Sinopse: A Trilogia Cósmica criada por Lewis é resultado de uma aposta entre ele e seu grande amigo J.R.R. Tolkien. Segundo relatos, os temas foram decididos no cara ou coroa; Lewis ficou com viagem no espaço, e Tolkien com viagem no tempo. Tolkien acabou não cumprindo a aposta, enquanto Lewis não parou em um só livro. A famosa amizade entre os dois foi eternizada pela criação do personagem principal, Elwin Ransom, professor e filólogo, assim como Tolkien. Nessas aventuras de Dr. Ransom pelo espaço encontramos criaturas mágicas, um mundo de encantos, batalhas épicas e revelações de verdades transcendentes. 

Resenha: Perelandra é o segundo volume da trilogia cósmica escrita por C. S. Lewis. Aqui a história começa quando o autor-personagem Lewis após receber o convite de seu amigo Elwin Ransom para uma visita em sua casa de campo desembarca na estação ferroviária de Worchester. Lewis precisa caminhar cerca de cinco quilômetros para chegar até o local e esse percurso ele faz sozinho no crepúsculo que antecede a noite. Nessa caminhada, Lewis questiona a aliança que Ransom fez com certas criaturas após a viagem ao planeta Malacandra (Marte). Ele fica pensando se elas estão realmente ao lado do seu amigo ou se querem apenas usá-lo para outros fins.

Ao chegar em seu destino, Lewis não encontra o seu amigo, a casa de campo está totalmente vazia, mas Lewis encontra um bilhete deixado por Ransom com o aviso de que recebeu um chamado urgente, mas que logo retornará para casa. Lewis decide entrar na casa do seu amigo, mas ela está totalmente escura e ele acaba tropeçando em alguma coisa. Ao cair no chão, ele ouve uma voz chamando o filólogo, essa voz vem de um eldil, uma criatura sem corpo e matéria. Esse eldil é visto pelos humanos apenas como uma forma composta por uma mancha de luz.

Quando Ransom retorna para sua casa e finalmente encontra o seu amigo, ele informa que recebeu uma missão, ele deve encontrar um mundo novo, um mundo chamado Perelandra (Vênus) onde a primeira mulher e o primeiro homem acabaram de nascer. Contudo, outro ser também foi enviado para esse local e seu objetivo não é nada bom, pois algo de errado está para acontecer lá e alguém precisa impedir que algo de ruim aconteça, esse alguém é Ransom.

 "Os trovões eram ensurdecedores e era difícil conseguir ar suficiente. Inúmeras coisas pareciam cair com a chuva - aparentemente coisas vivas semelhantes a sapos sobrenaturalmente irreais e graciosos - sapos sublimando - e tinham cor de libélula, mas Ransom não estava em condições de fazer observações cuidadosas [...]" p. 51.

Sem a sua nave espacial que fora construída por Wiston, o filólogo recebe a ajuda dos Eldils que providenciam um novo meio de transporte para ele, é uma nave estranha, no formato de uma caixão. É nesse objeto que Lewis tropeçou momentos antes. Ransom conta com ajuda de Lewis para essa viagem, pois pede ao mesmo que visite frequentemente o ponto de decolagem para conferir o seu regresso, para ajudá-lo caso seja necessário. Decorrido um ano, Ransom finalmente regressa de sua missão, mas ele está muito diferente, ele não é mais o mesmo.
Opinião: Lewis apresenta em Perelandra uma trama rica e um universo incrível, ele descreve de forma sutil e elegante esse novo planeta, é na verdade um ambiente lúdico esse que ele cria. Lewis também faz uso da teologia e de temas complexos e profundos no enredo e nos leva ao campo dos pensamentos e da reflexão. A trama demonstra parte de seu viés bíblico e de forma consistente, isso para mim é um atrativo a mais, tendo em vista que sou cristão, mas também serve para uma percepção maior da vida em geral. O autor utiliza menos elementos da ficção científica se comparado ao livro predecessor e prefere focar no conflito entre a ética e moral, entre os conjuntos de valores e os conjuntos de regras que guiam a sociedade e o indivíduo.

Como esse livro foi escrito e publicado durante a Segunda Guerra Mundial, existe uma certa influência daquele momento histórica sobre o enredo e Lewis levanta discussões filosóficos e teológicas sobre a humanidade. Outro aspecto que não posso deixar de lado é o clima constante de aventura apresentado na trama, mas também o mundo mágico e magnífico de Perelandra que foi criado pelo autor. Aliás, esse planeta precisa enfrentar uma nova e perigosa força que ameaça a sua paz. Eu sinceramente fiquei impressionado com a história e estou ansioso para ler o último volume da trilogia cósmica. Super recomendo para quem curte ficção científica, ficção fantástica, drama e quer sair da zona de conforto.
Sobre a Edição: A editora Thomas Nelson Brasil está de parabéns. Esse livro é edição capa dura e a capa por sinal é muito bonita e detalhada. As folhas possuem boa gramatura e são amareladas. A revisão ficou muito boa e a fonte está agradável. Todos esses detalhes tornam a leitura ainda mais prazerosa e valorizam essa grande obra desse aclamado autor britânico.
Sobre o Autor: Clive Staples Lewis nasceu na Irlanda, em 1898. Em 1954, tornou-se professor de Literatura Medieval e Renascentista em Cambridge. Foi ateu durante muitos anos e se converteu em 1929. Essa experiência o ajudou a entender não somente a indiferença como também a indisposição de aceitar a religião. Suas obras são conhecidas por milhões de pessoas no mundo inteiro. A abolição do homem, Cartas de um diabo a seu aprendiz, Cristianismo puro e simples e Os quatro amores são apenas alguns de seus bestsellers. Escreveu também livros de ficção científica, de crítica literária e para crianças. Entre estes estão As Crônicas de Nárnia, sucesso mundial absoluto. C. S. Lewis morreu em 1963, em sua casa em Oxford.

Ficha Técnica:
Título: Perelandra - Trilogia cósmica #1
Autor: C. S. Lewis
Tradução: Carlos Caldas

Editora: Thomas Nelson Brasil
Páginas: 320
Acabamento: Capa dura
Ano: 2019
ISBN: 9788578609689
Onde Comprar: Amazon - Saraiva

0 Comentários