[RESENHA #530] AS GAROTAS DE CORONA DEL MAR - RUFI THORPE - Saga Literária

Breaking

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

[RESENHA #530] AS GAROTAS DE CORONA DEL MAR - RUFI THORPE

Título: As Garotas De Corona Del Mar
Autora: Rufi Thorpe
Tradução: Sylvio Monteiro
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Ano: 2017
ISBN: 9788581638072

Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: 
Amizade entre garotas pode ser intensa e, no caso de Mia e Lorrie Ann, não há dúvidas de que isso é verdade. À medida que crescem, a vida de Mia e Lorrie Ann são preenchidas com praia, diversão e passeios ao shopping. Por outro lado, como toda amizade, há conflitos e dores. Mia e Lorrie Ann convivem há muito tempo e possuem personalidades opostas. Mia é a bad girl, vivendo em uma família problemática. Lorrie Ann é linda e amável, quase angelical, e tem uma família que parece ter sido arrancada de um conto de fadas. Mas, quando uma tragédia acontece a vida perfeita sai fora de controle. 

Resenha: O livro traz a história da vida de Lorrie Ann, mas tudo narrado sob o ponto de vista de Mia que nos conta sobre a sua adolescência na cidade de Corona Del Mar. Mia e Lorrie são amigas desde a infância e estão acostumadas a compartilhar segredos, planos para o futuro enquanto desbravam Corona Del Mar. Elas têm aquele tipo de amizade que beira a improbabilidade de acontecer, pois são bem diferentes em praticamente todos os aspectos de suas vidas. Lorrie é uma garota considerada exemplar e vem de uma família vista como perfeita, já Mia é o oposto disso; ela é uma garota impulsiva, irônica e ainda por cima costuma ser um pouco mentirosa, algo que vai aumentando com o passar dos tempos. 

"Falávamos pelo telefone talvez uma vez por mês, às vezes deixando mais tempo passar, mas sempre que falávamos era com uma intimidade fácil que sentíamos ter feito por merecer. Isso, isso era uma amizade de verdade." p. 79.
A vida de Mia é uma verdadeira montanha russa de emoções e sentimentos. A jovem enfrenta problemas em casa, a sua mãe é alcoólatra e a jovem gosta pouco do seu padrasto, e ela ainda precisa tomar conta dos seus irmãos constantemente, pois a sua mãe não consegue sempre dar conta deles. Enquanto isso a sua amiga Lorrie Ann leva uma vida que beira os contos de fadas. Tudo está em perfeita harmonia na vida de Lorrie e a sua família é bem equilibrada.

Mia sofre um abalo, pois aos quinze anos fica grávida e sem ter muita estrutura e uma família um pouco desequilibrada, resolve abortar o seu bebê e conta com o apoio da única pessoa em que confiou esse segredo, a sua amiga Lorrie Ann, que em nenhum momento fez qualquer pergunta ou julgamento sobre essa importante decisão. Lorrie apoiou totalmente a decisão da amiga e a acompanhou para fazer o que precisa ser feito. Mas Mia cria em sua cabeça que esse é um ato horrível e passa a sentir que merece tudo de ruim que a vida poderia apresentar em seu caminho. Mas o destino quis pregar uma peça em Lorrie Ann, a garota doce e exemplar.

"Quem era eu para julgar a Lorrie Ann? Quem somos todos nós para julgar? Isso ia além de jogar pedras tendo telhado de vidro. Não era apenas que ninguém pudesse ser condenado. Era que não existia essa coisa de julgamento."  p. 150.

A vida de Lorrie sofre um grande abalo, diversos acontecimentos ruins colocam a jovem em situações tristes e dolorosas. Mesmo diante de tanto sofrimento e dor, ela conseguia preservar a garota meiga, atenciosa e equilibrada que sempre foi e em nenhum momento reclama das experiências que a vida lhe proporcionou, sejam elas boas ou ruins. Mia vendo tudo o que a amiga precisa enfrentar, vai tentar estar sempre ao seu lado, mas com o passar do tempo o contato entre elas diminui, até que ficam dois anos sem se falarem e Lorrie decide procurar a amiga que está morando na Turquia onde trabalha como tradutora de escrita cuneiforme. É nesse país que elas vão realizar descobertas inimagináveis.
Opinião: Rufi Thorpe elaborou uma história sensível e intensa, a cada capítulo a autora nos proporciona momentos para refletirmos sobre as nossas vidas e ela ainda consegue nos chocar sobre diversas situações que são abordadas e também que precisam ser enfrentadas pelas personagens. A autora levanta um debate sobre a necessidade de termos amigos, o valor da amizade e como enxergarmos as pessoas que fazem parte das nossas vidas. Mia e Lorrie são personagens distintas, mas elas tem duas características em comum: são mulheres fortes e determinadas.

A autora aborda também outro aspecto importante na vida de muitas mulheres, a maternidade na adolescência e na vida adulta. Eu gostei muito de acompanhar o desenvolvimento das personagens, principalmente no aspecto psicológico, pois passamos a perceber e entender um pouco os medos e desejos que uma mulher apresenta ao ficar grávida, pois a gravidez não é algo irrelevante, não pode ser visto como uma atitude qualquer, é um ato que gera diversas consequências. Esse é um livro bonito e doloroso, mas extremamente real. Indico a leitura para quem deseja algo mais sentimental e com uma boa carga emocional. Fica a dica!
Sobre a Edição: A Novo Conceito elaborou uma edição muito bonita, o livro não conta com erros na revisão, a diagramação é simples e agradável. A capa difere da original e ficou mais bonita. As letras e o espaçamento ficaram confortáveis. As folhas são amareladas e todos os capítulos começam com um título.
Sobre a Autora: Rufi Thorpe é californiana e recebeu seu mestrado pela Universidade da Virgínia em 2009. Adora falar com cachorros e crianças. Escreveu As Garotas de Corona del Mar inspirada em sua infância vivida no local. Atualmente vive em Washington com o marido e o filho.

Um comentário:

  1. Olá!
    Eu gosto muito dessa capa, acho ela muito legal mas achei que se tratava de outro tipo de história. A meu ver a Mia seria insuportável, aquela pessoa que não consegue aceitar o sucesso do outro mas estou completamente enganada. Me deu até vontade de ler a obra.
    Beijo
    http://www.suddenlythings.com

    ResponderExcluir