[RESENHA #748] A SABEDORIA DOS MORTOS - OS ARQUIVOS PERDIDOS DE SHERLOCK HOLMES - VOL. 01 - RODOLFO MARTÍNEZ


Sinopse: O maior detetive do mundo e seu narrador mais dedicado. Um manuscrito amaldiçoado composto por um árabe louco. Uma sociedade secreta que reúne eminentes figuras da sociedade inglesa. Uma mensagem cifrada encontrada em um cemitério indígena. Um príncipe que abdicou de seu reino, deixando os círculos místicos europeus em estado de alerta. Todos esses elementos compõem o primeiro volume de Os Arquivos Perdidos de Sherlock Holmes, criado por Rodolfo Martínez, um dos mais importantes nomes da fantasia europeia. Em uma trama de suspense investigativo e aventura sobrenatural, o autor espanhol aproxima a criação máxima de Arthur Conan Doyle do mundo horripilante de H. P. Lovecraft, envolvendo a Ordem da Aurora Dourada, Aleister Crowley e um enigmático monarca, que levarão assombro e misticismo ao universo racional e lógico de Sherlock Holmes e John Watson.

Resenha: Sherlock esta vivo. Quando todos pensavam que ele tivesse morrido nas cataratas de Reichenbach, na Suíça, ele simplesmente retorna dos mortos para a surpresa de todos. Apenas seu irmão sabia que Sherlock não tinha morrido e foi com a ajuda dele que Holmes pôde viajar o mundo na anonimidade e, como sempre, obter mais conhecimentos.


Watson, ficou perplexo quando soube que seu brilhante amigo estava vivo e em boa saúde, ficou ao mesmo tempo muito feliz e muito contrariado por Holmes não ter confiado nele, avisando-o que estava vivo. Aliás, Sherlock não havia mudado em absolutamente nada, e isso era o que mais agradava Watson.

Mas em uma manhã depois de ter retornado dos mortos, Holmes se deparou com uma notícia intrigante no jornal que alertava aos interessados sobre uma conferência sobre os costumes tribais dos bosquímanos africanos. Mas o que mais intrigava Sherlock era quem iria palestrar sobre o assunto, em voga diga-se de passagem, um tal de Sigurd Sigerson.

Watson não fazia ideia de quem seria esse tal de Sigerson e não entendeu como essa pessoa poderia intrigar tanto seu caro amigo Holmes. Mas a resposta estava ali bem na frente de Watson, pois Sigurd Sigerson não existia. Enquanto Sherlock viajava o mundo, inclusive passando pela tribo africana dos bosquímanos, o fazia sob um disfarce criado por ele, o mesmo Sigurd Sigerson.


Agora, Sherlock teria que descobrir o porquê de alguém se passar por uma pessoa que nunca existiu e ainda mais discursando sobre aventuras como se fosse dela mesma, mas isso só poderia se desenrolar se ele fosse na tal da conferência.

Sherlock e Watson acabam encontrando diversas pessoas importantes na conferência do falso Sigerson, inclusive o agente literário de Watson, Arthur Conan Doyle, que por coincidência, conhecia pessoas ligadas ao tal Sigerson. Para Sherlock as coisas ficaram claras após a apresentação, Sigurd era um ator e tinha apenas ensaiado para entreter toda sua platéia de uma forma condizente com o seu papel, mas Holmes poderia facilmente desmarcará-lo, mas preferiu ter um encontro com ele no dia seguinte. 

Com a ajuda de Doyle, Holmes e Watson iriam encontrar o conferencista, mas algo inesperado acontece, Sigerson parece ter sido raptado ou até mesmo assassinado, o que intriga e muito Holmes, pois justamente quando estava para ser desmascarado, Sigurg desaparece. Mas esse era apenas o começo de um mistério muito mais profundo e além do conhecimento humano, cheio de reviravoltas, sobrenatural, intrigas e mortes.

"Sonhei que era um califa árabe e que escrevia um livro cujas páginas eram rostos humanos. De repente, amanhecia e meu quarto se enchia de uma luz dourada que o tingia todo de um tom insuportavelmente nauseante. Da escuridão surgiu uma garra com muitos dedos enquanto o rosto de Samuel Liddell Mathers me olhava com zombaria e me ameaçava com um guarda-chuva, do qual despencavam pálidos signos." pág. 89.

Opinião: Continuar um legado, seja ele qual for, não é uma coisa muito fácil e se esse legado estiver relacionado ao personagem que influenciou gerações de escritores no mundo todo, deve ser mais difícil ainda. Dificultando um pouco mais esse cenário, se esse personagem for ninguém menos que Sherlock Holmes, bom... aí a coisa fica muito mais séria.


Ao longo dos anos, houveram diversos escritores que tentaram e ainda tentam dar vida ao maior detetive da história literária mundial, porém, conseguir êxito nessa corajosa empreitada sempre será para poucos. É preciso que guardemos na memória esse nome: Rodolfo Martínez, pois esse escritor pode ser facilmente conhecido como o sucessor do legado de Sir Arthur Conan Doyle e seus famosos personagens, Sherlock Holmes e John Watson.

A similaridade é tanta que quando você começa a ler A Sabedoria dos Mortos, pensa que é alguma história realmente perdida de Sir Arthur, mas para nossa alegria, ou tristeza, dependendo do ponto de vista, Rodolfo, consegue nos apresentar uma história tão caracterizada nos moldes do criador original que fica realmente muito difícil dizer que não é um trabalho, como disse, perdido de Doyle.

A Sabedoria dos Mortos tem dezenas de trunfos que são apresentados para o deleite dos leitores/leitoras, como por exemplo a divertida mescla de realidade e ficção quando Rodolfo insere Arthur Conan Doyle como o agente literário de Watson, que por ironia não tem nenhuma simpatia pelo colega de seu cliente, Sherlock Holmes e esse por sua vez devolve na mesma moeda... simplesmente, genial.

Todas as características dos personagens principais e coadjuvantes estão lá, perfeitamente intactos e excelentemente retratados na trama, pois, como disse, Rodolfo é a própria encarnação de Doyle, tão impressionante é sua escrita, além de aconchegante e inteligente. Realmente, fiquei muito impressionado com a façanha de Rodolfo em dar continuidade a um legado tão incrível que foi, e ainda o é, a obra de Conan Doyle.


Como não bastasse isso, Martínez ainda nos presenteia com outra de suas paixões literárias: H.P. Lovecraft, apresentando um mistério na trama que remete a um parente do renomado escritor, tão conhecido e amado por todos nós. Seus fãs irão se deliciar com as teorias e maquinações envolvendo aquele mais do que conhecido livro, o Necronomicom, que tem suas origens contadas de forma totalmente intactas. 

Realmente, não tenho mais elogios para esse livro que me encantou de diversas formas seja na escrita, na trama, seus personagens, a mistura de real e imaginário e principalmente na ousadia e coragem de nos mostrar que sim, é possível continuarmos a vermos nossos heróis em histórias igualmente interessantes, desafiadoras e prazerosas, ainda mais nessa linda edição que a editora AVEC preparou, com uma capa muito bonita e um projeto gráfico de cair o queixo que vale todo e qualquer investimento. Inigualavelmente, I-M-P-E-R-D-Í-V-E-L.


Sobre o autor: Rodolfo Martínez nasceu em Candás, Asturias, em 1965. Após publicar sua primeira história em 1987, não demorou a se tornar um dos autores mais importantes da literatura fantástica espanhola. Vencedor de importantes prêmios como Minotauro, Asturias, UPV e Ignotus, entre outros, sua obra já foi traduzida para o português, o polonês, o turco e o francês

Ficha Técnica:
Série: Os Arquivos Perdidos de Sherlock Holmes
Título: A Sabedoria dos Mortos
Autor: Rodolfo Martínez
Tradução: Emanuele Coimbra & Enéias Tavares
Editora: Avec
Páginas: 224
Ano: 2019
ISBN: 9788554470470

Postar um comentário

2 Comentários

  1. Muito boa resenha Jeffa! Já havia gostado da capa desse livro. Após ler sua resenha fiquei com mais vontade de comprá-lo para começar a ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zé, meu caro. Acredito que irá gostar bastante desse livro. Muito obrigado pelas palavras e te espero mais vezes por aqui. Abraços.

      Excluir