[RESENHA #787] O SENHOR DOS METAIS - STEFANO GIORGIANNI


Sinopse: “O Senhor dos Anéis” e “O Hobbit” não são apenas duas das principais obras de literatura fantástica de todos os tempos, aclamadas por gerações de leitores e cinéfilos de todo o mundo: os livros de J. R. R. Tolkien também são pilares sobre os quais inúmeras bandas repousam o imaginário de suas músicas.

Beatles, Led Zeppelin e Pink Floyd são apenas alguns dos primeiros grupos musicais nos quais podemos vislumbrar influências do universo tolkieniano, mas é com o advento do Black Sabbath e do heavy metal em especial, com todos os seus gêneros e subgêneros, que a obra do escritor inglês ganhou um lar no universo da música. Do power metal do Blind Guardian e do epic metal do Cirith Ungol, passando pelo thrash e death, até as infames e controversas hordas do black metal que surgiram nos anos 90, podemos enxergar o universo de Tolkien no meio do barulho das guitarras. 

O SENHOR DOS METAIS: A INFLUÊNCIA DE J. R. R. TOLKIEN NO ROCK & HEAVY METAL explora o imenso impacto de Tolkien na cena heavy metal, com análises que vão intrigar e entusiasmar não apenas os fãs de rock, metal, fantasia ou cinema, mas também os leitores mais experientes sobre a vida e obra desse gênio da literatura inglesa.

Resenha/Opinião: Não tem nada melhor nesse mundo do que juntar prazeres e apreciá-los sem nenhuma moderação sequer. É exatamente isso que Stefano e a editora Estética Torta apresenta para nós, leitores, em O Senhor dos Metais: A Influência de J. R. R. Tolkien no Rock & Heavy Metal, que apesar do longo título, o fez por merecer. Digo isso, pois Stefano nos preparou uma verdadeira enciclopédia crítica e analítica musical por um lado e literária por outro.

É de se espantar a tamanha influência que o grande Professor teve no mundo da música e isso não se restringe somente ao Rock e Metal, pois podemos ver milhares de obras de diversos estilos musicais que se basearam minima, parcial ou totalmente nas obras de Tolkien e, se na vertente explorada no livro de Giorgianni já nos apresenta uma "panelada" de artistas, bandas e personalidades influenciadas pela trajetória literária de Tolkien, uma pesquisa mais abrangente não caberia em poucos volumes, assim como o trabalho do professor, precisaríamos de imensos volumes e mais volumes literários.
 

Mas, não bastasse a ligação que Stefano faz com as bandas de Rock e Heavy Metal, ele também apresenta uma profunda análise de diversas obras do Professor, o que deixa bem claro seu extenso conhecimento e envolvimento com a obra de Tolkien, demonstrando também o imenso afeto que tem pelo universo Tolkieniano.

Giorgianni vai buscar as influências de Tolkien na música de uma forma bastante profunda e longínqua como nas composições de Donald Swan criadas baseando-se nos trabalhos do professor, o qual por sinal não só aprovou como também até trabalhou em conjunto com o compositor para musicar alguns de seus poemas, como por exemplo, "Namárie", mais conhecido como "Lamento de Galadriel", presente em "O Senhor dos Anéis".

A jornada de Stefano continua e nesse caminho acaba encontrando até uma canção de Leonard Nimoy [sim ele mesmo, o Spock], presente em "Two Sides of Leonard Nimoy" de 1968, chamada "The Ballad of Bilbo". À partir daí, a jornada se encontra com o mundo Hippie que predominou por um tempo no meio artístico, principalmente referente a música. Diversos artistas psicodélicos se "aproveitaram" do mundo Tolkieniano para lançar algumas canções e até álbuns inteiros dedicados ao tema.


Mas não foi só de psicodelismo que a música inspirada em Tolkien caminhou. No final dos anos sessenta, o universo hippie já não tinha mais a mesma força e o rock começou a se tornar uma grande potência musical, inclusive Stefano dedica algumas boas páginas aos reis do iê-iê-iê, os Beatles; mesmo que nessa época já estavam quase no final de sua carreira meteórica para criar carreias solos igualmente de sucesso.

Daí surgem nomes como Creedence Clearwater Revival, Grateful Dead, Pink Floyd e Syd Barrett, isso para nomear somente alguns mais famosos, que mesmo saindo do mundo hippie, ainda mantinham o psicodélico em seus trabalhos. Mas então o mundo entra nos anos 70 e conhece Led Zeppelin, a banda que mudou tudo.

Igualmente nos anos 70, outra banda veio para virar o mundo musical de cabeça pra baixo e literalmente inventar o Heavy Metal: Black Sabbath; sim eles também fizeram a sua parte dentro do universo Tolkieniano, mesmo que pequena, mas a influência estava lá no primeiro disco de forma clara e também, caso houvesse dúvidas, reforçada pelo baixista Geezer Butler.


Os anos oitenta trouxeram uma enxurrada de bandas e artistas que entraram na onda de Tolkien com diversos lançamentos de discos e canções no mesmo universo. Stefano nos apresenta uma extensa análise de diversas bandas e suas ligações com os livros e poemas do professor, o que demonstra uma crescente na qualidade das músicas, das bandas e dos temas abordados, mas mesmo assim ainda não havia aquela perfeição musical que faria o professor sorrir onde quer que ele estivesse, pois na verdade o universo literário de J. R. R. Tolkien foi mais bem aproveitado num estilo musical que usou e abusou da estética "Capa e Espada", o Power Metal.

Claro que o escritor faz ainda uma longa análise dos estilos anteriores como Epic Metal, por exemplo e antes de chegar ao Power Metal, também analisa a obra de Tolkien refletida no Black Metal, que por incrível que pareça, tem muitas obras influenciadas pelo mundo da Terra Média. E já que estamos falando de Power Metal e Tolkien, vou deixar uma dica para quem quer se aprofundar musicalmente numa das obras mais majestosas até hoje lançadas e baseada inteiramente no livro Silmarillion: Nightfall in Middle-Earth da banda alemã Blind Guardian, que fez, como disse, um trabalho magistral e irretocável tanto para a música quando para o legado do professor. Simplesmente espetacular.

Giorgianni segue ainda nas vertentes do Heavy Metal e quando você chega ao final desse livro espetacular, tem a sensação de que sua opinião, admiração e respeito pelo Rock e o Heavy Metal cresceu e muito, ainda mais com toda a extensa análise da obra de um dos escritores mais fantásticos que passaram pelo nosso tempo: J. R. R. Tolkien.


A Estética Torta mais uma vez, e digo isso sem medo de estar me repetindo, nos apresenta uma edição de qualidade indiscutível, pois O Senhor dos Metais: A Influência de J. R. R. Tolkien no Rock & Heavy Metal vem com uma capa muito legal e totalmente imersa no assunto do livro, capa dura, papel pólen soft [amarelinho] e com um trabalho editorial estupendo. É muito bom ver uma editora apostando no mundo musical literário com edições muito bem trabalhadas e feitas para um público que já é exigente. 

Se fosse só pela coragem que a editora teve em lançar livros sobre música aqui no Brasil, eu diria que é IMPERDÍVEL, mas já que a coragem da editora Estética Torta se aliou ao profissionalismo, ao bom gosto e visão que o seu público quer materiais de primeira linha, eu diria sem sombra de dúvidas que O Senhor dos Metais: A Influência de J. R. R. Tolkien no Rock & Heavy Metal de Stefano Giorgianni e publicado, como disse, pela editora Estética Torta é O.B.R.I.G.A.T.Ó.R.I.O.

Stefano Giorgianni à esquerda
Stefano Giorgianni (esq.)

Sobre o Autor: Nascido em Zevio (Itália) em 1984, Stefano Giorgianni formou-se em Linguística pela Universidade de Verona. É ensaísta e tradutor de várias línguas. Gosta de metal desde a infância e é editor chefe do Metal Hammer na Italia. Com a Associação Italiana de Estudos Tolkienianos, o principal órgão de estudos na Itália, do qual é membro fundador, têm cuidado da difusão dos pensamentos e obras de J.R.R. Tolkien, escrevendo artigos, ensaios e organizando conferências acadêmicas internacionais. o 

Ficha Técnica:
Título: O Senhor dos Metais: A Influência de J. R. R. Tolkien no Rock & Heavy Metal
Autora: Stefano Giorgianni
Tradução: Guilherme Maionchi
Editora: Estética Torta
Páginas: 472
Ano: 2020
ISBN: 9786599025563

Postar um comentário

4 Comentários

  1. Caramba, eu não conhecia essa editora e muito menos esse livro que parece ser imperdível como você bem disse. A sua resenha ficou fantástica, amei!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laninha, muito obrigado. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  2. Adoro Tolkien e eu ouvia Blind Guardian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chuck, então somos dois. Ainda ouço e ainda leio. Abraços e volte sempre.

      Excluir