[RESENHA #441] CARMILLA - A VAMPIRA DE KARNSTEIN - JOSEPH SHERIDAN LE FANU - Saga Literária

Breaking

segunda-feira, 26 de março de 2018

[RESENHA #441] CARMILLA - A VAMPIRA DE KARNSTEIN - JOSEPH SHERIDAN LE FANU

Título: Carmilla - A Vampira de Karnstein
Autor: Joseph Sheridan Le Fanu
Editora: Edipro [ViaLeitura]
Páginas: 96
Ano: 2018
ISBN: 9788567097534
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse:
Cerca de quinze anos antes de Drácula, um livro sobre vampiros marcou a literatura gótica e estabeleceu-se entre os clássicos de horror: Carmilla, de Joseph Sheridan Le Fanu. Aliás, não um livro sobre vampiros, sobre "a vampira". A lasciva personagem que dá título ao conto tornou-se uma das mais impactantes figuras do imaginário vampiresco na história. A obra é narrada por Laura, jovem que vive isolada com o pai em um castelo na Estíria - região do antigo império autro-húngaro. Uma hóspede inesperada, entretanto, despertará os sentimentos amorosos da jovem Laura, ao mesmo tempo que lhe causará certo terror ao trazer de volta antigos pesadelos de infância. Carmilla é um conto sobre sedução e horror, criaturas ancestrais e o despertar da maturidade, amor e repulsa. Um clássico excitante para os amantes do gênero.

Resenha: Laura vive em um pequeno castelo com seu pai e seus criados na Estíria, uma província do sudeste da Áustria. De origem modesta, seu pai, um inglês que após servir ao governo austríaco, ao se aposentar e viver de sua pensão e suas posses, acabou adquirindo sua residência por uma bagatela. Porém, apesar de sua localidade ser bela é muito solitária para uma menina que vive apenas com seu pai e a criadagem. A vila mais próxima já não era habitada há muitos anos e tinha uma história misteriosa de desaparecimentos, o que iria assombrar Laura no futuro.

O medo já havia entrado na vida de Laura desde muito pequena, quando teve um sonho que jurou ter sido um acontecimento real e muito pavoroso que a deixou com um medo quase irracional por muitos anos, mesmo tendo sido tudo esclarecido na época do sonho, Laura não havia se reconfortado com a solução de tudo, ela ficara aterrorizada.

"Fui despertada por uma sensação parecida com a de duas agulhas cravando-se fundo em meu peito, e soltei um grito. A jovem se afastou, com o olhar fixo em mim, e então deslizou para o assoalho, parecendo esconder-se sob a cama." p. 11
Laura dependia quase que exclusivamente de visitas, que também eram bastante esporádicas, para apaziguar sua solidão no castelo. Não que ela fosse uma garota triste nem nada disso, mas uma companhia da idade dela fazia-lhe muita falta. Em um entardecer de verão, seu pai pede-lhe que o acompanhe em um passeio pelo jardim do castelo e lhe informa que o seu amigo, o general Spielsdorf, que havia lhe prometido uma visita, não poderia vir tão cedo quanto gostaria. Laura ficou um pouco triste, pois nessa visita o general iria trazer sua sobrinha e protegida Mademoiselle Rheinfeldt, porém, a razão do cancelamento da vinda do general e a menina, era o que os havia chocado tanto.

"Eu estava chocada. O general Spielsdorf havia mencionado em sua primeira carta, datada de seis ou sete semanas antes, que a sobrinha não estava tão bem de saúde quanto ele gostaria que estivesse, mas nada indicava a mais remota suspeita de que pudesse haver algum perigo." p. 13
Como se não bastasse o terrível acontecimento que abalou o general, sua carta contando o infortúnio era tão estranha e enigmática que deixou pai e filha bastante preocupados com a sanidade do velho general.

Já era noite quando um novo acontecimento abalou a família do velho castelo. Uma carruagem descontrolada, por causa de um cavalo assustado, acabou sofrendo um acidente na estrada em que estavam. Na carruagem estavam mãe que nada sofreu e sua filha que havia desmaiado. Depois de descobrirem que aquela senhora estava em uma viagem de muita urgência, caso de vida ou morte e que ela precisaria deixar sua filha em um vilarejo mais próximo, pois sabia que a menina não iria se recuperar a tempo, ficou resolvido que a filha daquela senhora ficaria aos cuidados do pai de Laura até que ela pudesse voltar dali a três meses. Laura e seu pai não poderiam imaginar que ali naquele instante de cavalheirismo e solidariedade, começariam seus maiores e mais temidos problemas de suas vidas.
Opinião: Carmilla de Le Fanu pode ser considerada a primeira obra gótica que tem como protagonista uma vampira e ainda por cima lésbica. Se isso não for inovar no campo da literatura do século XIX, eu não sei o que seria inovação. Le Fanu foi brilhante em combinar ambas essas qualidades em uma época em que sequer se poderia pensar em homossexualismo. Fico imaginando o escândalo que deve ter sido quando da revelação das cenas onde Carmilla se insinua descaradamente para nossa querida Laura, que por sua vez, sente um misto de estranheza, repulsa, paixão e amor pela vampira. 

Carmilla, também foi referência, mesmo que não declaradamente, para a criação de uma das novelas mais populares de todos os tempos: Drácula [também publicado pela editora Edipro]. Carmilla, ao passar dos anos foi sendo reverenciada pelos fãs do gênero de horror em geral, tanto por sua ousadia e também pela qualidade do conto que Le Fanu criou. Tanto que até os dias de hoje existem produções de todo o tipo de mídia adaptando essa maravilhosa história.
Carmilla, A Vampira de Karnstein, é na verdade um conto que Le Fanu escreveu e publicou entre os anos de 1871 e 1872 para uma revista chamada Dark Blue e que depois foi publicada integralmente na coleção "In a Glass Darkly" em 1872. Desde então vem chamando a atenção dos leitores de todo o mundo, principalmente dos amantes da literatura gótica e de horror, mesmo porque Le Fanu tem uma escrita muito fluida, o que deixa a leitura muito fácil e aconchegante.

Le Fanu, criou em Carmilla, um modelo de romance gótico que seria de grande importância para a literatura britânica de horror, onde a personagem cruel de toda a história é de uma beleza encantadora, tem toda a elegância e a educação das pessoas bem nascidas daquela época e também é muito misteriosa. Poderia citar diversos romances posteriores que se utilizaram exatamente desta mesma fórmula, ora no formato feminino, ora no formato masculino, para desenvolverem suas histórias macabras e que também, em muitos casos, se tornaram clássicos do horror em suas épocas.
Por incrível que pareça, ainda existem muitas pessoas que sequer conhecem a obra de Le Fanu e muito menos que ele foi o grande precursor de todo o terror vampírico que se sucedeu após Carmilla, onde Sheridan dá um tom "classudo", inovador e extremamente envolvente na narrativa da jovem Laura.

Joseph Sheridan Le Fanu era um escritor de primeira linha e acredito que Carmilla, A Vampira de Karnstein irá agradar em cheio todos que se deliciam com histórias bem escritas, bem contadas e inovadoras em suas épocas. Meus caros leitores, Carmilla, A Vampira de Karnstein de Sheridan Le Fanu, publicado pela editora Edipro não é de forma alguma imperdível, é OBRIGATÓRIA.
Sobre a Edição: Mais uma vez a editora Edipro nos brinda com uma capa maravilhosamente inspirada nos "exageros" góticos dos anos 50 e 60, trazendo as protagonistas belamente e provocativamente representadas em meio a um cenário tétrico, ou seja, como disse, um alinda capa. Além disso a fonte usada na impressão é bastante agradável e as folhas são amareladas com uma textura muito boa. Uma edição que apesar de ser em brochura é bastante robusta e muito bem acabada. Por isso digo que a Edipro sabe como agradar o seu público e está de parabéns por mais essa bela edição de seu catálogo.

Agradeço imensamente a Edipro pelo envio de Carmilla, pois eu estava querendo ler Le Fanu há muitos anos, então o prazer foi em dobro.

Sobre o autor: Joseph Sheridan Le Fanu, nasceu em Dublin numa família de literatos de origem huguenote. Entrou no Trinity College da cidade em 1833, onde se destacou academicamente. Começou a publicar relatos curtos na Dublin University Warden e o Dublin Evening Mail. Após a morte de sua esposa, por causas desconhecidas, Le Fanu e ficou afastado por muitos anos da vida pública.  Joseph Sheridan Le Fanu foi o primeiro escritor de histórias de terror do século XIX e teve uma influência seminal sobre o desenvolvimento deste gênero na era vitoriana. Le Fanu morreu em Dublin no ano de 1873, deixando um legado de fantástico escritos da literatura gótica e do horror.

16 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não conhecia este livro ainda, mas depois de ler sua resenha fiquei bem curiosa para conhecer mais a fundo a obra. Adorei a dica!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Larissa. Que bom que gostou. Esse livro é muito bom. Le Fanu é muito bom....kkkk... Obrigado pela visita e volte sempre. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Eu adorei a sua resenha.
    Eu, infelizmente, nunca tinha ouvido falar deste livro na minha vida, mas agora eu quero muito ler ele e saber o que vai acontecer. Eu nunca fui muito fã de terror, mas admito que esse despertou minha curiosidade.
    Espero amar o livro.
    Bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mykia, que bom que gostou. Leia que é ótimo. Beijos e obrigado pela visita.

      Excluir
  4. Oi.
    Eu tenho que admitir que não conhecia a obra. Precursora de Dracula? Realmente parece ser muito interessante com todos sses elementos inovadores. E é raro encontrar um livro escrito nessa época que tenha narrativa fluida.
    Adorei a resenha e a dica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Barbara, muito obrigado pelas palavras. Leia sim, pois Le Fanu é ótimo. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  5. Como leitora do Gênero e fá de B.S já me intereseei, mas o que mais me levou a anotar para logo uma leitura é por ser mulher à Vampira. Gostei de verdade de conhecer . Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcia, é muito legal mesmo. Foi bastante inovador esse livro na época e de certa forma, ainda o é. Beijos e muito obrigado pelas palavras e volte sempre.

      Excluir
  6. Gostei muito da sua dica,e sua resenha está ótima.
    Não conhecia a obra,mas parece ser bem interessante.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Subsolo, muito obrigado pelas palavras. Leia sim, pois é muito bacana. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  7. Sinceramente, não conhecia o livro, e foi uma grata surpresa saber dele. Anotando esta dica.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose, Le Fanu é muito bom. Leia que tenho certeza que irá gostar bastante. Beijos e obrigado.

      Excluir
  8. Nossa! Não conhecia essa obra!
    Antes de Drácula e ainda por cima com temática homossexual?! Deve ter sido um pequeno escando não? rs
    Adorei a resenha. Conhecer a obra aqui no seu blog foi ótimo! Adoro histórias de Vampiro.
    Dica mais que anotada!

    Beijinhos!

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, fico muito feliz que você tenha gostado da dica. Leia sim, pois Le Fanu é muito bom. Beijos, muito obrigado e volte sempre.

      Excluir
  9. Oie
    não conhecia o livro mas achei a capa com uma mistura de cores muito atrativa e adorei também saber melhor sobre a história, parece ser uma leitura valida e interessante, vou deixar na lista

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catharina, leia sim, pois vale cada centavo investido. Le Fanu é muito bom. E vamos incentivar a editora a lançar outros trabalhos dele em português. Beijos e muito obrigado pela visita.

      Excluir