[RESENHA #526] CONTOS DE SUSPENSE E TERROR - EDGAR ALLAN POE - Saga Literária

Breaking

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

[RESENHA #526] CONTOS DE SUSPENSE E TERROR - EDGAR ALLAN POE


Título: Contos de Suspense e Terror
Autor: Edgar Allan Poe
Tradução: Eliane Pereira e Katia Maria Orberg

Editora: Martin Claret
Páginas: 218
Ano: 2015
ISBN: 9788544001035
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: "Edgar Allan Poe é uma influência determinante em toda a nossa modernidade, o criador das histórias de detetive e das tramas de ficção científica, presente nas atualíssimas tendências fantásticas, góticas e underground(...)" – Eliane Fittipaldi Esta edição possui os seguintes contos: "O coração delator", "O gato preto", "William Wilson", "Metzengerstein", "O barril de amontilhado", "A queda da casa de Usher", "O poço e o pêndulo" e "O enterro prematuro".


Resenha: Contos de Suspense e Terror foi publicado pela Editora Martin Claret no ano de 2015 e a editora selecionou alguns contos daquele que é considerado o pai do terror, trata-se do escritor norte-americano Edgar Allan Poe que ainda é cultuado por muitos e tem uma enorme legião de fãs mundo afora. Essa edição conta com os seguintes contos do autor: "O coração delator", "O gato preto", "William Wilson", "Metzengerstein", "O barril de amontillado", "A queda da casa de Usher", "O poço e o pêndulo" e "O enterro prematuro". Confira abaixo cada um dos contos presentes nessa edição.

O Coração do Delator: O conto inicia com um homem negando a sua loucura enquanto afirma que a doença não destruiu todos os seus sentidos, mas apenas apurou. Para provar a sua lucidez ele conta a história de quando trabalhava para um velho homem que tinha um dos seus olhos envolvido por uma membrana, dando um aspecto diferente. O velho jamais tratou ou fez algum mal ao protagonista do conto, mas este a cada dia ficava mais fascinado e perturbado com o olho branco do velho, até que certa noite ele resolve entrar no quarto do seu empregador com uma lanterna e acaba fazendo barulho, acordando-o. Perturbado por ver o olho branco do velho, o protagonista fica furioso e acaba matando-o, cometendo uma ato extremo, uma verdadeira loucura que o leva de fato para o caminho da aflição e insanidade.

"É impossível dizer como, pela primeira vez, a ideia entrou em meu cérebro; mas, uma vez concebida, ela me assombrava dia e noite. Motivo, não havia. Paixão, não havia. Eu gostava do velho. Ele nunca me fizera mal. Nunca me ofendera [...]" p. 31.

Opinião: O presente conto tem uma atmosfera extremamente sombria e desoladora e isso contrasta com o comportamento do narrador que a todo momento apresenta-se calmo ao narrar os fatos, oscilando por vezes com alguns momentos de loucura. É interessante acompanhar o agravamento da sua loucura durante a leitura e enquanto a insanidade toma conta dele, ele tenta justificar os seus atos, alegando que o problema não estava nele e o problema não era o velho e sim o seu olho a que ele atribui ser possuidor de uma essência maligna.
O Gato Preto: Nesse pequeno conto conhecemos um homem que tem em sua casa diversos animais de estimação, pois ainda criança já amava os animais, um amor que foi vencendo o tempo e em sua fase adulta, com o apoio da esposa, resolveu adotar diversos animais. Entre os inúmeros animais que o protagonista tem em casa, um em especial chama atenção pela afinidade e amor para com o dono, é um grande gato preto, chamado Pluto, que é o favorito do protagonista. Porém, em determinado momento, a relação desse homem com os animais vai mudando, levado pelo alcoolismo, ele começa a maltratá-los.

"Uma noite, regressando a casa, muito atordoado, após uma das minhas folias pela cidade, tive a impressão de que o gato evitava a minha presença. Agarrei-o; foi quando ele, amedrontado com minha violência, causou um leve ferimento em minha mão com os dentes [...]" p. 46.

Porém seus pensamentos, atos e caráter vão mudando com o passar do tempo. Vemos que diariamente, o homem apresenta o seu viés sádico e cruel, a sua mente vai sendo deturpada pelo vício e com isso o lado violento aflora, até que em determinado momento um grande ódio surge no homem em face ao seu animal favorito, Pluto o "gato preto". Em certo momento, tomado de ódio, o homem com um comportamento extremamente violento mata o seu gato. Essa morte violenta, enche o protagonista de culpa, gerando em si uma grande repulsa pelo o que fez. Tomado de arrependimento, ele vai para um bar beber, até que acha um gato semelhante ao que assassinou. Para se redimir do que fez, resolve levar um novo gato preto para casa. Contudo algo perturbador acontece e o nosso protagonista precisa enfrentar uma prova de fogo.

Opinião: O Gato Preto é um conto narrado em primeira pessoa, na forma de um relato, de uma confissão, que demonstra as mudanças comportamentais de um homem afetado pelo alcoolismo, o quanto através desse, foi possível mudar a vida pacífica de um homem que amava de forma incondicional os animais, para uma vida em que o amor pela criação não existe, reinando apenas o ódio e a violência. Edgar Allan Poe, expõe sobretudo a fragilidade humana em uma história onde a corrupção dos valores morais acontece de forma gradativa aos olhos dos leitores. Poe nos surpreende com a frieza do narrador, que perde o seu lado humano, apresentando um lado bestial. Mas também demonstra que o vício, seja ela qual for, pode arruinar o ser humano. Em meio aos atos de perversidade, vemos uma grande oscilação do protagonista a lucidez e a loucura. O conto apresenta uma ambientação gótica, permeada de suspense, expondo sentimentos como a agonia, o medo e pavor, características típicas nos contos de Poe.

William Wilson: Temos como protagonista do conto William Wilson, ele é um homem que levava a vida de forma desregrada e desde novo sempre buscou tirar proveito de todas as situações e oportunidades que surgiam em seu caminho, para isso ele passava até por cima dos seus amigos. Mas Wilson não está sozinho, ele tem em seu encalço desde a infância um outro sujeito com o mesmo nome e que nasceu no mesmo dia, para piorar a situação esse sujeito tem as mesmas características físicas de Wilson. Esse homem é na verdade um contraponto, uma espécie de superego de Wilson.

"Permitam que eu me chame, por agora, William Wilson. A página límpida que ora se apresenta diante de mim não precisa ser maculada com meu verdadeiro nome. Este já tem sido por demais objeto de escárnio [...]" p. 62.

Opinião: A trama é centrada sob o ponto de vista do protagonista e narrador William Wilson, que é tipicamente um sujeito mau caráter e não busca justificativas ou mesmo se vitimizar por tudo que acontece em sua vida. Poe nos apresenta a ideia de dualidade, construindo um personagem bem próximo da psicopatia. Ele não é um psicopata por completo devido a presença constante do superego, algo que o incomoda continuamente, ele sente a presença de seu sósia de forma habitual. Outro aspecto importante que devo ressaltar é a tomada de consciência do protagonista, isso ocorre de forma gradativa ao longo da narrativa.
Metzengerstein: Esse foi o primeiro conto de Edgar Allan Poe a ser publicado em uma revista e talvez um dos contos mais esquecidos do autor em diversas coletâneas. Poe nos apresenta um conto em que nos deparamos com uma rixa antiga entre duas famílias na Hungria. De um lado temos um jovem herdeiro extremamente egocêntrico e cheio de volúpia que comete atos além do aceitável e que o fazem ir além do limite da sanidade. De outro lado temos um velho homem, um patriarca que está próximo do fim da vida e em meio a sua senilidade tenta com todas as suas forças manter-se agarrado a paixão da sua vida: os cavalos. É nesse cenário que conhecemos de um lado a família Metzengerstein e Berlifitizing.

"O horror e a fatalidade andam à espreita por toda parte em todas as eras. Por que então fornecer uma data à história que tenho para contar? Basta dizer que, na época de que falo, havia, no interior da Hungria, uma crença arraigada, embora oculta, nas doutrinas da Metempsicose [...]" p. 97.

Conhecemos nesse conto um antiga profecia que acaba fomentando ainda mais o rancor entre as duas famílias, pois diz que a família Metzengerstein, a mais antiga e rica das duas, irá subjugar a família Berlifitizing. O ódio entre as famílias supera qualquer conduta racional chegando ao ponto do celeiro do velho patriarca da família Berlifitizing ser incendiado e não restam dúvidas de quem é o responsável por tal ato hediondo, um jovem egocêntrico da família rival. Abalado e destruído, o velho que nutria um grande amor por seus cavalos torna-se protagonista de uma grande tragédia.

Opinião: Metzengerstein não é um clássico conto de terror. Poe nos apresenta um conto em que ele novamente volta a retratar a loucura e obsessão e o quanto esses aspectos influenciam nas decisões do ser humano. O sobrenatural também está presente no conto e ocorre por meio da profecia quando um cavalo sai de uma tapeçaria. Poe nos apresenta um protagonista que não sabe ao certo se os acontecimentos são reais ou frutos da sua imaginação.

O Barril de Amontillado: Temos aqui como protagonista um homem chamado Montresor, que está determinado a colocar em prática um plano para se vingar do seu desafeto chamado Fortunado. Chegando o carnaval, Montresor aproveita que Fortunato está embriagado para lhe dar um barril de amotillado (um tipo de vinho), mas para receber o presente ele precisa ir até à adega da família de Montresor que está localizada em meio as catacumbas onde estão os corpos dos ex-integrantes dessa família e é nesse lugar que ele planeja uma vingança sinistra contra o seu desafeto.

"As mil afrontas de Fortunado, eu as havia suportado da melhor forma possível; mas, quando ele ousou partir para o insulto, jurei vingança. Você, que tão bem conhece a natureza de minha alma, não irá supor, entretanto, que dei voz a uma ameaça [...]" p. 113.

Opinião: O conto é escrito em primeira pessoa, dando um tom mais realístico para a escrita. Poe tem como tema principal a vingança que é tratada com frieza por um protagonista muito calculista. Montresor é um homem perverso que não demonstra qualquer sentimento de culpa e arrependimento, tratando a sua vítima meramente como um objeto. Fica no ar uma dúvida, o que Fortunato cometeu de tão grave para merecer uma vingança e punição tão sórdida?

A Queda da Casa de Usher: Publicado em 1839, a narrativa de "A Queda da Casa de Usher" acontece por meio de um personagem sem nome que recebe um convite para passar alguns dias na mansão do seu antigo amigo de infância, Roderick Usher. Este último tem uma irmã gêmea chamada Lady Madeleine que sofre de catalepsia, um distúrbio que a impede de mover os seus membros. Os irmãos são na verdade os herdeiros da família Usher. O protagonista aceita o convite, pois Roderick acredita que está em seus últimos dias de vida e ele quer o seu amigo por perto. Ao chegar na mansão, o personagem sem nome vê o local totalmente deteriorado e esquecido no tempo, vislumbrando um cenário desolador.

"Por todo um dia triste, sombrio e silente de outono, em que as nuvens baixas pairavam opressivamente no céu, eu estivera percorrendo solitário, a cavalo, uma região singularmente lúgubre, até que afinal me encontrei, ao caírem as sombras da noite, à vista da melancólica Casa de Usher [...]" p. 127.

Com o passar dos dias, ele percebe que Roderick é um verdadeiro hipocondríaco, mas também desconfia que os irmãos escondem alguns segredos. Um grande infortúnio abate sobre a casa, Lady Madeleine acaba falecendo e após a sua morte eventos sinistros e sombrios começam a acontecer na mansão, levando o protagonista a refletir se tudo o que está acontecendo é fruto da sua imaginação ou não. Enquanto ele começa a duvidar da sua sanidade, alguns segredos daquela mansão começam a vir à tona.

Opinião: Poe nos apresenta uma história misteriosa com tons macabros e premonitórios. É interessante a abordagem que Poe faz sobre o psicológico dos personagens, incluindo o fato de Roderick ser um hipocondríaco. A Queda da Casa de Usher tem uma ambientação sombria e um tanto quanto opressora, o que nos leva a ficar ansiosos para conhecer o desenrolar dos fatos. Esse é um conto muito descritivo, mas ao mesmo tempo super envolvente.

O Poço e o Pêndulo: Publicado originalmente em 1842, o conto narra a história de um homem que está sendo analisado pela Inquisição Espanhola na cidade de Toledo. Após o julgamento e condenação, esse homem sem nome, é jogado em um calabouço sombrio, completamente escuro. Nesse lugar ele relata as diversas torturas físicas e psicológicos que sofreu em meio aos sentimentos de agonia e desespero que surge em seu ser. Enquanto cativo, o homem busca desvendar o lugar em que está e em suas tentativas ele se dá conta que o terreno em que se encontra é um polo e, tão logo, um pêndulo. Esses instrumentos faz ele vagar e entrar em devaneios, enquanto isso ele luta para manter-se são e arrumar alguma forma de sair da situação em que se encontra.

"Eu estava doente - doente, quase à morte, com aquela longa agonia; e quando eles, por fim, soltaram minhas amarras e pude me sentar, percebi que os meus sentidos me abandonavam. A sentença - a terrível sentença de morte - foi a última enunciação distinta que me chegou aos ouvidos [...]" p. 159.

Opinião: Esse conto tem como foco o terror psicológico e toda a situação de desesperança que o protagonista precisa enfrentar e é submetido. A sanidade do protagonista sem nome é colocada em teste durante o período em que fica trancado no calabouço, ele mesmo revela que por vezes não consegui distinguir o que é real do imaginário. No decorrer da leitura eu passei a tentar junto com o personagem encontrar meios para que ele possa sair dessa situação.
O Enterro Prematuro: A trama começa com o narrador, portador de catalepsia, confessando o quanto o deixa apavorado a possibilidade ser enterrado vivo por conta de sua saúde e ele resolve dar alguns exemplos de pessoas que foram enterradas vivas. Ele demonstra que isso ocorria devido a falta de análises clínicas capazes de demonstrar que a pessoa de fato morreu e outros eram enterrados simplesmente pelo erro médico. Entre os casos relatados pelo narrador tem a de uma mulher que foi considerada morta e colocada em uma cripta familiar, mas após 3 anos do dito "falecimento" a família precisou abrir a cripta, o esqueleto da mulher caiu nos ombros do ex-marido. Em outro caso, uma mulher aparentemente morta foi enterrada e salva por um antigo amor horas depois, ele queria guardar fios do seus cabelos como recordação.

"Há certos temas que absorvem completamente o interesse, mas que são por demais horríveis para os propósitos da verdadeira ficção. Esses, o mero romancista deve evitá-los, se não quiser ofender ou desagradar. São tratados com decoro apenas quando a seriedade e a nobreza da verdade os consagram e sustentam [...]" p. 185.

Opinião: Esse é um conto reflexivo, Poe nos demonstra o medo do ser humano de ser enterrado vivo, o medo de ter um diagnóstico errado possa levá-lo para o caixão. O Enterro Prematuro é um conto descritivo, apresenta uma linguagem agradável e é de fácil compreensão, inclusive recebeu uma adaptação para o cinema no ano de 1962 com o título de "Obsessão Macabra".

Opinião Geral: Contos de Suspense e Terror é um livro composto com oito contos de Edgar Allan Poe e ao longo do livro temos histórias que retratam a natureza humana, a capacidade do ser humano ser frio e desumano com o próximo. Poe descreve situações e sensações ao longo da narrativa que nos deixa surpreso e ao mesmo tempo tensos. Por vezes eu fiquei na dúvida se os acontecimentos relatados eram de fato reais ou alucinações dos personagens. O autor trata a loucura e a insanidade de forma magistral e sofremos, sentimos agonia com tudo que os personagens vivenciam e precisam enfrentar. Eu vejo o terror presente no livro como algo mais psicológico, mas talvez esses contos eram verdadeiras obras de terror quando foram publicados. Eu recomendo esse livro para todos que gostam de histórias de suspense e principalmente para quem é fã do autor, pois são contos extraordinários.
Sobre a Edição: Essa edição está em formato 16x23, conta com capa dura e acabamento fosco. O título está em relevo baixo na primeira capa e em branco na lombada. A edição conta com jacket (sobrecapa) em papel couchet. A revisão ficou muito boa, a fonte está em tamanho confortável. Os contos são curtos e isso facilita muito a leitura. O livro conta com uma introdução de Eliane Pereira, mestre e doutora em Letras pela USP. A tradução ficou por conta da Eliane e Katia Maria Orberg.
Sobre o Autor: Edgar Allan Poe nasceu em 19 de Janeiro de 1809 na cidade de Boston, Estados Unidos. Ele foi um autor, poeta, editor e crítico literário americano, integrante do movimento romântico americano. Poe ficou conhecido por suas histórias que envolvem o mistério e o macabro, é considerado um dos primeiros escritores americanos de contos e é geralmente visto como o inventor do gênero ficção policial. Poe foi o segundo filho de David Poe e Elizabeth Arnold, ambos atores. 

Ainda criança ficou órfão e foi adotado pelo rico casal de Jonh Allan e Frances Kelling Allan. Poe recebeu uma educação de qualidade e pode realizar viagens pela Inglaterra, Escócia e Irlanda com os pais adotivos. Em 1822 regressou aos Estados Unidos onde continuou seus estudos. Dois anos depois, entrou para a Universidade de Charlotesville, distinguindo-se tanto pela inteligência quanto pelo temperamento inquieto, que o levou a ser expulso da escola. Escritor bem-sucedido, Poe casou-se com Virginia Clemm. Contudo, o alcoolismo atrapalhou a sua carreira e Poe passou a produzir como "free-lancer", mas sem ganhar o suficiente para manter uma vida digna e o levou a afundar no alcoolismo. Com a morte da sua mulher o problema agravou e o escritor passou a beber cada vez mais, inclusive sofrendo de ataques de delirium tremens. O escritor morreu na madrugada de 7 de Outubro de 1849, aos 40 anos. 

22 comentários:

  1. Não sou fã de livros de terror, mas o conto O GATO PRETO é um que me marcou, nunca esqueço, pois li o conto quando estava no fundamental e me deu muuuuuuito medo.
    Adorei a resenha, gosto muito de resenhas de contos quando a pessoa separa alguns contos e faz resenha individual de cada.
    Amei

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente sou fascinada pelo Poe. Ainda farei uma tatuagem em sua homenagem.
    Eu tenho uma coleção bem tímida do autor e pretendo fazer com que ela cresça e apresentar meus filhos as leituras incríveis que eu já fiz.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  3. QUE REUNIÃO MARAVILHOSA DE CONTOS!
    Esse é um dos meus gêneros favoritos de leitura e, dada a sua resenha, me interessei bastante pelo livro. A Queda da Casa de Usher me pareceu muito interessante! Gosto muito de histórias com mais personagens onde há algo por trás assim. Especialmente num grande lugar.
    Gato Preto e O Coração do Delator me chamaram atenção e fiquei muuuito curioso pra ler William Wilson. Gosto muito de ler sobre as facetas de personagens assim.
    Anotei real pra comprar.
    Gostei demais do seu post. Pra mim, leitor insaciável de contos, foi uma indicação ótima. Obrigado!

    ResponderExcluir
  4. Ganhei recentemente um boX com alguns contos de Poe e nele tem o conto do gato preto. Estou com muita vontade de ler e sua resenha me deixou com ainda mais vontade de ler. Principalmente por anda não ter lido nada dele. Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Yvens, tudo bem?

    Ainda não tive a oportunidade de ler algo do autor. Mas, ultimamente tenho lido bastante contos de suspense e terror, então é algo que desejo me aprofundar mais. Eu adorei saber que a todo momento ficamos questionando a lucidez e loucura dos personagens, isto com certeza acrescenta bastante na história e nos faz imergir por completo na leitura. Adorei que você contou um pouco de cada conto, faz o leitor ter uma boa visão da obra. Com certeza vai para a minha lista de desejados. Obrigada pela dica!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Eu amo os contos de Edgar Allan Poe. Meu conto favorito é o do "gato preto", o contexto psicológico de uma alcoólatra, foi perfeitamente detalhado neste conto, acho q ele descreveu ali algo pessoal de sua vida.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Yvens!
    Fiquei super intrigada pelos contos do Allan Poe. Eu sempre tive muita vontade de ler livros de terror, mas sempre tenho medo. Quando leio, geralmente, entro na história e "entrar" numa história de terror, me assusta um pouco kkkk.
    Confesso que fiquei bem curiosa em ler esses contos e eu amei a edição especial que fizeram. Amo livros de capa dura! Talvez um dia eu arrisque comprá-lo... um dia em que eu esteja me sentindo corajosa rs

    Grande beijo,
    Letícia Franca | Além de 50 Tons
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Ótima resenha! Eu já li o conto “O gato preto” uma vez para fazer uma análise, como trabalho da faculdade, e gostei bastante da escrita do Poe. Meu único problema realmente é o estilo dele, eu costumo fugir de qualquer coisa que tenda para o terror, mesmo psicológico, é muito fora da minha zona de conforto. Tenho a imaginação muito fértil e sou medrosa, essas coisas não combinam muito e dificultam minha leitura do gênero. Eu até que não me senti tão mal lendo o conto do gato, acho que por ser muito mais sobre a psique humana do que um terror propriamente dito. Pelo que vi com suas descrições, a maioria dos poemas dele seguem essa linha né? Se for isso mesmo, é capaz de eu me arriscar a ler mais alguns... Talvez esse Metzengerstein, que parece também não pesar pro terror... Qual você recomendaria?

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Sou doida para ler algo do autor, pelo grande nome que ele tem, mas ainda não tive a oportunidade. Amei saber tua opinião sobre estes contos que parecem ser maravilhosos. Fiquei louca para saber o que acontece em O gato preto.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  10. Olá
    Por mais que eu goste de livros de suspense eu não tenho coragem de ler esse por medo e por ser contos que eu tenho uma pequena dificuldade de acompanha sem me perder na historia. Então dessa vez eu passo essa dica

    ResponderExcluir
  11. Oie tudo bem? Olha, eu só li O corvo, do autor até agora. Mas tenho muito interesse em ler mais coisas, fiquei muito interessada no conto do Gato Preto e em O poço e O pêndulo, parecem ótimos pra mim!

    ResponderExcluir
  12. Essa edição ta maravilhosa e ainda mais nesses dias estava em uma Boa promoção na Saraiva,pena que não consegui pegar :(:(
    Eu amo o Edgar,mesmo com tanto tempo a escrita dele é atual é continua conseguindo causar medo nos leitores.

    ResponderExcluir
  13. Olá !
    Que bacana essa edição, alguns contos eu já conhecia como O Gato que está em Histórias Extraordinária que li já tem um tempão preciso de uma releitura adorei a edição, ótima dica e lembrança.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Oiieee

    Adoro! Os personagens do Poe são sempre cheios de nuances e defeitos, nunca perfeitos ou heróicos e eu gosto disso porque o autor sempre nos faz duvidar e refletir bastante. Alguns contos eu já conheço, mas outros pra mim forma novidade. Gostei demais da dica.

    Beijo

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  15. Me pareceu uma leitura muito interessante, adoro livros de suspense, foi uma super dica para minha proxíma compra de coleção! obrigada!

    ResponderExcluir
  16. Recentemente eu li um livro com contos do autor e gostei bastante, mas confesso que esperava um terror mais pesado hahaha Essa edição eu não conhecia e já fiquei completamente interessada aqui, gostei da escrita do Poe e acho que esse livro vai me agradar muito.

    ResponderExcluir
  17. Olá!!!
    Adorei as fotografias do seu post. Já ouvi falar muito do Poe mas nunca li algo dele de fato e tenho muita curiosidade em conhecer sua escrita. Como gosto bastante do gênero com certeza lerei um dia.
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Oi Yvens, tudo bem?
    Nossa, você simplesmente arrasou na crítica de cada conto, sua resenha ficou muito bem escrita. E apesar de não ser fã do gênero, pois sou muito medrosa, suas palavras despertaram meu interesse. Já li um conto dessa autor há muito tempo, e gostei da forma como ele desenvolve seu enredo. Vou anotar sua dica e recomendar.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Olha, as pessoas me dizem muito para ler Poe, mas nunca me vi diante de contos do autor assim, lendo comentários e sinopses. Realmente são contos fortes e que trazem um terro psicológico bem elaborado né?
    Já quero!

    ~ Diego França|
    |Blog Vida & Letras ~
    www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
  20. Li recentemente esse livro. Gostei mas confesso que achei a leitura meio arrastada, mesmo para contos. Mas é um excelente livro. Poe é mestre.

    ResponderExcluir
  21. Adoro os contos de Poe, porque mesmo sendo de tempos antigos eles ainda causam aquele arrepio na espinha por causa da estranheza.

    ResponderExcluir
  22. Oiiiie! Primeiramente parabéns pela sua resenha.
    Acho muito complexo resenhar um conto, sem dar muitos spoilers e você fez isso com maestria.
    O conto que eu já sei que vou sofrer muito lendo é o do gato preto, não consigo conceber maus tratos à animais...
    Apesar disso, eu estou com muita vontade de ler esse livro agora, vou pesquisar mais sobre ele.
    Obrigada pela dica! :)

    ResponderExcluir