Título: A Ilha do Doutor Moreau
Autor: H. G. Wells
Tradução: Laurent de Saes
Editora: Via Leitura [Edipro]
Páginas: 144
Ano: 2018
ISBN: 9788567097619
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

Sinopse: Romance de ficção científica de H. G. Wells, a ilha do doutor Moreau foi publicado pela primeira vez em 1896. Nesta obra, Wells alia à sua característica crítica social considerações particulares a respeito da teoria da evolução das espécies. Nesta narrativa, o náufrago Charles Prendick é levado a uma pequena ilha do Pacífico. Nela, conhece o doutor Moreau, expulso da Inglaterra por suas polêmicas experimentações com animais. Religião, ética científica, moralidade e a dicotomia do instinto versus a consciência são alguns dos temas trabalhados brilhantemente por Wells em a ilha do doutor Moreau. Mais de cem anos após sua publicação, ainda é considerado um dos livros mais representativos da ficção científica. 

Resenha: Quando Edward Prendick praticamente havia perdido as esperanças de ser encontrado após o naufrágio do navio em que estava, acaba sendo resgatado do seu bote, o Lady Vain, por uma embarcação um tanto misteriosa. Quando acorda se vê em uma cabine com um médico, Montgomery, que o está auxiliando em seu restabelecimento. 

Prendick eu um primeiro momento, acredita que teve muita sorte por ser resgatado, ainda mais em uma embarcação que tinha entre os tripulantes, um médico. Porém, as coisas não são assim tão simples. Edward percebe que o navio tem uma carga de animais vivos e que está indo para uma determinada ilha, onde Montgomery trabalha com seu "amigo", também médico. Seu servente, M'ling, não parece ser muito humano aos olhos de Prendick, pois ele percebe que tem algo errado, mas não sabe dizer exatamente o que está errado.
Para ajudar ainda mais nas suspeitas de Edward, o capitão do navio, Davies, diz que não vai levar Pendrick a lugar nenhum além da ilha onde Montgomery vai desembarcar. Ao chegar na tal ilha, a grande surpresa de Edward é que o responsável pela tal ilha, não vai recebe-lo e o desespero toma conta mais uma vez de Pendrick, pois ele será obrigado a ficar à deriva em um pequeno bote mais uma vez. Com pena, Montgomery, acaba trazendo Pendrick até a ilha, mesmo contra a vontade de seu amigo, o Dr. Moreau, um cientista que se isolou naquela determinada ilha por vários anos. Edward, fica confinado em um pequeno alojamento e aconselhado a não sair de noite na floresta de forma alguma.

"Para mim, a aparição daquela criatura grotesca e meio bestial havia perturbado a calmaria da tarde. Olhei assustado ao meu redor e lamentei não estar armado." pág.42.

Nem bem a noite chega e Pendrick ouve uivos agonizantes de um dos animais que Montgomery trouxe para a ilha, sem saber exatamente o que está acontecendo, fica em pânico e sai pela floresta adentro e faz algumas descobertas que o deixam um tanto paranoico e aterrorizado. Temendo pela própria vida, foge e consegue chegar até a praia. Daí, então, Pendrick conhece o Doutor Moreau e sua história. Mas, quando Pendrick imaginava que as coisas ficariam de certa forma, melhores, é justamente quando ele conhece todo o horror da Ilha do Doutor Moreau.
Opinião: Tudo acontece no tempo certo, é um dos ditados populares mais verdadeiros que eu conheço. Muitas pessoas se "envergonham" por não conhecerem ou não terem lido obras ditas como clássicas ao longo de suas vidas de leitores. A única coisa que posso dizer a esses "envergonhados" leitores é: "Tudo acontece no tempo certo". Digo isso, pois já sou leitor há mais de trinta anos e só fui conhecer de verdade alguma obra de Wells somente pouco tempo atrás. E como disse logo acima, acredito realmente que isso aconteceu no tempo certo, pois fosse há alguns anos, não teria nem passado perto de A Ilha do Doutor Moreau

Foi ótimo conhecer Wells depois de ter adquirido certa bagagem literária, pois isso me fez apreciar ainda mais a tardia leitura de mais um clássico absoluto da ficção científica contemporânea. Posso dizer com toda a tranquilidade que a escrita de Wells continua arrebatadora e toda a sua ciência também. A Ilha do Doutor Moreau nos traz, entre vários outros assuntos, um dos grandes males de toda a humanidade e principalmente a científica: A síndrome de Deus.
É através do nosso narrador, o náufrago Edward Prendick, que descobrimos aos poucos todo o horror de um cientista que acredita que pode mudar toda uma espécie, fazendo com que a mesma se torne a dominante, ou mais claramente, a do ser humano racional, mesmo que para isso, Moreau tenha que subjugar, infligir grande sofrimento e dor àqueles que ele considera inferiores.

Mesmo que em certo momento, talvez, as ideias de Moreau parecam ter um pouco de sentido e no papel podem, até, parecer interessantes, mas é justamente na execução que tudo vem abaixo, tamanha crueldade na transmutação necessária dos animais que o Doutor se utiliza, para que se tornem uma raça parecida com a humana. 

O complexo de Deus fica muito claro nas ações médicas e científicas de Moreau para com seus animais. Porém, é no trato de suas criações que Deus se torna um humano da mais alta estirpe, pois sejam suas experimentações bem sucedidas ou não, o ser humano de Moreau aflora intensamente quando demonstra tamanho desprezo e desinteresse depois de seus resultados.

A hipocrisia que Wells incutiu em seu personagem é tão grande que em muitos momentos nos vemos odiando e muito aquele que deveria ser um alento a humanidade e isso se torna ainda mais marcante por termos a visão de toda a história de um personagem que pouco sabe da ciência moderna, mas que tem enorme empatia pelas criaturas de Moreau. Mas isso não quer dizer que Prendrick não tenha que se valer da violência para poder sobreviver e é nesse ponto também que Wells destila toda sua crítica social onde podemos perceber, através de metáforas, que a minoria e os excluídos e diferentes sempre serão descartáveis.

Wells consegue demonstrar em A Ilha do Doutor Moreau diversas facetas do ser humano e muitas delas não são nada bonitas de se ver. A todo momento podemos ver que o autor quer mostrar tanto a versatilidade do ser humano em tentar melhorar sua própria situação no mundo através da criatividade, inteligência e ciência, como sua capacidade de deturpar e destruir absolutamente tudo que toca

Realmente, A Ilha do Doutor Moreau é um dos melhores livros que tive a oportunidade de ler nesses, como disse, mais de trinta anos de vida literária, portanto, meus caros leitores e leitoras, A Ilha do Doutor Moreau de H. G. Wells e publicado pela Via Leitura, selo da Editora Edipro é maravilhosamente, I.M.P.E.R.D.Í.V.E.L. 
Sobre a edição: A editora Edipro mais uma vez acerta da edição de mais um de seus lançamentos. A Ilha do Doutor Moreau, para quem já acompanha minhas resenhas da editora, vem no mesmo padrão dos outros lançamentos do selo Via Leitura, ou seja, formato brochura, papel amarelado, fonte agradável, ótima revisão e uma capa que remete aos anos dourados da ficção fantástica dos anos 50/60, o que deixa ainda mais bacana e bonita essa excelente obra do fantástico Wells. Realmente, a editora Edipro sabe como agradar seus leitores e leitoras. Aproveitem. Mais uma vez, agradeço imensamente a editora Edipro pelo envio do exemplar que me proporcionou uma grande alegria e prazer literários muito bacanas.
Sobre o autor: H. G. Wells (1866-1946) estudou biologia na Escola Normal de Ciências em Londres. Essa formação foi fundamental no desenvolvimento dos temas de que o escritor londrino trataria em seus romances, o que o levou a ser um pioneiro da ficção científica. Além de compor tramas inquietantes, como uma viagem no tempo ou invasões alienígenas, expôs questões que se mantêm atuais quase um século depois de sua morte, como a ameaça de guerra nuclear e a ética na manipulação genética. Também foi autor de romances fora do gênero de ficção científica e membro da Fabian Society, núcleo político britânico formado no final do século XIX que visava a conceder às classes trabalhadoras o controle dos meios de produção na Inglaterra.

0 Comentários