Sinopse: Depois de perder o pai e ficar sabendo que o irmão Thomas foi ferido durante uma batalha, Cecilia Harcourt tem duas opções: se mudar para a casa de uma tia ou se casar com um vigarista. Para fugir desses destinos, ela cruza o Atlântico, determinada a cuidar do irmão. Após uma semana sem conseguir localizá-lo, ela encontra o melhor amigo dele, Edward Rokesby, inconsciente e precisando desesperadamente de cuidados. Mas, para permanecer a seu lado, Cecilia precisa contar uma pequena mentira...

Quando Edward recobra a consciência, não entende nada. A pancada na cabeça o fez esquecer tudo que aconteceu nos últimos três meses, mas ele certamente se lembraria de ter casado. Apesar de saber que Cecília é irmã de Thomas, eles nunca foram apresentados. Mas, já que todo mundo a trata como esposa dele, deve ser verdade.

Cecilia coloca o próprio futuro em risco ao se entregar ao homem que ama. Mas, quando a verdade vem à tona, Edward também pode ter algumas surpresas guardadas para a nova Sra. Rokesby.

Resenha: Tudo o que Cecília sabia ao sair de sua casa na Inglaterra, é que não poderia se casar com seu primo odioso e nem ficar em casa apenas esperando que alguém resolvesse lhe dizer como seu irmão estava. Depois de muito tempo sem receber qualquer notícia de Thomas e depois de sue pai falecer, nada prendia a jovem em sua casa. Assim, ela embarca em um trem para a América do Norte, onde as tropas inglesas estão lutando pela colônia.

“Só podia imaginar que ele a desejava ao seu lado para não perder a conveniência de ter uma enfermeira, mas, fosse qual fosse o motivo, ele parecia querer continuar casado com ela.” p. 69

Mas, após muitas semanas sem conseguir qualquer informação sobre seu irmão, Cecília encontra o amigo de Thomas, Edward, com quem ela tinha falado apenas através de cartas, inconsciente e precisando de cuidados. Porém, apenas a família poderia ficar com o homem naquele estado, o que levou, em um impulso, Cecília a dizer que era a esposa dele. O que surpreende a todos, mas muito mais a ela por acreditarem com tanta facilidade.


A surpresa maior, porém, acontece quando Edward desperta e não se lembra de nada dos últimos meses, de sua missão e de seu casamento de mentirinha. Por conta dessa amnésia, ele acaba acreditando naquela que é a irmã de seu amigo e com quem ele se correspondia com frequência.

Conforme eles se conheciam, Cecilia auxiliando Edward em sua recuperação e aproveitando que as portas pareciam se abrir para a esposa do Capitão Rokesby para poder procurar por seu irmão, mais ela se via encantada e apaixonada pelo homem que enganava. A consciência da jovem pesava a cada vez que via a admiração e o carinho que Edward tinha por ela, mas ela não conseguia abrir o jogo.

“Queria ser feliz com aquele homem. Queria ser a esposa dele, a mãe dos filhos dele, seria uma vida maravilhosa... se tudo não fosse uma mentira.” p. 160

Da mesma forma, Edward se permitiu conhecer e se encantar pela jovem que iluminara seus dias durante aquele período complicado no exército inglês. Quando a sua memória retorna, porém, ele se sente dividido entre a mágoa, a raiva e a esperança de uma boa explicação para aquilo. Mas, talvez, ele não tivesse muito tempo para descobrir, pois Cecilia não estava disposta a levar essa mentira muito longe, e nem prender o homem por quem tinha se apaixonado.


Opinião: Como bem clássico da rainha Julia, realizar a leitura deste livro foi um verdadeiro deleite. Tudo é descrito com riqueza de detalhes, separando bem os pontos de vista e apresentando-os completos para nós, nos fazendo entrar no personagem, sentir o que eles estão sentindo e temer o futuro por eles.

O romance é sempre muito realista, sendo desenvolvido com muita naturalidade, afinal, Julia Quinn já deixou claro que não acredita em amor à primeira vista. Isso é um ponto a favor, pois eu também não sou fã desse tipo de romance.

“Quando abriu os olhos e a viu pela primeira vez, cheia de preocupação e surpresa, ele havia sentido uma torrente inacreditável de leveza, como se o ar ao redor viesse sussurrar em seu ouvido. É ela. Ela é a mulher da sua vida.” p. 179

Porém, em certo momento da história eu achei que ela estava demorando para fazer “o drama acontecer”, como se quisesse deixar para as últimas partes e pra isso precisasse levar mais tempo, o que realmente aconteceu, e então o desfecho ficou um pouco mais rápido do que merecia. Sim, achei que eles mereciam um desfecho mais detalhado, afinal, a gente se apega aos temores de Cecilia e também de Edward, assim como às suas dores.

Tirando, porém, esse detalhe, é impossível não se apaixonar por esse romance de época delicado, sincero e, como característico da autora, bem sensual. 


Sobre a Edição: A editora tem o cuidado de fazer os livros da Julia, em especial, com uma edição padrão. As páginas são amareladas e grossas, a fonte é confortável, assim como o espaçamento entre as linhas. Os capítulos são sequenciais, sem pausas para mudar a página ao início de cada um. Contamos ainda com duas contras capas, uma com apenas o título e outra com a ilustração da capa. Não encontrei qualquer desvio gramatical ou ortográfico, mostrando o cuidado da revisão, assim como o tido na estética. 


Sobre a Autora: Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 10 milhões de exemplares vendidos, sendo mais de 3,5 milhões da série Os Bridgertons, publicada pela Arqueiro. Seus romances já foram lançados em 29 países. Julia é formada pelas universidades Harvard e Radcliffe e foi a autora mais jovem a ser incluída no Romance Writers os America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos. Atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.

Ficha Técnica:
Título: Um Marido de Faz de Conta (Os Rokesbys #2)

Autora: Julia Quinn
Tradução: Thaís Paiva
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Ano: 2019
ISBN: 9788580419221
Onde Comprar: Amazon – Saraiva.

0 Comentários