[RESENHA #500] A MARCHA (LIVRO 1) - JOHN LEWIS, ANDREW AYDIN E NATE POWELL - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, julho 12, 2018

[RESENHA #500] A MARCHA (LIVRO 1) - JOHN LEWIS, ANDREW AYDIN E NATE POWELL


Título: A Marcha - John Lewis e Martin Luther King Em Uma História De Luta Pela Liberdade
Autor: John Lewis, Andrew Aydin e Nate Powell
Tradução: Érico Assis
Editora: Nemo
Páginas: 128
Ano: 2018
ISBN: 9788582864524

Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: O parlamentar John Lewis é um ícone nos Estados Unidos e uma das principais figuras do movimento pelos direitos civis. Seu comprometimento com a justiça e a não violência o levou de uma pequena fazenda no Alabama para os corredores do Congresso norte-americano; de uma sala de aula segregada para a Marcha em Washington; dos ataques da polícia ao recebimento da Medalha Presidencial da Liberdade pelas mãos do primeiro presidente negro dos Estados Unidos. 
A Marcha retrata a longa batalha de Lewis pelos direitos humanos e civis, seu encontro com Martin Luther King Jr. e a luta para dar fim às políticas de segregação no país.

Resenha: Recebi da Editora Nemo (Grupo Autêntica) outra Graphic Novel e dessa dez é A Marcha que retrata a vida do ativista e uma das principais figuras que lutou no movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos que tinha como objetivo terminar com a segregação racial. Logo no início do quadrinho acompanhamos a Marcha sobre Washington que ocorreu 1963 sendo repelida por forças policiais e em seguida somos levados para o ano de 2009, período em que John Lewis é um deputado norte-americano. Lewis está se preparando para a posse do Barack Obama que será o primeiro presidente negro na história dos Estados Unidos.

Voltando ao passado, conhecemos a infância de Lewis, desprovida das melhores condições financeiras. O pai de Lewis com muito custo consegue juntar 300 dólares e em 1940 compra uma terra em Pike, Alabama. Nessa terra eles plantam algodão, milho e amendoim e o garoto Lewis, logo jovem, começa a ajudar seus pais ficando responsável por cuidar do galinheiro, mas rapidamente ele pega amor pelos pequenos animais, dando nome e reconhecendo cada uma das galinhas, ele inclusive passa a pregar para os animais. Porém, a cada morte de uma das galinhas ele fica triste e ressentido com a perda, demonstra muita preocupação com suas criações.

"Nós morávamos em uma fazenda de 45 hectares onde plantávamos algodão, milho e amendoim. Era num cantinho do condado de Pike, no Alabama." p. 21.
É no ano de 1951 que a vida de Lewis começa a mudar, ao menos a sua percepção sobre o mundo. Nesse ano o garoto realiza a sua primeira viagem para o Norte e essa jornada foi carregada de preocupações e tensões. Lewis via o seu tio nervoso e passou a entender o motivo de tanta preocupação, pois havia lugares em que as pessoas negras, pessoas de "cor", não poderiam parar para comprar alimentos, utilizar o banheiro ou até mesmo abastecer seus automóveis. As pessoas negras precisavam encontrar algum lugar seguro, algum lugar onde podiam atender as suas necessidades. Ao chegar no norte o jovem Lewis fica extremamente espantado ao ver a quantidade de pessoas brancas na região onde seu tio mora.

"Eu frequentava a Primeira Igreja Batista de Nashville, no centro. Seu eu sentasse nos degraus podia literalmente jogar uma bola de beisebol e acertar a sede do Governo Estadual do Tennessee." p. 75

Mudando a sua visão sobre o mundo e com aquele desejo de contribuir e mudar as coisas, Lewis passa a estudar muito e para isso enfrenta muitas dificuldades, inclusive seus pais como obstáculo, pois eles querem que Lewis ajude em casa e no trabalho do pai. O estopim para tornar-se um ativista foi quando Martin Luther King realizou um boicote após uma jovem negra ser presa por não ceder o seu lugar para uma pessoa branca, nesse momento surge em Lewis uma vontade sedente por mudar os direitos e obrigações civis dos negros.
Opinião: Eu achei muito interessante a narrativa, pois ela ocorre por meio das lembranças de John Lewis. A história é contada através de flashbacks que retrata desde a sua infância até a fase adulta. É por meio desses flashbacks que enxergamos através dos olhos de Lewis toda a discriminação e os direitos desiguais que os negros precisaram enfrentar e lidar, levando como consequência aos movimentos pela luta dos direitos civis de forma igualitária. Em termos de história essa luta ocorreu poucas décadas atrás, é um período muito próximo e é meio louco ter acontecido essa segregação até os anos de 1960, principalmente se levarmos em conta que a abolição da escravatura ocorreu no ano de 1863 nos Estados Unidos e outro detalhe ainda mais relevante, os negros norte-americanos lutaram pelo Estados Unidos na Primeira e Segunda Guerra Mundial, então eles estavam aptos para lutar e defender o país em uma guerra, mas não estavam aptos para receber tratamento igualitário em relação aos brancos?

Confesso que gostei muito da HQ, a leitura fluiu muito bem, as ilustrações de Nate Powell são magníficas, impressionam e retratam bem a história de Lewis e a luta dos negros pelos direitos civis, facilitando ainda mais a leitura e compreensão do tema. Eu particularmente amo história e adorei essa oportunidade concedida pela Editora Nemo de conhecer a vida de John Lewis, mas também esse momento negro da história norte-americana. Essa obra é tão importante e marcante que conseguiu ser a primeira graphic novel a vencer o National Book Award. Essa é uma leitura imperdível, recomendo para todos que curtem quadrinhos e para aqueles que querem conhecer um pouco mais da história de John Lewis e dos Estados Unidos da América. Agora é aguardar os outros dois volumes da trilogia para dar prosseguimento a essa leitura que até o momento foi maravilhosa.
Sobre a Edição: A Marcha é uma graphic novel muito bonita, a capa ficou bem arquitetada e retrata bem o teor da trama. As ilustrações ficaram lindas e impressionam pelo realismo. Essa é uma edição formato 17 x 24, a capa é cartonada com orelhas, o papel utilizado foi offset e apresenta boa gramatura. Não encontrei erros de revisão, a única dificuldade que tive foi encontrar em alguns momentos balões no início da leitura com letras bem pequenas. No geral ficou excelente o projeto gráfico da Nemo.
Sobre o Autor: O parlamentar John Lewis foi um dos líderes do Movimento Americano pelos Direitos Civis. Foi presidente do Student Nonviolent Coordinating Committee (Comitê Coordenador Estudantil Não Violento – SNCC) e desempenhou um papel-chave na luta pelo fim da segregação. Mesmo com mais de quarenta prisões, ataques e ferimentos graves, continuou a advogar pela filosofia da não violência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad