[RESENHA #738] MAIS FORTE QUE O MAR - KASSANDRA MONTAG


Sinopse: Um mundo profundamente transformado. A humanidade à beira da extinção. As águas já engoliram as grandes cidades costeiras e chegaram ao coração dos continentes. Nada resta a não ser colônias nos arquipélagos formados pelo topo das montanhas. É em uma dessas ilhas remotas que Myra e sua filha de 7 anos, Pearl, ouvem falar que Row, filha mais velha de Myra, pode estar viva em um acampamento próximo ao Círculo Ártico. Por sete anos, a mãe carregou o luto de ter perdido Row, que foi sequestrada pelo pai assim que o oceano começou a tomar as terras do Nebraska. Deixando de lado qualquer precaução, as duas dão início a uma arriscada viagem para explorar o perigoso mar do Norte, com a esperança de encontrar Row ainda viva. Nessa jornada, mãe e filha embarcam em um navio cuja tripulação deseja construir um refúgio seguro naquele abominável mundo novo. Mas os segredos, a ganância e a traição de amigos e inimigos ameaçam esse sonho, e, após inúmeros episódios sangrentos, Myra não pode mais ignorar a pergunta que ecoa em sua mente desde o princípio da jornada: vale a pena colocar em risco a vida de Pearl e de seus aliados para salvar Row? Uma leitura angustiante, repleta de esperanças frágeis e desejos perdidos, Mais forte que o mar retrata a odisseia impactante e, por vezes, medonha sobre como será o futuro e o que estamos dispostos a fazer por aqueles que amamos. Uma saga redentora e, ao mesmo tempo, surpreendente. 

Resenha: Mais forte que o mar é o livro de estréia da autora Kassandra Montag na HarperCollins e aqui acompanhamos a jornada de Myra, uma mãe de duas crianças que precisa lidar com as mudanças em um novo mundo, pois o apocalipse está chegando por meio das águas, os níveis das águas nos oceanos continua subindo, muitas regiões litorâneas foram invadidas, grandes cidades foram engolidas pela força do mar que ficaram submersas, a extinção da humanidade não está longe.

Myra sabia das mudanças climáticas e principalmente nos mares, mas ela tentava levar uma vida normal diante dessas mudanças inevitáveis que estavam afetando profundamente a humanidade. Myra era como qualquer outro ser humano: namorava, estudava e cuidava de sua casa, ela tinha a sua rotina e obrigações cotidianas até que o fatídico dia chegou. Em certo momento as águas avançaram para as regiões centrais do país, levando tudo que estivesse em seu caminho e para a infelicidade de Myra, a sua mãe estava no caminho das águas. A dor da perda foi grande, mas ela precisava continuar a vida ao lado do namorado Jacob, da sua filha mais nova Pearl e do avô.

Com as profundas mudanças ocasionadas pelas águas, colônias surgem nos arquipélagos/ilhas  que são formadas no topo das montanhas, essas regiões não foram afetadas pelas águas e é justamente em uma delas que Myra fica sabendo que a sua filha mais velha Row pode estar viva, pois há sete anos que ela está desaparecida após ser levada pelo pai e agora ela pode estar viva em um acampamento próximo ao círculo ártico.

Durante sete anos, Myra carregou a culpa e entrou em luto por ter perdido Row, ela foi sequestrada, levada pelo pai quando as águas começaram a invadir o estado de Nebraska e desde então ela não tinha qualquer notícia do paradeiro da sua filha. Entretanto, diante dessa novidade, Myra toma uma decisão e resolve ao lado da pequena Pearl embarcar em uma jornada perigosa pelo mar do Norte, carregando no seu peito a esperança de reencontrar a filha que há muito não vê e tanto ama. Nessa jornada Myra vai enfrentar grandes perigos e dificuldades, mas ela não está sozinha e vai contar com a ajuda de valiosos aliados.



Opinião: Mais forte que o mar é uma história triste e comovente, fala sobre o amor de mãe, sobre a perda e como esse amor pode quebrar barreiras e dificuldades durante uma jornada que leva Myra até os confins da terra em busca da filha que ela não vê há muitos anos. É interessante essa jornada, pois o planeta terra mudou totalmente após sofrer mudanças profundas por um apocalipse comandado pelos mares, é algo de proporções bíblicas com cenários extremos e perigosos.

Durante a jornada de Myra a autora se aprofunda no tema maternidade/paternidade, pois fica claro que ser mãe ou pai é algo indescritível, é uma alegria imensa, ao mesmo tempo pode representar um fardo imenso, existe um alto grau de responsabilidade no fato de ter que cuidar de seus filhos e é nesse cenário apocalíptico que todo o tipo de responsabilidade aumenta diante das incertezas e perigos desse mundo em constante transformação.



Como praticamente todo livro apocalíptico ou pós-apocalíptico esse é mais um mundo duro e cruel, há violência, muitas pessoas se comportam como querem, usam da força bruta para conseguirem o que desejam ou mesmo da forma que puderem. Mas muito desses comportamentos acontecem por causa do desespero e o desespero é algo transformador, ele muda completamente o ser humano, qualquer ética e moral é colocada de lado em situações de sobrevivência.

Por outro lado, mesmo com toda a mudança global, nós sabemos que há esperança, muitos seres humanos esperam por dias melhores mesmo sabendo que jamais será como antes. Muitas pessoas confiam umas nas outras, depositam sua fé e esperança naquele que está ao seu lado para construir um mundo melhor. Em suma, Mais forte que o mar é um bom suspense de ficção científica e recomendo principalmente para quem gosta de ficção científica apocalíptica e pós-apocalíptica, subgênero da ficção científica pouco explorado em nossa terra.



Sobre a autora: Kassandra Montag cresceu no interior do Nebraska e mora em Omaha com o marido e os dois filhos. Ela tem mestrado em literatura inglesa, e seus poemas e contos lhe renderam diversos prêmios, além de terem sido publicados em jornais e antologias.

Ficha técnica:
Título: Mais forte que o mar
Autora: Kassandra Montag
Tradução: Regiane Winarski
Editora: HarperCollins Brasil
Páginas: 384
Ano: 2019
ISBN: 9788595085428
Onde comprar: Amazon

Postar um comentário

4 Comentários

  1. Oi Yvens, tudo ótimo?

    Cara, que excelente tema para o enredo, hein? Sou um pouco cético com essas noções apocalípticas mas o tema é sem dúvida excelente para a ficção.

    Sua descrição lembra um pouco o Bird Box, que também retrata uma luta para fugir de ambiente meio apocalíptico, mas o elemento de ficar entre preservar uma filha e salvar outra é de fato muito bom. Fiquei curioso.

    Obrigado por compartilhar e um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Caramba, que livro forte. Eu ainda não tinha visto nada sobre ele, e para ser sincera, nem sobre a autora, mas encontro-me completamente apaixonada. A história realmente parece bem profunda e tocante.. fiquei super interessada em ver o final dela.

    ResponderExcluir
  3. Já gostei do título, parece um livro bem interessante. Adorei sua resenha e fiquei com mais vontade de ler. Gosto muito desse estilo de leitura.

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?

    Eu não conhecia esse livro mas depois dessa resenha fiquei muuuito curiosa para ler. Ao longo de seu texto, também me lembrei muito de Bird Box. Eu não leio muito livros nesse gênero, mas não por não gostar, e sim por não ter tempo de ler tudo o que eu quero rs mas esse livro vai pra listinha mesmo assim rs.
    Ótima resenha.
    Beijos

    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir