[RESENHA #487] JUSTIÇA ANCILAR - ANN LECKIE - Saga Literária

Breaking

domingo, 24 de junho de 2018

[RESENHA #487] JUSTIÇA ANCILAR - ANN LECKIE

Título: Justiça Ancilar (Trilogia Radch Imperial #1)
Autora: Ann Leckie
Tradução: Fábio Fernandes
Editora: Aleph
Páginas: 384
Ano: 2018
ISBN: 9788576573968
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Em um remoto planeta gelado, Breq está prestes a concluir seus planos de vingança. Ex-membro do Radch, o império que domina a galáxia, Breq era a nave Justiça de Toren – uma porta-tropas gigantesca com uma única inteligência artificial que habitava e controlava o corpo de milhares de soldados. Mas um ato de traição destruiu tudo o que Breq conhecia, e agora só lhe resta um único e frágil organismo humano para enfrentar o império. 

Resenha: Publicado originalmente em 2013, Justiça Ancilar é o livro de estréia da autora estadunidense Ann Leckie, e com ele a autora venceu os prêmios de literatura especulativa como: Hugo, Nêbula, Britsh SF Award, Arthur C. Clark Award e Locus. O livro ainda foi nomeado para diversos outros prêmios de ficção científica.

Narrado em primeira pessoa, Ann Lekcie divide a sua trama em dois períodos. O presente acontece aproximadamente 19 anos após a destruição da nave chamada Justiça de Toren e a autora nos leva para um planeta frio e remoto onde vamos acompanhar a história de Breq, conhecida também como One Esk. Breq é uma inteligência artificial e foi parte integrante da nave espacial Justiça de Toren, ou melhor, ela é a consciência da nave. Breq dividia a consciência da nave com outras inteligências artificiais que são conhecidas como ancilares. As ancilares vivem nos sistemas controlados pelo Império e são extensões orgânicas da nave.

Breq controlava milhares de soldados, mas em certo momento a nave Justiça de Toren, criada há cerca de dois mil anos foi destruída. Simplificando, as ancilares são prisioneiras que servem o império, são escravas nas naves imperiais e servem por meio de um implante corporal. Breq até o momento da destruição da neve tinha ceifado milhares de vidas, mas agora tudo muda, ela está livre e quer vingança. A grande missão e o principal objetivo de Breq é matar a Senhor dos Radch, essa é uma missão considerada praticamente impossível de se concluir, pois nesse universo não há apenas um Senhor dos Radch, existe na verdade diversos corpos em uma mesma pessoa, o que torna o Senhor dos Radch um ser praticamente imortal e a destruição de um dos corpos é algo  considerado insignificante. 
Anaander Mianaai é a figura máxima do Império Radch, ela lidera o império extremamente expansionista e tem como objetivo principal alcançar a total e plena civilidade no seu império, mas para isso os demais povos sofrem com a violência do Império, pois é através da violência que buscam essa almejada civilidade. Durante a sua jornada Breq encontra uma pessoa que fez parte do seu passado. Seivarden, que era capitã do Império Radch (na verdade Seivardan é um homem) é encontrada quase morta por Breq e, por nunca tê-lo tratado com indiferença, o que pesou em sua decisão, ela decide dar um tempo no seu plano de vingança para ajudá-la.

"O corpo jazia nu, virado de bruços, um cinza fúnebre, respingos de sangue manchando a neve ao redor. A temperatura era de -15 ºC e uma tempestade passara horas antes. A neve macia se estendia no amanhecer pálido, apenas uns poucos rastros levando até um prédio de blocos de gelo ali perto. Uma taverna. Ou a coisa mais parecida com uma taverna naquela cidadezinha." p. 11.

Breq foi verdadeiramente uma andarilha, desde a destruição da Justiça de Toren; ela realizou diversos trabalhos que acabaram por levá-la até aquele planeta frio e congelado, onde descobre pistas sobre uma poderosa e importante arma que será capaz de ajudá-la a cumprir a sua missão contra Radsh: a sua vingança. E por sua atitude anterior, agora ela não está mais sozinha em seu intento, pois conta com a ajuda de Seivarden, que desnorteada por ficar congelada por quase mil anos, decide acompanhar Breq em sua jornada.

"Seivarden se assustou, levantando-se e recuando, agarrando o pulso de Strigan em um movimento que eu sabia ter a intenção de quebrá-lo. Mas Seivarden não era o que já foi um dia. Dissipação e o que eu suspeitava ser mã nutrição haviam cobrado seu preço [...]" p. 89.

Dezenove anos antes, os ancilares da Justiça de Toren, estavam no planeta Shis'ura que havia sido conquistado fazia pouco tempo. O planeta tinha como característica principal um intricado e complexo sistema político, algo que exigia muito da tenente Awn, uma das favoritas da nave Justiça de Toren. O planeta estava praticamente controlado pelo Império Radch que, através da força, impõe a sua cultura aos locais. Contudo alguns acontecimentos no planeta recém-conquistado demonstram que a política do império raramente é calma e pacífica.
Opinião: Justiça Ancilar tem uma trama interessante, bem construída e complexa, isso deve-se ao fato de ser bem detalhada e com muitas informações, mas em nenhum momento é algo que diminui o livro ou mesmo tenha me atrapalhado. Após as cem primeiras páginas de Justiça Ancilar a leitura se desenvolve melhor e flui muito bem. Um ponto super interessante e positivo na trama é o sistema de linguagem, a autora nos apresenta vários idiomas e o radchaai, idioma utilizado pelo Império Radch não apresenta flexão de gênero, ela utiliza apenas o gênero feminino. Outro fato que merece destaque são os personagens, muitos deles são andrógenos, apresentam características dos sexos feminino e masculino. Em se tratando do Império Radch não existe diferenciação de gênero, isso só ocorre em locais que não integram o império.

Um aspecto que a autora trabalha muito bem é a tecnologia, ela é muito avançada nesse universo onde as naves espaciais, por exemplo, são conscientes e controlam tropas compostas por seres humanos mortos. Na verdade, o Império Radch utilizou de corpos humanos e os modificou, permitindo que uma única inteligência artificial os pudessem controlar. Ann Leckie nos traz como personagem principal Breq, uma personagem que não é humana, mas que é a única consciência que restou da nave Justiça de Toren e ela em certos momentos consegue exibir alguns sentimentos humanos o que é espetacular. Justiça Ancilar é um livro imperdível, é uma space opera arrebatadora. Eu estou ansioso para ler o próximo volume da Trilogia Radch Imperial.
Sobre a Edição: A Editora Aleph arrasou no projeto gráfico, achei essa capa linda, principalmente por apresentar esses tons de azul e ainda vemos duas pessoas que estão diretamente relacionadas com a trama. A revisão ficou muito boa, a edição conta com folhas amareladas e a fonte está em bom tamanho.
Sobre a Autora: Ann Leckie nasceu em 02 de Fevereiro de 1966 na cidade de Toledo, Ohio (Estados Unidos). Ela é uma escritora e editora de ficção científica e fantasia. Ann ficou conhecida principalmente por seu primeiro livro, Ancillary Justice (Justiça Ancilar), publicado com grande êxito em críticas, em 2013, e que ganhou o Prêmio Hugo 2014 em melhor livro, o Prêmio Nebula e Arthur C. Clarke. Justiça Ancilar chegou ao Brasil em 2018 pelas mãos da Editora Aleph.

20 comentários:

  1. Oi Yvens, este livro parece incrível, nunca li nada com inteligencia artificial. O excesso de detalhes deve ser para nos ambientarmos neste cenário diferente. Não conhecia o livro, mas gostei muito. Dica anotada.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Yvens, tudo bem?
    Ah, como fã de ficção científica eu já tinha visto esse livro, mas essa é a primeira resenha que leio. Fiquei impressionada com os prêmios que essa história ganhou. Achei super diferente a autora criar idiomas e trazer diferenças que não costumamos encontrar em outros enredos. Parece ser uma história incrível, não vejo a hora de ler. Adorei sua resenha!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi, oi, Yvens! Como você, eu sou suspeita pra dizer, afinal, acho suas resenhas sempre impecáveis e muito bem detalhadas. Apesar de eu não ser muito fã de ficção científica, fiquei bem curiosa quanto a trama. Quem sabe no futuro?
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem? Não conhecia a autora e fiquei interessada na trama, porque não costumo ler livros desse gênero. Eu gosto de distopias, mas as que leio não têm sci-fi junto. Fiquei curiosa pelas personagens centrais serem mulheres. Vou procurar, com certeza. Como sempre, você arrasando mais uma vez na resenha! :)

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Mais um para a lista! Achei o enredo muito bem criado e a história me pareceu mega interessante. O fato do livro trazer um idioma ímpar me lembrou a língua que Tolkien criou, seria legal se autora tivesse se inspirado nele para isso. Espero que a continuação seja tão boa quanto o primeiro livro! Aguardo as próximas resenhas! Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  6. Muito legal ver sua avaliação sobre a obra, eu não conhecia e gostei de ver sua opinião sobre, mas não é uma leitura que me encha os olhos para ser sincera, mas concordo com os seus elogios sobre a capa, está linda. Parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas achei a capa muito legal e chamou minha atenção. No entanto, talvez por ser um gênero que eu não leio tanto, achei o enredo meio confuso e não fiquei muito interessada em ler. Por outro lado, adorei sua resenha e o fato de que, após o início mais detalhado, a leitura flui melhor me motiva a dar uma chance. Então, vou anotar a dica para ler futuramente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olá, adorei a resenha e a história parece muito interessante.. Mesmo nao sendo um genero que eu costume ler, fiquei bem curiosa para saber como a autora desenvolve tantos elementos na história sem deixar o leitor confuso! Obrigada pela dica!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  9. Oi, que resenha mais gostosa de ser lida! Ainda não conhecia essa livro e apesar de ser um gênero que eu não costumo ler, fiquei interessada em saber mais sobre a história. Fiquei triste em saber que é uma trilogia, porque esse ano já tenho as séries contadas que irei concluir e não posso colocar mais uma na minha listas, mas sendo uma edição da editora Aleph tenho certeza que está maravilhosa e não irei controlar as minhas compras...kkk

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro, mas em saber que um livro de estréia já ganhou prêmios é animador. Confesso que leio pouca ficção científica, o que ajuda saber que é tudo bem detalhado e ainda sim fluí bem. Pelo que apresentou devo admitir que realmente a trama parece bem complexa, mas gostei da premissa e isso é que importa, então é dica anotada.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Olá, não conhecia esse livro mais ele não me atrai e esse livro não me interessou em nada gostei da resenha mais passo essa dica

    ResponderExcluir
  12. Eu acho esse livro uma doidera danada haha sou bastante leiga no gênero entao creio que eu me perderia facilmente ou e teria certa dificuldade em me localizar. De todo modo, essa edição é realmente muito bonita e vale a pena. Vou anotar a dica.

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Eu gosto muito do gênero, mas não conhecia esse título ainda. Fiquei muito contente com a complexidade da história e como ela parece ser interessante. Esses detalhes das descrições não acho que seriam um problema pra mim, mas vou deixar essa ressalva anotada, quando for ler.
    Gostei muito da sua resenha e adorei a forma como você expressou suas impressões. Vou anotar a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá, amei conhecer esse livro através da sua ótima resenha; só por esses personagens andrógenos e pela ausência de importância de gênero eu já fiquei super interessada em ler.

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem? Sou doida para ler este livro, e conhecer o ótimo trabalho que sempre falam da autora. A edição que a Aleph trouxe está lindíssima e deixa com um gosto a mais para comprar. Espero ler em breve e também gostar <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Ahhh, uma ficção científica/space opera escrita por uma mulher? Já quero ler! Não sabia sobre esse lançamento, que bom que vim conferir sua resenha. Me interessei bastante pela premissa, e eu adoro esse tipo de narrativa. Vou colocar nos desejados! A capa está linda mesmo. ♥
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  17. Oi, Yvens! Eu dificilmente leio ficção científica ou space opera, mas achei bem bacana (e um pouco mórbida, mas mesmo assim chamou a minha atenção) a premissa dessa história, ainda mais por ter sido escrita por uma mulher (vc deve saber que o espaço para a mulherada é bem restrito nessa categoria). A editora Aleph capricha em suas edições, eu sempre fico babando com as capas deles, se dependesse disso, eu compraria tudo. rsrs
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  18. Que bom que a autora soube dosar o detalhamento necessário para o desenvolvimento de seu enredo, sem deixá-lo enfadonho ou mesmo cansativo.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  19. Não conhecia o livro e gostei muito da sua opinião, achei interessante o fato de na sociedade do livro não se tratar de diferença de gênero e interessante o tratamento que a autora deu à questão da tecnologia com naves espaciais conscientes, ela realmente está além do tempo e o legal é que daqui a alguns anos podemos nos deparar com coisas do tipo.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  20. Eu adoro esse tipo de livro, embora não costume ler com frequência. Não conhecia esse e gostei bastante da premissa. Adorei a dica, está anotadíssima!

    ResponderExcluir