[RESENHA #494] CONAN: O BÁRBARO - ROBERT E. HOWARD - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, junho 30, 2018

[RESENHA #494] CONAN: O BÁRBARO - ROBERT E. HOWARD


Título: Conan - O Bárbaro
Autor: Robert E. Howard
Tradução: Alexandre Callari
Editora: Generale

Páginas: 384
Ano: 2011

ISBN: 9788563993243
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Pela primeira vez, o público brasileiro terá a oportunidade de apreciar o único romance escrito por Robert E. Howard, criador do personagem Conan, o bárbaro. Neste livro, também são publicados três contos inéditos: 'Além do Rio Negro', 'As negras noites de Zamboula' e 'Os profetas do Círculo Negro'. O leitor se deliciará com narrativas épicas, repletas de reviravoltas e de personagens complexos, guerreiros, batalhas espetaculares, piratas, monstros saídos dos golfos da noite, belas mulheres e feiticeiros, que irão hipnotizá-lo do início ao fim do livro. Conheça as histórias que inspiraram gerações de leitores, escritores e roteiristas, e que também serviram de base para o filme Conan, o bárbaro. Leitura obrigatória para apreciadores de literatura fantástica e do gênero espada e feitiçaria. 


Resenha: Eu acredito que boa parte das pessoas que amam filmes de fantasia e principalmente literatura fantástica tenha assistido em algum momento aos filmes do "Conan: O Bárbaro" ou mesmo já tenha lido algo sobre o bárbaro cimério, personagem criado pelo escritor estadunidense Robert E. Howard. O livro conta com o romance "A Hora do Dragão" e mais três contos inéditos até o ano dessa publicação: "Além do Rio Negro", "As negras noites de Zamboula" e "Os Profetas do Círculo Negro".

"As longas velas bruxulearam, enviando sombras negras que ondulavam ao longo das paredes, e os tapetes de veludo se agitaram. No entanto, não havi vento na câmara. Quatro homens circundavam a mesa escura na qual se encontrava o sarcófago verde, que brilhava como jade esculpido. Na mão direita erguida de cada homem uma vela negra queimava com uma estranha luz esverdeada. Lá fora era noite, e um vento incessante soprava por entre as árvores negras." p. 3.
Em "A Hora do Dragão" Conan é o Rei da Aquilônia, amado por seu povo e temido pelos inimigos, ele se prepara para uma grande batalha, porém ele é misteriosamente afetado por uma doença que o deixa paralisado. Incapacitado de liderar o seu exército, o Rei da Aquilônia fica preocupado com a moral dos seus guerreiros e por isso Conan decide enviar um sósia no seu lugar para o campo de batalha. Mas nem tudo são flores e o seu plano vai de mal a pior e o seu sósia acaba morrendo em um desabamento de rochas. Quando ele consegue se recuperar da doença que o afligiu, já é tarde demais, pois o seu exército acredita que ele está morto e que o trono vazio.

"Se houve sorriso cínicos em determinadas aldeias e sussurros preocupados com o bom amigo do rei, Almaric, cuja vasta riqueza pessoal parecia estar fluindo para o depauperado tesouro real, eles passaram despercebidos pelo fervor e zelo amplificados pela popularidade de Tarascus [...]" p. 13.

Com o exército dissipado e todos acreditando na morte do Rei, Conan acaba sendo deposto pelo bruxo Xaltotun que retornou da morte por meio de uma poderosa e preciosa pedra chamada Coração de Ahriman. O reino de Conan acaba sendo devastado pelos guerreiros de Nemédia e, foragido, Conan não aceita a sua nova condição, não aceita ver o seu reino e seu povo sendo subjugado, além disso ele não quer voltar a ser um mercenário e por isso quer a qualquer custo retomar o seu trono e reconquistar o seu reino, algo que lhe foi tirado por meio de um plano magistralmente arquitetado. Para reconquistar o trono e derrotar Xaltotun, o cimério deverá localizar uma arma poderosa, a única capaz que derrotar o bruxo, mas para isso ele precisa percorrer meio mundo e enfrentar perigos diversos.

Os contos "Além do Rio Negro", "As negras noites de Zamboula" e "Os Profetas do Círculo Negro" são histórias anteriores ao romance "A Hora do Dragão" e demonstram o bárbaro em uma época anterior ao trono de Aquilônia, período em que o lendário guerreiro cimério era jovem e precisou enfrentar guerreiros pictos, feiticeiros e canibais mundo afora. Acompanhamos nesses contos a Era Heboriana bem sombria e cruel, pois nesse período o perigo era enfrentar demônios e necromantes.
Opinião: Robert Howard apresenta uma narrativa rica e muito bem contextualizada, contudo preciso fazer uma ressalva, Howard retrata os povos bárbaros como aqueles que cometem as maiores atrocidades e crueldades, esses povos foram descritos por ele como escuros ou negros, isso é um ponto negativo, pois foi uma escolha infeliz. Conan é um personagem fascinante e foi imortalizado na literatura mundial, bem como nos cinemas por Arnold Schwarzenegger. Em um primeiro momento acreditamos que o personagem é apenas um homem bruto, um homem simples, de fato ele apresenta essas características, mas ele está longe de parar por ai.

Conan é um homem sagaz, ele é capaz degolar e mutilar os seus inimigos sem dó e nem piedade. Ao mesmo tempo ele consegue ser um homem muito inteligente e perspicaz, Conan é também um homem fiel aos seus e apresenta um enorme senso de justiça. Conan é um personagem grandioso, inclusive os seus feitos falam por si e acabam sustentando o personagem nesse universo fantástico criado por Howard. Esse livro é simplesmente fenomenal, grande nome na literatura fantástica, Howard nos apresenta um grande romance e contos espetaculares de espada e magia. Sim, eu recomendo esse livro para todos que gostam de literatura fantástica.
Sobre a Edição: O projeto gráfico apresentado pela Editora Generale ficou muito bom, a capa retrata o personagem interpretado por Jason Momoa no filme Conan de 2011, apesar de muitos não gostarem de capas de filmes, particularmente não ligo para isso. As folhas são amareladas e possuem uma boa gramatura. A revisão ficou boa, a fonte está confortável e o livro conta ainda com algumas imagens coloridas do Conan interpretado pelo Momoa. A edição da Generale conta com uma introdução elaborada por Alexandre Callari e prefácio de Ray Thomas que por anos ficou responsável pelas publicações do Conan na Marvel.
Sobre o Autor: Robert Ervin Howard, comumente chamado de Robert E. Howard (Peaster, Texas, 22 de Janeiro de 1906 — Cross Plains, Texas, 11 de Junho de 1936), foi um prolífero escritor estadunidense que atuou primariamente como contista e poeta. Em sua vida profissional, Howard flertou com diversos gêneros, principalmente os atrelados à fantasia e ficção. Constante colaborador das revistas pulp fiction, muito populares nos Estados Unidos da Grande Depressão dos anos 1930, o escritor é atualmente mais conhecido pela autoria do personagem Conan, o Bárbaro, bem como por ser considerado, historicamente, o "pai" do subgênero de espada & feitiçaria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad