[RESENHA #566] SAMURAI - SHUSAKU ENDO - Saga Literária

Breaking

sábado, 3 de novembro de 2018

[RESENHA #566] SAMURAI - SHUSAKU ENDO

Título: Samurai
Autor: Shusaku Endo

Tradução: Mário Vilela
Editora: Tusquets
Páginas: 352
Ano: 2018
ISBN: 9788542211849
Onde Comprar: Amazon

Sinopse: Os passos de alguns dos primeiros japoneses a colocarem os pés em solo europeu, em meio às maiores e mais complexas intrigas políticas da época. 

Embora no início do século XVII o Japão fosse apenas uma ilha isolada no Oriente distante, o país estava prestes a ser envolvido no complexo jogo do comércio mundial, de rotas dominadas pelas grandes nações da Europa. A fim de estreitar laços com o Ocidente, Rokuemon Hasekura, samurai do baixo escalão do xogunato japonês, é escolhido para se encontrar com o vice-rei da Nova Espanha – atual México – e com o Papa Paulo V. Em sua comitiva, viaja um ambicioso missionário franciscano que almeja negociar com o Ocidente para se tornar o líder de sua ordem no Japão. Do mesmo autor de Silêncio, livro adaptado ao cinema por Martin Scorsese, Samurai é uma das maiores obras de Shusaku Endo. Baseado em um episódio real, combina com maestria imaginação e uma apurada narrativa histórica.

Resenha: Shusaku Endo é um dos maiores escritores japoneses do século XX e no ano de 2017 o selo Tusquets do grupo Planeta de Livros publicou o livro "Silêncio", trabalho do autor que foi adaptado para o cinema, dirigido por Martin Scorsese e contou com a participação de atores como Andrew Garfield, Adam Driver e Liam Neeson. Nesse livro o autor retrata a tentativa de missionários jesuítas portuguesas de pregar e disseminar o cristianismo no Japão do século XVII enquanto sofriam grandes perseguições e provações. 

"Enquanto o samurai e, seus servos cortavam lenha, a neve lhes tocava os trajes rústicas, lhes roçava o rosto e as mãos e depois derretia, como se para sublinhar a brevidade da vida. Mas, quando os homens continuaram a golpear com machados sem dizer uma só palavra, a neve não fez caso deles e se moveu rapidamente para as áreas vizinhas [...]" p. 11.

Agora em Samurai, os papéis são invertidos, aqui acompanhamos a história de Hasekura Rokeumon, um samurai de baixa hierarquia no xogunato japonês. O samurai é enviado ao lado de três outros samurais de mesma patente/hierarquia como emissários do xogunato para se encontrarem com o vice-rei da Nova Espanha, atualmente conhecido como México. Essa missão diplomática tem por objetivo estabelecer uma nova rota de comércio para o Japão e para tanto, o país se dispôs a abrir as portas de seus domínios para a evangelização, para que os missionários possam levar ao povo japoneses os ensinamentos católicos e cristãos. Nessa empreitada os emissários do xogunato contam com o auxílio de um zeloso, mas ambicioso missionário franciscano chamado Velasco. Ele deseja implementar a fé cristã no Japão e serve aos samurais nessa empreitada como guia e tradutor.
Hasekura era um homem simples, levava uma vida tranquila e voltada para a sua família. Ele pertencia a uma antiga linhagem de samurais e assim como os seus companheiros pretendia reconquistar as terras que no passado pertencia a sua família, mas que agora estavam sob o domínio do Xogum, líder máximo das forças japonesas. Hasekura na verdade tinha uma vida dura e trabalhava no campo, mas ele vê a sua vida sofrer uma grande mudança quando é convocado por seu Senhor e recebe a missão de ir até um país desconhecido para levar uma mensagem ao vice-rei desse lugar.

"Como sempre nesses debates, o samura ficou silenciosamente em pé num canto do quarto. Ele não disse nada, em parte porque não se expressava bem seus sentimentos em palavras, mas também porque tinha a timidez características das pessoas do charco. Dentro dele, sempre agia a crença de que ao entrar numa discussão ou nutrir sentimentos desagradáveis por outra pessoa só obtinha sofrimento [...]" p. 133.

O samurai e seus companheiros não sabem porque foram escolhidos para essa missão/expedição, eles só sabem que não devem argumentar ou levantar qualquer discussão. A jornada tem início e, cada um dos quatro samurais precisam lidar com as próprias convicções e inclusie precisam renunciar a algum ideal que acreditam, mantendo de forma inabalável o senso de dever para cumprir a missão dada, mergulhando em um mundo completamente novo e estranho para eles, enquanto são envolvidos em uma teia política intricada de interesses que vão além de suas próprias compreensões.
Opinião: A história é contada sob a ótica dos personagens Hasekura Rokeumon e do fraciscano Velasco. A narrativa de Hasekura concentra sobre o que ocorre em seu entorno e é interessante acompanhar as descrições realizadas por ele sobre as paisagens vibrantes japonesas, mas também sobre as novidades que ele presencia no México, incluindo o calor sufocante. O padre Velasco é um homem ambiocos e destoa da simplicidade e senso de dever apresentado pelo japonês Hasekura. Velasco tem as suas próprias ambições e ele não mede esforços para isso, chega a inclusive demonstrar o seu caráter ao tentar manipular a comitiva quando é conveniente.

Shusaku Endo foi certeiro ao escolher essa viagem do Japão ao México, pois ao longo do enredo a comitiva passa por países europeus e tudo é bem documentado. Voltando ao campo da narrativa, eu achei interessante as variações de tom empregadas pelo autor conforme a história vai se desenvolvendo. A narrativa realizada pelo padre Velasco ocorre em forma de diário, e em alguns momentos em terceira pessoa, demonstrando ser uma narrativa direta e objetiva. Samurai é um romance histórico fascinante e profundamente envolvente, Shusaku nos permite conhecer um pouco da história e cultura Japonesa, mas também nos permite refletir sobre o choque cultural que ocorreu entre o Japão e o Ocidente séculos atrás.
Sobre a Edição:  O projeto gráfico apresentado pela editora Tusquets (Planeta de Livros) ficou muito bom, a cor preta segue como fundo da capa e isso é algo padronizado nos livros do selo.  As folhas são amareladas (papel pólen), a fonte e o espaçamento ficaram confortáveis e isso facilita bastante a leitura.
Sobre o Autor: Shusaku Endo (遠藤 周作 Endō Shusaku) foi um escritor japonês do século XX que escreveu com a singular perspectiva de ser japonês e católico (A população cristã no Japão é inferior a 1%). Juntamente com Junnosuke Yoshiyuki, Shotaro Yasuoka, Junzo Shono, Hiroyuki Agawa, Ayako Sono, e Shumon Miura, Endo está incluído na "Terceira Geração", o terceiro maior grupo de escritores japoneses pós II Guerra Mundial. Em suas obras, Endo abordou questões morais complexas e relação entre Ocidente, Oriente e cristianismo.

11 comentários:

  1. Achei este livro super interessante, tenho muita curiosidade nestes temas.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem?

    Adorei a vibe meio Os Sete Samurais, acho que não li nada do gênero até hoje e sua resenha me deixou bem interessado nesse tipo de literatura!
    Abraços, Leonardo.
    http://oporaoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Escolha super original, apesar de ser um autor premiado, eu confesso que não o conhecia, com narrativa direta e envolvente como você mesmo relatou, tive a certeza de que essa é sim, uma excelente pedida.
    Sem contar que as pessoas que realmente se interessam por cultura oriental irão encontrar o seu artigo, e olha que não são poucas.
    Emerson Lemes.

    ResponderExcluir
  4. Tema do livro bem interessante, fiquei interessada na leitura.

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia esse livro, achei interessante pelo que li na sinopse e sobre o que vi do seu ponto de vista na resenha, achei a capa linda, amo folhas amareladas

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante a historia do livro, parabéns pela belíssima resenha

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Não conhecia o livro, mas achei bem interessante o enredo proposto, principalmente essa viagem do Japão ao México, e o fato de passar por vários países europeus. Nunca li nada nesse estilo e escrito por um japônes, então creio que seria uma experiência única. Fiquei querendo muito ler para sentir tudo isso. Ótima dica e resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi, como vai?

    Eu adoro romance histórico e esse parece ser mesmo muito interessante. Na verdade não li nenhum sobre essa época. Seria uma leitura muito interessante. Acho que vou mesmo ler.
    Um beijinho

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Entendo absolutamente nada da literatura japonesa, apesar de ter amigos que adoram. Não conhecia o livro, nem a premissa, gostei do aprendizado através da sua resenha. Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá!!
    Eu não conhecia esse livro, mas achei a capa muito bonita. Não é o gênero que costumo ler, mas parece ser bem interessante. Ótima resenha.
    Bjs
    almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro e tampouco o autor, mas temática dele parece bem interessante. O Japão é um país culturalmente rico, cheio de história, conhecer parte dela através da literatura é fascinante!

    ResponderExcluir