[RESENHA #454] JOE SPEEDBOAT - TOMMY WIERINGA - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quarta-feira, abril 11, 2018

[RESENHA #454] JOE SPEEDBOAT - TOMMY WIERINGA


Título: Joe Speedboat
Autor: Tommy Wieringa
Editora: Rádio Londres

Páginas: 336
Ano: 2015
ISBN: 9788567861050
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Fransje, o narrador de Joe Speedboat, tem 15 anos e acaba de sair de um coma no qual entrou depois de um terrível acidente, seis meses antes. Não pode andar nem falar. Seu único meio de locomoção é uma cadeira de rodas; e ele só é capaz de se expressar através da escrita, que pratica usando o braço e a mão direitos, os quais continuam intactos. É dessa forma que ele registra cada detalhe da vida cotidiana em Lomark, o povoado onde mora. Seus diários, seu senso de humor e os ensinamentos do grande samurai Miyamoto Musashi são os três eixos da vida de Fransje, que muda radicalmente quando ele conhece Joe Speedboat – um rapaz extraordinário, que caiu sobre a letárgica Lomark com a força de um meteorito enquanto Fransje estava em coma. Joe é um menino excepcionalmente vital e rebelde, que apresenta uma intrepidez típica de outros tempos e uma engenhosidade fora do comum. Além disso, é a única pessoa capaz de vislumbrar algum potencial na deficiência do parceiro. Eles virão a se tornar amigos inseparáveis e, quase sem perceber, trilharão juntos o caminho da inocência à idade adulta.


Resenha: Wieringa no leva para Lomark, uma pequena e pacata cidade holandesa onde a história ocorre, essa cidade tem como mascote um galo que segundo a lenda teria evitado um violento conflito no local. É nessa cidade que Fransje, um adolescente de 15 anos, acaba de sair do estado de coma, pois seis meses antes sofreu um terrível acidente que o deixou praticamente inválido, tendo em vista que ele perde a fala e a maior parte dos movimentos do seu corpo. Fransje não anda e está condicionado a uma cadeira de rodas, diante de todas as dificuldades ele apenas consegue movimentar o seu braço e mão direita.

"Dia quente de primavera e, na escola, rezam por mim porque já faz mais de duzentos dias que sumi de cena. Tenho escaras pelo corpo inteiro e cateter tipo preservativo colado com fita no pinto. Esse estágio é o do como vígil, explica o médico aos meus pais (...)" p. 11.

O nosso narrador (Fransje) apresenta um humor ácido (irônico), sua vida é cercada por máquinas, pois a sua família trabalha desmanchando sucata. Fransje passa a descrever o que acontece ao seu redor, mas também a própria Lomark e para lidar com as dificuldades do seu dia a dia (algo que faz sem auto-piedade), ele passa a utilizar os ensinamentos do grande mestre samurai Miyamoto Musashi. Fransje não é um garoto solitário, pois ele conta com a amizade do jovem Joe Speedboat.
"O milharal está alto de ambos os lados do caminho de cascalhos, as espigas já estão estourando de dentro de suas cascas. Por aqui, todos os postes estão inclinados porque o que você endireita no verão se retorce de novo no inverno." p. 39.

Speedboat é um garoto muito inteligente, engenhoso e esperto. Joe ocupa o seu tempo ora fabricando pequenas bombas caseiras ou ora mexendo em carros. Juntamente com dois amigos da escola, Christof e Engel, Joe funda um pequeno grupo para elaborar um plano audacioso; construir um avião. Aos poucos Fransje consegue integrar o grupo e fazer parte desse projeto, ainda que na condição de observador. Ele se aproveita de sua condição para ser um cronista da vida desses meninos, mas sobretudo do seu amigo Joe. Fransje quer registrar todos os acontecimentos que presencia na pacata Lomark e ele faz isso por meio de inúmeros cadernos em que anota as suas observações.

"O corpo de Joe relaxou ao desligar o motor. O silêncio assaltou meus ouvidos. A dois metros de nós, encostado na cerca, estava Rinus, a Esponja. Entre os lábios, um cigarro de enrolar, o indicador erguido numa saudação minimalista. Joe se virou na minha direção e sorriu para mim com os lábios roxos." p. 136.

Com o passar do tempo o comportamento de Fransje vai mudando, ele vai tornando-se melancólico e perde um pouco daquele humor ácido e irônico, ele passa a perceber que a chegada da fase adulta será um problema com as suas limitações, pois isso afetará a sua relação com as mulheres, em especial com PJ, uma linda garota por quem ele nutre profundos sentimentos. Mas não é somente no campo do amor que Fransje vê a sua vida limitada, no campo profissional também, já que ele acredita não ser capaz de progredir na vida, tendo em vista as suas limitações. Diante dessas limitações, os seus pais instalam no quintal de casa uma fábrica, ainda que pequena, de briquetes de papel para que Fransje possa ter uma trabalho e uma renda. Joe ao perceber que a única parte do corpo de Fransje está desenvolvendo e ganhando força (o braço direito), sugere algo totalmente novo e jamais pensado para Fransje.
Opinião: Joe Speedboat é um livro que apresenta uma certa dose de melancolia ao vermos a condição de Fransje, por outro lado o autor foi extremamente inteligente ao não delimita-lo mesmo diante de todas as suas dificuldades e limitações físicas que possui. Eu fiquei consternado com as limitações de Fransje e podemos tranquilamente ver pessoas como ele no mundo, repletas de limitações, mas que não abaixam a cabeça e que seguem em frente para viver a vida. O autor levanta questionamentos sobre temas importantes como a adolescência, a sexualidade e principalmente a importância da amizade, do autoconhecimento e a necessidade de termos sonhos. 

Esse foi o meu primeiro contato com a escrita de Tommy Wieringa e gostei muito dessa experiência, o autor tem uma escrita ágil e envolvente, ele enriquece o seu livro trabalhando em cima de diversos temas importantes. Acredito que devido aos temas, esse livro será considerado no futuro como uma obra atemporal. Recomendo a leitura de Joe Speeboat, principalmente por ser uma leitura que nos leva para o campo da reflexão e certamente vai te tirar da zona de conforto!

Sobre a Edição: A Rádio Londres caprichou na edição, a capa ficou muito legal e retrata bem o personagem principal, as folhas são amareladas (papel pólen soft), a revisão ficou muito boa e a fonte está no tamanho padrão que podemos encontrar em outros livros da editora. Os capítulos são curtos e isso é muito bom, pois a leitura fica dinâmica.
Sobre o Autor: Tommy Wieringa nasceu em 1967, em Goor, nos Países Baixos (Holanda). É formado em História e Jornalismo, fez roteiros para rádio e televisão, e colabora com vários jornais, inclusive o NRC Handelsblad, um dos mais importantes diários holandeses. É autor de vários romances que lograram imenso sucesso de crítica e de público. Alles over Tristan (Tudo sobre Tristão) foi publicado em 2002 e conquistou o prêmio Halewijn. Em 2005, foi a vez de Joe Speedboat, que ganhou o prêmio Ferdinand Bordewijk e foi traduzido para mais de dez idiomas, inclusive hebraico, coreano, francês, inglês, alemão, italiano, espanhol, dinamarquês, hindi e finlandês.

15 comentários:

  1. Nunca tive contato com a escrita do autor, mas lendo sua resenha deu pra sentir que - apesar do tema - ele narra de uma forma envolvente e que prende a atenção a todos os detalhes. Não conhecia esse livro e pretendo dar uma chance pra ele futuramente <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  2. Oi, parece um livro bem bacana. Gosto desses com tom melancólico, e gosto de acompanhar o crescimento de personagens

    ResponderExcluir
  3. Oii tudo bem ?
    Parece ser um livro bem emocionante mais confesso que não e o tipo de livro que leria no momento quem sabe em breve
    Mais apesar disso achei a premissa bem interessante .

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro suas resenhas porque você sempre acaba trazendo obras até então desconhecidas por mim. Pra alguns esse tom de melancolia é um problema, mas para mim é algo que me chama a atenção e me envolve ainda mais na leitura, espero ler assim que possível.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Ainda não conhecia esse livro e gosto desse gênero literário mas, o tom melancólico da história me desanimou um pouco, acredito que esse tipo de livro precisamos estar em um estado emocional muito bom, para não ficarmos ainda pior..rs!

    Beijos e Abraços VIVI
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  6. Eu conheci o trabalho da editora há algum tempo e logo fiquei curiosa com alguns livros deles, esse foi um deles. Achei a sua resenha bem completa e espero poder ler a obra também

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Eu achei bem interessante o tema do livro, li poucos livros com pessoas com limitações e que tentam levar uma vida normal. Creio que sempre bom pra conscientizar sobre as condições de tantas pessoas que são diferentes.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Atualmente tenho curtido muito os livros da editora, mas não tenho tido a oportunidade de ler. Gostei muito de conhecer suas impressões sobre esse livro e saber que o livro é dotado de uma escrita ágil. Fiquei curiosa para ver como essas limitações são trabalhadas e se eu terei a mesma facilidade que você em identificar isso em pessoas ao meu redor.
    Vou anotar a dica e me arriscar lendo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o livro ou mesmo o autor. É interessante ver como a parte das limitações foi abordada no livro.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  10. Oi tudo bem? Que livro interessante, adorei o enredo, me parece um pouco melancólico, mas assim mesmo eu leria, porque sempre tiramos uma lição sobre isso e saber que no livro conta as limitações do personagem me deixou um pouco receosa de querer ler mas a curiosidade vence kkk, parabéns pela resenha, obrigado pela dica.

    ResponderExcluir
  11. Olá Yvens, eu não conhecia esse livro, mas pelos seus comentários o autor soube trabalhar muito bem o protagonista desenvolvendo suas limitações e seu crescimento durante o enredo.

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?

    Confesso que não conhecia e que nunca li nada de Tommy Wieringa, mas que sua resenha me deixou curiosa e instigada, me pareceu ser o tipo de livro que nos deixa uma boa mensagem, que mexe com a gente pra vida real - digamos assim -, costumo gostar de livros no estilo. Dica anotada!

    Beijo!
    Ana Luz.

    ResponderExcluir
  13. Olá
    Não conheço o livro, mais ele não me interessou e ele também não faz o meu estilo de livro que eu vá ler então passo a dica

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Não conhecia esse livro, e gostei da hist´ria. Uma história triste porém cheia de ensinos, mesmo com as limitações não desistem e são inspirações. Gostei de conhecer essa obra!

    beijos!
    https://blogminhaestanteliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Oi Yvens, como está?
    Não li esse livro ainda, mas já li pelo menos dois da Rádio Londres e posso te falar que eles publicam livros com essa vibe toda dramática e melancólica, mas que eu simplesmente ADORO! Esse com certeza despertou a minha curiosidade e entrou para os desejados.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad