[RESENHA #634] POR QUE CRIANÇAS MATAM - GITTA SERENY

Sinopse: Em 1968, Mary Bell, de 11 anos, foi julgada e condenada pelo assassinato de dois garotinhos em Newcastle upon Tyne, Inglaterra. Antes mesmo de ir ao tribunal, Mary Bell foi apresentada como a encarnação do mal, a “semente ruim”. Mas a jornalista Gitta Sereny, que cobriu o julgamento sensacionalista, nunca aceitou essa explicação. Ao longo dos anos, Sereny se deu conta de que, se quisermos entender as pressões que levam crianças a cometer crimes hediondos, precisamos voltar nosso olhar para os adultos que elas se tornaram. 

Resenha: Em "Por que crianças matam" conhecemos a história de Mary Bell e tudo começa no ano de 1968, quando a garota tinha acabado de completar 11 anos de idade e atraiu os olhares de todos na cidade de Newcastle upon Tyne (mais conhecida como Newcastle) localizada no norte da Inglaterra ao assassinar dois garotinhos de três e quatro anos respectivamente. Esse crime ocorreu no período de nove semanas. Mary foi processada, julgada e condenada à prisão perpétua por esse tais crimes brutais.


Naquela época a jovem garota ficou conhecida como a "encarnação do mal" ou mesmo a "semente ruim". Mas o caso não passou despercebido pela mídia da época, pois a jornalista Gitta Sereny resolveu cobrir o julgado de Mary Bell, e tal julgamento foi completamente sensacionalista. Sereny nunca aceitou muito bem as explicações e possíveis motivações sobre o crime, diante disso ela resolveu buscar formas de entender o que leva seres humanos tão jovens, nesse caso específicos as crianças, cometer crimes hediondos, crimes violentos.

Mary Bell ficou 12 anos presa e apenas 27 anos após a sua condenação que ela decidiu falar com a mídia sobre os crimes cometidos no intervalo de nove semanas, mas principalmente sobre a sua terrível e angustiante infância. Contudo, após quase três décadas sem falar sobre o seu passado, Bell resolveu confidenciar tudo o que ocorreu em sua vida para a jornalista Gitta Sereny, jornalista essa que inconformada com o julgamento sensacionalista decidiu acompanhar a vida de Bell.


Opinião: Gitta Sereny produz um relato fascinante e bem esclarecedor sobre esse caso que abalou as estruturas de Newscastle no final da década de 60. Todavia, esse é um livro pesado ao demonstrar toda a sofrida e conturbada infância que Mary Bell enfrentou, passando pelos pais ausentes que não demonstravam e ensinava qualquer tipo de valor moral ou ética decente para a sua filha. Mary também não teve qualquer apoio psicológico ou mesmo da assistência social durante ou após o julgamento em que figurou como ré.

A bem da verdade é que em nenhum momento de sua vida ela recebeu qualquer tipo de apoio. Mas ainda assim, nada disso justifica os atos que cometeu, algo que ela mesmo não faz qualquer tipo de relação para atenuar a sua condição como vítima de seus pais e da sociedade. Através de todos os relatos e histórias podemos entender um pouco da Mary criança, quais eram seus pensamentos e principalmente o que ela entendia sobre o tema "morte" quando assassinou os dois garotos. 

Por Que as Crianças Matam é um livro forte, inquietante, triste e desolado, a autora nos leva a refletir e questionar o funcionamento da justiça, em especial sistema de justiça criminal da Inglaterra daquele tempo e como ele tratava as crianças consideradas criminosas ou que apresentavam algum tipo de desvio comportamental. Apesar de escrito na década de 90, Gitta Sereny apresenta um livro extremamente relevante, principalmente se levar em conta que a nossa sociedade continua tão ou mais violenta e desiludida que a sociedade de décadas atrás. Esse é um livro que nos leva a refletir sobre o ser humano, o meio em que vive, a educação que recebe e que todos nós temos nossos lados bons e ruins.


Sobre a Autora: Foi jornalista, biógrafa e historiadora. Investigou as origens e a natureza do mal em seus livros sobre criminosos de guerra nazistas (Into that Darkness: An Examination of Conscience; Albert Speer: His Battle with Truth) e sobre crianças assassinas (The Case of Mary Bell; Por que crianças matam). Durante a anexação da Áustria pela Alemanha, viveu na França e depois nos Estados Unidos. Após a Segunda Guerra Mundial, retornou para a Europa e trabalhou com crianças que haviam sobrevivido a campos de concentração ou sido levadas de seus pais.

Viveu a partir de 1958 com o marido, Don Honeyman, em Londres, onde se tornou jornalista freelancer. Em 2003, foi condecorada com uma ordem de cavalaria britânica por seus serviços ao jornalismo. Morreu em 2012, em Cambridge, aos 91 anos.

Ficha técnica:
Título: Por que crianças matam
Autora: Gitta Sereny
Tradução: Erick Ramalho
Editora: Vestígio

Páginas: 400
Ano: 2019
ISBN: 9788554126223
Onde Comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários