[RESENHA #696] A FILHA DO REI DO PÂNTANO - KAREN DIONNE


Resenha: Helena aos 21 anos de idade conheceu Stephen Pelletier, o grande amor da sua vida e foi com ele que se casou algum tempo depois, surgindo dessa união duas lindas meninas, Iris e Marigold. Mas Helena esconde um grande segredo do seu marido, ela é fruto de um sequestro e filha de um criminoso. A sua mãe foi raptada por Jacob aos 16 anos de idade, e desse sequestro nasceu Helena.

"Se eu dissesse o nome da minha mãe, você o reconheceria de imediato. Minha mãe foi famosa, embora nunca quisesse ter sido. Não era o tipo de fama que alguém desejaria ter. Jaycee Dugard, Amand Berry, Elizabeth Smart - esse tipo de coisa, ainda que minha mãe não fosse nenhuma delas." p. 10.

Mãe e filha ficaram nas mãos desse sequestrador por mais de 12 anos, período que viveram em uma cabana cercada de pântanos em algum lugar no estado do Michigan. O mundo de Helena era perfeito, pois amava a floresta e adorava caçar com seu pai, Jacob Holbrook. Mas ela era uma garota inocente e não se socializava com outras pessoas e na sua ingenuidade, Helena não sabia do crime cometido por seu pai e por tudo que sua mãe passou.

"A faca que meu pai me deu em meu aniversário de cinco anos é uma Natchez Bowie de aço que custa perto de setecentos dólares. É a faca de combate perfeita, impecavelmente equilibrada e com o desenho preciso para força, alcance e alavancagem, e uma lâmina afiada que corta como um sabre e perfura com um punhal." p. 82.



Tudo muda na vida de Helana quando ela e sua mãe passam a viver na casa de seus avó maternos, pois a jovem apresenta problemas para se socializar e isso é resultado de ter vivido por anos e anos sem contato com qualquer outro ser humano além dos próprios pais. Nesse recomeço de vida, a jovem muda o sobrenome e não quer ser reconhecida como a filha do Rei do Pântano e ela consegue recomeçar a sua vida aos poucos.

Após alguns anos na vida nova, Helena leva uma vida normal cuidando da sua família e produzindo geleias artesanais, mas o passado difícil e doloroso constantemente volta para atormentá-la, pois mesmo mudando o sobrenome e escondendo tudo do seu marido, Helena sabe que o seu pai em algum momento vai vir atrás dela e esse momento chega quando ele consegue fugir da prisão. Agora ela precisa antecipar os passos do seu pai e precisa jogar um jogo que eles brincavam na sua infância, o jogo da caça e caçador, só que agora ela é a caçadora.



Opinião: A narrativa em "A Filha do Rei do Pântano" é realizada pela perspectiva de Helena e alterna entre presente e passado, ou seja, a autora faz uso de flashbacks e isso facilita a compreensão de toda história, mas principalmente dos personagens. É interessante acompanhar e conhecer o passado sombrio de Helena, o quanto o pai dela influência e prejudicou a sua formação e vida, mas também ver a dificuldade de Helena em odiar uma pessoa que tanto ama.

Karen Dionne está de parabéns na construção dos personagens, eles são complexos e não carecem de profundidade. O destaque fica é claro em Helena, ela é uma mulher forte e apesar de todas as dificuldades que surgiram em sua vida, levando em consideração o ambiente complicado e hostil em que cresceu, demonstra ser uma pessoa justa e corajosa, demonstrando ter a capacidade de discernir entre o certo e errado, mas sobretudo de realizar as próprias escolhas.

Outro aspecto interessante para acompanhar na história é a relação entre pai e filha, é algo complexo e repleto de nuances. Ainda que a relação entre eles foi por vezes abusiva e dominadora, ele era o seu educador, seu exemplo e espelho a seguir. O problema é que em sua juventude, Helena demonstrava admiração por seu pai, em contrapartida, faltava empatia e compreensão por toda situação que sua mãe enfrentava e isso gera um certo incômodo.

A Filha do Rei do Pântano é um bom livro e foi uma grata surpresa, pois eu realmente não esperava receber esse livro do Grupo Editorial Record e pouco sabia sobre o livro e a autora. A autora vai além de falar apenas sobre sequestro e a vida em cativeiro, demonstrando e abordando questões psicológicas, marcas que um crime e relações podem deixar e também a reinserção na vida em sociedade. Essa foi uma leitura que me agradou e fluiu bem, recomendo esse thriller para todos que gostam do gênero e querem uma leitura rápida.


Sobre a Autora: Karen Dionne é cofundadora da Backspace, comunidade online de escritores, além de organizar diversos retiros literários nos Estados Unidos e integrar a International Thriller Writers, da qual já foi uma das diretoras. Mora nos subúrbios a nordeste de Detroit, no Michigan, com seu marido. A filha do Rei do Pântano é seu quarto livro publicado.

Ficha técnica:
Título: A Filha do Rei do Pântano
Tradução: Cecília Camargo Bartalotti
Editora: Verus
Páginas: 266
Ano: 2019
ISBN: 9788576867791

Onde Comprar: Amazon

Postar um comentário

8 Comentários

  1. Que história! Ainda não conhecia o trabalho desta autora, mas fiquei curiosa por esta leitura! A sua resenha me fez imaginar como seria essa relação entre eles. E o que será que passa na mente de uma filha que tem que fugir do próprio pai!?

    Um enredo e tanto hein!
    anotado aqui!

    Até breve!

    ResponderExcluir
  2. A Karen Dionne está de parabéns , ainda não conhecia a escrita dela , gostos de história assim aonde não a necessidade de se aprofundar muito em todos os personagens , o foco ficou para Helena. Já quero fazer essa leitura.

    ResponderExcluir
  3. oi!
    A historia é bem interessante e cheia de nuances,os personagens são ricos e complexos.. Gostei muito da forma que a Cecília escreve.

    ResponderExcluir
  4. Tu escreveu Helana em um dos parágrafos, me senti chique hahahahahaha, depois tu arruma more!
    Achei a história bem curiosa, Helena é uma personagem bem fortes e com boas características. Outro ponto positivo que AMO em livros é a história se passar em dois tempos, sempre gostei da perspectiva de passado e presente. Não conhecia autora, achei o livro criativo.

    ResponderExcluir
  5. Olá,

    Eu adoro o gênero, então é claro que logo de cara a obra chamou bastante a minha atenção. O fato de abordar o passado e o presente deve tornar a história ainda melhor, já que vamos vivenciar um pouco do cativeiro. Saber que os personagens são complexos e que traz essa questão psicológica me anima ainda mais. Adorei conhecer sua opinião!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Já ouvi falar muito sobre o trabalho da autora, porém nunca li nada dela. Agora com esse livro e sua resenha fiquei bastante curioso, vou procurar ler com certeza.

    ResponderExcluir
  7. Fascinante! Personagens bem explorados e história super interessante. Adorei!

    Beijos,
    Isa Gomes

    ResponderExcluir
  8. Olá! Eu já tinha visto a capa desse livro nas redes sociais da editora, mas ainda não tinha lido nem a sinopse. Eu já to chocada só com ela rs. Lendo sua resenha e entendendo um pouco da trama, já fiquei querendo demais, porque começaram a surgir perguntas e preciso de respostas. Eu gosto mt da alternância entre passado e presente e to com o coração apertado com a história de mãe e filha. Ou seja, só preciso desse livro. Parabéns pela resenha. Beijos
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir