[RESENHA #835] MANUAL POLITICAMENTE INCORRETO DO FEMINISMO - CARRIE LUKAS

 

Sinopse: Segundo pesquisas, um terço das mulheres julga-se feminista. Mas o que é que significa, hoje, ser feminista? Afinal de contas, o feminismo organizado vem assumindo ao longo das décadas facetas bastante diversas e... perversas. Por tempo demais ele ditou o que é ou não apropriado no universo feminino. Hoje em dia, por exemplo, ele se resume a algo bem simples: feminismo é o que as manas acham que uma mulher deveria querer. Mas o silêncio sobre temas como a relação entre idade e a infertilidade, os lados negativos do sexo casual e os efeitos do divórcio nas crianças vem gerando consequências graves para as mulheres, suas famílias e toda a sociedade. No fundo, o que se tenta ocultar é que a visão feminista do que as mulheres deveriam querer muitas vezes bate de frente com as esperanças e os desejos das mulheres de carne e osso. É dessa distinção que Carrie Lukas fala neste livro.

Resenha/Opinião: Este livro tem a intenção de realmente ser um manual, abordando diversos temas do senso comum, levando um pouco mais a fundo a análise de todos eles. Assuntos que vão desde a libertação sexual ao aborto, são tratados nas páginas dessa obra. A proposição da autora é discorrer sobre esses temas apontando falácias e crenças disseminadas pelo feminismo, as quais não são sustentadas na realidade e, para isso, Carrie usa alguns estudos, dados estatísticos e pesquisas para que o leitor possa embasar seu conhecimento e acompanhar o raciocínio.

O contexto da narrativa é baseado em análises feitas nos EUA, levando em consideração a atual realidade onde as mulheres são bombardeadas de informações de diversas fontes, algumas delas defendendo a liberdade sexual e outros temas que marcam a juventude em formação, levantando a bandeira de que isso seria uma libertação feminina, o chamado empoderamento, e alegando que dessa liberdade viria a verdadeira felicidade, o que é questionado por dados estatísticos que afirmam a infelicidade de jovens americanas que iniciaram a  vida sexual cedo por pressão da sociedade.


Algumas séries de Tv são citadas no livro para ilustrar o contexto da mulher no mercado de trabalho e a priorização da carreira frente às necessidades biológicas de ser mãe. Com estudos e pesquisas, a autora mostra que aproximadamente 80% das mulheres que decidiram por priorizar a carreira se arrependem e gostariam de voltar no tempo para conseguirem construir uma família mais cedo.

Outro ponto que me chamou atenção na leitura foi como o divórcio é abordado, na verdade, foi um pouco incômodo essa parte porque pela minha interpretação manter um relacionamento ruim e se esforçar para torná-lo bom é o caminho apontado como certo, e quando eu falo ruim estou incluindo relacionamentos que envolvem traição. Pessoalmente, esse ponto do livro foi um dos mais conflitantes com os meus valores e pensamentos. Carrie também usa aqui alguns estudos para defender o seu ponto de vista e um deles diz que casais que passaram por crises (incluindo traições) e não se separaram, depois de certo tempo de convivência voltaram a ser felizes.


Acredito que o engrandecimento pessoal se faz a partir da leitura de todos os pontos de vista, aliás não é possível construir uma opinião sobre um assunto apenas lendo pontos alinhados ao seu pensamento. Um material de estudo valioso. Mais uma vez, não acredito que a mensagem possa tocar os ouvidos de mulheres feministas em qualquer nível, das simples simpatizantes ao movimento quanto as mais engajadas. Então, concluindo, à nível de estudo e formação de opinião acredito que essa obra tem um grande valor para pesquisa, enquanto que para aquelas pessoas concordantes das ideias de Simone de Beauvoir pode ser uma leitura um tanto quanto incômoda.


Sobre a autora: Carrie Lukas, nascida em 1973, é presidente do Independent Women's Forum e vice-presidente de política e economia do Independet Women's Voice, organização-irmã do IWF. Formou-se pela Universidade de Princeton e pela Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard, e seus escritos figuraram no Wall Street Journal, no The Washington Post, no USA Today, e no The New York Post. Além disso, escreveu vários estudos para o Instituto Cato sobre previdência social e políticas educacionais. Antes de entrar para o IWF em 2003, Lukas trabalhou no Capitólio como analista sênior de políticas internas para o Comitê Republicano de Políticas da Câmara e para o Instituto Cato.

Ficha técnica:
Título: Manual Politicamente Incorreto do Feminismo
Autor: Carrie Lukas
Tradução: Raul Martins Lima
Editora: Vide Editorial
Páginas: 216
Ano: 2020
ISBN: 9788595071094
Onde Comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários