[RESENHA #720] O CORVO - IVO BARROSO


Sinopse: Escrito em 1845, O Corvo, de Edgar Allan Poe, transformou-se rapidamente, depois de sua descoberta por Baudelaire, em um dos poemas mais famosos da literatura universal. Neste livro organizado por Ivo Barroso, reúnem-se, além das clássicas traduções francesas de Baudelaire e Mallarmé, todas as mais importantes traduções em língua portuguesa cobrindo um período de quase um século, com infinitas diferenças e similitudes, duas divertidas paródias e as versões em cordel. Esta publicação apresenta também uma sucinta biografia de Poe, a fim de que os leitores possam conhecer certos aspectos relevantes de sua vida e avaliar o estado de espírito em que o poema foi gerado. 

Resenha: O Corvo foi publicado originalmente em 1845, na revista American Review e desde então passou por diversas traduções, estudos e publicações. Aqui acompanhamos a história de um jovem, em uma noite fria e tempestuosa de dezembro, que precisa enfrentar a solidão motivada pela perda da mulher amada, Leonora. Contudo, nessa mesma noite, o protagonista começa a ouvir batidas na janela de sua casa. O que o deixa com medo e totalmente apavorado com o barulho medonho e busca explicações sobre o que está acontecendo.


"Em certo dia, à hora, à hora
Da meia-noite que apavora,
Eu, caindo de sono e exausto de fadiga,
Ao pé de muita lauda antiga,
De uma velha doutrina, agora morta,
Ia pensando, quando ouvi à porta
Do meu quarto um soar devagarinho,
E disse estas palavras tais:
"É alguém que me bate à porta de mansinho;
Há de ser isso e nada mais".

Sozinho, o narrador vai em frente para solucionar esse mistério e descobre que na realidade um corvo preto é o causador desse barulho, só que o corvo acaba entrando em seu quarto e pousa em uma estátua de Atena (deusa da sabedoria na Mitologia Grega). Essa é uma visão um tanto quanto curiosa e cômica para o narrador e o seu medo acaba por esvair. Contudo, ele tenta iniciar um contato com o corvo e pergunta ao pássaro qual o seu nome, e para a sua grande surpresa ele responde: Nunca mais.


Tomado pela incredulidade, ele passa a dialogar com esse pássaro misterioso que por sinal sempre responde apenas com a palavra "Nunca mais". É à partir desse momento que o desespero da perda retorna ao narrador, mas ao mesmo tempo ele quer saber ainda mais sobre os aspectos da vida e principalmente sobre a perda de sua amada.

Opinião: O Corvo é uma história melancólica, o ponto principal abordado pelo autor é a melancolia originada pela perda da pessoa amada, pois o protagonista perde Lenora, uma mulher que ele tanto ama. A atmosfera apresentada por Poe é ao mesmo tempo bela e triste. Quanto ao corvo, essa é uma criatura que representa a morte, o desespero, o sofrimento e a dor, sentimentos e condições essas vividas pelo narrador que está sofrendo de forma constante. Diante de toda a situação apresentada por Poe, podemos entender que o "Nunca mais" é uma frase que representa um ciclo eterno de sofrimento, mas um sofrimento que vai crescendo e transbordando com o decorrer da leitura.


Apesar de conhecer o conto "O Corvo" eu ainda fico fascinado por essa história que vence o tempo e conquista mais e mais leitores. Se você gosta de literatura clássica, de uma história rápida e envolvente, e principalmente de algo um pouco assustador, "O Corvo" é a dica que deixo para você. Certamente você não vai ficar decepcionado com essa leitura.

A edição da SESI-SP é muito boa, pois conta com diversas traduções do conto, passando por Charles Baudelaire, Machado de Assis, Fernando Pessoa, Milton Amado, Jorge Wanderley e outros. Essa edição conta também com algumas paródias, ou seja, são releituras cômicas que são bem próximas da obra original elaborada por Poe, mas há também duas versões em cordel. Em suma, essa é uma edição com inúmeras possibilidades de leitura daquele que está entre os contos mais famosos de Edgar Allan Poe. Essa edição foi organizada por Ivo Barroso e possui a versão original escrita por Edgar Allan Poe. Super recomendo!



Sobre o autor: Escritor bem-sucedido, Poe casou-se com Virginia Clemm. Entretanto, ao fim de dois anos, White cortou relações com o escritor, que já desenvolvera a doença do alcoolismo. Poe passou a produzir como "free-lancer", em grande quantidade, mas sem ganhar o suficiente para manter uma vida digna e saudável, o que o levou a afundar-se ainda mais na bebida.

A morte de sua mulher agravou o problema. O escritor passou a suicidar-se aos poucos, bebendo cada vez mais e já sofrendo os primeiros ataques de delirium tremens. Numa viagem a Nova York, para tratar de negócios, parou em Baltimore e hospedou-se numa taberna onde se distraiu durante horas bebendo com amigos. Era a noite de 6 de outubro de 1849. O escritor morreu na madrugada do dia 7, aos 40 anos.

Ficha técnica:
Título: O corvo e suas traduções
Autor: Edgar Allan Poe

Tradutor: Vários
Compilador: Ivo Barroso
Editora: SESI-SP
Páginas: 200
Ano: 2019
ISBN: 9788550405698
Onde Comprar: Amazon


Postar um comentário

8 Comentários

  1. Poe é um autor que eu gosto muito, ele sempre me toca com suas histórias, mesmo as mais "assustadoras".
    Essa história eu li tem um tempinho e sempre achei ela bem triste também.
    Adorei seu post!

    ResponderExcluir
  2. Nunca li nada do autor, estou com uma reunião de contos deles aqui mais ainda não me sinto pronta para eles, enfim adorei suas considerações a respeito da obra considerada por muitos, fiquei bem curiosa para ler também!

    ResponderExcluir
  3. Oi, eu já li "O corvo" e amei saber um pouquinho sobre essa edição da Sesi.

    ResponderExcluir
  4. Que edição interessante! Lembro de que na primeira vez que li O Corvo não ter entendido nem 20% do poema, mas mais recentemente, no ano passado eu acho, eu o reli e consegui absorver ao menos 80% do poema, o que já me deixou bastante feliz e o que me fez também colocá-lo entre os meus poemas preferidos do Poe. Essa edição é ótima para encontrarmos a tradução que mais se identifica conosco.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu tive pouco contato com a escrita do autor, porque não sou muito fã de terror. Lembro que fiquei bastante impressionada com alguns contos dele que li. Esse eu nunca li, mas já ouvi falar super bem. Não é o meu estilo de leitura, mas a edição parece estar incrível e acredito que, para quem curte o gênero, deve ser uma ótima leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Que edição maravilhosa! em 2019 eu tive a oportunidade de ler pela primeira esse poema do Poe e gostei muito, na edição que eu tenho são duas traduções do poema (uma de Ferreira Goulart e a outra de Fernando Pessoa) e alguns textos de professores

    ResponderExcluir
  7. Oiii tudo bem ??
    Ainda não tive a oportunidade de ler nada do autor e tenho uma curiosidade grande com ele espero esse ano pega pra ler pois parece ser uma leitura que eu vou gostar e essa edição e bonita .

    Bjss

    ResponderExcluir
  8. tai uma obra que já li o conto mas nunca li o oroginal, já li ate a versão traduzida por clarice, adoro as obras de poe <3

    ResponderExcluir