[RESENHA #425] O MÉDICO E O MONSTRO - ROBERT LOUIS STEVENSON - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

[RESENHA #425] O MÉDICO E O MONSTRO - ROBERT LOUIS STEVENSON

Título: O Médico e o Monstro
Autor: Robert Louis Stevenson
Editora: ViaLeitura [Edipro]
Páginas: 96
Ano: 2018
ISBN:9788567097527
Onde Comprar: Edipro

Sinopse: Misturando elementos de ficção científica e de horror, O Médico e o Monstro é uma das principais novelas góticas do século XIX. Publicado por Robert Louis Stevenson em 1886, o livro é considerado pelo autor de terror Stephen King, um dos três grandes clássicos do gênero - ao lado de Drácula e de Frankenstein. O enredo tem inicio com a descoberta de que o respeitável médico Henry Jekyll deixou como único beneficiário de seu testamento o odioso senhor Hyde. Um ano depois, Hyde espanca um homem até a morte. Enquanto isso, Jekyll se isola cada vez mais em seu laboratório. O advogado Gabriel Utterson se empenhará, então, em descobrir a estranha relação que une esses homens. O médico e o monstro traz elementos inovadores ao gênero de horror, como o transtorno de dupla personalidade, por exemplo. Com referências as assassinatos cometidos por Jack, o estripador, na Londres vitoriana, chegou a inspirar um novo termo no dicionários inglês: Jekyll and Hyde, como são chamadas as pessoas moralmente dúbias. 

Resenha: O senhor Utterson não era diferente de muitos dos profissionais de sua época. Sério e sisudo, porém, honesto e bastante competente na profissão que escolheu seguir, a de advogado, sempre foi visto como um homem confiável e fiel aos seus princípios e amigos. Foi em uma caminhada com seu amigo, senhor Enfield, que descobriu uma relação bastante estranha entre outro amigo de longa data, o Senhor Jekyll.

O senhor Enfield, contou que em uma noite qualquer, estava ele voltando de algum lugar por volta das três da madrugada, quando presenciou uma cena um tanto revoltante. O senhor Enfield avistou um homem estranho virando a esquina rapidamente e "atropelando" uma criança, passando por cima dela e deixando-a gritando no chão. Como o homem não parou nem nada, indignado, o senhor Enfield foi no encalço dele, alcançando-o e o trazendo pelos colarinhos até o local do incidente.

"Não parecia um homem; foi como um maldito Juggernaut, um verdadeiro rolo compressor. [...] Ele parecia perfeitamente calmo e não ofereceu nenhuma resistência, mas me olhou com expressão tão medonha que me fez suar frio." p. 10.

O Senhor Utterson ficou sabendo pelo relato de Enfield, que após algumas ameaças suas, o homem prometeu uma indenização de cem libras. E foi quando eles o acompanharam até um endereço que já era de conhecimento do advogado. Foi então que ele teve a certeza que aquele homem misterioso estava, de alguma forma, chantageando ou ameaçando seu amigo e cliente, o Dr. Henry Jekyll.
Algumas semanas antes, Henry Jekyll enviou um documento para o seu amigo e advogado, Utterson, que se revelou ser o "Testamento do doutor Jekyll". Utterson, apesar de contrariado, nada podia fazer quanto ao seu conteúdo, pois estava expressa a vontade de seu amigo que no caso de sua morte ou desaparecimento, todos os seus bens deveriam ir para seu "amigo e benfeitor" Edward Hyde. Utterson conhecia Jekyll há muitos anos e jamais havia ouvido nada à respeito de Edward Hyde. Mas quando ficou sabendo daquela estranha história envolvendo o misterioso Hyde, Utterson resolveu que deveria descobrir o que estava acontecendo com seu amigo.

"Daquele momento em diante, o senhor Utterson passou a rondar aquela porta na viela das lojas. Pela manhã, antes do horário comercial, ao meio-dia, quando havia muito movimento e pouco tempo livre, à noite, sob o rosto da lua enevoada da cidade, sob todas as luzes e a qualquer hora, de solidão ou multidão, o advogado podia ser visto no posto por ele escolhido." p. 19.

Conhecer, finalmente, o senhor Hyde, não foi uma coisa muito agradável para o senhor Utterson, pois Hyde fazia com que as pessoas se sentissem incomodadas, com um certo medo, em sua presença. Algumas semanas depois, mesmo sabendo que estava se intrometendo, Utterson finalmente conseguiu ficar sozinho com seu amigo, Jekyll, após um pequeno encontro social que o médico dera em sua residência, e falar sobre o misterioso Hyde.

"O belo rosto largo do doutor Jekyll ficou branco até nos lábios, e então seus olhos ficaram escuros. "Não quero ouvir mais nada", ele disse. "Este é um assunto que pensei que havíamos concordado em não tocar mais." p. 27.
Utterson não pode mais se intrometer nos assuntos entre Jekyll e Hyde, pois o doutor fora irresoluto quando "pediu" para que Utterson não lhe incomodasse mais com aquilo. Tudo ficou calmo por um tempo, mas por volta de um ano depois, Londres foi abalada por um crime brutal. Utterson tinha se envolvido no caso, pois a vítima tinha um envelope selado e endereçado ao advogado. Na manhã do crime o envelope tinha sido entregue e Utterson foi levado à delegacia para ver se reconhecia o corpo da vítima. Utterson não só reconheceu a vítima como também reconheceu de quem era a arma do crime: uma bengala, que estava partida e esfolada, ele reconheceu de imediato como aquela que dera de presente alguns anos antes ao seu amigo, Henry Jekyll. Assim teve início a caçada ao misterioso Edward Hyde e o desespero do renomado médico Henry Jekyll.

Opinião: O Médico e o Monstro de Robert Louis Stevenson, demonstra que certas histórias são fadadas a longevidade e a adoração eterna. Dono de uma escrita muito fluida, Stevenson, nos conta a grande descoberta de Henry Jekyll e suas terríveis consequências. O grande diferencial de O Médico e o Monstro é o ineditismo do tema da dupla personalidade; hoje conhecido como Transtorno Dissociativo de Identidade. Não contente com essa inovação na literatura na época, Stevenson, resolve ainda contar a história dentro de um universo de horror; hoje classificado como Terror Clássico. 

Stevenson, assim como muitos outros escritores daquele tempo, nos engendra na busca pelo desconhecido em que muitos cientistas e médicos se colocaram na época Vitoriana, por exemplo, em busca de conhecimento, status e também riqueza. Porém, quase sempre algo de errado acontece e as coisas acabam não dando tão certo quanto se esperava. Como uma marca daquela época a fragilidade humana é bastante presente em toda a obra de Stevenson, principalmente em O Médico e o Monstro, onde situações emocionais extremamente fortes, acabam levando alguns personagens à morte.

O mais incrível de O Médico e o Monstro, fica por conta das possibilidades que a história nos apresenta, principalmente a possibilidade de ser uma pessoa totalmente diferente da que você é. Stevenson, envereda pela dissociação do bom e do mau, onde Jekyll é o misto das emoções como qualquer ser humano e Hyde é apenas maldade. Toda a negritude da alma passa a ser um personagem vivo, asqueroso e atuante pelas ruas de Londres. Sem qualquer pudor, consciência ou simpatia pelo próximo, Hyde faz o que quiser sem se importar com nada além de si mesmo.
Enquanto Jekyll, em primeiro momento, se diverte com a personalidade de Hyde, no futuro, essa mesma personalidade vai trazer apenas desespero onde antes, havia diversão. O horror que se sucede com a deterioração das personalidades viventes em um único corpo, traz para ambos o desespero, pois eles sabem que somente um poderá se sobressair ao outro.

Stevenson tece uma crítica social imensa quando da confissão de Jekyll, mostrando que muitas vezes aquilo que se deseja pode custar a destruição de vidas e o abalo de sociedades inteiras. É muito interessante e intrigante ver como o personagem de Jekyll, tido como o lado bom, demonstra e confessa diversas coisas que estavam escondidas em seu interior e que foram colocadas para fora e muitas até executadas pelo seu outro eu; o senhor Hyde. Por outro lado, Hyde é visto apenas como o vilão de toda a história, sem que se escute a sua versão dos fatos.

Simbolicamente, Hyde, pode ser demonstrado como nossa raiva, nossos desejos proibidos e também nossas idealizações de vingança contra situações que nos fizeram sofrer em algum ponto de nossas vidas. Hyde, é tudo aquilo que não podemos ser sem nos destruirmos por completo, caso o coloquemos; Hyde, em ação. Obviamente, que Stevenson nos demonstra de uma forma muitíssimo eficaz todas as consequências de se fragmentar fisicamente e psicologicamente, quando faz a alusão ao Transtorno de Dissociação de Identidade em Jekyll e Hyde. O que um não faria nem pensando mil vezes, o outro faria mil vezes sem pensar em absolutamente nada.

O Médico e o Monstro de Robert Louis Stevenson foi publicado pela primeira vez em 1886 e em mais de cento e trinta anos depois continua sendo atual e mordaz, além de espetacularmente gratificante em entreter seus leitores e é sim, maravilhosamente IMPERDÍVEL.
Sobre a edição: A editora Edipro, através do selo ViaLeitura, nos apresenta mais uma vez uma ótima e enxuta edição de um dos maiores clássicos de terror de todos os tempos. O Médico e o Monstro, vem com uma capa que também remete ao tempos "exagerados" da ficção científica e terror dos anos 50 e 60 [vide Frankenstein], e que ficou muito bacana e bastante bonita. A fonte é bem agradável e segue impressa em papel amarelado deixando bastante prazerosa a leitura desse clássico. O Médico e o Monstro faz parte da coleção "Clássicos da Literatura Universal" e que conta com títulos como o já mencionado Frankenstein, Drácula, A Máquina do Tempo, O Homem Invisível, Carmilla - A vampira de Karnstein entre muitos ótimos outros títulos.

Sobre o autor: Robert Louis Stevenson [1850 - 1894] foi poeta e escritor. Nascido na Escócia, redigiu clássicos como A Ilha do Tesouro e O Médico e o Monstro, tornando-se um dos autores mais importantes do século XIX e mais traduzidos até hoje. Crítico às normas sociais, ele deixou a família, que considerava conservadora, aos 23 anos, e partiu para Londres, onde passou a frequentar os salões literários. Três anos depois, conheceu sua esposa em Paris. Acompanhando dela e do enteado, mudou-se para as Ilhas Samoa, no Pacífico, em 1889. Em meio à paisagem paradisíaca, que ele amava, morreu de hemorragia cerebral aos 44 anos. 

38 comentários:

  1. Eu amo clássicos. Tenho outra edição dessa história que é a publicada pela Martin Claret em 2017 - Título: Frankenstein; O médico e o monstro; Drácula Bram Stoker, Mary Shelley

    Mas já li tanto a que tenho, quanto outras e não muda a forma de nos mostrar o duelo entre o bem e o mal dentro de si mesmo. Esse não é um daqueles livros que se tem um mistério até o final, mas tem uma narrativa empolgante e faz com que o leitor fique preso às suas páginas mesmo que tenha uma ideia ou certeza do que está por vir! Um é aquela personalidade que sabe o certo e errado e se julga por suas ações e pensamentos, enquanto o outro não se importa com questões morais e seus julgamentos de certo e errado estão longe de sequer parecer com o outro. É engraçado quando percebemos onde um começa e o outro termina.. Como uma dupla personalidade de bem e mal.. Uma versão nossa para cada tipo de situação! Mas isso foge ao controle, claro! Vou parar os comentários por aqui e só posso afirmar que a leitura é incrível e quem não leu deveria!

    Achei essa edição da Edipro linda nas fotos.. Vou procurar para ver em mãos!

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karini, muito obrigado pela visita e também fico feliz por ter gostado. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  2. Olá!

    Conheci esses personagens através da série "Once Upon a Time" e fiquei me perguntando como era a real história, já que na série eles sempre mudam bastante. Que surpresa agradável é ler essa resenha e descobrir esse livro. Parece ser um livro cheio de tensão, sem dúvidas, mas muito bom. Dica super anotada!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, que bom que você gostou. Leia sim, pois vale cada palavra. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  3. Olá!
    Achei essa edição muito bonita e diferente.
    Li esse livro pela primeira vez há quase três anos atrás e acho que apesar de ser um clássico, ele é muito datado, para o período, até entendo toda a comoção em torno dessa novela, mas atualmente, para mim, ela não traz nada de novo.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrea, obrigado pela visita, volte sempre. beijos.

      Excluir
  4. Olá! Saudações literárias, tudo bem com você? Espero que sim! Cara, que resenha incrível! Esse livro tenho muita vontade em ler, um clássico de todos os tempos, deveria ter lido à muito tempo. Já vi séries baseadas na obra e confesso que essa é uma leitura digna de uma bela resenha, da qual você escreveu magistralmente. Já está na minha lista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael, estou sem palavras. Mas leia o quanto antes, pois é muito bacana esse livro. Um dos meus preferidos de todos os tempos. Obrigado mesmo, fico muito feliz que tenha gostado. Abraços.

      Excluir
  5. Eu achei essa edição linda e estou bem curiosa com a leitura. Gostei bastante da resenha bem detalhada e de poder conhecer um pouquinho mais sobre a história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Beatriz. Leia, que tenho certeza que vai gostar. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  6. Aquele clássico que mora no meu coração. Tenho uma edição da história, mas está tão velhinha que tá soltando todas as páginas. E achei esta que vc resenhou linda *_* .


    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clayci, ela é simples, mas é bem bonita mesmo. Renove o seu exemplar e aproveita e releia esse clássico magistral. Beijos e muito obrigado pela visita.

      Excluir
  7. Sem sombra de dúvida que existem livros eternos, que não importa a época em que sejam lidos, serão sempre atuais. O médico e o Monstro se enquadra bem neste quesito. Fiquei com vontade de uma releitura.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose, não passe vontade....leia novamente sim. kkkkkk... beijos e obrigado pela visita.

      Excluir
  8. Apesar de conhecer o livro a muito tempo eu nunca li e nem sabia a fundo do que se tratava. Com a resenha eu tive uma visão ampla da premissa dessa obra atemporal. Gostei da ideia de possibilidades que a história apresenta e toda critica social contida no enredo. Dica anotada, vou dar uma olhada, pois acredito que eu tenha uma versão bem antiga deste livro na minha estante.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, procure na sua estante e leia já....kkkkkk... muito obrigado, pela visita, viu. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  9. Olá!
    Essa capa e o projeto da editora está impecável. Confesso que não conhecia exatamente sobre o que se tratava essa história, mas gostei das nuances e das personalidades que o autor desenvolve durante a trama.
    Fiquei com vontade de conhecer mais dessa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, a editora Edipro faz tudo com muito carinho. Pode ir tranquila que a edição é muito bonita e bem feita, além da história que é espetacular. Muito obrigado pela visita e volte sempre, tá?!

      Excluir
  10. Necessito desse livro agora!
    Parabéns pela resenha, uma excelente dica de leitura.

    Beijokas,
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br/2018/02/resenha-felicidade-ou-morte.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estefania, compre já lá na loja da Edipro e depois se delicie com essa leitura sensacional. Beijos e obrigado por vir. Volte sempre, eihn!!

      Excluir
  11. Olá, tudo bem? Nossa, que edição linda! Ainda não tive a oportunidade de ler esta obra, mas parece ser incrível. Ótima resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bonita, né, Larissa? Leia sim, pois vale muito a pena. Beijos e obrigado pela visita.

      Excluir
  12. Eu li esse livro faz tempo e também assisti o filme. Não me lembro da história em detalhes só da sensação que tive na época e isso com a sua resenha me fez ter vontade de reler.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Marcia, até hoje não assisti um filme que tenha sido fiel, mas mesmo assim o que eu mais gostei foi o de 1941 com o insuperável Spencer Tracy no papel de Jekyll e Hyde e que ainda contava com Ingrid Bergman e Lana Turner. Porém tem muitas, mas muitas mudanças na história toda. É como dizem por aí, "apenas baseado na obra original". Muito obrigado e volte sempre tá...e releia sim, eu o fiz e foi muito prazeroso. Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Adorei a resenha! Já assisti alguns filmes e apesar de ter gostado, sempre tive algumas ressalvas. O meu preferido é um antigo que, pesquisando aqui no Google, vi que é o de 1941.Tenho uma curiosidade enorme em ler o livro, sempre me falam muito bem e tenho um amigo que me deu aquela edição linda com 3 livros ( Frankstein, O Médico e o Monstro e Drácula), mas ainda não consegui encaixá-lo na minha fila de leitura.
    Espero ler em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neyla, então leia o mais rápido possível, pois é muito bom. Muito obrigado, viu. Espero que você volte sempre aqui no Saga. Beijos.

      Excluir
  15. Oie
    eu nunca li o livro mas sei um pouco da história e acho bem genial, foi ótimo saber que é fluido pois tenho medo de ser massante pois muitos clássicos são, com certeza esta na lista para eu ler já que é uma leitura tão respeitada, adorei ver a resenha por aqui, parabéns pela dica tão boa

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catharina, leia sim. Muito obrigado pela visita. Beijos.

      Excluir
  16. Já vi alguns filmes inspirados nesta história, mas sou do time que acredita que o livro sempre será melhor, mais completo e mais envolvente.

    Infelizmente ainda não tive oportunidade de ler a obra original, mas a sua resenha me empolgou e acredito que finalmente vou organizar as leituras e encaixar este livro na lista de metas deste ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandra, fico feliz por isso. Leia sim. Muito obrigado pela visita. Beijos.

      Excluir
  17. Eu sempre via comentários e pequenas partes sobre essa obra mas nunca tive a chance de ler, ta na minha wishilist a anos mas confesso que amei essa edição das fotos que você colocou, acho a obra um prato cheio pra quem gosta das complexidades da mente humana e é por isso que quero muito ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paac, aproveite que agora é a hora. Muito obrigado pela visita. Beijos.

      Excluir
  18. Ainda quero ler esse livro, só não sei quando. Certos clássicos nos causam um certo tipo de medo de nos decepcionarmos, e esse é o caso dessa obra. Mas está na minha lista e será lido - ainda mais porque fiquei super curiosa após a referência que Penny Dreadful fez ao livro.

    ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mia, leia sim, pois tenho certeza que irá gostar. Sobre Penny Dreadful, pena que a referência não deu tempo de ser explorada, seria espetacular. Muito obrigado pela visita. Beijos.

      Excluir
  19. Oi Jeffa, tudo bem?
    Olha só! É o segundo clássico que tenha a honra de comentar! Amo ver quando os clássicos estão povoando os blogs, pois não são todos que curtem a leitura de um clássico! Apesar de conhecer o livro, não sabia muito sobre o autor e confesso que, o pequeno trecho sobre ele, me deixou mais curiosa em saber sobre o autor do que sobre o livro! Tenho curiosidade em ler, só não sei pq nunca li, já que adoro os clássicos! Enfim, depois dessa sua resenha fica difícil ignorar por muito mais tempo essa obra! Dica anotada e amei sua resenha!
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sophia, fiquei até sem palavras...kkkk... por favor, não adie mais essa leitura, pois tenho certeza absoluta que você vai gostar bastante. Muitíssimo obrigado e por favor, volte sempre. Beijos.

      Excluir
  20. Que livro bonito e que resenha maravilhosa! Eu conheço pouquíssimos clássicos que não sejam brasileiros. Recomenda que eu mude isso começando por esse?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nátalia, recomendo sempre uma trilogia do horror clássico para todo mundo que eu conheço. Esse com absoluta certeza é um deles. Se você está disposta a adentrar nesse nicho de clássicos da literatura estrangeira, é um ótimo começo. Agradeço muitíssimo pelas palavras e se precisar de alguma indicação, pode me chamar, tá bom. Beijos e mais uma vez, muito obrigado.

      Excluir

Post Bottom Ad