Título: Eu Sou A Lenda
Autor: Richard Matheson
Editora: Aleph
Páginas: 384
Ano: 2015
ISBN: 9788576572718
Onde Comprar: Amazon - Saraiva


Sinopse: Uma impiedosa praga assola o mundo, transformando cada homem, mulher e criança do planeta em algo digno dos pesadelos mais sombrios. Nesse cenário pós-apocalíptico, tomado por criaturas da noite sedentas de sangue, Robert Neville pode ser o último homem na Terra. Ele passa seus dias em busca de comida e suprimentos, lutando para manter-se vivo (e são). Mas os infectados espreitam pelas sombras, observando até o menor de seus movimentos, à espera de qualquer passo em falso... Eu sou a lenda, é considerado um dos maiores clássicos do horror e da ficção científica, tendo sido adaptado para o cinema três vezes.

Resenha: Richard Matheson nesse livro nos transporta para um mundo onde o apocalipse chegou, trata-se de um apocalipse vampiresco. Nessa história conhecemos e acompanhamos a trajetória de Robert Neville, um cidadão comum que perde sua esposa para uma bactéria poderosa, esta bactéria afeta tanto humanos como animais, transformando-os em um tipo de vampiro. Digo isto pois em dado momento o próprio governo difundiu a ideia de que os contagiados tornavam-se uma espécie de vampiro.
"Nesses dias nublados, Robert Neville nunca sabia ao certo quando veria o pôr do sol e, às vezes, eles já estavam nas ruas antes que ele pudesse voltar." p. 1.

O personagem tem um rotina clara, busca sobreviver dia após dia. Diariamente faz reparos em sua casa, durante o dia é o predador na história, vai em busca de suprimentos explorando alguns locais da cidade e em busca de vampiros adormecidos. Ele em princípio é o único ser humano sobrevivente, pois de alguma forma viu-se imune à bactéria que aflige e afeta os humanos.

"O principal ponto do preconceito contra as minorias é este: elas são odiadas porque são temidas. Portanto..." p. 57.

O dia-a-dia de Neville é repleto de momentos com flashbacks, aos quais conhecemos alguns eventos que precedem a história presente do livro. Ficamos sabendo sobre o alastramento da doença e a ruptura da sociedade. Vemos também de que forma tais lembranças afetam Neville, quais são os desdobramentos destas.
"Correndo pela sala escura, arrancou a barra que trespassava a porta, jogando-a ruidosamente no chão. Lá fora, eles uivaram assim que o ouviram abrindo a porta. Eu vou sair, seus desgraçados!, sua mente berrava." p. 87.

Neville enfrenta duas linhas de combate, de um lado os vampiros e de outro a que considera ser pior, a solidão, o seu psicológico, os sentimentos como esperança e desesperança, a depressão e a rotina. Para Neville é preferível aceitar que ele está sozinho no mundo, que não existe nenhum outro ser humano, todavia procura respostas para esse fato, procura motivos para continuar vivo, para sobreviver e seguir em frente.
Em dado momento Neville começa a procurar respostas científicas para o acontecimento, estudando e lendo obras científicas, largando de lado as supertições, deixando de procurar respostas no campo do sobrenatural.

Richard Matheson nessa história aborda um período de três anos, indo de janeiro do ano de 1976 até janeiro do ano de 1979 para explicar os acontecimentos, para demonstrar e criar esse cenário de apocalipse vampiro.

Opinião: Eu Sou A Lenda vai retratar o terror, o horror, principalmente psicológico pelo qual o protagonista passa, isso por ser considerado o último ser humano existente no mundo, ao menos no mundo que ele conhece.

A obra de Richard Matheson é repleta de monólogos e em nenhum momento consegue ser enfadonha ou cansativa, pelo contrário, nos traz a instabilidade emocional que Neville enfrenta, derivada principalmente pelo fato de não ter mais nenhum convívio em sociedade, de não conversar e relacionar-se com nenhum ser humano.
Matheson consegue ainda nos levar e inserir para história, ao menos esse foi o meu sentimento, por diversas vezes me via na história, conseguia sentir a solidão e o desespero de Neville. O autor consegue abrir para nós uma porta que traz agonia, desespero, tensão, curiosidade e suspense. O ponto positivo da história foi focar no ser humano Neville e todas as emoções e pensamentos aos quais enfrentou.

Esse livro é uma obra prima de Matheson, uma obra primorosa de terror e ficção científica, além disso para mim, é uma dos mais belos livros publicados pela editora Aleph, pois possui capa dura, papel pólen soft, diversas ilustrações, uma crítica sobre o apocalipse vampiro por Mathias Clasen, uma conversa entrevista com Richard Matheson, além de um prefácio elaborado por Stephen King. Recomendo fortemente.

Adaptações Cinematográficas:

The Last Man on Earth (Mortos que matam) 1964, com Vicent Price.
The Omega Man (A última esperança da terra) 1971, com Charlton Heston.
I Am Legend (Eu sou a lenda) 2007, com Will Smith.

Por Yvens Castro.