! Rá!

Há outros personagens que merecem destaque – aparecem com frequência – como June, a amiga esquisita de Della e Helena que fica num dilema em que lado fica. A ex-namorada de Kit, Greer que é uma mulher gentil, sensível, artista talentosa e quase uma fada.

"As pessoas buscam conexão mais do que qualquer coisa, e são capazes de atropelar regras sagradas se tiverem que fazer isso para alcançar a conexão que desejam." p. 176

Eu sinceramente não esperava ser conquistada com esse romance, todavia a forma da construção dos personagens pela autora, na qual ela opta pela proximidade da veracidade das imperfeições dos mesmos, é surpreendente e emociona com facilidade, porque diversas vezes me vi parecida com Kit e em outros momentos me identifiquei com as descobertas de Helena e isso cria um laço do leitor com o autor.

O livro é narrado por Helena e isso é um ponto positivo do livro, porque é ela que está amadurecendo nesse emaranhado de sentimentos e emoções na vida dela. A personagem se despida na frente do leitor com todos seus defeitos, porém também mostra a beleza de suas qualidades e florescimento de sua descoberta de si mesmo quando tem contato com o amor e pessoas que a incentivem a ser quem sempre quis.
A obra tem quarenta e oito capítulos mais epílogo e a leitura flui sem problemas. O ponto alto é o adiamento do apogeu – desdobramento – do romance de Kit e Helena. A autora vai colocando mais empecilhos, mas o leitor compreende que assim é a vida real. Não é torcer para que fiquem juntos, mas vibrar com as conquistas e amadurecimento de ambos. Fuck Love vai conquistar você sem sombra dúvida. Apenas esteja preparado para fortes emoções e não espere finais felizes, porque Tarryn traz veracidade para esse romance.

Sobre a Edição: A capa e os detalhes das folhas e as letras deixam esse livro uma verdadeira obra de arte. Os títulos dos capítulos começam com #hastags, porque Helena sempre tira selfies – ela tem transtorno de obsessão – com hastags em momentos importantes em sua vida. A diagramação ficou maravilhosa, a Faro arrasou!
Sobre a Autora: Tarryn Fisher nasceu em Joanesburgo (África do Sul), é autora best-seller do The New York Times. É cofundadora de um blog de moda e coautora de uma série com a autora Colleen Hoover. Tarryn reside na área de Seattle com seus filhos e marido. Ela adora dias chuvosos, Coca-Cola, café e sarcasmo, e acha que o Instagram é o novo Facebook.

Um comentário:

  1. Simplesmente fantástico é o que você escreveu. Caraca, que resenha demais! É por isso que gosto desse blog, só material top, só resenha de qualidade. Continue assim. Um forte abraço, Dieison do Rio Grande do Sul;

    ResponderExcluir