Título: Munique
Autor: Robert Harris
Tradução: Braulio Tavares
Editora: Alfaguara
Páginas: 300
Ano: 2018
ISBN: 9788556520630
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Um thriller de espionagem de tirar o fôlego. Setembro de 1938, Hitler está desesperado para começar a guerra. Chamberlain quer manter a paz a qualquer custo. O desfecho da disputa acontecerá em Munique, em um dos momentos decisivos que antecederam a Segunda Guerra Mundial. Robert Harris compõe mais um thriller impressionante, cheio de fatos e personagens históricos, que transporta o leitor para um dos momentos mais importantes da história mundial. Hugh Legat é uma estrela em ascensão no serviço diplomático britânico, servindo como secretário do primeiro-ministro, Neville Chamberlain. Paul von Hartmann é membro do time de relações exteriores da Alemanha, mas secretamente pertence a um grupo anti-Hitler. Os dois foram amigos em Oxford durante a década de 1920, mas perderam o contato com o tempo. Agora, enquanto Hugh viaja com Chamberlain de Londres para Munique e Paul acompanha Hitler em sua viagem noturna de Berlim, o caminho dos dois amigos está fadado a uma colisão desastrosa. 


Resenha: A Segunda Guerra Mundial é um tema que adoro e por isso é algo recorrente aqui no blog. Mesmo com a grande diversidade de livros sobre o tema, fica claro que há narrativas e contextualizações diferentes, e isso serve apenas para enriquecer um tema profundamente explorado e que ainda desperta interesse em muitos leitores, mas há algo nesses livros que são sempre abordados, o sofrimento, o medo e o comportamento humano em face aquele que é diferente de si. Robert Harris em Munique retrata um momento histórico importante que antecedeu aquela que ficou conhecida como a maior guerra de toda históra, ele traz à luz o Acordo de Munique, um acordo celebrado em 29 de setembro de 1938 na cidade que dá título ao livro.

Apesar do tratado ser um ponto importante do livro, o enredo tem como foco principal Hugh Legat, o secretário do até então primeiro-ministro britânico Nevile Chamberlain, e Paul von Hartmann, terceiro secretário do Ministério de Relaçoes Exteriores na Alemanha. Hugh e Paul se conheceram na Universidade de Oxford e desde então mantiveram uma relação de amizade. No ano de 1933 Hugh e Paul na companhia de uma colega resolveram visitar a Alemanha, mas a experiência não foi muito satisfatória e desde então cada um seguiu o seu caminho.

"Claramente, Legat continuou a escrever - O primeiro-ministro expressou preocupação quanto à adequação da defesa aérea -, mas seu pragmatismo estava abalado. Mais uma vez, não conseguiu deixar de pensar nos filhos usando máscara de gás." p. 27.
Nessa época a Austria fora anexada pela Alemanha nazista e isso ocorreu sem que as forças armadas alemãs disparassem um único tiro. Hitler não satisfeito, ameaça invadir a Tchecoslováquia, especificamente no território dos Sudetos sobre o pretexto que há uma grande quantidade de alemães no território. Diante das inúmeras ameaças de Hitler e com a paz fragilizada na Europa, o primeiro-ministro inglês não encontra muitas opções para frear o ímpeto nazista, pois as forças armadas inglesas não estão preparadas para enfrentar tamanha força demonstrada pelo terceiro Reich. Buscando a paz, Chamberlain propõe uma conferência com a participação da Alemanhã, França, Inglaterra e Itália.

"Hartmann deu o número da linha direta para o escritório de Kordt e esperou a chamada completar. Pela porta de entrada aberta, via as costas de um dos guardas da ss e mais à frente duas limusines estacionadas no pátio. Dois motoristas em uniformes da ss estavam encostados em um dos carros, fumando. Ele supôs que estivessem armados." p. 107.

Enquanto isso, Paul Hartmann participa secretamente de um grupo anti-Hitler e o objetivo é tirar nazista do poder, só que a assinatura de acordo de paz elaborado por Chamberlain é um obstáculo para o golpe que planejam, pois eles acreditam que uma guerra pode deixar a população insatisfeita e isso seria um facilitador para a queda de Hitler. Buscando formas de evitar o acordo de Munique, uma rede de contatos é movida com o objetivo de promover o reencontro de dois amigos que não se encontram desde 1933, Hartman e Legat. Eles estão em lados opostos, mas ainda assim possuem visões iguais e por isso o destino os une mais uma vez.
Opinião: Robert Harris ao elaborar o enredo de Munique fez uso de elementos históricos e ficcionais. Aqui ele demonstra o caos do ano de 1938 e alguns acontecimentos que antecederam a Segunda Guerra Mundial. Chamberlain foi uma figura histórica vista por muitos como ingênua e covarde, não posso julgar as decisões que ele tomou no intento de manter a paz na Europa quando tentou convecer Hitler a aceitar uma fatia da Tchecoslováquia para que não entrasse em guerra. O líder nazista por sua vez, nunca ficou completamente satisfeito com a anexação da Aústria ou mesmo de parte dos Sudestos da Tchecoslováquia, ele seguia seus ideais de forma obstinada e queria a expansão da Alemanhã pela Europa, talvez por isso Chamberlain foi visto como ingênuo ao achar que Hitler se daria por satisfeito.

Munique é um livro com vários momentos de tensão, é uma experiência única ao retratar uma importante parte da história do século XX. Harris tem uma imensa capacidade em criar e recriar cenários, sendo bem preciso e detalhista ao descrever pessoas, ruas e lugares, e por isso nos passa a sensação de estarmos assisintindo algum filme ou mesmo conhecendo de perto a Alemanha outrora nazista. Fica claro que ele realizou pesquisas históricas, tamanho os detalhes apresentados. Outro aspecto interessante e positivo é o clima de temor ao redor dos governantes da época retratado pelo autor. Eu já conhecia Harris por causa de  outros livros dele que cheguei a pesquisar e me interessar, mas até então nunca tinha lido nada dele. Contudo, posso dizer tranquilamente que essa minha primeira experiência com a escrita do autor foi muito boa.

Eu acredito que fãs de suspense, ficção histórica e principalmente sobre a história que antecede a Segunda Guerra Mundial, como eu, vão adorar a leitura de Munique. Esse é um livro que fornece tanto entretenimento quanto conhecimento, e apesar do início lento e por ora tedioso, é um livro que desperta curiosidade, toma a nossa atenção e torna-se agradável. Recomendo fortemente Munique para você que quer conhecer o passado, mas principalmente um episódio importante no período pré-guerra.
Sobre a Edição: A Alfaguara está de parabéns pelo projeto gráfico elaborado. A capa é muito bonita e conta com elementos que remetem à época, mas principalmente o terceiro Reich ou o governo nazista. O próprio título destacado em vermelho salta aos olhos, está em alto relevo e lembra muito a grafia utilizada pelos nazistas. As folhas são amareladas, a fonte está de bom tamanho e a revisão ficou excelente.
Sobre o Autor: Robert Harris é autor de mais de doze best-sellers, além de ser vencedor de diversos prêmios, incluindo o Walter Scott de Ficção Histórica. Seus livros já foram traduzidos para mais de 35 idiomas. É membro da Royal Society of Literature e, atualmente, vive na Inglaterra com a esposa, Gill Hornby.

25 Comentários

  1. Assim como você eu adoro a temática que o livro trás, aliás eu já tinha visto, mas não conhecia a premissa e nunca li nada que trouxesse luz ao Acordo de Munique. Ainda não li nada do autor, apesar de conhecer sua fama e fico satisfeita em saber que sua experiência com a escrita dele foi boa. Quero ler.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Não consegui seguir muito com este livro. Eu achei muito denso e parado. Para mim que amo livros do gênero não rolou e tentei até o último. Ficou muito enrolado em certos momentos, apesar de que a história e a premissa eram ótimas.

    ResponderExcluir
  3. Gosto demais desses livros baseados na Segunda Guerra Mundial. Não conhecia esse livro, mas já anotei seu nome para comprá-lo.

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro mas preciso dele pra ontem, ano livros que abordem o período da guerra, tanto primeira quanto segunda e o pós guerra também
    A capa eu não curti, mas a premissa é ótima!
    Sua resenha focando nos pontos fortes do livro deixa o leitor ainda mais curioso pela leitura.
    Espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  5. Gosto muito desse tipo de enredo. Já tinha visto o livro, mas não tinha lido nada de comentários ou resenha. Adorei ver sua opinião.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Nunca tinha escutado falar sobre o livro, mas certamente concordo com tudo o que disse, pois proporciona leitura e conhecimento ao mesmo tempo, sem falar que parece tudo ser extremamente bem fiel ao período histórico

    ResponderExcluir
  7. Esta aí um livro que eu adoraria ler. Tem bem as características que me atraem a uma leitura.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Tudo bem?

    Que livro lindo! Tenho Munique, recebi no finalzinho de 2018 e estou muito ansioso para ler. Sua resenha me deixou ainda mais curioso para iniciar a leitura.

    Obrigado pela dica!
    Até mais!

    ResponderExcluir
  9. Eu achei o livro bonito, apesar de ser bem chamativa, entendo que traz os traços da época e faz um reflexo a história, a premissa parece interessante. Gosto muito da temática, e o fator de explorar os acontecimentos junto a ficção me deixou empolgada para ler. Com certerza estara na minha lista :)

    ResponderExcluir
  10. O que dizer sobre esse livro que ainda nem li, mas já quero ler pacas? hehehe
    Adorei esta resenha e conhecer sua opinião. Este livro já está na minha lista, agora só falta comprar.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem? Eu não sou muito fã do gênero, por mais que eu insista infelizmente não funciona comigo, mas pra quem curte, posso ver que é um prato cheio, recheado de boas referências e com muitas coisas para refletir. Suas resenhas como sempre muito completas, adorei.

    ResponderExcluir
  12. Como nunca tinha ouvido falar deste livro antes?!! Agora com sua resenha fiquei encantada, amo este gênero e preciso ler urgentemente

    ResponderExcluir
  13. Olá, boa tarde.
    Já tinha ouvido falar sobre esse livro, mas nunca prestei muita atenção.
    Gostei da sua resenha, o livro me pareceu bem interessante, apesar de eu não curtir muitas histórias sobre HT. sts

    ResponderExcluir
  14. Infelizmente não é o tipo de livro que que leio, mas com certeza é o tema preferido do meu esposo, ele gosta muito de biografias, histórias e enredo que tenha como pano de fundo a segunda guerra mundial. Já anotei e repassarei para ele.

    ResponderExcluir
  15. Oi, eu também gosto das histórias baseadas na Segunda Guerra Mundial. Vou considerar essa alternativa entre meus trabalhos pendentes de leitura.

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Eu também adoro histórias sobre a Segunda Guerra Mundial, mas sempre evito de ler porque sofro muito com o sofrimento dos personagens.
    Adorei que esse livro fale de um fato histórico que antecedeu essa guerra tão grande e sangrenta.
    Sua resenha me deu muita vontade de ler esse livro.

    Grande beijo,
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Eu adoro esse tema. Na verdade tenho grande fascínio pela Alemanha e consequentemente sua história. Já tinha visto esse livro mas ainda não fiz a leitura.
    Acredito que vou me surpreender com os elementos históricos e suspense.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  18. Vou colocar na minha lista de leituras já, eu adoro ficção histórica e o tema da segunda guerra e seu texto me fez ter muita vontade de ler este livro. Achei engraçado que o nome do livro me fez pensar que se tratava de outro período, o da olimpíada que ocorreu os atentados terroristas, tem um filme com esse nome. Adorei o texto.

    Bjus, Mirian (Castelo do imaginário)

    ResponderExcluir
  19. Eu gosto muito do tema de segunda guerra nos livros, mas confesso que mesmo lendo tantos, nunca li nenhum que abordasse o Acordo de Munique, por isso já estou master empolgada para ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Oi.

    Que narrativa mais emocionante! Eu ainda não conhecia esse livro. Também gosto de ler sobre ease período. Tento sempre intercalar com as leituras que eu faço. Eu adorei o enredo do livro. Como disse, parece bem emocionante e acho que vou acabar gostando muito. Dica anotada!

    ResponderExcluir
  21. Adoro vir conferir seu blog porque sempre encontro resenhas que eu nunca esperaria pegar para ler. Não conhecia essa obra e se não tivesse conferido sua resenha talvez nem me interessasse. Mas agora gostei muito do enredo e vou colocar nos desejados.
    beijos

    ResponderExcluir
  22. Amo essa época da história, apesar de muitas mortes e perseguições sempre foi a época da história que mais me chamou a atenção. Nunca li nada sobre e achei bem interessante o enredo desse livro. Curto bastante esses autores que tem todo o cuidado em estudar para escrever um livro.

    Adorei a resenha. Ficou bem construtiva.

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Ainda não conhecia a obra, mas sou apaixonada por Thriller e não conheço nenhum livro que envolva temas sobre guerra. O livro me ganhou pela premissa, e essa capa ficara ótima na minha estante.

    ResponderExcluir
  24. Olá!
    Pra ser bem sincera, eu não gosto muito de livros que se passam em época de guerra, não importa o contexto histórico, eu tenho muita aflição em ler, não consigo esclarecer por que, mas o fato de eu também não gostar tanto de livros que retratam acontecimentos históricos, como Segunda Guerra, influência. Lógico que eu posso estar errada e o livro pode superar minhas expectativas, então se eu tiver a oportunidade, eu leio.

    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  25. Olá Yvens!!!
    Apesar de me interessar pelo tema de Segunda Guerra acredita que não li nenhum livro desse período!?
    Conheço muitas histórias e boa parte já recebi vários spoilers o que acaba não me fazendo querer tentar ler o livro.
    Achei o livro "Munique" algo diferente, pois temos dois lados na mesma história e apesar de toda situação é interessante sempre saber ambos lados.
    Achei a edição lindíssima e quem sabe me dê uma chance com esse ^^

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir