[RESENHA #405] DÔRA DORALINA - RACHEL DE QUEIROZ - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quinta-feira, janeiro 18, 2018

[RESENHA #405] DÔRA DORALINA - RACHEL DE QUEIROZ



Título: Dôra, Doralina
Autora: Rachel de Queiroz
Editora: Coleções Folha (Folha de S. Paulo)
Páginas: 352
Ano: 2017
ISBN: 9788579493409
Onde Comprar: Coleções Folha - Livraria da Folha

Sinopse: 
Dôra vive sob as ordens da mãe viúva, autoritária e fria, senhora de uma fazenda no interior do Ceará dos anos 1930. Lá vivem a parentalha, ex-escravos e mesmo gente que andou pelo cangaço. Uma traição terrível em família faz com que Dôra fuja de si e da terra onde se criou. Maria das Dores, a Dôra, instala-se em Fortaleza e ajuda a cuidar de uma pensão. Engaja-se em uma trupe de teatro mambembe. Apaixona-se por um tipo suspeito e vai viver no Rio dos anos 1940."Dôra, Doralina" são as memórias dessa mulher, do seu cotidiano em um Brasil muito diferente e primitivo. É a narrativa íntima de amores, ódios e infortúnios dos tempos de vida errante de uma mulher forte, vida que, enfim, se acalma em uma reviravolta surpreendente. Esse romance de viagem e de transformação interior é obra de outra fazendeira do Ceará, Rachel de Queiroz (1910-2003), uma das mais premiadas escritoras brasileiras, romancista, dramaturga e jornalista, autora também de "O Quinze" e de "Memorial de Maria Moura".

Resenha: Raquel de Queiroz nos conta a história de Maria das Dores (Dôra), uma menina que foi criada apenas por sua mãe, pois quando ela era ainda muito nova o seu pai faleceu e sua mãe não falava dele. A mãe de Dôra é uma mulher rígida, dominadora e que demonstra não gostar da filha, chegando a tratá-la com indiferença. Dôra vive na fazenda Soledade, em Aroeiras no interior do Ceará com a sua mãe. O local pertence as duas, mas Dôra é tratada com indiferença pela mãe, essa por sinal vive ameaçando a filha de ficar com todas as terras da fazenda.

"Mais de uma vez eu disse que se tivesse uma filha punha nela o nome de Alegria. Mas não tive filha; e também conheci no Rio uma senhora chamada Alegria, Dona Alegria, vizinha numa casa de vila, no Catete [...]" p. 9.
Ao completar vinte anos de idade a jovem Dôra nunca conheceu um homem, nunca teve um namorado, pois ela era rejeitada, ninguém queria ela por não ser uma mulher muito bonita. Entra em cena Laurindo, um jovem ambicioso que resolve se aproximar de Dôra não por sua beleza, mas sim pelas posses da jovem. Com o passar do tempo Laurindo constrói uma relação com Dôra, eles resolvem casar meramente por uma questão social e para Dôra essa é uma oportunidade de mostrar para a mãe que tinha alguém na cidade interessado por ela. Como nem tudo são flores para a jovem, Laurindo também mantém um relacionamento com a mãe de Dôra.

"Eu não tinha pai, nem avô nem avó, nem madrinha nem tio, nem irmão nem irmã. Todo dia ia para a escola de charrete - acho que naquele tempo ainda não usava uma charrete com roda de pneu, era cabriolé de rodas altas de ferro, como o de Tio Doutor." p. 37.

Apesar de toda a decepção do casamento, Dôra acaba ficando grávida, contudo ela perde o bebê. Diante de todos os infortúnios que a vida lhe reservou, a jovem decide mudar de vida, ela deseja a sua independência e resolve entrar em um teatro para se tornar atriz, pois esse é um lugar de liberdade. É no teatro que ela conhece um comandante por quem se apaixona, porém ele é um homem violento e machista. Querendo ficar com o comandante, ela abandona o teatro, mas chega um momento em que ela precisa escolher entre o seu amor ou assumir a fazenda que sempre lhe pertenceu.
Opinião: Dôra, Doralina é dividio em três partes e a autora presenteia com esse romance magnífico. Dôra é uma personagem marcada pela dor, cresce sem uma figura paterna e precisa conviver com a indiferença da mãe. Não existe nenhum amor entre mãe e filha, em alguns momentos existe uma competitividade entre elas. Mesmo com todas as dificuldades que a protagonista precisa enfrentar, ela segue em frente com a sua vida. Rachel de Queiroz constrói uma personagem complexa, mas que caracteriza-se por ser submissa e passiva ao seu homem, Dôra deixa as coisas tomarem seu rumo, acontecerem sem ser ativa, ela é simplesmente conduzida pela vida. Dôra foi uma leitura deliciosa, eu adorei o fato da história ocorrer em três períodos distintos. A autora consegue utilizar de forma magistral o ódio, a mágoa, ressentimentos, mas também o amor em sua história. Esse livro é surpreendente e agradeço a Coleções Folha por ceder esse belo clássico.
Sobre a Edição: Dôra, Doralina é o décimo volume da coleção Mulheres na Literatura e como nos volumes anteriores a Coleções Folha mantém um padrão de qualidade muito bom. A revisão ficou ótima, as folhas são amareladas, já fonte e o espaçamento estão confortáveis, a edição conta ainda com capa dura.
Sobre a Autora: Rachel de Queiroz nasceu em 17 de novembro de 1910 na cidade de Fortaleza, Ceará. Ela foi tradutora, romancista, escritora, jornalista, cronista prolífica e importante dramaturga brasileira. Autora de destaque na ficção social nordestina. Foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras. Em 1993, foi a primeira mulher galardoada com o Prêmio Camões. Ingressou na Academia Cearense de Letras no dia 15 de agosto de 1994, na ocasião do centenário da instituição.

6 comentários:

  1. Nossa, que história, eu nunca tinha visto uma resenha mas conhecia o livro claro. Apesar de não ser meu tipo de leitura sempre vejo ele nas livrarias. Obrigada pela linda resenha.

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Mayara, tudo bem?
    Nossa que livro hein?
    Confesso que não conhecia mas me vi fisgada pela sua resenha. Pela história da Dora que é tão real e intensa. Me vi curiosa por saber os proximos acontecimentos e se ele chegou ao seu final feliz. As fotos também mostraram uma edição linda o que só contribui para a aquisição da obra.
    Amei a sua dica e muito mais a sua resenha
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Oie
    nossa, parece ser uma leitura sensacional por ser um enredo tão sensível, gostei demais por parecer algo bem real então já quero, adorei sua resenha e a dica, vou procurar saber mais sobre o livro

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oieee
    No meu último ano do ensino médio foi muito se falado sobre Rachel de Queiroz, mas eu não conhecia esse livro dela. Fiquei super interessada. Apesar de ter dificuldades em ler clássicos, quero mudar isso haha
    Bjs

    https://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oii
    Eu não conhecia esse livro, mas achei super interessante! Adorei ter essa rivalidade entre mãe e filha, gosto muito desse tipo de romance pois mostra um lado bem sombrio do ser humano. Esse tipo de romance que explora vários sentimentos me atrai muito. Ótima dica!
    Bjus

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Acredita que não conhecia o livro? Sei que faz parte de uma coleção lindíssima e que ainda quero adquirir, por isso com certeza futuramente lerei o livro. Gosto de personagens complexas aliado a temática proposta. Dica anotada!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad