[RESENHA #567] O BURACO DA AGULHA - KEN FOLLETT - Saga Literária

Breaking

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

[RESENHA #567] O BURACO DA AGULHA - KEN FOLLETT


Título: O Buraco da Agulha
Autor: Ken Follett
Tradução: Alves Calado
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
ISBN: 9788580418811
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: 
O ano é 1944. Os Aliados estão se preparando para desembarcar na Normandia e libertar os territórios ocupados por Hitler, na operação que entrou para a história como o Dia D. Para que a missão dê certo, eles precisam convencer os alemães de que a invasão acontecerá em outro lugar. Assim, criam um exército inteiro de mentira, incluindo tanques infláveis, aviões de papelão e bases sem parede. O objetivo é que ele seja fotografado pelos aviões de reconhecimento germânicos. O sucesso depende de o inimigo não descobrir o estratagema. Só que o melhor agente de Hitler, o Agulha, pode colocar tudo a perder. Caçado pelo serviço secreto britânico, ele deixa um rastro de mortes através da Grã-Bretanha enquanto tenta voltar para casa. Mas tudo foge a seu controle quando ele vai parar numa ilha castigada pela tempestade e vê seu destino nas mãos da mulher inesquecível que mora ali, cuja lealdade, se conquistada, poderá assegurar aos nazistas a vitória da guerra. Na obra-prima que lhe garantiu, há 40 anos, a entrada no cenário da literatura, Ken Follett fisga o leitor desde a primeira página, com uma trama repleta de suspense, intrigas e maquinações do coração humano. "Ambientado na Segunda Guerra Mundial, esse livro de espionagem está entre os melhores do gênero. Uma obra-prima, com um clímax inesperado e arrebatador." – Publishers Weekly "Extraordinário. Um romance de espionagem verdadeiramente rico em suspense." – Los Angeles Times EDIÇÃO COMEMORATIVA DE 40 ANOS.

Resenha: Estamos no ano de 1944 e a Segunda Grande Guerra está a todo vapor. Diante do poderio bélico gêrmanico nações são subjugadas e nem mesmo as forças armadas da Grã-Bretanha (Reino Unido) são capazes de fazer frente às forças armadas de Hitler, ele por sinal tem grandes planos para o seu reich, planos megalomanícos. Nesse cenário de guerra conhecemos Henry Faber, um espião alemão de confiança Hitler, ele é conhecido como a Agulha e é um dos agentes mais procurados por toda a Grã-Bretanha. Agulha é um homem frio e calculista, ele é um verdadeiro assassino e mata a sangue frio, sem pestanejar ou demonstrar remorso, além disso ele é extremamente inteligente e demonstra ser um verdadeiro camaleão. O espião é o único capaz de coletar informações valiosas da Inglaterra e levar a Alemanha de Hitler a vencer essa guerra.

"Era o inverno mais frio em 45 anos. Povoados no interior da Inglaterra foram isolados pela neve e o Tâmisa congelou. Num dia de janeiro, o trem de Glasgow para Londres chegou a Euston com um atraso de 24 horas. A neve e o blecaute tornavam perigoso sair de carro: os acidentes nas estradas duplicaram e as pessoas contavam piadas sobre como era mais perigoso dirigir em Austin Seven por Picadilly à noite do que conduzir um tanque de guerra através da Linha Siegfried." p. 14.


Mas a vida de Henry Faber não é somente espionagem nas terras britânicas, pois em certo momento ele conhece Lucy Rose, uma jovem e bela mulher que enfrenta um verdadeiro turbilhão emocional em sua casa, ela tem um relacionamento conturbado com o seu marido David e dessa união eles tiveram um filho de três anos. Lucy vive em uma ilha remota localizada ao norte da Escócia e a chegada do misterioso Henry Faber muda completamente a sua vida. Com o passar do tempo a relação dela com o marido se deteriora e ela descobre que está grávida, ela deseja viver uma vida plena sem fingimentos, mas para isso ela precisa quebrar esse elo com o marido, ela precisa quebrar essa rotina que apenas a deixa sem esperanças para viver dias melhores.

Nesse contexto de extremo perigo para a Inglaterra a agência MI5 (serviço de inteligência britânico de segurança interna e contraespionagem) contrata o investigador Bloggs e o historiador Percy Godliman para descobrir possíveis espiões infiltrados na ilha e eles precisam descobrir rapidamente a real identidade do Agulha, pois ele cconseguiu obter as informações desejadas e pretende escapar o quanto antes para a Alemanha. Mas em uma reviravolta Faber passa a ser perseguido pelo serviço secreto britânico e sua vida está em risco. Enquanto foge, Faber deixa um verdadeiro rastro de corpos e sangue.

"Os olhos do agente se arregalaram num instante de terror. Um grito lhe veio à garganta, mas não escapou. Seu corpo teve uma convulsão. Faber empurrou  o punhal mais alguns centímetros. Os olhos se fecharam e o corpo ficou sem forças." p. 75
Opinião: O Buraco da Agulha é um livro incrível, Ken Follett nos mostra o mundo dos espiões em um cenário de horror e caos que é o apresentado pela Segunda Grande Guerra Mundial. Um grande diferencial da trama é que podemos acompanhar dois lados nessa jornada em busca de informações preciosas e sigilosas, de um lado temos Henry Faber com a sua árdua missão de capturar informações que possam fazer com que a Alemanha vença a guerra e do outro lado o serviços secreto inglês que tenta caputrá-lo de qualquer jeito. Nessa história de espionagem não falta um bom romance e aqui acompanhamos o envolvimento de Faber com Lucy, uma mulher carente e linda, mas que demonstra ser extremamente forte e corajosa para enfrentar esses tempos de guerra.

Follett nos leva a analisar e refletir sobre o comportamento de Henry, se ele é a essência do mal, se foi treinado para apresentar o comportamento que tem ou se ele age assim por ter deixado a vida conduzir os seus passos. Eu posso dizer tranquilamente que "O Buraco da Agulha" foi outra leitura e experiência maravilhosa que Ken Follett me proporcionou e a cada dia que passa mais admiro a sua competência em recriar ambientes, cenários e situações históricas. Follett consegue mesclar de forma magistral diversos elementos como: aventura, mistério, romance, suspense e elementos históricos em uma mesma trama e isso é para poucos. Esse livro foi lançado originalmente em 1978 e no ano de 1981 recebeu uma adaptação para o cinema com Donald Sutherland. Recomendo esse livro para todos, é uma leitura imperdível.
Sobre a Edição: A Editora Arqueiro está parabéns pela primorosa edição comemorativa que apresentou e de todos os livros que a editora publicou do autor, a capa de "O Buraco da Agulha" está na frente no quesito beleza. A sensação ao deslizar os dedos na capa é que a mesma rebeceu um emborrachamento, o nome do autor está em baixo-relevo e conta com um vermelho metalizado que dá um brilho especial para a edição. A fonte está confortável, assim como o espaçamento. A revisão foi realizada pela dupla Cristhiane Ruiz e Suelen Lopes e elas fizeram um ótimo trabalho. No mais as folhas são amareladas (papel pólen) e isso propociona uma boa leitura.
Sobre o Autor: Ken Follett nasceu em 05 de junho de 1949 na cidade de Cardiff, País de Gales (Reino Unido). Follett é um escritor formado em Filosofia pela University College, de Londres. Seu primeiro best seller foi O Buraco da Agulha (Eye of the Needle), vencedor do Edgar Award como melhor romance de 1978. Depois de outros sucessos, Follett surpreendeu a todos com Os Pilares da Terra romance de ficção histórica que ainda hoje é sucesso em vendas.  Suas obras já venderam mais de 150 milhões de exemplares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário