[RESENHA #432] MUDBOUND: LÁGRIMAS SOBRE O MISSISSIPI - HILLARY JORDAN - Saga Literária

Breaking

sexta-feira, 9 de março de 2018

[RESENHA #432] MUDBOUND: LÁGRIMAS SOBRE O MISSISSIPI - HILLARY JORDAN


Título: Mudbound - Lágrimas Sobre o Mississipi
Autora: Hilary Jordan
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Ano: 2018
ISBN: 9788580417821
Onde Comprar:
 Amazon - Saraiva

Sinopse:
 Um amor proibido, uma traição terrível, uma agressão selvagem. Um romance de força impressionante, que nos faz mergulhar nas contradições do Mississippi pós-Segunda Guerra Mundial.

Ao descobrir que o marido, Henry, acaba de comprar uma fazenda de algodão no Sul dos Estados Unidos, Laura McAllan, uma típica mulher da cidade, compreende que nunca mais será feliz. Apesar disso, ela se esforça para criar as filhas num lugar inóspito, sob os olhos vigilantes e cruéis de seu sogro. Enquanto os McAllans lutam para fazer prosperar uma terra infértil, dois bravos e condecorados soldados retornam do front e alteram para sempre a dinâmica não só da fazenda, mas da própria cidade. Jamie, o jovem e sedutor irmão de Henry, faz Laura de repente renascer para a vida, enquanto Ronsel, filho dos arrendatários negros que trabalham para Henry, demonstra uma altivez que não será aceita facilmente pelos brancos da região. 

De fato, quando os jovens ex-combatentes se tornam amigos, sua improvável relação desperta sentimentos violentos nos habitantes e uma nova e impiedosa batalha tem início na vida de todos. Alternando a narrativa entre vários pontos de vista, este premiado romance oferece ao leitor diferentes versões dos acontecimentos. Os personagens, lutando por sentimentos de amor e honra num lugar e época brutais, se veem dentro de uma tragédia de enormes proporções e encontram redenção onde menos esperam. 

Resenha: Estamos no ano de 1939, período em que conhecemos Laura Chappel, uma mulher que está na casa dos trinta e poucos anos, ao contrário da maioria das suas amigas, Laura ainda não casou, acreditando nas remotas chances de contrair o matrimônio, ela contentava-se em dar aulas e jogar brigde com suas amigas. Porém, o inesperado acontece e surge em sua vida Henry McAllan, um engenheiro amigo do seu irmão que sonha em ser fazendeiro que lhe dá atenção e afeto. Diante do interesse de ambos, Laura e Henry acabam casando, os seus dias são felizes e dessa relação nascem duas meninas.

"Quando penso na fazenda, penso em lama. Infiltrando-se nas unhas do meu marido. Empapando os joelhos e cabelos das crianças. Sugando meus pés feito um bebê guloso nos seios da mãe. Deixando pegadas por toda parte dentro de casa. Não havia meio de derrotar a lama. Ela cobria tudo. Eu sonhava com tons de lama. p. 18."

Mas certo dia a vida dessa família promete mudar radicalmente, pois Henry anuncia que conseguiu realizar o grande sonho da sua vida e eles vão se mudar para o campo, pois Henry comprou uma fazenda de algodão. Contudo, Laura é uma mulher da cidade e não consegue imaginar morando longe da sua família e principalmente da civilização. Porém, Laura segue firme em apoiar o grande sonho do seu marido e juntamente com as suas filhas vai para o campo mesmo contra a sua vontade, mas eles não estão sós, pois Pappy, o sogro de Laura vai com a família para o campo.

"Quando completei seis anos, meu avô me chamou no quarto onde estava morrendo. Eu não gostava de entrar naquele quarto (o ar recendia a doena e velhice e o corpo esquelético dele me dava medo), mas fui criado para ser obediente, então fui." p. 66.
Quando eles chegam finalmente na fazenda, Laura e a família deparam-se com uma realidade totalmente nova e diferente, pois o lugar não tem encanamento, a eletricidade é algo inexistente no local e para piorar a situação, as condições da moradia são péssimas. Agora, Laura precisa enfrentar diversas dificuldades e se adaptar em seu novo lar, já que o seu marido está vivendo o sonho de uma vida. Enquanto a família precisa se adaptar a nova rotina, eis que surge Jaime, irmão de Henry e cunhado de Laura, ele volta da guerra. Jaime não é o único homem das redondezas a voltar da guerra, pois Ronsel, filho de Hap e Florence Jackson, arrendatários negros que trabalham nas terras de Henry está de volta. A família Jackson alimenta um grande sonho, eles trabalham e lutam para conseguirem ter a sua própria terra. Mesmo com toda a diferença étnica e financeira, Laura e Florence acabam se aproximando quando a matriarca da família Jackson vai trabalhar na casa dos McAllan.

"Crioulo, Macaco, Tição. Tanto tempo defendendo meu país lá fora e, ao voltar, a primeira coisa que vejo é que ele não mudou nada: os negros ainda são obrigados a se sentar nos bancos traseiros dos ônibus, ainda são proibidos de usar a porta da frente das lojas, ainda colhem o algodão dos brancos e ainda pedem licença a esses mesmos brancos para tudo [...]" p. 123.


Enquanto isso, acompanhamos a luta de Jaime e Ronsel, dois homens repletos de cicatrizes da guerra, eles tentam esconder todo o sofrimento que passaram e para mascarar essa dor, eles se escondem principalmente na bebida, mas quis o destino que surgisse entre um homem branco e um negro um laço de amizade, algo que não é tolerado e aceito nessa sociedade racista que considera tal amizade um grande ato de insolência e desrespeito.
Opinião: O meu primeiro contato com Mudbound foi através do filme, por sinal é excelente e assim como a película, o livro é impactante. Hillary apresenta uma escrita simples e sua narrativa é extremamente fluida, isso em parte pelo fato dos capítulos serem curtos, algo super positivo. A autora constrói cenas fortes e demonstra toda a crueldade do ser humano devido ao preconceito racial, ao mesmo tempo Hillary nos leva a refletir sobre como o amor e o ódio podem andar lado a lado no ser humano, ela também abre espaço para falar sobre as disfunções na família.

Mudbound é um livro tocante e mexe com as nossas emoções, já que no decorrer da leitura os personagens enfrentam diversas situações, principalmente humilhantes e revoltantes, isso é um choque de realidade, um soco no nosso estômago, pois vemos como o ser humano é capaz de cometer atrocidades e maldade apenas pelo fato do próximo ser diferente, por ter a cor da pela diferente. Esse livro tem uma forte carga emocional, é dramático e te deixa triste. Mudbound é um livro espetacular e merece a sua atenção!
Sobre a Edição: A capa de Mudbound é a do filme, isso em nada desmerece ao meu ver o projeto gráfico da Arqueiro, a fonte e o espaçamento estão confortáveis, a revisão ficou muito boa. As folhas são amareladas e particularmente adoro isso, pois tenho fotossensibilidade e fico menos cansado. No geral o projeto gráfico apresentado pela editora ficou muito bom.
Sobre a Autora: Hillary Jordan cresceu no Texas e em Oklahoma. Ela recebeu seu BA em Inglês e Ciência Política pela Wellesley College e passou 15 anos trabalhando como redatora de publicidade antes de começar a escrever ficção. Ela conseguiu seu mestrado em Escrita Criativa pela Columbia University.   Seu primeiro romance, Mudbound, ganhou o Bellwether Prize for Fiction de 2006, fundada por Barbara Kingsolver e concedido a cada dois anos a um romance de estréia, que aborda questões de justiça social. Ele também ganhou um Alex Award da American Library Association e foi longamente listado para o IMPAC Dublin Literary Prize.

10 comentários:

  1. Oi Yvens!

    Tudo bem? Como faço post de lançamento mensal no blog eu já conheço um pouco do livro (tenho que pesquisar sinopse e tal!) e por isso posso dizer que estou indecisa entre ler ou não, ainda não me decidi.

    Fico feliz que o livro não tenha deixado a desejar em comparação com o filme (o qual eu ainda não conferi, e também não sei se pretendo). Acho que não estou numa vibe de livros como Mudbound agora, algo tocante e tal, recentemente até comentei com a minha irmã que estou numa de ler fantasia no momento. Achei a dica super válida, só que pra quando eu estiver em outro momento

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  2. Oi,
    como tenho meus posts de lançamentos, o livro não me era estranho, e também tem o filme que vi aluns trailer, mas te confesso que esse drama todo é demais pra mim, e claro a violência, na época que o livro é contato, existia muita briga. Um choque de realidade muito grande.
    Mas por hora quero passar um pouco longe dele.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Adorei a premissa do livro, ainda não tinha visto nenhuma resenha. O tempo em um pós segunda guerra mundial é ótimo pra desenvolver, sem contar que parece que vai tratar sobre temas impactantes. Com certeza, se eu tiver a oportunidade, leria esse livro. Adorei a capa. Ainda não vi nada da adaptação, irei dá uma pesquisada em breve.
    Abraços.

    Menino Livros, Haulisson.

    ResponderExcluir
  4. Olá!! :)

    Eu confesso que não conhecia este livro, mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura!! :) QUero ver o filme também!

    Enfim, acho ótimo que ele tenha tal carga dramática e que consiga mexer com as emoções dessa forma!!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não tive a oportunidade de conferir nem o livro e nem o filme, mas já estão na minha lista. Me pego imaginando a carga de emoções, já que tem o fato dos soldados voltando da guerra, acredito eu com uma carga emocional muito grande para ser explorada e, por outro lado tem uma esposa infeliz para ajudar o marido realizar o seu sonho. Estou instigada a realizar a leitura e espero gostar.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Desde que eu vi o trailer o filme, percebi que se tratava de uma história muito forte e impactante. Confesso que me pareceu ser uma obra que foge muito da minha zona de conforto e, por isso, fiquei receosa até de ver o filme e não me interessei muito em ler o livro.
    Lendo sua resenha deu para ver que é uma leitura realmente intensa e emocionante, e que a autora soube conduzir a trama de uma maneira fluida e envolvente. No entanto, acho que vou assistir ao filme antes para ver se arrisco a leitura.
    De qualquer forma, amei a resenha fico feliz que tenha gostado tanto do livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, tudo bom?
    Eu gosto de livros impactantes assim. Deve ser uma leitura angustiante, que te dá um aperto no coração. Mas que precisa ser lida, né? Fiquei emocionada só de saber sobre o que o livro trata. Acho que vou assistir o filme antes, e depois fazer a leitura.
    Adorei sua resenha.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  8. Eu não cheguei a ler o livro, Vi apenas o filme, e é isso mesmo, um soco no nosso estômago diante da crueldade humana.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Ainda não conhecia esse livro, mas o cenário de guerra ou pós-guerra, como nesse caso, me cham bastante a atenção. Vou deixar sua dica anotada, pretendo conferir. Me pareceu ser uma obra bem impactante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oie
    tinha visto uma resenha recentemente falando sobre o livro e já estava bem curiosa, espero poder ler em breve pois agora estou mais, achei extremamente interessante o que li sobre e adoro esse tipo de livro com temas tão fortes, boa dica

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir