[ENTREVISTA #11] JOSÉ DUARTE, DIRETOR DE ARTE DA EDITORA MARTIN CLARET


Na coluna de entrevistas conseguimos trazer um convidado especial, o amigo José Duarte. Para quem não sabe, o "Zé" é diretor de arte de uma das maiores editoras do país, a Martin Claret. Ele vai nos contar um pouco da sua vida profissional, mas principalmente como é o processo criação e elaboração de um livro.

1) José Duarte, durante a sua infância ou juventude você tinha o hábito de ler? Se sim, você lembra qual livro ou quadrinho te marcou?

R: Eu lia alguma coisa, porque minha mãe sempre estava lendo e eu ganhava alguns livros de presente de tios e professores. Vários livros me marcaram. Antes de ir para a escola eu ganhei um livro chamado "A história de um Quebra Nozes", deveria ser do E.T A. Hofmann, capa dura, com muitas ilustrações. Infelizmente não tenho mais. Depois caíram nas minhas mãos livros da Maria José Dupré: "A ilha perdida", "O cachorrinho Samba na Bahia", O cachorrinho Samba na Floresta", "A mina de ouro", entre outros. Algum desses minha mãe lia para nós. Na escola eu li o "Éramos seis", da mesma autora. Depois os livros do Monteiro Lobato, que eu me apaixonei: "Memórias de Emília", "Histórias de Tia Anastácia", "Reinações de Narizinho", etc. Quando estava no primário li "Cazuza" de Viriato Correa. Adorei esse livro, porque cada capítulo tinha histórias diferentes. Eu devo ter lido esse livro umas 4 ou 5 vezes ou mais. Depois li livros de Machado de Assis, José de Alencar na época do ginásio e colegial. A gente tinha matéria de literatura brasileira. Na matéria literatura inglesa, eu li "David Copperfield", de Charles Dickens. Enfim esses foram meus primeiros contatos com o mundo dos livros.

2) Eu gostaria de saber quando surgiu a oportunidade de trabalhar em uma editora como designer gráfico e se você já pensava em trabalhar com literatura?

R: Eu gostava muito de artes visuais já na época que eu fazia Faculdade de Arquitetura. A oportunidade apareceu bem por acaso, pois eu conheci um diretor de arte de uma editora através de amigos quando tinha uns 24 anos. E achei bem legal o trabalho que ele fazia, principalmente as capas. Depois de um tempo eu trabalhei como assistente dele por alguns anos e mais trade fui trabalhar com ele na editora que trabalho até hoje. O nome dele é José Carlos Bruno, aprendi muito com ele.

3) Você poderia nos explicar os passos iniciais do processo criativo de um livro?

R: Eu penso que é um processo de criação coletivo. A primeira coisa é você ter um briefing sobre a história do livro e depois qual a proposta que se quer dar à esse livro, isso irá indicar o caminho de criação de capa e projeto gráfico de miolo do livro. O departamento editorial e arte andam juntos nesse processo.

4) Qual é a parte do processo criativo que você mais gosta?

R: Criação de capa primeiramente e depois o projeto gráfico de miolo. Os dois têm que conversar entre si. 

5) Qual dos projetos gráficos que você mais gostou em 2019?

R: Os livros das irmãs Brontë, edição nova em capa dura; "Anne de Green Gables", L. M. Montgomery; "Contos essenciais", Machado de Assis; "Bhagavad Gida", Krishna; Anna Karênina, Leon Tolstói; "Das estrelas ao oceano", contos de ficção científica de diversos autores e "O horror bate à sua porta", contos de horror de diversos autores.

6)  O que te deixa mais fascinado e triste na sua profissão?

R: A oportunidade de estar exercitando a criatividade o tempo todo. É um desafio fazer um edição melhor do que você já fez anteriormente. Não digo triste, mas desapontado com algumas críticas sem fundamentos de pessoas que não têm ideia do trabalho que se tem até o livro estar impresso numa prateleira de uma livraria.

7) É possível explicar quais são as demandas do leitor hoje em dia em se tratando da estética de um livro e quanto isso mudou nas últimas duas décadas?

R: A estética do livro mudou muito no Brasil, lá fora isso já acontecia há muitos anos atrás. Aqui o livro de luxo, digo com capa dura, formato maior, com tratamentos especiais na capa etc eram livros caros e para poucos. Com a modernização dos maquinários da gráficas isso barateou o processo de impressão, além de ter surgido novas opções de efeitos de impressão para as capas. Hoje temos o livro "objeto de consumo" e o brasileiro prefere pagar um pouco mais para ter um obra bonita na sua casa.

8) Qual recado que você pode dar para aqueles que querem trabalhar em uma editora como designer gráfico?

R: Bom, pesquisar muito! Estudar, claro. Ter um certo senso de estética, combinação de cores, harmonia, etc. Tive um professor na faculdade que dizia para a gente ir o máximo que pudéssemos em exposições de arte, galerias, livrarias, etc Hoje temos tudo isso na internet, então é só uma questão de pesquisar e filtrar o que você está vendo. Quando fiz um curso sobre capas com a Moema Cavalcanti, uma designer de capas, ganhadora de vários prêmios Jabuti, sugeria que prestássemos atenção nas aberturas dos filmes, na disposição das letras, fontes, cores, etc isso dá muita inspiração para capas de livro, é um exemplo.

Postar um comentário

11 Comentários

  1. Parabéns pela entrevista,não conhecia o José mais gostei bastante de conhecer sobre sua profissão.

    ResponderExcluir
  2. Foi um grande prazer conhecer mais do diretor José Duarte, esse grande profissional, gostei muito de saber mais desse processo de criação de um livro, é uma profissão fantástica, parabéns pela entrevista abraços. ..

    ResponderExcluir
  3. Muito bom saber mais sobre o diretor José Duarte. O trabalho com artes visuais é muito bacana! O processo de criação de um livro exige muito talento e criatividade.

    ResponderExcluir
  4. Bela entrevista, adorei as perguntas. Não conhecia José Duarte, mas gostei demais de todas as respostas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns amigo pela entrevista, gostei muito de poder conhecer um pouco do Jose Duarte, gostei de mais, mesmo das respostas dele, sou apaixonada por está profissão, fico encantada é linda de mais, beijinhosssssssss

    ResponderExcluir
  6. As vezes não damos atenção ao trabalho que está por trás de cada livro que compramos, foi bom saber mais de como se dá a criação de um livro!

    ResponderExcluir
  7. Primeiramente devo lhe dizer que a entrevista foi muito interessante e fiquei feliz em conhecer mais um pouco sobre o senhor José. O que mais me identifiquei foi quando ele rederiu a profissao de design gráfico .Lembrei de quando atuei na área em uma época que buscava uma profissão.

    ResponderExcluir
  8. Adorei a entrevista, não conhecia o Jose Duarte, mas adoro um bom livro e acho q todo escritor tem uma sensibilidade na escrita e na alma tb... bjs e sucesso!

    ResponderExcluir
  9. oi!
    Que legal :D parabéns pela entrevista ficou otima, é sempre bom conhecer o trabalho de pessoas como o José Duarte

    ResponderExcluir
  10. José Duarte é uma pessoa incrível, obrigada pela oportunidade de através da sua entrevista conhecer um pouco mais do seu trabalho.

    ResponderExcluir
  11. Adorei a entrevista e saber mais da produção que envolve cada livro.

    ResponderExcluir