[RESENHA #391] MESSIAS DE DUNA - FRANK HERBERT - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

terça-feira, janeiro 02, 2018

[RESENHA #391] MESSIAS DE DUNA - FRANK HERBERT


Título: Messias de Duna
Autor: Frank Herbert
Editora: Aleph
Páginas: 272
Ano: 2017
ISBN: 9788576573821
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Doze anos se passaram desde que Paul Atreides ascendeu ao trono e acumulou os títulos de imperador e messias. Líder do maior império que a humanidade já viu, Paul está terrivelmente consciente do peso de suas decisões. Arrakis tornou-se o centro do Imperium, de onde os fremen se propagaram a fim de levar sua filosofia e forma de governar aos planetas por eles conquistados. Os inevitáveis conflitos gerados por essa expansão fazem importantes facções contrárias ao imperador reunirem forças para detê-lo. Uma grande disputa está prestes a ter início nos bastidores do poder, e apenas Muad’Dib pode decidir o destino de todos. Messias de Duna é o segundo volume da série criada por frank herbert. Ele revela um lado mais humano de seus personagens, além de aprofundar e estender o universo de Duna, aliando discussões políticas, filosóficas e religiosas à épica história de poder, vingança e redenção.

Resenha: Messias de Duna é o segundo volume das Crônicas de Duna e passados praticamente doze anos após os acontecimentos de Duna, no qual ocorre a ascensão de Paul Atreides ao poder, ocupando o título de governante do Imperium, ele é o Imperador de todo o universo e é apoiada por uma legião fanática de fremen, aliás, os seus fremen partem para um Jihad pela galáxia e buscam difundir a filosofia e a forma de governar de Paul com o objetivo de unificar o título de Paul em todos os planetas. Contudo, tais ensinamentos não passam ilesos do aspecto religioso, são difundidos em conjunto e o fremen baseiam a sua crença em uma profunda espiritualidade, em um grande consumo da especiaria melange e propagam que Paul Atreides, o temível Muad'Dib, o domador de Vermes da Areia de Shai-Hulud, é também um deus.

Essa visão e conduta filosófica dos fremen não é aceita facilmente pela galáxia e acaba não sendo bem vista por todos, pois muito não possuem simpatia por Paul e seus fremen. Isso é um grande problema, pois ao poucos uma grande sombra começa a ganhar força nos bastidores do governo liderado por Paul e uma conspiração conhecida como a Irmandade e liderada por algumas facções supostamente aliadas, começa a ganhar força para colocar abaixo esse governo. Enquanto uma conspiração vai surgindo, Paul comanda suas legiões a partir do remoto e desértico planeta Arrakis, que aos poucos vai sofrendo transformações a partir dos desejos do Atreides.
"— As constituições transformam-se na tirania suprema — Paul disse. — É o poder organizado em tamanha escala que chega a ser avassalador. A constituição é a mobilização do poder social e não tem consciência. É capaz de esmagar os maiores e os menores, removendo toda a dignidade e individualidade. Tem um ponto de equilíbrio precário e limite nenhum. Eu, no entanto, tenho limites. Desejando proporcionar a meu povo a proteção suprema, proíbo uma constituição." p. 68.

Paul, na figura de imperador, não governa a galáxia sozinho, ele conta com o apoio e auxílio de sua jovem irmã Alia, ela carrega em seu corpo os genes de toda a linhagem das Bene Gesserit e por isso possuí grande sabedoria e conhecimento, mas isso é algo que deixa o seu jovem corpo em conflito. Alia é extremamente poderosa, assim como o irmão ela consegue prever os acontecimentos, consegue vislumbrar o futuro, em certos aspectos ela consegue ser mais poderosa até mesmo que o seu irmão.
"Ela interrompeu o contato com o olhar de Alia, sentindo suas próprias ambiguidades e inadequações. Lembrou-se de que a armadilha do treinamento das Bene Gesserit estava nos poderes concedidos: esses poderes predispunham a pessoa à vaidade e ao orgulho. Mas o poder enganava quem o usava. A tendência era acreditar que o poder seria capaz de superar qualquer barreira… até mesmo a ignorância da própria pessoa." p. 142.

Com o passar do tempo, Paul começa a levantar questionamentos até sobre onde suas ações poderiam chegar e ele passa a ter estranhas visões que estão relacionadas à morte, mas principalmente uma visão relacionada a um grande mar de sangue, diretamente causado por uma guerra travada por seus fremen em seu nome contra aqueles que não acreditam nele, contra aqueles que não aceitam a sua condição de Imperador e deus. Enquanto isso, os inimigos de Muab'Dib se reúnem e arquitetam a queda de Paul, tecendo uma trama complexa e sutil, capaz até mesmo de fugir do controle e percepção da sua mente brilhante.

Enquanto a conspiração segue à todo vapor para tirar Paul do poder, Irulan a filha do antigo Imperador Padixá e atual imperatriz, infeliz com a sua condição atual, secretamente ministra uma veneno, a mando de uma influente Bene Gesserit, na alimentação de Chani, a fim de deixá-la estéril para que a verdadeira mulher do Imperador não possa conceber um varão e herdeiro. Chani, sem saber que é vítima de uma conspiração, chega a sugerir que o seu amado tenha um herdeiro com Irulan, para assim evitar maiores problemas. Nesse meio tempo Paul sê vê em meio aos conflitos pessoais, pois ele nunca esteve tão descrente de si mesmo, até então ele nunca foi vítima do seu destino grandioso e o pior está para acontecer, pois além da possibilidade de perder o poder, ele poderá perder uma pessoa muito amada por ele.
Opinião: Frank Herbert em Messias de Duna trabalha de forma magistral a política, chantagens, subornos e troca de favores políticos que estão claramente presentes na trama. Em comparação ao primeiro volume (Duna), este romance tem menos momentos de ação e o ritmo é mais cadenciado. As tramas apresentadas pelo autor são bem construídas e extremamente intricadas. Apesar das suas poucas páginas. em comparação ao primeiro volume, o enredo é denso e requer a atenção do leitor, tendo em vista as diversas informações, novas raças e personagens que são apresentados.

Assim como o livro Duna, Messias de Duna é um livro que me conquistou e fascinou, fiquei encantado por toda a mitologia apresentada, pelas questões políticas e religiosas que o autor traz, por todo o quebra-cabeça conspiratório presente, mas também por todas as visões de Paul que aos poucos vão se encaixando. Os diálogos merecem destaque, é um grande ponto positivo do livro, pois são permeados de questões filosóficas e reflexivas. Se você leu a resenha de Duna ou já leu o primeiro volume, sabe que Paul através da suas visões vislumbra possibilidades do futuro e o autor, através desse dom dado ao personagem, vai dando dicas do que está por acontecer e ao mesmo tempo ele acaba brincando com nossas expectativas.

Messias de Duna me surpreendeu de forma muito positiva e conseguiu aproximar-se da qualidade vista no primeiro volume da série. A narrativa de Frank Herbert continua bem descrita e detalhada, algo que particularmente me agrada. O poder e a ganância faz parte da trama, o autor trabalha bastante o lado religioso, despertando nos personagens sentimentos que vai da veneração ao ódio. Eu adorei e achei bem interessante acompanhar os conflitos pessoais de Paul que é uma figura extremamente poderosa, mas que não está imune as dúvidas ou até mesmo ao fracasso. Por fim, achei muito legal um certo personagem, que teve papel importante em Duna, voltar ao palco nessa trama. Eu super recomendo a leitura de Messias de Duna, é um livro grandioso e imperdível. Agradeço a Editora Aleph por me enviar esse livro fantástico!
Sobre a Edição: A Aleph realizou um grande e belo trabalho no projeto gráfico de Messias de Duna, o resultado foi ótimo. O livro conta com uma linda ilustração na capa realizada pelo competente Marc Simonetti, essa edição conta com capa dura, a diagramação ficou muito boa, a fonte e espaçamento estão confortáveis. As folhas são amareladas (algo que particularmente adoro) e não encontrei erros de revisão. Eu amei essa edição!
Sobre o Autor: Frank Patrick Herbert nasceu em 8 de outubro de 1920 na cidade de Tacoma (Washington), Estados Unidos. Herbert foi um autor de ficção científica de grande sucesso comercial e de crítica. Ficou conhecido pela obra Duna, e os cinco livros subsequentes da série. No Brasil seus livros são publicados pela Editora Aleph.

7 comentários:

  1. A Aleph sempre manda bem demais no projeto gráfico de suas obras, mas confesso que o enredo desta serie aqui não me deixou curiosa. Achei o universo bem original, mas não é um gênero que eu leia muito.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Fiquei pensando sobre o título messias e esse lance de fremen. Apesar de parecer conter um enredo bem elaborado e tudo bem construído como mencionou, não é um livro que me desperte muita atenção. Acredito que isso se deva a essa pegada política, provavelmente a leitura seria arrastada para mim.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá! Primeiro, temos que aplaudir essas edições da Aleph, que são de tirar o chapéu! Lindas, bem ilustradas, maravilhosas! E segundo, Duna é algo mais! Sempre que leio uma resenha da série, fico mais admirado com o universo que o autor criou. Tenho só o primeiro volume, e não quero ler antes de completar a coleção, mas sempre dou uma olhada pelas páginas, namorando o livro um pouco. E tenho a impressão que vou gostar, porque sempre eu faço a conexão de Duna e Star Wars, sei que não tem nada a ver, mas todo esse lane científico, com política e tal, me faz lembrar. Adorei a resenha! Parabéns!
    Bjoxx

    ResponderExcluir
  4. Olá...
    Ainda não conhecia essa série, mas, pelos seus comentários parece ser uma leitura bem bacana! Fico feliz em saber que a leitura tenha te surpreendido positivamente e fiquei curiosa a respeito de como o autor trabalhou elementos como a ganância e o poder.
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bom?

    Eu ainda não li esse livro, mas a sinopse já me deixou curiosa. Eu queria comprar desde a edição anterior, mas não conseguia achar. Porém, a editora criou essas novas versões maravilhosas que só falta o dinheiro para comprar. Eu gostaria muito de ter na estante, pois são lindas! Não sei se uma narrativa bem descrita e detalhada me agradaria, pois depende muito de como o autor desenvolve isso, já que posso achar cansativo. Por outro lado, quero muito saber como ele aborda os temas, como poder, ganância, religião e política. São temas que devem ser bem apresentados e você gostou desse lado, então estou curiosa para ler.

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Eu sempre li muitos elogios para o primeiro livro dessa série e, por conta disso, tenho muita vontade de me arriscar em ler. Gostei muito de conhecer suas impressões sobre esse livro e fiquei contente por ele ter te surpreendido e se aproximar da qualidade do primeiro volume.
    Ele parece abordar temas interessantes que precisam ser discutidos, apesar de as pessoas falarem que isso não se discute e vou anotar a dica.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    As capas dessa série são lindas, mas para mim, eu paro na capa mesmo...
    Por mais que o enredo seja interessante, eu não me sinto atraído e instigado a lê-lo, a trama não faz muito meu estilo e acho que comigo seria uma leitura extremamente arrastada, é por esse motivo que deixo a dica passar.

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad