[RESENHA #538 O REI DAS CINZAS - RAYMOND E. FEIST - Saga Literária

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Post Top Ad

Responsive Ads Here

terça-feira, setembro 11, 2018

[RESENHA #538 O REI DAS CINZAS - RAYMOND E. FEIST



Título: O Rei das Cinzas - A saga dos jubardentes #1
Autor: Raymond E. Feist
Tradução: Ana Cristina Rodrigues
Editora: HarperCollins
Páginas: 512

Ano: 2018
ISBN: 9788595082571
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: O mundo de Garn já foi composto de cinco grandes reinos, até que o rei da Itrácia foi derrotado e todos os membros de sua família foram executados por Lodavico, o implacável rei de Sandura, um homem com ambições de dominar o mundo. A família real de Itrácia eram os lendários Jubardentes, e representavam um grande perigo para os outros reis. Agora restam quatro grandes reinos, que estão à beira de uma guerra. Mas há rumores de que o filho recém-nascido do último rei de Itrácia sobreviveu, levado durante a batalha e acolhido pelo Quelli Nacosti, uma sociedade secreta cujos membros são treinados para infiltrar e espionar os ricos e poderosos de Garn. Com medo de isso ser verdade, e a criança crescer com um coração cheio de desejo de vingança, os quatro reis oferecem uma enorme recompensa pela cabeça da criança. Na pequena vila de Oncon, Declan é um aprendiz de ferreiro, aprendendo os segredos da produção do fabuloso aço do rei. Oncon está situada na Covenant, uma região neutra entre dois reinos. Desde que a área de Covenant foi declarada, a região existiu em paz, até a violência explodir com traficantes de escravos indo até a vila capturar jovens homens para serem soldados em Sandura. Declan precisa escapar, para levar seu conhecimento precioso para o barão Daylon Dumarch, comandante de Marquensas, talvez o único homem que pode derrotar Lodavico de Sandura, que agora se aliou à fanática Igreja do Deus Único e está marchando pelo continente, impondo sua forma extrema de religião sobre a população e queimando descrentes pelo caminho. Enquanto isso, na ilha de Coaltachin, o domínio secreto da Quelli Nacosti, três amigos estão sendo instruídos nas artes mortais de espionagem e assassinato: Donte, filho de um dos mais poderosos mestres da ordem; Hava, uma menina séria com habilidades de luta que poderiam derrubar qualquer oponente; e Hatu, um rapaz estranho e conflituoso no qual fúria e calma lutam constantemente, e cujo cabelo é de um tom brilhante e ardente de vermelho.


Resenha: O Rei das Cinzas foi escrito por Raymond E. Fest que dá início a outra saga de literatura fantástica, agora é a vez da série "A Saga dos Jubardentes". Raymond nos leva para conhecer a região de Garn formada por cinco reinos e dentre esses reinos o mais poderoso é o reino da Itrácia. Os outros quatros reinos movidos pelo medo, mas também pela sede de poder resolvem forjar uma aliança e declaram guerra contra o reino da Itrácia e no campo de batalha eles obtém um enorme sucesso, o exército rival é derrotado. O rei e sua família são assassinados, exceto por um bebê e é ai que mora o perigo, pois nenhum dos quatros reis poderiam imaginar que a história dos Jubardentes estava longe de terminar.

Os Jubardentes são um povo conhecido por seus cabelos na cor de cobre, eles reinaram em Garn durante um longo período. Contudo, após o extermínio de toda a família real, o legado dos Jubardentes foi esquecido e virou pó, mas os quatro reis não sabiam que existia um descendente ainda vivo. O Barão Dylon  Dumarch foi um dos conspiradores e traidores na fatídica batalha, ele carrega a culpa pelo ato terrível que cometeu. Dylon fica sabendo de um boato sobre a existência de um possível herdeiro, mas ele ignora esse fato até que algum tempo depois uma criança com cabelos brancos bate em sua porta, nesse momento ele percebe que os boatos eram verdadeiros.
Na tentativa de se redimir e minimizar um pouco a culpa que sente pelo terrível erro que cometeu, Dylon envia a criança para longe da Itrácia, para que fique bem longe de tudo e todos com o objetivo de ser protegida e criada até atingir a maioridade. A criança fica sob os cuidados de um grande grupo de assassinos chamados Quelli Nascot, eles também têm por objetivo treinar o garoto e mantê-lo longe do Rei Ludovico até que atinga a maioridade e volte para o seu lar de direito.

Após dezessete anos acompanhamos a vida de dois jovens que não sabem o quanto as suas vidas estão prestes a sofrer uma grande mudança. Hatu é um órfão, ele cresceu nas ilhas do leste, em Coaltchin. Desde novo foi treinado pelo clã Queli Nascot que é formado por assassinos, bandidos e espiões e sem saber porque, Hatu sempre sentiu uma grande ódio e raiva na sua vida, sentimentos que fervilhavam dentro de si e isso era algo presente na sua rotina. Agora, ele está prestes a terminar o seu treinamento na companhia de dois grandes amigos, Hava e Donte, mas ele não sabe a sua real história e que a sua vida atual é uma grande mentira. Hava é uma jovem extremamente habilidosa e Hatu gosta muito dela, mas ele enfrenta uma verdadeira luta para saber o que realmente sente por ela.


Declan é outro órfão, nesse universo criado por Feist, que foi criado por Edvalt e o ajudou em tudo quanto era possível até o jovem se tornar um mestre ferreiro em armas. Declan é muito inteligente e extremamente talentoso, aos poucos a sua vida ganha forma e vai sendo moldada de uma forma que ele jamais imaginou. Mas em certo momento, a vila de Oncon onde mora é atacada pelo Rei Ludovico e ele parte em busca de vingança, no seu caminho surge o Barão Dylon Dumarch, o comandante de Marquenses para quem leva um conhecimento valioso.
Opinião: O Rei das Cinzas é o primeiro volume de A Saga dos Jubardentes e tem tudo para ser uma saga épica com grandes batalhas e repleta de intrigas. A trama elaborada por Feist é complexa e também repleta de aventuras e mistérios. A riqueza de detalhes e descrições desse universo é extremamente bem elaborada, mas isso em princípio pode deixar alguns leitores confusos ou perdidos. A forma como o autor descreve e detalha os acontecimentos, pensamentos e sentimentos dos personagens é fenomenal, mas ele não abusa e não o faz em excesso. Feist criou em mim aquele sentimento de urgência e curiosidade, eu tinha uma necessidade constante em saber o que aconteceria em seguida, o que me deixou imerso e completamente preso na leitura.

Quero destacar também a grande variedade de personagens secundários que são importantes e não servem como meros figurantes ou coadjuvantes. Destaco por exemplo o Barão Daylon Dumarch, comandante de Marquensas e que tem importante papel na história, assim como Hava, uma jovem mulher com grandes habilidades de luta e que é o centro do interesse amoroso de Hatu. 

Outro aspecto importante em livros de literatura fantástica concentra-se em elementos mágicos ou sobrenaturais e Feist introduziu bem esses elementos em sua trama, pois me pegou de surpresa por exemplo com o aparecimento de criaturas marinhas humanoides. O Rei das Cinzas traça um caminho que assemelha-se e muitos aos principais clássicos de fantasia medieval e épica. Acredito piamente que o livro agradará e muito os fãs de literatura fantástica, super recomendo essa leitura.
Sobre a Edição: A Harper Collins merece os parabéns pelo incrível trabalho que realizou, o projeto gráfico ficou excelente, o livro conta com um mapa da região de Garn e isso contribui para nos habituarmos com esse universo apresentado. A capa é extremamente bonita e condizente com o conteúdo, a revisão ficou bem executada, o livro conta com folhas amareladas e a diagramação está ótima. Recebi junto com o livro um marcador magnético bem legal.
Sobre o Autor: Raymond E. Feist é um dos nomes mais importantes da história da literatura fantástica. Nasceu no Sul da Califórnia e, atualmente, vive em San Diego. Foi também em San Diego que se formou, com honras, em Ciências da Comunicação em 1977. Tendo sido traduzido em mais de trinta países, Mago foi o seu primeiro livro e serve de base para uma vasta obra que tem conquistado, ao longo dos anos, as listas de bestsellers do New York Times e do Times of London. Iniciou em 2018 uma nova série, a Saga dos Jubardentes. Quando não está escrevendo, Raymond E. Feist é um colecionador de DVDs, estudioso da história do futebol americano, fã de ilustração e um grande apreciador de bons vinhos.

11 comentários:

  1. Não tenho muito o hábito em ler fantasia, então dificilmente me empolgo com elas, rs. Mas confesso que isso é algo que pretendo mudar, afinal esse é um gênero incrível e muito rico de criatividade. Gostei de saber mais do livro, adoro quando o autor tem uma boa narrativa e principalmente quando há personagens secundários que tem importância na trama ☺ Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  2. Olá! Em meio à origens desconhecidas e envolto de segredos, é perceptível como esse primeiro volume serve como uma introdução e ponto de partida desse universo criado pelo autor, que com certeza renderá muita história em sua continuação. Ele conseguiu chamar minha atenção ao trazer o ponto de vista de diversos personagens, pois isso abrange melhor o universo criado e fica mais fácil entrar na história. Dica mais que anotada!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  3. Tenho certeza de que esse primeiro livro conquistará muitos fãs e os próximos apenas aumentarão o sucesso. A premissa é ótima e pelo que foi informado o autor soube como desenvolver até os personagens sem tanto protagonismo.
    Ótima sugestão!
    Abraços! 😊

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro mas já fiquei impressionada com o mundo criado pelo autor. Sem dúvida uma fantasia que vou querer ler.
    Bjos Rose

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Primeiramente, que edição linda! Essa editora tem feito trabalhos incríveis com os livros ultimamente... Não conhecia essa série ainda, mas depois de ler tua resenha fiquei morrendo de vontade de ler.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Oi Yvens,

    Desde que vi a capa desse livro estava babando e conhecendo o enredo me deixou com ainda mais vontade de entrar nas páginas e conhecer toda a obra. Amo quando conseguem explorar todo um universo e trabalhá-lo maravilhosamente bem, isto é sensacional. Fico feliz que os personagens secundários tenham a sua importância dentro da narrativa. Adorei conhecer, ótima resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Primeiro, parabéns pelo post, ficou incrível! Esse livro foi lido por uma colaboradora do blog mas ela fez uma resenha tão otimista que me deixou com vontade de lê-lo também, agora, lendo sua resenha, isso só se confirma. Apesar de eu não ler muita fantasia, essa trama me parece extremamente bem elaborada.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro mas li a sua resenha avidamente. Sou completamente apaixonada em fantasia e preciso desse livro na minha mesa agora hahahaha Além da história parecer ser bem interessante (adoro quando vai contando história de mais do que um personagem e depois eles se cruzam (pelo menos parece ser isso que acontece)), ainda tem um mapa. Sei que é absurdo mas eu amo quando os livros têm mapa <3
    Beijinhos
    www.fofocas.literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  9. Olá!!

    Não tinha conhecimento desse título, mas achei a premissa bem interessante. Acredito que não fazer as coisas em excesso tenha sido o que me ganhou na resenha, não gosto de muitaaaaa descrição, mesmo se tratando de fantasia e eu sei que para o gênero isso é importante. Enfim, dica anotada.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Yvens!
    Eu não gosto muito de autores que abusam demais em descrever as roupas, os cenarios, as batalhas, além de achar cansativo, não deixa espaço pra nossa imaginação agir. Vejo que, neste caso, o autor elabora muito bem as descrições do universo sem ser cansativo, o que já dá vários pontos pra ele.
    Não sou a rainha de embarcar em todo livro fantástico que vejo por ai, mas alguns me chamam a atenção, não sei se é muito o caso desse, mas você fala com tanta paixão sobre o livro, que a escrita te pegou, que você tinha uma curiosidade de saber o que aconteceria que eu até posso me arriscar pela leitura, acho que não me decepcionaria.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Estou com este livro aqui para ler e agora me empolguei. Gostei que você disse que ele trás estes elementos conhecidos em livros medievais e que mesmo assim torna tudo interessante.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad