[RESENHA #636] PERELANDRA - C. S. LEWIS

Sinopse: A Trilogia Cósmica criada por Lewis é resultado de uma aposta entre ele e seu grande amigo J.R.R. Tolkien. Segundo relatos, os temas foram decididos no cara ou coroa; Lewis ficou com viagem no espaço, e Tolkien com viagem no tempo. Tolkien acabou não cumprindo a aposta, enquanto Lewis não parou em um só livro. A famosa amizade entre os dois foi eternizada pela criação do personagem principal, Elwin Ransom, professor e filólogo, assim como Tolkien. Nessas aventuras de Dr. Ransom pelo espaço encontramos criaturas mágicas, um mundo de encantos, batalhas épicas e revelações de verdades transcendentes. 

Resenha: Perelandra é o segundo volume da trilogia cósmica e tudo começa quando Lewis, amigo do filólogo Dr. Elwin Ranson é chamado urgentemente para ir até a casa deste. Durante o percurso até a casa do professor, Lewis começa a refletir e questionar sobre as reais intenções dessas criaturas invisíveis que realizaram uma aliança com o seu amigo professor. Ele fica refletindo se elas querem tirar algum proveito dele ou não e se as suas intenções são boas e verdadeiras.

Ao chegar na casa de seu amigo, Lewis acredita que chegou tarde demais, pois à encontra totalmente vazia, e realmente ele chegou tarde, pois há na casa um bilhete de Ransom informando que em breve estará de volta, tendo em vista que ele recebeu uma chamado urgente de uma força maior. Ao adentrar na casa, Lewis a encontra totalmente vazia e ao andar pela casa acaba tropeçando em alguma coisa no chão. O problema é que ele escuta uma voz chamando Ransom, mas ele não consegue ver nada. Na verdade essa voz vem de uma criatura invisível e sem matéria, esse ser é na verdade um eldil.

Ransom na verdade precisa viajar até o planeta Perelandra onde tem uma missão à cumprir e precisa de Lewis para ajudá-lo nessa viagem, pois a sua nave foi totalmente destruída e os eldil providenciaram uma nova para ele. O grande problema dessa nova nave é que Ransom não consegue dar a partida sozinho, ele não consegue decolar sem um auxílio externo, tendo em vista que a mesma tem o formato de um caixão e é necessário que alguém externamente lacre a mesma utilizando uma tampa. Ransom também quer que Lewis visite frequentemente o ponto de decolagem para ver se o regresso acontecer sem maiores dificuldades, para ver se Ransom volta são e salvo.


Ao chegar em Perelandra, Ransom vislumbra um planeta quase totalmente coberto por água doce e composto por diversas ilhas. Nesse planeta as ilhas são repleta de animais, há muitas árvores e vegetações diversas. Os peixes de Perelandra despertam a sua curiosidade, pois possuem rostos semelhantes aos rostos dos seres humanos, há também diversas criaturas, algumas que lembram dragões, mas que são do tamanho de cães. Com pouco tempo no planeta Ransom descobre uma mulher de pele. Ela fala sobre o seu amado e rapidamente Ransom percebe que esse é um novo planeta, e essa mulher é a primeira de sua espécie juntamente com seu marido. Agora o professor precisa proteger Perelandra e o sucesso da sua missão determinará o destino do planeta.

Opinião: Apesar de ser a sequência de "Além do Planeta Silencioso", Perelandra pode ser lido de forma independente, e isso é algo convidativo para aqueles que não querem no momento ler a trilogia em ordem. A narrativa adotada é em primeira pessoa e conhecemos a história por meio de Lewis (personagem), amigo de Ransom. Perelandra é um livro de ficção científica e o mais interessante é que o autor utiliza diversos elementos do cristianismo sem entrar de fato no campo da teologia. Por outro lado, um ponto que deixa a desejar reside justamente no campo da ficção científica, tendo em vista que Lewis (autor) não faz uso de explicações científicas sobre Perelandra.

Nesse segundo volume Lewis optou por dar foco ao embate entre a moral e ética, sobre as escolhas que são tomadas na jornada de Ransom, e nos deixa claro que o certo e errado é algo muito subjetivo, o que pode ser certo para um indivíduo, pode não ser o mais apropriado e correto na vida de outro em se tratando de escolhas e decisões. Além disso fica claro que o conceito de bem e mal é algo presente mundo afora, é algo que está presente em praticamente 100% das culturas aqui na Terra.

Um aspecto que não poderia deixar de citar e merece elogios é a ambientação criada por Lewis para o planeta Perelandra, é totalmente lúdico, encantador e bem diferente de diversas ambientações criadas por outros autores em se tratando de ficção científica. Há uma beleza e elegância no céu, oceanos e animais apresentados por Lewis. Em suma, Perelandra é um livro prazeroso, é uma leitura encantadora e reflexiva, e sim, eu recomendo para todos que gostam de um bom livro.

Sobre o Autor: Clive Staples Lewis nasceu na Irlanda, em 1898. Em 1954, tornou-se professor de Literatura Medieval e Renascentista em Cambridge. Foi ateu durante muitos anos e se converteu em 1929. Essa experiência o ajudou a entender não somente a indiferença como também a indisposição de aceitar a religião. Suas obras são conhecidas por milhões de pessoas no mundo inteiro. A abolição do homem, Cartas de um diabo a seu aprendiz, Cristianismo puro e simples e Os quatro amores são apenas alguns de seus bestsellers. Escreveu também livros de ficção científica, de crítica literária e para crianças. Entre estes estão As Crônicas de Nárnia, sucesso mundial absoluto. C. S. Lewis morreu em 1963, em sua casa em Oxford.

Ficha técnica:
Título: Perelandra (Trilogia Cósmica #2)
Autor: C. S. Lewis
Tradução: Carlos Caldas
Editora: Thomas Nelson Brasil
Páginas: 320
Ano: 2019
ISBN: 9788578609689
Onde Comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários