[RESENHA #553] A BOA FILHA - KARIN SLAUGHTER - Saga Literária

Breaking

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

[RESENHA #553] A BOA FILHA - KARIN SLAUGHTER

Título: A Boa Filha
Autora: Karin Slaughter
Tradução: Zé Oliboni
Editora: HarperCollins
Páginas: 464
Ano: 2018
ISBN: 9788595082564
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Quando eram adolescentes, a vida tranquila de Charlotte e Samantha Quinn foi destruída por um terrível ataque em sua casa. Sua mãe foi assassinada. Seu pai – um famoso advogado de defesa de Pikeville, Geórgia – ficou arrasado. E a família foi dividida por anos, para além de qualquer conserto, consumida pelos segredos daquela noite terrível. Vinte e oito anos depois, Charlie seguiu os passos de Rusty, seu pai, e se tornou advogada – mas está determinada a ser diferente dele. Quando outro caso de violência assombra Pikeville, Charlie acaba embarcando em um pesadelo que a obriga a olhar para trás e reviver o passado. Além de ser a primeira testemunha a chegar na cena, o caso também revela as memórias que ela passou tanto tempo tentando esconder. Agora, a verdade chocante sobre o crime que destruiu sua família há quase trinta anos não poderá mais permanecer enterrada e Charlotte precisa se reencontrar com Samantha, não apenas para lidar com o crime, mas também com o trauma vivido.


Resenha: Resenha: Escrito pela autora estadunidense Karin Slaughter, "A Boa Filha" é o terceiro livro em formato físico publicado pela editora aqui no Brasil. Nesse livro conhecemos a história e vida das irmãs Charlotte (Charlie) e Samantha Quinn (Sam), bem como Rusty, o pai delas. Ele é um advogado que atua na área criminal e como todos tem direito de defesa, ele gasta seu tempo elaborando defesas para réus que praticaram crimes hediondos. As irmãs tiveram suas vidas marcadas quando adolescentes, pois a casa da família foi incendiada em um atentado visando ceifar a vida de seu pai.

"Samantha Quinn sentiu as picadas de milhares de vespas dentro das suas pernas, enquanto descia correndo pela longa estrada abandonada até a casa da fazenda. O som dos tênis golpeando a terra batida ecoava junto com as pulsações rápidas de seu coração. O suor tinha transformado seu rabo de cavalo em uma corda grossa que a chicoteava nos ombros [...]" p. 7.
Depois do atentado, a família se muda para uma fazenda que está caindo aos pedaços e a esperança é de dias melhores para todos. Contudo, as coisas não ocorrem conforme o imaginado e a família é novamente atacada por um dos clientes de seu pai e de forma trágica a mãe (Gama) das adolescentes é assassinada, elas presenciam tudo. Diante de outra experiência trágica, Sam e Charlie se afastam uma da outra, elas não sabem lidar com a perda, a tristeza e essas experiências tão traumáticas que deixaram marcas profundas.

Após 28 anos do trágico e infeliz dia, as irmãs perdem completamente o contato entre si. Charlie seguiu os passos do pai e atua como advogada de defesa na cidade de Pikeville onde sempre morou. Ela inclusive se casou e construiu uma família, mas após uma briga com o seu marido, tudo foi por água abaixo e ele saiu de casa sem demonstrar qualquer intenção de voltar e olha que eles ainda se amam. Todavia, a situação que já não era boa consegue ficar pior quando Charlotte dorme com um soldado e acaba pegando o celular dele por engano, por isso ela precisa revê-lo no dia seguinte em uma escola que ele atua como professor.

"Sam se encostou de volta na cadeira. Tentou pensar sobre aquilo. Se não leram os direitos de Kelly até aquela manhã, então, tudo que ela disse antes disso, tecnicamente, pode ser inadmissível no tribunal." p. 277.

Nessa escola ocorre outra tragédia, uma adolescente de apenas 18 anos comete uma carnificina, o diretor da escola e uma criança são assassinados e Kelly Wilson é acusada de cometer o crime. Em meio a essa confusão na escola, Charlie tenta defender a jovem e é ferida. Nesse momento entra em cena Rusty, o pai das irmãs resolve assumir o caso e defender Kelly Wilson, ainda que tudo mostre o contrário ele acredita de fato que ela é inocente desse crime bárbaro. As irmãs Quinn se vêem envolvidas nesse processo e tentam entender o crime, enquanto elas fazem uma viagem ao passado e segredos surgem à tona.
Opinião: Karin Slaughter apresenta uma trama bem construída e repleta de detalhes, essa é uma característica da autora que em nenhum momento preza pela celeridade e em meio aos diversos detalhes ela faz uso de flashbacks do passado, isso nos permite conhecer mais sobre a história das protagonistas. Apesar dos detalhes que a autora preza em suas tramas, "A Boa Filha" tem um bom ritmo, é uma leitura que flui de forma tranquila e envolvente. Os livros de Slaughter em suma são suspenses investigativos, mas o presente livro é voltado para o drama familiar em que as protagonistas carregam diversos traumas e lutam para superá-los, mas ainda assim existe um clima de suspense e mistério no ar.

Outro aspecto positivo são as personagens principais, a construção ficou ótima e elas possuem personalidades próprias e bem definidas. Charlie é a mais nova das duas e por isso sempre apresentou um comportamento mais imaturo. Sam assemelha-se mais com a sua mãe e dela herdou o alto QI. Em suma, "A Boa Filha" conta com uma história bem amarrada, definida e em certos momentos nos passa a sensação de estarmos assistindo um filme. Esse não é o melhor livro que já li da autora, é apenas um livro de razoável para bom. Recomendo para quem é fã da autora e quer conhecer um pouco mais do seu trabalho.
Sobre a Edição: Eu particularmente gostei da edição apresentada pela HarperCollins Brasil. A capa é bonita e tem um clima de suspense no ar, não encontrei erros na parte de revisão. As folhas são amareladas, já a diagramação é simples, porém ficou muito boa. Deixo os parabéns pela bom trabalho que a editora realizou nesse projeto gráfico.
Sobre a Autora: Karin Slaughter é uma autora de livros policiais, que estreou com o seu romance Cega em 2001. Publicado em quase 30 idiomas, tornou-se um sucesso internacional e entrou para o Dagger Award como "Melhor Thriller Debut "de 2001. Slaughter nasceu em uma pequena comunidade ao sul da Geórgia, e agora reside em Atlanta.

17 comentários:

  1. Esse temas de livros me deixam uma enorme tristeza, confesso que não sou muito fã, sou adepta a história romântica. Mais para quem gosta de história dramática essa será uma ótima opinião!

    ResponderExcluir
  2. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro, mas ainda bem que gostaste de fazer a leitura a esse nível! :) Fiquei curioso com a historia!

    Que ótimo que a historia ficou tao bem amarrada e que as personagens principais são assim tao bem construídas!

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  3. Parece ser do tipo de leitura que nos prende, acho que vou gostar de ler esse livro. Já já vou procurar ele aqui para mim.

    ResponderExcluir
  4. Pela resenha já dá pra notar que a trama tem mesmo muitos detalhes, é interessante imaginar a ponte que a autora construiu entre os assassinatos atuais e a morte da mãe das protagonistas. Gostei muito da indicação de leitura.

    ResponderExcluir
  5. Parece ser um enredo bastante interessante. Gosto dessa pitada de drama, sem contar que a inserção de um mistério geralmente costuma prender ainda mais o leitor. Depois de tantos anos passados desde esse fato terrível, o encontro das irmãs deve realmente mexer com todas as lembranças. Dica anotada.

    ResponderExcluir
  6. O livro tem uma história cheia de mistérios pelos assassinatos, é uma trama que deixa a gente bastante atenta pra saber o final, esse livro é daqueles que prende o leitor até fim, fiquei bastante curiosa pelo livro, ótimo o livro pra quem gosta desse gênero de livro vai gostar muito, abraços.

    ResponderExcluir
  7. Quando o passo volta a tona parece muito pior do que foi, o retorno impiedoso das dúvidas e incertezas nos assombram ao extremo. Fiquei curioso por essa leitura, saber como a personagem resolverá assuntos tão desconfortáveis será uma aventura e tanta.
    Ótima sugestão!
    Abraços! 😊

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu estou lendo da autora Beijo Cortado e estou gostando muito e foi muito bom saber aqui sua opinião sobre a autora, o enrendo deste também parece ser bem interessante, dramas, suspense e mistérios sempre me atraem.
    Assim que terminar o que estou lendo vou procurar mais títulos da autora inclusive este é claro!
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu amei a premissa da história,talvez porque gosto de ler sobre dramas especialmente os familiares que deixam marcas nos personagens,e acho que o fato dos personagens serem bem construídos ajudam muita na fluidez da história
    Se tiver uma oportunidade,lerei sim!

    ResponderExcluir
  10. Oi Yvens, tudo bem?

    Desde que esse livro lançou estou bem curiosa com o mesmo. Adoro o enredo apresentado, que é do tipo que fisga o leitor e o faz embarcar de cabeça na história contada. Saber que a autora preza pelos detalhes me deixa animada, pois gosto de livros com estas descrições e que mesmo assim, haja um bom ritmo. Sua resenha está maravilhosa e já quero ler a obra!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Estou com esse livro em minha estante desde o início desse ano e ainda não consegui ler. E sua resenha me deixou bem curioso, querendo colocá-lo na frente de outros em minha lista.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pela resenha, me deixou com muita vontade de ler o livro que tem um enredo maravilhoso.
    Ainda não li nenhuma obra da Karin Slaughter, gosto dessa mistura de drama familiar com suspense.

    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
  13. Livros com temáticas policiais, investigativas, assassinatos assim tem uma leitura super dinâmica né? Nao conhecia a autora e sua obra e gostei de sua resenha!

    ResponderExcluir
  14. Escrita assegurada de Slaughter, seu enredo sólido com reviravoltas notáveis e caracterizações intensas fazendo nesse livro "A boa filha" um destaque em uma carreira destacada por vários romances . A escuridão do passado está muito presente totalmente arrepiante. Com o coração e habilidade Karin Slaughter certamente mantém você viciado desde a primeira página até o último.

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia o livro "A boa filha" Nem conhecia a autora, mas fiquei "amarrada" na sua resenha. Fiquei super curiosa em saber como as manas vão lidar com os medos do passado. Um livro bem no estilo que eu gosto de ler
    Um beijo

    ResponderExcluir
  16. Ainda não li nada da autora, mas tenho interesse nos livros publicados aqui. Adoro o estilo suspense investigativo, e pelo que você falou, o livro tem tudo para me agradar.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  17. Oi!! Gosto demais do gênero. Suspenses investigativos criam enredos que funcionam como ótimos passatempo e apesar de ainda não ter livro o lido citado, gostei bastante da trama por trás dele. Vou procurar mais sobre a autora e tentar encontrar o livro. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir