About Me

header ads

[RESENHA #665] O MORRO DOS VENTOS UIVANTES - EMILY BRONTË


Sinopse: O Morro dos Ventos Uivantes (1847), obra-prima da inglesa Emily Brontë, é um dos grandes clássicos da literatura mundial. Adaptado para o cinema inúmeras vezes, a história do amor intenso e turbulento entre Cathy e Heathcliff continua a arrebatar os leitores década após década. A narrativa se desenvolve na região inóspita onde se encontra a mansão que dá nome à obra, e possui traços góticos que aproximarão o leitor moderno. Cathy e Heathcliff desenvolvem, logo que se conhecem, uma afinidade que ultrapassa as convenções sociais, as diferenças de gênero e até a morte.

Resenha: Quando o patrono da família Earnshaw voltou de uma de suas viagens de Liverpool, já era noite e toda a família o esperava ansiosamente, principalmente as crianças, Catherine e Hindley, que sempre ganhavam presentes do pai. Porém, naquela noite, o Sr. Earnshaw não trouxe nenhum presente para as crianças, mas sim para toda a família, a seu ver. Exausto ao extremo, todos ficaram surpresos quando debaixo de seu sobretudo, apareceu uma criança totalmente diferente daquelas que estava ali naquela casa, até mesmo das que estavam na cidade, por assim dizer. 

O Senhor Earnshaw disse que o tinha encontrado sozinho e esfarrapado pelas ruas Liverpool e vendo o estado daquela criança, não teve outra ação do que simplesmente acolhê-lo sob seu teto. E foi assim que Heathcliff foi introduzido na família Earnshaw.

Durante os anos que se passaram, Heathcliff acabou se tornando o preferido do senhor Earnshaw que sempre o protegia do irmão adotivo, Hindley, que simplesmente o odiava com todas as suas forças. Porém, quando se tratava de Catherine, as coisas eram um pouco diferentes. Cathy adorava seu irmão adotivo, tanto que ficaram o mais próximos que poderiam e logo já ficou claro que Heathcliff a amava incondicionalmente.

"A Srta. Cathy e ele eram unha e carne; mas Hindley o odiava, e, para ser sincera, eu também; e nós o atormentávamos e procedíamos em relação a ele de modo vergonhoso, pois eu não era sensata o suficiente para perceber minha injustiça, e a patroa nunca disse uma palavra a favor dele ao vê-lo maltratado." p. 67.


Quando Cathy vai visitar seus vizinhos, sofre um acidente e acaba tendo que ficar algumas semanas sob os cuidados de seus anfitriões e de seu filho, o menino Linton. Assim que Cathy retorna, todos percebem que ela está um pouco diferente, mais educada, refinada e com desejos que não se alinham com os de Heathcliff, o que o deixa mais arredio e agressivo. A situação piora quando Cathy decide se casar com o jovem Linton, pois ela acha que assim pode ter um futuro melhor e não consegue ver isso em Heathcliff, mesmo o amando desesperadamente. Heathcliff ouve parte da conversa e se sente humilhado, resolvendo deixar tudo e todos para trás.

Alguns anos se passam e Heathcliff volta para O Morro dos Ventos Uivantes, onde encontra sua amada casada. Supostamente, Heathcliff volta afortunado e tem apenas uma coisa em mente, se vingar de todos os que o humilharam, até mesmo seu maior amor, Cathy.

"O mau comportamento e as más companhias do patrão davam um belo exemplo para Catherine e Heathcliff. O jeito de ele tratar o menino era suficiente para transformar um santo em um demônio. E, para ser sincera, parecia que o garoto estava possuído por alguma coisa diabólica naquele período." p. 104.


Opinião: Foram mais de trinta anos da primeira até essa segunda leitura de O Morro dos Ventos Uivantes e, seguramente, posso dizer que foi até mais prazeroso do que da primeira vez. Talvez as experiências de vida possam nos mostrar coisas que quando jovens, não percebemos. Talvez seja justamente a perpetuação imutável da literatura clássica que se "acomode" melhor quando chegamos a uma certa idade. Talvez seja apenas o amor pela literatura bem escrita, seja ela de qual época for. O certo e definido é que O Morro dos Ventos Uivantes sempre será um excepcional clássico da literatura universal, goste você ou não.

Emily Brontë conseguiu apresentar uma história que mesmo com seus enormes tons pessimistas e obscuros, nos arrebata logo nas primeiras páginas e isso se você não souber absolutamente nada do que esperar dessa grande obra clássica, pois a capacidade de escrita da autora é absolutamente envolvente. Mas o que impressiona muito em O Morro dos Ventos Uivantes são seus personagens que são marcantes assim que são apresentados. Mesmo alguns não tendo um passado propriamente explorado, como Heathcliff e alguns outros personagens da historia, Emily consegue colocar força em suas atualidades, fazendo com que cada um deles sejam indispensáveis para o desenrolar de toda a trama.


O que também chama muito a atenção no livro de Emily é que ela não se ateve necessariamente ao padrão tradicional de romance daquela época. Ela trouxe uma história que tem sua base principal no amor, mas é essencialmente, movida pelo ódio e vingança implacável, o que leva o leitor a ter momentos absolutamente marcantes.

Dentre outras coisas em O Morro dos Ventos Uivantes, existe o grande toque de mestre da repetição de nomes em alguns personagens e partindo dessa premissa, a autora demonstra através das peculiaridades desses personagens, uma ótima critica social familiar. Aliás, falando em críticas sociais, todas as irmãs se dispuseram a apresentar em suas histórias algum ou vários tipos de crítica à sociedade da época e em Morro, como disse, não foi diferente.

Existem diversas situações que expõe, principalmente, a fragilidade da mulher em uma sociedade que não dá nenhum direito sequer a qualquer uma delas e Emily as apresenta com uma habilidade estupenda e sem nenhum filtro ao leitor, ou seja, o tapa na cara é doloroso e isso sem deixar de lado as demonstrações de hipocrisia, rancor, inveja e o grande causador de muitas tragédias ainda nos dias de hoje, o orgulho.

O ambiente também tem um grande papel em toda trama, pois é ele que reforça o tom de pessimismo e obscuridade entre seus personagens, o que sempre me lembra sua similaridade com outro clássico, O Retorno do Nativo de Thomas Hardy, também publicado pela Martin Claret [resenha aqui], que faz uso magistralmente dos mesmos pontos pessimistas, se não mais.

O mais importante de tudo é que O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë trata de muitos assuntos que ainda, pode-se dizer, são atuais e talvez, também por essa razão, ele seja tão adorado e cultuado tantos anos depois de sua publicação.


A Martin Claret, em seu projeto de renovação, nos apresenta essa nova edição que é absolutamente espetacular. O Morro dos Ventos Uivantes vem em capa dura, porém com o detalhe da capa "quebrada", que deixa a lombada à mostra, e que é muito bom para manusear na leitura. A edição ainda conta com algumas ilustrações no início de cada capítulo e tem sua arte focada nos tons cinza e amarelo, o que a deixa extremamente elegante. A fonte é bem agradável e impressa num papel amarelado, o que deixa essa edição além de linda, totalmente IMPERDÍVEL.

Sobre o autor: Emily Brontë nasceu em Thornton, Yorkshire, Inglaterra, no dia 30 de julho de 1818. Filha de um reverendo da Igreja da Inglaterra e de Maria Branwell era a quinta entre os seis irmãos. Em 1820 sua família mudou-se para Howorth, onde o pai foi nomeado reitor da paróquia. Em 1821, após a morte de sua mãe, Emily e suas irmãs foram para um colégio interno em Cowan Bridge, onde sofriam com castigos, com o frio e a pouca alimentação. Depois que suas irmãs, Maria e Elizabeth morreram de tuberculose, Emily, Anna e Charlotte voltaram para casa, onde receberam os cuidados da tia Branwell. Em casa, as irmãs aprendiam as tarefas domésticas e Patrick, o único filho homem, se dedicava aos estudos. 

A nova empregada lhes contava histórias e as irmãs criavam poesias e contos ambientados em lugares imaginários. Mais tarde, Charlote descobriu os versos de Emily e teve a ideia de reuni-los aos de Anne e publicá-los sob os pseudônimos de Currer, Ellis e Actor Bell. Em 1846, os poemas foram publicados por uma pequena editora e os custos foram pagos com uma parte da herança deixada pela tia Branwell. Apesar do fracasso das vendas as irmãs continuaram escrevendo. Charlote publicou “Jane Eyre”, que fez grande sucesso. Em 1847, Emily publicou Wuthering Heights “O Morro dos Ventos Uivantes”, que apesar de receber críticas, posteriormente se tornou um clássico da literatura inglesa. Emily Brontë faleceu em Haworth, Inglaterra, no dia 19 de dezembro de 1848. [Fonte: O Pensador]
Ficha técnica:
Título: O Morro dos Ventos Uivantes
Autor: Emily Brontë
Tradução: Solange Pinheiro
Editora: Martin Claret
Páginas: 457
Ano: 2019
ISBN: 9788544002025
Onde Comprar: Amazon 


Postar um comentário

12 Comentários

  1. Amo esses livros com traços góticos! Fiquei curiosa demais depois do seu post. Já adicionei aqui na minha listinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anne, que bom que gostou. Fico feliz e tenho certeza que vai adorar o livro. Beijos e muito obrigado pelas palavras.

      Excluir
  2. Acredita que já vi varias pessoas falarem sobre esse livro, ia ate ler um tempo desses quando minha amiga ia me emprestar, dai acabei esquecendo e tal, mas eu acho um super classico e bem conhecido, gostei da sua resenha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito sim, Conceição. Mas agora é a hora eihn... kkkk.. Muito obrigado pelas palavras e leia esse clássico absoluto. Vai gostar. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  3. Quando li esse romance pela primeira vez, fiquei muiti chocado Depois vi o filme com o Ralph Finnes e a Juliet Binoch... Passou a ser então aquela obra especialíssima da vida.

    Realmente existem histórias que são eternas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oscar, meu caro, O Morro dos Ventos Uivantes é exatamente isso, uma obra especialíssima da vida. Muito obrigado pelas palavras e volte sempre. Abraços.

      Excluir
  4. oi!
    Eu adoro este livro :) é um dos romances mais bonitos e perturbadores que já li.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joana, é um dos meu livros favoritos e concordo com o que você disse. Muito obrigado pela visita e volte sempre. Beijos.

      Excluir
  5. Olá,

    Esse é um dos meus livros favoritos da vida e já perdi a quantidade de vezes que o li. Minha última releitura foi ano passado e senti todo o turbilhão da primeira vez, quando estava no colégio. Gosto desses sentimentos de vingança e ódio que a autora empregou, pois é isso que torna esses personagens tão humanos e até mesmo detestáveis. O amor deles é insano, e por isso mesmo nos perturba. Adorei ler a sua opinião! Essa edição está magnífica, já quero!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice, não poderia dizer melhor. Muito obrigado pelas palavras e volte mais vezes. Beijos.

      Excluir
  6. Essa edição está MUITO LINDAA!! Tenho uma edição antiga bilingue da editora Ladmark , vou deixar de próximo na fila da leitura. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, essa edição é de tirar o fôlego mesmo. Espero que goste da leitura. Muito obrigado pela visita. Beijos e volte sempre.

      Excluir