[RESENHA #402] PIQUENIQUE NA ESTRADA - ARKÁDI & BORIS STRUGÁTSKI - Saga Literária

Breaking

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

[RESENHA #402] PIQUENIQUE NA ESTRADA - ARKÁDI & BORIS STRUGÁTSKI



Título: Piquenique na Estrada
Autores: Arkádi e Boris Strugátski
Editora: Aleph
Páginas: 320
Ano: 2017
ISBN: 9788576573890
Onde Comprar:
 Amazon - Saraiva

Sinopse:
 A cidade de Harmont está mudada. Desde que foi palco de uma das várias invasões alienígenas na Terra, o clima é de incerteza e medo. Os visitantes anônimos não se comunicaram com os terráqueos, e assim deixaram a humanidade com questionamentos aterradores. Nos locais onde eles estiveram, agora zonas proibidas, fenômenos perigosos continuam acontecendo. O trabalho ilegal de Redrick Schuhart, e de todos os outros stalkers, é invadir esse território para coletar e depois comercializar estranhos e misteriosos objetos trazidos de mundos distantes.Publicado pela primeira vez em 1971 na União Soviética, Piquenique na estrada mistura alusões à Guerra Fria e reflexões sobre a insignificância humana. Adaptado para os cinemas no filme Stalker, de Andrei Tarkóvski, é um dos maiores clássicos da ficção científica no leste europeu.

Resenha: Escrito em 1971 pelos irmãos Arkádi e Boris Strugátski, considerados dois dos mais importantes autores de ficção científica da antiga União Soviética, em Piquenique na Estrada acompanhamos diversas fases da vida de Red ou Redrick Schuhart, um stalker que coleta de forma ilegal objetos estranhos que foram deixados no planeta Terra após uma invasão de alienígenas. Eles ficaram algum tempo aqui e foram embora, nunca tentaram realizar comunicação com os seres humanos que ficaram observando os invasores à distância, sem entender e saber o que estavam fazendo de fato o que estava acontecendo.

"As casas do Quarteirão Pestilento eram desbotadas e mortas, porém quase todas as janelas estavam inteiras, só um pouco sujas e, portanto, pareciam meio opacas. Mas à noite, quando você se arrastava ao lado delas, dava para ver muito bem algo reluzir por dentro, como se álcool estivesse queimando em chamas pequenas." p. 43.
"Não gostei daquele pneu. A sombra dele era muito esquisita. O sol batia em nossas costas, porém a sombra do pneu se estendia em nossa direção. Mas tudo bem, ele estava longe. No geral, nada ameaçador, pode-se trabalhar com isso. Se ainda soubesse o que era aquele brilho prateado..." p. 55.

Após a partida dos alienígenas, as áreas em que eles estavam instalados foram isoladas e passaram a ser chamadas de Zonas. Os locais às Zonas tornaram-se restritas e receberam vigilância no entorno, o acesso é permitido apenas às associações governamentais que realizam pesquisas sobre os estranhos fenômenos e objetos que são encontrados nessa área. Contudo, próximo a essas Zonas, surgiu um mercado negro que é movimentado por Stalkers: indivíduos que invadem essas Zonas com o objetivo de recolher objetos que foram deixados pelos alienígenas e que depois são repassados, vendidos nesses mercados negros. Os itens recolhidos são utilizados para fornecimento de energia ou até mesmo para decoração, entretanto a maioria dos objetos foge da compreensão do ser humano. Alguns desses objetos coletados são considerados extremamente valiosos; porém são também perigosos, capazes de destruir a vida humana.

"Redrick Schuhart estava deitada atrás de uma lápide e observava a estrada, abaixando com a mão o galho de um arbusto que estava à sua frente. Os holofotes da viatura policial varriam o cemitério, de hora em hora, batendo no rosto dele e forçando-o a semicerrar os olhos e a prender a respiração." p. 97.
"O motorista espinhento estava visivelmente de ressaca, exalando um bafo de álcool, muito excitado e com os olhos vermelhos como os de um coelho. Mal Redrick havia entrado no carro, o rapaz disparou a falar, contando que, naquela manhã, um cadáver do cemitério tinha aparecido andando pela rua [...]" p. 148.

Os irmãos Arkádi e Boris nos levam para a cidade de Harmont, antes da visita pelos alienígenas era um local pacato, mas agora é uma cidade movimentada, pois conta com a temida Zona que desperta interesse e curiosidade de muita gente. Em Harmont conhecemos Redrick Schuhart, ele é um homem experiente e é viciado no seu trabalho de stalker, ele faz o tráfico de objetos para sustentar a si mesmo e sua família. Aos poucos descobrimos diversas bizarrices que existem na Zona por meio das incursões de Red, como as áreas de gravidade concentrada que podem achatar um ser humano sem dar tempo ao mesmo de sequer gritar. Red acaba expondo esse pequeno e perigoso mundo que traz consigo objetos que podem acabar com a raça humana e esses perigos mortais sequer podem ser controlados.
Opinião: Piquenique na Estrada é um livro reflexivo e aborda a pequeneza do ser humano em face ao universo, ao desconhecido. Coloca o ser humano como ratos que esperam para fuçar o lixo deixado por uma raça superior e que deseja a todo custo ter em posse objetos que sequer sabemos como funcionam e qual  seu objetivo. Os autores colocam os seres humanos como seres pequenos e sem importância em relação aos alienígenas que fazem uma visita ao planeta Terra e ignoram, não realizam qualquer contato com os homens.
Os irmãos estão de parabéns na construção dos cenários e ambientes, nas descrições realizadas que desafiam tudo que entendemos como real. Os diálogos são fantásticos e por vezes sarcásticos. Os personagens apresentados pelos irmãos são interessantes, despertam curiosidade, são humanos, apresentam qualidades e defeitos e através deles conhecemos um pouco desse mundo após a visita dos alienígenas, descobrimos as mudanças que ocorrem no âmbito da vida privada e pública, assim como conhecemos  a perspectiva deles diante dessas mudanças. Como ponto negativo ressalto a ausência de personagens femininos bem desenvolvidos e que possam agregar de fato na história apresentada.

Piquenique na Estrada apresenta uma trama em que não exitem vilões ou heróis, mas conta uma história humana, com pessoas tentando lidar com aquela que é a maior das revelações. Essa é uma leitura extremamente envolvente, recheada de mistério, suspense e humor. Piquenique na Estrada é sobretudo um livro existencial, repleto de momentos reflexivos e posso tranquilamente dizer que tornou-se uma das melhores leituras que realizei nos últimos tempos. O livro recebeu uma adaptação para os cinemas em 1979 com o filme Stalker.
Sobre a Edição: Piquenique na Estrada conta com uma edição em capa dura, a capa ficou bonita, o livro conta ainda com folhas na cor preta que separam os capítulos. A fonte e espaçamento estão padrão apresentada pela Editora Aleph em suas últimas publicação. Em se tratando da revisão só posso dizer que ficou muito boa. No geral a edição está bem legal e retrata bem a competência da editora.
Sobre o Autor: Os irmãos Arkádi e Boris nasceram nasceram respectivamente nas cidades de Batumi (em 1925) e São Petersburgo (em 1933). Os Irmãos Strugatsky, como geralmente são chamados, tornaram-se os mais conhecidos escritores de Ficção Científica da União Soviética. Seus primeiros trabalhos foram influenciados por Ivan Yefremov. Seu romance mais famoso Piknik na obochine foi traduzido em inglês como Roadside Picnic (Piquenique na Estrada) em 1977 e filmada por Andrei Tarkovsky sob o título Stalker.

29 comentários:

  1. Oi, como vai?

    Confesso que esse tipo de livro não costuma me chamar a atenção, não sou muito fã da ficção científica, apesar de ter tido que ele é bem reflexivo. Porém, adorei a sua resenha, através dela consegui ter uma ideia bem completa da trama!

    Beijinhos,
    https://literaleitura2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante, e a capa, é linda, apaixonei, mas confesso que na história em si não me encheu tantos os olhos, deixarei a fica passar, obrigada mesmo assim.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. EU PRECISO LER ESSE LIVRO, SENHOR. Eu tô esperando algo na mesma pegada de ''Distrito 9'', mas com menos ação e mais existencialismo mesmo. A sinopse é muiiito intrigante.

    ResponderExcluir
  4. Oiiii,

    Não conhecia a obra, mas achei interessante o fato de que a leitura leva a uma reflexão. Apesar de ser uma ótima dica, infelizmente não to numa pegada de leitura com elementos alienígenas.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  5. Se as zonas despertam a curiosidade dos habitantes de Harmont, imagina o que faz com uma pobre leitora... Fiquei mega curiosa quanto ao livro, parece ser realmente bom. Leitura envolvente, com direito a mistério, suspense e humor, sem duvidas merece ser lido, já quero.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? No início fiquei um pouco receosa quanto a ler a obra, pois parece ser bem diferente do que estou acostumada a ler, porém às vezes é bom sairmos da nossa zona de conforto, né?! Ótima resenha, dica anotada!

    Beijos,
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Bacana saber que a obra foi escrita por irmãos, o que me chamou a atenção na sua resenha foi você ter dito que relata a pequeneza humana em relação ao universo, isso me cativa de uma forma surreal, eu adoro! Essa edição é um luxo, espero adquiri-la em breve.

    ResponderExcluir
  8. Oi! Desde que a Aleph lançou esse livro eu fiquei curiosa com a sinopse que trazia atrás do livro, mas o que você apontou na sua resenha deixou o livro muito mais interessante. Essa parte de terem pessoas que abrem um mercado negro com objetos que mal conhecem, ou sabem como funciona. Pude sentir como o ser humano é mesquinho e ganancioso. Mesmo aliens não sendo uma das temáticas que mais me interessa, gostei muito dos pontos ressaltados na sua resenha.

    ResponderExcluir
  9. A forma como você fala do livro me lembra muito guerra dos mundos só que com uma perspectiva diferente, fiquei curiosa sobre esse desenrolar de descobertas fantásticas, aliens e o ser humano tentando entender isso tudo.

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia a editora desse livro, mas eles fizeram um trabalho sensacional na edição, não? O livro parece muito bonito pelas fotos.
    Fiquei curiosa com a trama, principalmente a questão de os humanos serem vistos como "ratos", como "insignificantes" no universo, o que não deixa de ser verdade. Somos menores do que pensamos (como diria meu pai, somos todos só pó de estrela).

    Beijos,
    Degradê Invisível

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem?
    Estou muito curiosa para fazer essa leitura, pois, amo ler livros de ficção científica, não vejo a hora de conferir essa obra. Parabéns pela resenha.

    Beijinhos,
    http://livroseimaginacoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem? Não conhecia o livro, acho que nunca li nada dessa região, além de "Lolita". Mas, com certeza, nada de sci-fi, um gênero que ainda quero ler mais esse ano. Achei a história bem envolvente e achei muito bom que os autores tenham humanizado o enredo, ao invés de somente jogar informações e personagens em conflito. Fiquei bem interessada, vou procurá-lo :) Adorei sua resenha, parabéns!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Gostei da capa, gosto do gênero e tudo mais, e apesar dos pontos positivos ressaltados, infelizmente desta vez não me empolguei com a leitura.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    Não é muito o tipo de livros que eu costumo ler, mas achei sua resenha incrível e achei linda essa edição do livro!

    ResponderExcluir
  15. Oie
    Adoro as edições da editora Aleph, eles arrasam. Ainda não conhecia esse livro mas adorei a premissa, gosto de livros com essa temática e também quando tem reflexões, já anotei aqui para poder ler depois, espero gostar. Gostei da resenha.
    BJos, Bya! 💋

    ResponderExcluir
  16. Olá! Ainda não tive a oportunidade de ler nada da editora Aleph, mas eles têm ótimas publicações de ficção científica, né? Não é um gênero que eu costumo ler, apesar de gostar, pois é bem interessante e pode nos fazer refletir de diversas formas. Não conhecia o livro e ele parece realmente bom. Que bom que agradou a você. :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Olá,

    Não tenho muito o costume de fazer a leitura de ficção científica, sempre leio quando desejo sair da minha zona de conforto. Confesso que o enredo dessa obra me chamou a atenção, por isso, vou adicionar na minha lista de desejado e provavelmente fazer a leitura quando desejar sair da minha zona de conforto! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  18. Oie
    Nossa, é muito bom quando o livro tem tantos pontos bons, que possui suspense, humor e muito mais. Adorei a capa e a edição, fiquei realmente curiosa e olha que não é meus estilo de leitura mas a editora sempre arrasa muito nas edições e o enredo está muito chamativo

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá!! :)

    Eu confesso que nunca tinha ouvido falar deste livro mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura! :)

    Ainda bem que as descrições e os lugares são assim tao interessantes. E que não há nem vilões nem heróis, apenas a condição humana!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  20. Oi Yvens, tudo bem? Iniciei a leitura dessa resenha um pouco receosa imaginando que não iria gostar da leitura, mas fiquei bastante interessada no tema e também no filme. Ficou bacana essa capa!

    Nara Dias
    Viagens de Papel

    ResponderExcluir
  21. Achei a capa bem bonita e gostei da sua resenha, mas não acho que eu leria o livro. Não que eu o tenha achado ruim, não mesmo, só não me senti atraída para a leitura.

    ResponderExcluir
  22. Oi, tudo bem?
    Eu não leio ficção científica com muita frequência, mas achei a premissa desse livro muito interessante. O que mais chamou minha atenção foi a forma como ele fala sobre o ser humano em relação ao universo, acho que isso deve trazer muitas reflexões em quem lê. Além disso, adorei saber que os personagens são bem construídos e muito humanos, sem aquela divisão entre vilões e heróis.
    Adorei a resenha e fiquei muito curiosa para ler este livro. Sem dúvida, vou adicionar na lista de desejados.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  23. Oi, tudo bem?
    Não costumo ler ficção cientifica. Nem sei dizer quando foi o ultimo que li. Adorei sua resenha, mas dessa vez passo a dica! Quem sabe na próxima? Sucesso!
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bom?
    Não conhecia esse livro, mas já me encantei pela capa. Não leio muito esse gênero, mas gosto bastante até. A história dele é bem instigante, alienígenas por si só já o são, mas fazendo alusões à Guerra Fria deixa mais interessante. Adorei a resenha.
    Até mais o/

    ResponderExcluir
  25. Oie, tudo bom?
    Ficção científica é um gênero no qual ainda estou começando, então esse enredo não me interessou por inteiro. A capa é bem linda, e eu amei os pontos que você citou, mas não foram suficientes a me deixar com vontade de ler!

    ResponderExcluir
  26. Oie!
    Eu amo livros de suspense, mistério e terror. Mas esse livro não me chamou muita atenção.
    Vou deixar pra próxima.
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Olá!
    Eu tenho uma dificuldade em pegar livros nesse estilo para leitura, são poucos o que me atraem pra leitura. Apesar do autor abordar temas interessantes para uma sociedade e retratar o ser humano e suas qualidades ou falta delas, não me senti animada para embarcar nessa leitura.
    Mas gostei de conhecer mais através da sua experiência.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  28. Que dica de leitura instigante e tão prazerosa, gosto muito de livros que abrangem sobre a guerra fria e nos fazem pensar, conhecer e refletir. Adoro temas assim e sempre se tornam leituras únicas para mim, linda essa edição, ótima experiência e indicação.
    Bjs

    ResponderExcluir
  29. Olá, que título curioso esse! Ainda não conhecia esse livro mas depois da sua resenha já fiquei curiosa para lê-lo e descobrir mais sobre esse lixo alienígena tão disputado.

    ResponderExcluir