[RESENHA #763] O CAÇADOR - PARKER | LIVRO UM - RICHARD STARK & DARWIN COOKE


Sinopse: Darwyn Cooke, o quadrinista vencedor do Prêmio Eisner por clássicos modernos como DC, A Nova Fronteira, Mulher-Gato, Um Crime Perfeito e as novas aventuras do Spirit, empresta seu talento para dar vida a uma das mais cultuadas séries de romances policiais: Parker. Escritos originalmente por Richard Stark (o pseudônimo mais conhecido de Donald Westlake), os livros são verdadeiras obras primas do gênero e inspiraram legiões de cineastas, quadrinistas e romancistas do mundo inteiro. O protagonista, Parker, é um homem cruel, de poucas palavras e muita ação, e que não irá descansar até atingir seus objetivos, sejam eles quais forem. Assim, o mundo do crime nos é apresentado como um lugar ao mesmo tempo fascinante e assustador, onde não existem mocinhos, mas apenas pessoas movidas por cobiça, vingança, libido e uma noção distorcida do que é certo ou errado.

Resenha: Quem me conhece sabe como gosto do estilo Noir de "ser". Seja em qual mídia for, cinema, livros ou HQ, como é o caso de O Caçador, esse estilo sempre me desperta curiosidade. Quando descobri que um dos meu filmes favoritos, O Troco de 1999 e que tem como artista principal o grande Mel Gibson no papel de Porter [Parker da HQ], não tive como impedir o impulso de ler essa HQ da editora Devir.


Parker é um ladrão durão que vive de roubos bem elaborados e que dão lucro certo para que ele possa ter uma vida entre os hotéis de luxo que ele escolher. Sempre que sua reserva de dinheiro chega em determinado patamar, era hora de realizar mais um serviço. Cauteloso e desconfiado, obviamente, não confiava em ninguém e nunca escolhia as mesmas pessoas para outros "serviços". A única pessoa em que ele confiava era sua mulher, Lynn Parker.

"Uma ou duas vezes por ano, um intermediário falava com Parker a respeito de um possível serviço. Ladrões eram convocados para um golpe e uma cidade neutra era escolhida para um primeiro encontro. Às vezes, o golpe dava certo. Às vezes, não."

Foi num desses serviços que ele até relutou em aceitar que descobriu que laços matrimoniais não significavam nada e que sua confiança era apenas uma palavra que poderia ser apagada facilmente de qualquer lugar que fosse. Lynn o havia traído, feito com que ele fosse fichado, o fez ficar preso e despertou toda a sede de vingança que um ser humano poderia alcançar. Em toda sua vida somente ela tinha feito isso com ele, despertado emoções que ela achava que não existiam nele. Mas ela era apenas uma metade do problema.

"Parker tinha ido com Lynn até Chicago para uma dessas reuniões. O serviço era espinhoso. Parker não aceitou, mesmo ciente de que suas reservas de dinheiro estavam baixas. E foi quando Mal entrou em cena."


Mal Resnik era um bandidinho covarde e cheio de "garganta" que tinha arruinado sua conexão com o sindicato e que acabou sendo um motorista de táxi para alguns chefes e organizadores do local. Mal devia no mínimo quarenta mil dólares para o sindicato depois de ter descartado toda a entrega de cocaína por ter desconfiado do entregador. O sindicado não gostou nada disso e ainda esperava o pagamento, mas não sem "mostrar" para Mal como se tratava aqueles que faziam besteira.

Foi Mal quem convenceu Parker a participar de um golpe que iria render um bom dinheiro para eles e que era, também, livre de qualquer envolvimento da polícia. Além de ser fora do país tudo indicava que era lucro certo e limpo. Mas, foi aí que Parker descobriu da pior forma que a traição vem de todo e qualquer lado.

"Já com a mão na maçaneta, ela o chamou pelo nome. Ele se virou e viu o Colt Cavalinho. Ele só teve tempo de lembrar que a arma pertencia ou a Chester ou a Mal, os dois que receberam revólveres... Então, as balas." 

Opinião: Se uma adaptação no cinema ficou tão boa, imaginem em HQ. Cooke, fez um trabalho excepcional nessa obra. Se o roteiro, por si só, já é um enorme atrativo em o Caçador, a bela arte totalmente "casada" com o estilo, só acrescentou mais qualidade no trabalho.

Não tem como negar que quando se fala em Noir, toda aquela atmosfera da época, no caso anos sessenta, nos envolve e percebemos como as coisas eram extremamente diferentes da nossa. Talvez seja por isso mesmo que esse estilo é tão adorado pelos fãs. Claro que temos que lembrar, sempre, que certas atitudes dos personagens, que já não são boas pessoas, são totalmente incompatíveis com as normas sociais de hoje. 

Porém, temos que aceitar que essas mesmas atitudes, mesmo não sendo corretas, eram muito comuns naquela época onde as mulheres, principalmente, não tinham voz para nada e eram totalmente subjugadas pelos homens sem qualquer cerimônia. Certo? de jeito nenhum, mas dentro do contexto da história apresentada em O Caçador, é apenas necessária, mesmo que continue errada.


O grande segredo de toda a trama é que mesmo sabendo que Parker não um cara bonzinho, você acaba torcendo por ele desde as primeiras páginas onde a raiva, o ódio e o desejo de vingança vão aparecendo logo de pois do caráter dele ter sido mostrado ao leitores, como disso, logo nas primeiras páginas. Como resultado você se vê torcendo para um bandido inescrupuloso, assassino e ladrão profissional arrebentar todo vagabundo da mesma laia dele que encontrar no caminho de sua vingança. 

A história ainda nos leva pelo corredores escuros do crime organizado onde nos mostra que toda a falcatrua dentro de certos locais são tratados exatamente com uma empresa e seus ritos corporativos que visam apenas um resultado: Lucro. Demonstra claramente sua hierarquia com seus presidentes, vices, gerentes, chefes e toda a escala de uma corporação legítima e pagadora de impostos, por assim dizer. Também mostra que essa "empresa" corre riscos de desabar como qualquer outra, basta que alguém com ímpeto, coragem e determinação a desafie para que as coisas saiam fora do normal e cause aquilo que ninguém gosta: prejuízo.

Não se espante se quando você terminar de ler essa HQ, voltar ao começo e ler tudo novamente pelo puro prazer que O Caçador lhe apresenta. Eu mesmo já o li três vezes e não descarto uma quarta vez. O Caçador faz parte de uma série de quatro livros já lançados pela editora Devir, todos no formato de livro, com papel amarelado e que achei de uma elegância ímpar, já que se trata de uma Graphic Novel. Mais uma obra que entra para uma das melhores leituras desse ano tão sofrido. Por isso digo com todas as letras que O Caçador de Richard Stark & Darwin Cooke e publicado lindamente pela Editora Devir, é I-M-P-E-R-D-Í-V-E-L.


Sobre os autores: Richard Stark é o pseudônimo mais conhecido do mundialmente famoso autor Donald Westlake (1933-2008). Em 1962, ele criou o ladrão profissional Parker e deu início a uma série de romances que tem sido reconhecida como obra de referência da ficção policial. Vários livros de Westlake foram levados ao cinema e sua adaptação do romance O Imorais (The Grifters) lhe valeu uma indicação ao Oscar de melhor roteiro adaptado. Westlake ganhou diversos prêmios por sua obra literária e, em 1993, a Mystery Writers of America o nomeou como Grande Mestre, a mais alta homenagem concedida por essa prestigiada associação.


Darwin Cooke é um designer gráfico e animador que voltou sua atenção para as histórias em quadrinhos no final dos anos noventa. Conhecido principalmente pelo seu trabalho com a linha de super-heróis da DC Comics, Cooke sempre teve afinidade com ficção policial e, muitas vezes, citou os livros de Parker como uma grande fonte de inspiração criativa. Cooke recebeu vários prêmios Eisner, Harvey e Shuster, além do prêmio de Melhor Série da National Cartoonist Society. Em 2008, Cooke foi indicado ao Emmy Award pela adaptação em desenho animado da sua obra-prima, A Nova Fronteira.



Ficha técnica:
Título: O Caçador
Autor: Richard Stark & Darwin Cooke
Tradução: Marquito Maia
Editora: Devir
Páginas: 144
Ano: 2015
ISBN: 9788575326084

Postar um comentário

0 Comentários