[RESENHA #768] CRÔNICAS DE EXCALIBUR: CANTO I PENDRAGON - ISTIN & BRION


Sinopse: As lendas arturianas estão entre as mais consagradas da literatura medieval. Em As Crônicas de Excalibur, o roteirista Jean-Luc Istin, consagrado autor da série Elfos, mostra sua visão da mítica saga da espada mais famosa do mundo com a bela arte de Alain Brion. Neste primeiro volume, vemos o Mago Merlin entregando Excalibur para Uther Pendragon, visando a união dos reinos bretões contra os invasores. Ao mesmo tempo, a influência da igreja busca influenciar os futuros líderes, atacando as tradições antigas e as Damas de Avalon!
Resenha/Opinião: As lendas arturianas é um tema que sempre me chamou atenção e isso vem desde o final da minha infância (o que tem muito tempo por sinal) e desde então sempre busquei assistir filmes, séries e principalmente ler livros ou quadrinhos que envolvam lendas voltadas ao Rei Arthur. Aliás, as lendas arturianas estão entre as mais famosas e adoradas da idade média, essas lendas remontam especificamente ao período da alta idade média, o que nos leva ao final do século V e de fato início do período que conhecemos como idade média.

O início das lendas arturianas de forma geral está comumente ligado ao período que coincidiu com a retirada do império romano nas ilhas britânicas, tendo em vista que o Império retorna para o continente para lidar contra outros povos e deixa o poder nas mãos de clãs locais, sem um líder específico, gerando intrigas políticas e guerras entre os clãs.


Nesse Canto I o roteirista Jean-Luc Istin e o ilustrador Alain Brion nos apresentam uma releitura das lendas arturianas e aqui os bretões se encontram em apuros, pois os saxões (povos de origem germânica) estão invadindo a ilha que outrora estava sob o domínio dos romanos. Contudo, para evitar que os bretões estejam novamente sob o julgo e domínio de outro povo, entra em cena o mago Merlin com uma espada poderosa, a Excalibur.

Merlin tem como objetivo entregar a espada ao poderoso cujo poder vem da misteriosa ilha de Avalon ao temido guerreiro Uther Pendragon, pois ele é o único que se mostra capaz de porta tal espada, ele é o único que pode falar em nome da terra sagrada de Avalon e honrá-la. Contudo, Uther e Merlin não devem apenas temer os saxões, pois há outro inimigo ganhando território e seguidores, a Igreja Católica.

A Igreja de Roma está em plena expansão e para conquistar território e seguidores está massacrando as antigas religiões por onde passa e agora é a vez de acabar com o politeísmo presente nas ilhas britânicas e para isso a Igreja Católica tem um representante, Patricius, um sacerdote cristão que está convertendo os lordes bretões ao cristianismo.

Não satisfeito, Patricius está obrigando e convencendo os lordes a perseguir todos aqueles que são adeptos do druidismo, caminho espiritual de natureza pagã em que seus seguidores acreditam na força da natureza e cujos representantes são Merlin e as damas que habitam a Ilha de Avalon, mas o problema é que muitas dessas damas são casadas com reis bretões.


Nesse cenário de profundas mudanças, Uther encontra-se com o senhor da Cornualha, Gorlois. Esse está em desespero, pois ele quer converter a sua filha Morgana, bem como a sua esposa Igraine ao cristianismo, o problema é que elas se recusam a fazer isso, o que deixa esse lorde furioso. Contudo, Uther fica revoltado ao ver o tratamento que Gorlois dá as mulheres e isso pode causar uma guerra, pois Pendragon faz de tudo para obter Igraine e tira-la da vida de desprezo e crueldade que leva; Uther quer libertar Igraine e Morgana, mas o real objetivo é casar-se com Igraine.

Primeiro quero falar sobre a edição e que edição é essa meus amigos e minhas amigas? A Mythos simplesmente apresenta uma edição em capa dura espetacular, pois as dimensões são enormes (padrão europeu) e a qualidade das folhas (papel couche) é excelente, sem contar que as ilustrações  são profundas e bem reais, o que nos permite apreciar ainda mais os cenários e paisagens maravilhosas que são apresentadas. Contudo, o que mais gostei foram as cenas de batalhas, pois as cores e artes de Alain Brion são simplesmente de tirar o fôlego.

A evolução e construção da trama acontece aos poucos e isso é bom para os leitores que não estão habituados as lendas arturianas, mas também serve para que os eventos ocorram de forma interligada e bem fundamentada. Aliás, o enredo é um dos pontos positivos e isso fico claro através da atmosfera sombria, do fanatismo religioso, bem como no jogo político e conspiração que paira no ar. É interessante que apesar de tratar-se de uma mitologia, há de fato um contexto histórico naquilo que nos é apresentado, o que fica claro nos movimentos políticos pelo poder após o Império Romano deixar a ilha britânica, bem como nas invasões saxônicas que realmente ocorreram naquela região.

O personagem principal é o druida Merlin e é interessante acompanhar todos as dificuldades e situações conflituosas que ele precisa passar para garantir o futuro e a soberania da Britânia, mas principalmente garantir que um rei justo ascenda ao trono e basicamente vamos acompanhar a história do Rei Arthur antes mesmo dele nascer.


Eu particularmente achei a experiência de ler as "Crônicas de Excalibur" muito prazerosa e envolvente, pois devorei rapidamente essa belíssima graphic novel e é claro fiquei com vontade de ler mais sobre esse universo criado por Istin e Brion. Recomendo com entusiasmo essa graphic novel que certamente foi uma das melhores leituras que realizei nos últimos tempos.

Ficha técnica:
Título: Crônicas de Excalibur: Canto I Pendragon - Istin & Brion
Autor: Jean-Luc Istin
Tradução: Jotapê Martins e Hélcio de Carvalho
Ilustrador: Alain Brion
Editora: Mythos
Páginas: 132
Ano: 2019
ISBN: 9788578674588
Onde Comprar: Amazon - Mythos 

Postar um comentário

3 Comentários

  1. Olá!
    Não é atoa que essa lenda é uma das histórias mais adaptadas para literatura e cinema. Ela tem toda uma mística, misturada com ação e aventura que prende o expectador de maneira irresistível! Apesar disso,ainda não li nenhum livro sobre, tenho conhecimento apenas do que foi apresentado no cinema; mas pretendo podee corrigir isso em breve.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Eu já ouvi falar bastante das lendas arturianas e confesso que tenho uma certa curiosidade, mas não o suficiente para arriscar a leitura de algum livro sobre o tema...ainda. Pensei em ler As Brumas de Avalon, escrito por uma autora que pelo que sei se inspirou nas lendas do Rei Arthur para a construção da sua série, mas depois que soube certas coisas sobre a autora eu desisti de ler qualquer coisa escrita por ela.

    Essa graphic novel parece incrível e viajei um pouco aqui com todas as aventuras e conspirações enfrentadas pelos personagens, inclusive em relação ao fanatismo religioso e o papel da Igreja Católica em certos acontecimentos. Mas não cheguei a sentir vontade de ler, no momento.

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bom?
    Adorei saber um pouco sobre sua opinião relativa a essa releitura das crônicas arturianas. É muito bom quando vemos uma história que desperta nosso interesse sob outra perspectiva né? E se acaba por ser uma experiência positiva, acompanhada de uma edição super caprichada, melhor ainda!! rs
    Adorei a dica e espero poder conferir em breve.

    Beijos!

    ResponderExcluir