[RESENHA #403] TIRZA - ARNON GRUNBERG - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

quarta-feira, janeiro 17, 2018

[RESENHA #403] TIRZA - ARNON GRUNBERG


Título: Tirza
Autor: Arnon Grunberg
Editora: Rádio Londres
Páginas: 464
Ano: 2015
ISBN: 9788567861074
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: 
Jörgen Hofmeester tinha uma vida perfeita: uma esposa atraente, uma casa com jardim em um bairro nobre de Amsterdã, uma carreira prestigiosa como editor de livros de ficção estrangeira, duas filhas lindas, Ibi e Tirza, e uma conta-corrente na Suíça. Uma vida burguesa, sossegada, que acaba sendo subvertida por uma série de eventos dramáticos: Ibi, pouco mais que uma menina, é flagrada em situação constrangedora com o inquilino de Jörgen e, depois desse episódio, resolve ir embora para sempre da casa do pai; a esposa de Hofmeester abandona a família em busca de “autorrealização”; a editora, em decisão unilateral, o aposenta antecipadamente; Tirza, a caçula e filha predileta, objeto da obsessão paterna, quando conclui os estudos, parte para uma longa viagem pela África com o namorado marroquino, que guarda inquietante semelhança com Mohammed Atta. A narrativa começa com Hofmeester preparando meticulosamente sushis para a festa de formatura e despedida de Tirza. Por trás do aparente autocontrole de Hofmeester e de seu desprezo por qualquer emoção, há uma violência reprimida, uma tensão constante, uma ameaça invisível, elementos que dominarão a trajetória do protagonista até o imprevisto e desconcertante final. Tirza é, ao mesmo tempo, um romance assustador e fascinante, divertido e sinistro, a história de um homem em desesperada, embora inútil, busca por salvação.

Resenha: Jörgen Hofmesster está na casa dos 60 anos de idade, ele vive em uma bela casa na cidade de Amsterdã (Holanda) com a sua filha caçula Tirza. Jörgen é um profissional respeitado, um homem do bem, pai cuidadoso e marido dedicado, porém ainda assim ele foi abandonado por sua linda mulher há alguns anos. Ibi é a sua filha mais velha, porém ela mora na França. Jörgen tem extrema preocupação com o futuro das filhas e por isso vive economizando para deixar uma quantia considerável para que elas nunca passem por necessidade.

"Nos primeiros meses do seu desaparecimento, na verdade, durante o primeiro ano, ele contava quase todos os dias com o seu retorno. Às vezes ligava do trabalho para casa para ver se ela atenderia. Ela ainda tinha as chaves, e ele não havia trocado as fechaduras. Não poderia acreditar que ela nunca mais voltaria [...]" p. 16.

Tirza há algum tempo prepara-se para sair de casa, ela tem um objetivo em mente, realizar uma grande viagem pelo continente africano, pois ela acabou de terminar os seus estudos no colégio e antes de iniciar os estudos na faculdade quer realizar esse objetivo. É nesse momento que Jörgen depara-se com uma triste realidade que precisar enfrentar, ter que ficar sozinho na vida, provavelmente ter que ficar sozinho no fim dos seus fins e isso o machuca, pois ele considera Tirza sua filha preferida.
Contudo uma reviravolta acontece na vida de Jörgen, pois na véspera da festa que Jörgem prepara para a sua filha que está concluindo os estudos no colégio, a sua ex-mulher resolve dar as caras e voltar para casa como se nada tivesse ocorrido no passado. Ela é uma mulher independente e não se prende as normas da sociedade, ela não tem qualquer amarra que possa prendê-la as suas filhas, o papel de mãe não é algo que tenha importância para ela e ela sente-se livre para fazer o que bem entender.

"Ele foi até o vaso, rasgou um pedaço de papel higiênico, assoou o nariz e jogou o papel na privada. Ficou olhando, observando como boiava na água. Então deu descarga. O barulho da descarga soou como um alívio. Pareceu quebrar a tensão insuportável que ele havia experimentado por um segundo." p. 63.

Aos poucos percebemos o quanto Jörgen se doa nos preparativos para a festa, ele quer que tudo seja perfeito, ele mesmo que prepara as comidas para a festa e arranja as bebidas. Porém, com o retorno de sua ex-mulher e a saída de Tirza de casa, Jörgen começa a apresentar dificuldades em seguir com a sua vida enquanto precisa lidar com a ausência de sua filha amada, pois ele fazia tudo para ela com muito amor e atenção, mas agora precisa lidar com essa mudança que ocorreu em sua vida.

"De vez em quando ele pensa no epílogo que é a sua vida, na faxineira de Gana que, claro, não pode ser considerada uma namorada. Uma namorada é alguém com quem se compartilha mais do que relações físicas em dias predeterminados. Mesmo assim." p. 348.
Opinião: Tirza foi uma leitura profundamente reflexiva, pois conhecemos a relação do protagonista com a sua filha mais nova, ele não é apenas um pai muito protetor, ele na verdade extrapola esse campo, já que ele fica cegado pelo amor e admiração que tem pela filha, dessa forma a preocupação e proteção que dá para sua filha beira a insanidade, algo que leva a sua ex-mulher a classificar o tratamento que Jörgen dá a sua filha como de um amante, existe uma forte fixação por sua filha e isso leva a sugerir um desejo pela filha que é constantemente reprimido.

O autor nos leva a conhecer o tratamento violento que Jörgen dá para a sua ex-mulher no retorno dessa para casa e isso ocorre em face aos comentários que sua ex-esposa tece sobre quão péssimo marido ele era, por ele ser um homem regrado e ter expectativas extremamente altas sobre suas filhas. O autor também aborda a sonegação de impostos que é retratada com o envio de dinheiro do protagonista para a Suíça.
Esse foi o meu primeiro contato com a escrita de Arnon Grunberg e posso dizer que foi uma leitura intensa, o autor nos faz sentir uma mistura de sentimentos como admiração, raiva, desgosto, pena e empatia pelo protagonista. Por um lado ele quer ser presente e proteger suas filhas, por outro lado ele exige muito de Tirza, ele busca reconhecimento para cada ato e atitude que realiza, ele também se cobra muito, pois espera sempre atender as expectativas das pessoas que estão em sua vida. O autor também nos mostra como é conviver em sociedade e como essa pode ser cruel em nossa vida, como podemos enlouquecer, pois muitas vezes vivemos fingindo que tudo está bem, fingimos que somos felizes e na verdade a vida pode ser assustadora. Tirza foi uma leitura chocante, forte e intensa, esse é um livro para ser lido com calma e apreciado.

Sobre a Edição: A Rádio Londres caprichou no projeto gráfico, esta é uma edição com capa dura. A revisão ficou muito boa, além disso a fonte e o espaçamento também ficaram confortáveis. As folhas são amareladas e isso conta muito ao meu ver. O livro conta ao todo com cinco grandes capítulos.
Sobre o Autor: Arnon Grunberg nasceu em Amsterdã (Holanda), no ano de 1971. Ele é considerado um dos escritores mais importantes das últimas décadas no seu país. Aos 23 anos, publicou o seu primeiro romance, Amsterdã Blues, que venceu os prêmios Anton Wachter, em 1994, e Gouden Ezelsoor, em 1996. Tirza é considerado sua obra-prima, conquistou os prêmios Libris Literatuur e De Gouden Boekenuil em 2007. Arnon Grunberg colabora com várias revistas e jornais internacionais, entre os quais The New York Times, The Times of London, Die Zeit, Süddeutsche Zeitung e Libération. É também autor de peças teatrais, de um roteiro para o cinema e de obras de não ficção.

9 comentários:

  1. Fiquei bem instigada em realizar a leitura do livro, a cena parece ser coisa de filme e fiquei incrivelmente empolgada para ler, sua resenha ficou ótima e suas fotos só nos mostraram o quanto a edição está encantadora cada vez mais, dica anotada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Tudo bom?
    Mesmo sua resenha sendo maravilhosa, infelizmente não sou fã desse tipo de leitura.
    Então deixarei a dica passar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oie
    adoro leituras reflexivas, muito legal mesmo saber mais sobre um livro que eu não conhecia e muito legal o enredo no geral, a ideia do livro, gostei demais do que vi e ja quero

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oiii
    Mas eu achei muito interessante esse livro hem!! Foi muito bom saber sobre o que era, me interessei muito pela leitura, gosto muito quando o livro traz reflexões mais profundas. Dica anotada!
    Bjus

    ResponderExcluir
  5. Não é meu tipo de leitura, mas achei ele bem interessante. Esse estilo de capa é bem chamativo.
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Eu li um livro que tinha um personagem assim, um pouco obcecado e protetor com a sua filha, mesmo assim o deste livro parece estar num nível avançado... se naquele eu já achava tudo um tanto quanto preocupante neste então tudo deve ser mais intenso. Gosto também de como a sociedade é inserida na historia.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  7. Oie,
    Me parece ser um livro psicologicamente tenso. Não faz muito o meu estilo, mas agradeço a dica e a oportunidade de conhecer uma história premiada em 2007 que finalmente chega ao mercado literário brasileiro.
    Abraços,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  8. Olá! Ainda não conhecia e fiquei bastante curiosa para conferir sobre a obra. Muito boa e sincera sua resenha. Que bom você compartilhar no blog, bjo

    ResponderExcluir
  9. Acho que ler sobre relações familiares principalmente essa relação de pai e filha pode ser interessante ou meio morno, e nesse caso só por sua resenha não sei o que seria pra mim mas fiquei curiosa.

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad