[RESENHA #525] A MÁQUINA DO TEMPO - H. G. WELLS - Saga Literária

Breaking

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

[RESENHA #525] A MÁQUINA DO TEMPO - H. G. WELLS



Título: A Máquina do Tempo
Autor: Herbert George Wells
Tradução: Leonardo Castilhone
Editora: Martin Claret
Páginas: 161
Ano: 2018
ISBN: 9788544001929
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: “Vocês precisam me ouvir com atenção.” É assim que o leitor será transportado, guiado pelo Viajante do Tempo, para um futuro longínquo, onde conhecerá raças fascinantes e peculiares. H. G. Wells, um dos responsáveis por inovar a proposta dos romances de ficção científica, nos deixou uma obra incrível que continua sendo fonte de inspiração para autores e cineastas modernos.


Resenha: Herbert George Wells foi um escritor britânico e considerado um dos pais da ficção científica. O seu primeiro livro foi justamente "A Máquina do Tempo", um dos primeiros livros do gênero ficção científica e que é, praticamente, o precursor dos livros sobre histórias de viagens no tempo, tendo sido escrito em 1895. O romance começa com um encontro entre amigos na casa do "Viajante do Tempo" (personagem sem nome), que é um cientista e está trabalhando em um protótipo que vai permitir que as viagens no tempo sejam uma realidade. Ele compartilha essa novidade com os seus amigos que rapidamente duvidam que isso seja algo possível, mas ao mesmo tempo ficam extremamente curiosos em saber até que ponto o amigo excêntrico vai levar adiante essa história. Porém, o viajante consegue demonstrar aos amigos um vislumbre do que seria a viagem através do tempo.

"O viajante do tempo (como o chamaremos por ser mais conveniente) expunha um problema desconhecido para nós. Seus olhos acinzentados cintilavam, e o resto, que normalmente era pálido, estava ruborizado de empolgação [...]" p. 19.

Curiosos, os amigos do "viajante do tempo" retornam para a sua casa alguns dias depois, pois eles foram convidados para um jantar com a promessa de ser uma experiência única e imperdível em suas vidas. Mas eles não encontram o anfitrião em sua casa, pois na verdade ele realizou uma viagem para o futuro com o seu protótipo, o viajante do tempo foi parar no ano de 802.700, onde ele encontra um mundo completamente diferente do seu.  Nesse mundo ele vê pequenas criaturas humanoides chamada Elois, essas criaturas são pacíficas e frágeis, alimentam-se basicamente de frutos e vivem sobre a terra. Mas o viajante também conhece outras criaturas e que vivem abaixo da terra, essas criaturas são conhecidas como Morlocks. Ambas as criaturas vivem em aparente harmonia, algo completamente diferente da cidade de Londres do século XIX em que vive, mas o viajante também encontra ruínas que pertenceram a alguma civilização que não era da sua época e isso o deixa intrigado.

"Enquanto lá estava, contemplando aquele triunfo magistral do homem, a lua cheia, amarelada e curvada, surgiu de um transbordamento de luz prateada vinda do nordeste. As pequenas criaturas pararam de se movimentar lá embaixo, uma coruja silenciosa deu um voo rasante perto de mim e eu senti um arrepio de frio no cair da noite. Decidi retornar e encontrar um lugar para dormir." p. 69.

O viajante aproveita o seu tempo no futuro para estudar essas criaturas, desvendar os mistérios desse mundo e em seguida retornar para o seu tempo. Mas sua máquina acaba desaparecendo e é nesse momento que as coisas fogem do seu controle e alguns conflitos têm início. O viajante acaba ficando mais tempo do que pretendia no futuro, contudo, ele consegue retornar para o jantar e sua aparição é no mínimo aterrorizante aos olhos dos seus amigos, pois ele retorna ao seu tempo irreconhecível, em um estado totalmente deplorável e seus amigos demonstram uma enorme impaciência, mas ele pede um tempo para contar uma história que certamente vai valer a espera.
Opinião: A Máquina do Tempo para os dias de hoje pode ser visto como um livro comum, pois a viagem no tempo não é explicada com detalhes, é tudo muito simples. Mas para o seu tempo foi um livro inovador e é considerado um dos grandes clássicos da literatura de ficção científica. Na trama acompanhamos a história de um brilhante e genial cientista que tem a original ideia (para o seu tempo) de criar uma máquina que possibilite viagens no tempo, o que realmente consegue realizar. Nesse momento entra em cena um futuro vislumbrado pelo autor, um mundo em que os seres humanos foram extintos por motivos inexplicáveis e deram lugar para outros seres descendentes dos humanos e que vivem em um local aparentemente tranquilo e harmônico, inclusive respeitando o meio ambiente, mas que na verdade é um lugar selvagem.

É interessante observar que nesse mundo o viajante do tempo vê que o ser humano atingiu o seu ápice tecnológico, mas o protagonista acredita que o declínio do ser humano teve início justamente nesse ápice quando todas as necessidades foram atendidas, tornando o ser humano um ser frágil e dependente. É nesse cenário que entra a figura dos Elois que não apresentam qualquer das características necessários e que estão presente para sobreviverem em cenários e situações adversas, esses pequenos e frágeis seres humanoides são presas extremamente fáceis para os morlocks.

Herbert George Wells consegue mesclar temas como a ciência, política, filosofia, sociedade, viagem no tempo e aventura tudo em um mesmo enredo. Apesar de toda a simplicidade de sua ideia para a viagem no tempo, o autor nos leva a refletir sobre diversas questões, como convivemos com o próximo, como lidamos com o meio ambiente, o que podemos esperar no futuro e até mesmo se conseguiremos nos desenvolver em aspectos como educação e respeito para convivermos de forma harmoniosa em comunidade. Wells também nos leva a indagar sobre o impacto da tecnologia em nossas vidas, até que ponto ela é útil, se iremos dominar a tecnologia plenamente ou se seremos plenamente dominados por ela. Esse é um grande clássico da literatura, é um livro imperdível. Recomendo fortemente a leitura de "A Máquina do Tempo", que é uma rápida mas cheia de reflexões.
Sobre a Edição: A Martin Claret está de parabéns pela belíssima edição apresentada, a capa é estilo gibi. A edição é capa dura com acabamento fosco, o miolo é composto por duas cores: pantone azul e preto. As folhas são amareladas, a fonte e o espaçamento ficaram super confortáveis. Os capítulos são curtos e isso é extremamente positivo, pois deixa a leitura fluida. A edição conta ainda com sumário e uma introdução realizada pela Lillian Corrêa, mestre e doutora pela Universidade de Mackenzie. A revisão ficou excelente e a tradução ficou sob a responsabilidade de Leonardo Castilhone.
Sobre o Autor: Herbert George Wells, conhecido como H. G. Wells, foi um escritor britânico. Nos seus primeiros romances, descritos, ao tempo, como "romances científicos", inventou uma série de temas que foram mais tarde aprofundados por outros escritores de ficção científica, e que entraram na cultura popular em trabalhos como A Máquina do Tempo, O Homem Invisível e A Guerra dos Mundos. Visionário, chegou a discutir em obras do início do século XX questões ainda atuais, como a ameaça de guerra nuclear, o advento de Estado Mundial e a Ética na manipulação de animais. Desde muito cedo na sua carreira, Wells sentiu que devia haver uma maneira melhor de organizar a sociedade, e escreveu alguns romances utópicos. Ele analisa a dicotomia entre a natureza e a educação e questiona a humanidade em livros como A Ilha do Dr. Moreau. À medida que envelhecia, Wells foi-se tornando cada vez mais pessimista acerca do futuro da humanidade.

22 comentários:

  1. Olá! Tudo bem?

    Ao ler um livro é importante que possamos compreender e considerar a época em que foi escrito, né? Então por Mais que estranhem e sintam falta dessa explicação acho que o contexto da época vai sempre ter um peso na hora de criticar. Eu gostei muito da proposta do livro e essa questão de falar da tecnologia avançada foi realmente uma ideia certeira, viu’.

    Abraço,
    Di, Vida & Letras
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá! Tudo bem?

    Ao ler um livro é importante que possamos compreender e considerar a época em que foi escrito, né? Então por Mais que estranhem e sintam falta dessa explicação acho que o contexto da época vai sempre ter um peso na hora de criticar. Eu gostei muito da proposta do livro e essa questão de falar da tecnologia avançada foi realmente uma ideia certeira, viu’.

    Abraço,
    Di, Vida & Letras
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
  3. Certamente foi um livro inovador pra época e serviu de inspiração para todas as obras que falaram de viagens no tempo em anos posterires. É realmente um tema fascinante. Lembrei de um personagem da série Flash chamado Harrison Wells, um cientista do tempo (o nome é uma clara homenagem ao autor H. G. Wells).

    ResponderExcluir
  4. Ao ler sua resenha lembrei dos filmes que assisti onde determinados personagens viajaram através da máquina do tempo. Achei bacana esta Edição, será um sucesso entre os amantes da ficção!

    ResponderExcluir
  5. Certamente uma boa surpresa. Um tema e tanto. Tom cinematográfico evidentemente... E super inusitado! Tá na lista!

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito de ler tudo aquilo que aborda esse tema,pois de uma forma geral,sou muito fã de ciência e todo o sentido de pesquisa. Mesmo sendo ficção,é um assunto que me instiga bastante.

    ResponderExcluir
  7. Olá!!
    Eu fui lendo sua resenha e eu não sei porque, mas parece que eu conheço essa história. Apesar de não ser um gênero que costumo ler, eu achei a história bem interessante.
    Os livros dessa editora tem sempre edições fantásticas.
    Bjs
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Nossa, o livro foi escrito em 1895, o autor realmente estava muito além do seu tempo, acho isso fantástico e concordo com você que para a época foi um livro inovador.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem?
    Cara, eu to chocada com esse livro e com toda certeza vai pra minha lista.
    Eu não conhecia o livro e muito menos o autor, por não me interessar tanto por esse tipo de coisa. Mas depois de um tempo, assistindo a certas coisas, passei a me interessar muito e tenho noção o quanto essa leitura deve ser gostosa.
    Hoje pode haver livros mais complexos, que expliquem de uma forma ''melhor'' sobre o tema, mas esse sim foi genial, para o tempo que foi escrito.
    Foi um prazer conhecer mais desse livro e do autor.

    Abraços
    www.psideboteco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Olá, como vai? Embora esteja sem ler a um tempinho, não posso negar que fiquei extremamente interessada neste livro, mesmo não sendo um gênero que esteja acostumada. Sua resenha foi muito cativante e a sua escrita é ótima! Parabéns! Este livro estará na minha lista com certeza!
    Beijos
    www.cheiadeassunto.com

    ResponderExcluir
  11. Olá...
    Eu já tinha visto o livro algumas vezes, mas confesso que nenhuma delas me chamou muito a atenção, pois esta longe de ser um gênero que me agrada.
    Porem ao ler sua resenha fiquei bastante curiosa, sei lá sua resenha foi cativante e me fez adicionar na minha infinita lista um livro que não tem nada a ver comigo... Enfim, vou ler a obra e espero gostar...

    ResponderExcluir
  12. Oii, tudo bem?

    Já conhecia o autor e a obra, mas infelizmente ainda não tive tempo de ler esse livro.
    Falou em viagens no tempo já me agrada, sou apaixonada por esses livros a frente do tempo em que foram escritos, como Sherlock Holmes e 20 Mil Léguas Submarinas. Confesso que amo mais clássicos que muitos livros atuais, eles me dão uma satisfação muito grande. Essa com certeza vai ser minha próxima leitura.

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  13. Oi, Yvens!
    Gosto muito desse livro (também tenho essa edição e acho ela linda demais!) e por mais que pareça estranho agora que não tenha tantas explicações assim, para a época e contexto em que foi escrita, tudo o que o autor traz é mais do que suficiente para entreter e suscitar reflexões e questões ao leitor. Gosto muito da problematização que a trama faz sobre a tecnologia e o auge da nossa civilização, é um tema que sempre rende muito e que sempre mudamos ou encorpamos nossa opinião.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi, Yvens!
    Me sentindo levemente (muito) desinformada agora porque, como amante de temas de viagem no tempo, eu não acredito que não conhecia esse livro! =O Sinceramente, rs Só sabia da existência de A Guerra dos Mundos do autor, mas esse só estou vendo agora mas já me interessou demais. Gosto muito da temática e ainda que não tenha explicação de como a viagem se dá, o fato de ter discussão sobre o ser humano e sua provável extinção em decorrência da dependência pela tecnologia e tudo mais já me deixou instigada. O autor parece levantar muitas discussões e reflexões legais em torno disso, então já vou adicionando na minha listinha do Skoob. Valeu muito a dica!
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ Sonhando aos Vinte ♥

    ResponderExcluir
  15. Oie!
    Ainda não tive a oportunidade de ler o livro, mas acredito que traz diversas situações sobre a humanidade que me farão refletir. Eu lembro de ter assistindo um filme sobre isso (confesso que não me recordo se á inspirado no livro), mas que traziam temas interessantes.
    Com certeza, vou fazer a leitura desse livro.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  16. Oi.

    Eu ainda não li nada do autor, mas está na minha meta. Eu tenho lido cada vez mais ficção científica e esse está no hall dos livros que preciso ler. É curioso perceber essa reflexão do personagem, de que o fim da humanidade tenha chego justamente no ápice do seu desenvolvimento tecnológico, eu acredito que será isso mesmo e, é por essas constatações, que esse livro é excepcional, porque foi escrito há tanto tempo, mas ainda é relevante, mesmo que hoje em dia haja livros que explorem mais a viagem no tempo.

    Adorei a sua resenha, me deu mais gás para ler finalmente esse livro e não ter medo dele, porque ele me parece ser bem simplista. :D

    beijos!

    ResponderExcluir
  17. Sempre quis ler este livor, mas me sentia intimidade por ser um clássico e uma referencia dentro do gênero dele. Sua resenha me deixou animada a tentar, principalmente por se aproveitar do enredo para discutir temas fortes.
    beijos

    ResponderExcluir
  18. Oii Yvens, tudo bem? Parabéns pelo texto, a resenha ficou ótima! Eu gosto muito de tramas com viagem no tempo no meio, mesmo sendo um tema um pouco batido eu ainda me vejo empolgada com eles hahah Não li A Máquina do Tempo ainda, mas é algo que quero muito fazer, e em breve. Espero gostar e me divertir também :D


    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Ola!

    Tenho que te confessar que eu tenho um serio problema quando se trata de livros de ficção cientifica. Não sei o que acontece, mas a historia simplesmente não flui de maneira alguma para mim. Adorei a sua resenha e as suas colocações. Adorei as fotos e principalmente essa edição! Que trabalho incrivel da editora!

    beijos

    ResponderExcluir
  20. Tinha té me esquecido da existência desse livro. Ele está na minha lista de leituras, perdido entre tantos títulos. A premissa dessa obra me agrada bastante, ainda mais por mesclar em meio a viagem no tempo outra gama de assuntos socio-filosóficos-culturais. E que bom ter o reforço de que essa é uma obra que compensa ser lida. Bexus @prefirolercomcalma

    ResponderExcluir
  21. Olá, tudo bom?

    Nossa, esse é um livro que está a séculos na minha lista de desejados e talvez eu leia agora nessa edição caprichada. Pensar que esse livro foi escrito em uma época tão distante e, mesmo assim, trouxe coisas que podemos associar e refletir atualmente, como quanto a tecnologia influencia a nossa vida, como ela será importante para a decadência da sociedade (até imagino que o fim do mundo pode vir através da ciência/tecnologia) e como vivermos em harmonias com outros povos é importante. A trama é interessante e fiquei curiosa sobre como o autor desenvolveu tudo. Espero conseguir ler em breve! ;)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  22. Olá,
    deve ter sido uma experiência incrível ler um livro como este, o clássico dos clássicos dentro da ficção científica. Achei bem interessante essa comparação que você fez quando disse que nos dias de hoje o livro pode ser considerado simples mas que na época foi visto de outra forma, ainda mais sendo o precursor de um gênero literário. O fato deu não ser adepta de livros do tipo não me impede de admirar a importância história que esta obra tem dentro da ficção científica.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir