[RESENHA #667] NIGHTFLYERS - GEORGE R. R. MARTIN


Sinopse: Nas fronteiras do universo, uma expedição científica composta de nove acadêmicos dá início à missão de estudar os volcryn, uma misteriosa raça alienígena. Existem, no entanto, mistérios mais perigosos a bordo da própria nave. A Nightflyer, única embarcação que se dispôs à missão, é uma maravilha tecnológica: completamente automatizada e pilotada por uma única pessoa. O capitão Royd Eris, porém, não se mistura com a tripulação – conversando apenas através de comunicadores e se apresentando somente por holograma, ele mais parece um fantasma do que um líder. Quando Thale Lassamer, o telepata do grupo, começa a detectar uma presença desconhecida e ameaçadora por perto, a tripulação se agita e as desconfianças aumentam. E a garantia de Royd sobre a segurança de todos é posta à prova quando uma entidade malévola começa uma sangrenta onda de assassinatos. 

Resenha: Publicado originalmente em 1980 e vencedor do prêmio Locus Award, Nightflyers foi escrito pela aclamado autor George R. R. Martin. Estamos em um futuro distante não datado, aqui os seres humanos conquistaram o espaço e estão espalhados por diversos planetas. Nesse cenário futurístico acompanhamos a jornada do capitão Royd Eris e seus tripulantes na Nightlfyers, uma nave totalmente automatizada que é considerada por muitos uma maravilha tecnológica. 


A equipe a bordo da Nightflyers é formada pelo capitão Eris, a cientista Karoly d'Branin, um telepata poderoso chamado Thale Lasamer, os linguistas Dannel e Lindan, a psíco-analista Dra. Agatha Marij-Black, a especialista em computação Lommie Thorne, o exobiólogo Rojan Christopheris, além de Alys Northwind e a humana aperfeiçoada Melantha Jhirl. Esse é um grupo bastante distinto no que tange a personalidade e comportamento, mas que possuem um objetivo claro e nada fácil, eles querem encontrar e estudar uma antiga raça alienígena, os Volcryn.


"E agora estou velho e envelhecendo ainda mais, e os volcryn logo vão penetrar o Véu da Tentação, que pende como uma névoa escura entre as estrelas. E nós seguimos, seguimos. Pelos abismos escuros aonde ninguém vai, pelo vazio, pelo silêncio interminável, minha Nightflyers e eu os perseguimos." p. 8.

O grande problema dessa missão é que os Volcryn talvez não existam de fato e para piorar a situação existe uma lenda de que viajam continuamente pelo espaço, sem realizar paradas, além de não haver quaisquer registros de contatos dessa raça com os seres humanos. Enquanto a tripulação persegue o objetivo de encontrar os Volcryns, a convivência com Eris começa a se deteriorar, pois o capitão nunca aparece em carne e osso e suas aparições ocorrem apenas através de hologramas. Isso deixa todos incomodados, inquietos e começam a questionar se o capitão está colocando-os em risco.

Enquanto os tripulantes tentam obter respostas, bem como a presença física de Eris, Melantha Jhirl começa a nutrir sentimentos pelo capitão, mas ela também só tem contato com ele através do tal holograma. Ela ainda descobre que Eris fica observando todos os passos dos tripulantes praticamente o tempo todo, mesmo sabendo disso, ela o defende e deposita enorme confiança nele. Conforme a nave se aproxima de seu objetivo, uma força poderosa que estava oculta começa agir e deixa toda a nave em desarmonia colocando a vida de todos em risco.



Opinião: Nightflyers é um livro de rápida leitura, tem seus altos e baixos, mas ainda assim conseguiu prender a minha atenção. Como pontos negativos, eu achei que a história em determinados momentos fica monótona, meio "paradona" e também porque falta profundidade aos personagens, acredito que tenha faltado um maior desenvolvimento de alguns deles. Contudo, quero destacar a personagem Melantha Jhirl, uma mulher de comportamento forte, pois sabe da sua  beleza, capacidade e poderes e, sendo um ser humano aprimorado, conta com força, visão, velocidade e inteligência acima da média, mas em certos momentos passa a impressão de ser arrogante.


Um aspecto super interessante no livro é a descrição comportamental dos tripulantes, pois não há qualquer tabu no aspecto sexual entre eles, falando de forma clara, ninguém é de ninguém. Outro ponto positivo é a violência, digo positivo pelo fato do autor não poupar nas descrições e detalhes, é tudo muito brutal e visceral. Essa sede de violência e sangue do George Martin como vocês podem reparar é algo bem anterior aos livros das Crônicas de Gelo e Fogo.

Eu também achei bem legal e me despertou interesse a forma como George criou a mitologia e explicações sobre os Volcryn, existe uma certa história sobre essa raça alienígena que o grupo pretende encontrar e contatar. Eu só achei um pouco estranho a ideia de usar telepatia como forma de estabelecer algum tipo de contato ou comunicação entre eles.

Em suma, Nightflyers é uma mistura bem-sucedida de elementos de ficção científica, suspense e terror. Aliás, esse é o grande ponto positivo do livro, o clima de mistério e suspense no ar, pois eu particularmente fiquei compenetrado na história e queria saber o que realmente estava acontecendo. Guardando as devidas proporções e comparações, Nightflyers lembra um grande clássico da ficção científica, Alien. Recomendo essa leitura para todos que curtem ficção científica, um livro com suspense, mistério e brutalidade.




A Suma está de parabéns pelo projeto gráfico apresentado, pois essa edição ficou espetacular. Nightflyers vem em capa dura e conta com diversos detalhes. As folhas são amareladas e são de excelente gramatura, outro aspecto positivo é a revisão que ficou muito boa por sinal. Por fim, quero destacar as maravilhosas ilustrações do miolo realizadas por David Palumbo, elas enriqueceram ainda mais a edição.



Sobre o autor: George R. R. Martin nasceu em Bayonne, Nova Jérsei, filho de um estivador, cuja família de classa operária vivia perto das docas de Bayonne. Quando jovem, ele se tornou um leitor ávido de quadrinhos de superheróis. A edição de novembro de 1968 do Quarteto Fantástico possui uma nota ao editor que Martin escreveu quando ainda estava na escola. Ele credita a atenção que ele recebeu com a carta, junto com seu interesse em quadrinhos, como sua inspiração para se tornar escritor. Em 1970, Martin recebeu sue Bacharelado em jornalismo na Universidade Northwestern, Illinois, se formando com muitos elogios. Ele depois completou um Mestrado em jornalismo, também em Northwestern, em 1971.


Martin começou a escrever contos de ficção científica no começo da década de 1970, apesar de o início de sua carreira não ter sido fácil (uma de suas histórias foi rejeitada por diferentes revistas 42 vezes), ele nunca se desencorajou; anos depois ele venceria seu primeiro Hugo Award e Nebula Award por um de seus contos.

Ficha técnica:
Título: Nightflyers
Autor: George R. R. Martin
Tradução: Alexandre Martins
Editora: Suma
Páginas: 144
Ano: 2019
ISBN: 9788556510815
Onde Comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários