[RESENHA #846] ÉTICA A NICÔMACO - ARISTÓTELES

 
Sinopse: Uma das mais expressivas e fecundas obras do pensamento grego e uma das que mais influenciaram a posteridade do mundo ocidental. Ética a Nicômaco revela o mais produtivo e laborioso filósofo da antiguidade às voltas com a conceituação e a investigação dos elementos fundamentais da ciência do caráter e dos costumes. Trata-se de texto de referência indispensável e obrigatório a todos os estudantes e cultivadores da filosofia, das artes e das ciências humanas, destacadamente o direito, a psicologia, a antropologia, a sociologia e a política. Edição ampliada com novos textos introdutórios e notas.

Resenha/Opinião: O meu primeiro contato com "Ética a Nicômaco" foi provavelmente entre os anos de 2005 e 2007, época em que eu estava nos primeiros anos do curso de direito. Contudo, após tantos anos eu mal lembrava do teor desse importante livro do campo da filosofia. Aristóteles nos apresenta um livro repleto de tratados dos mais variados assuntos e campos do conhecimento. Ao longo da leitura e capítulos nos deparamos com o pensamento filosófico, suas perspectivas e conceitos, bem como as relações do homem com a ética.

Dividido em 10 livros, Aristóteles não tem como preocupação a argumentação absoluta para validar o seu ponto de vista sobre a ética, aqui o pensador grego busca analisar as experiências feitas por ele e seus semelhantes, os pensadores. Aliás, o grande objetivo é justamente apresentar e analisar as características do comportamento humano, mas sob o ponto de vista da ética. Aristóteles tem uma posição clara sobre o conhecimento ético, ele defendia que a ética não deveria residir exclusivamente no campo das ideias, pois ele em sua visão a ética deveria ser praticada e ensinada, pois o comportamento humano nada mais é do que o reflexo do seu caráter.

No decorrer dos dez capítulos Aristóteles argumenta e defende a ideia de que todas ações possuem um fim, ainda que alguns fins em si mesmo tenham maior valor em detrimento de outros. O fim último do homem é a busca pela felicidade, algo que pode ser alcançado em sua visão através de condutas virtuosas, ou seja, basta agir com retidão e ética. A ciência última é a política, ela amplia a visão do autor, pois é a política que regulamenta outras ciências servindo para a formação de cientistas, aliás, o homem virtuoso agindo na política é capaz de influenciar um grande número de pessoas.


O homem para Aristóteles é autor e responsável por seus atos, e a ação involuntária é aquela em que o homem se arrepende de suas ações erradas, pois toda ação normalmente baseia-se na ignorância ou no pouco saber. Por outro lado, aquelas ações de coragem são baseadas em uma avaliação correta que visa enfrentar o perigo e aumenta o seu valor de acordo com a gravidade e risco. A temperança para Aristóteles nada mais é que o controle do tato ou luxuria, mas também do paladar. Esse último baseia-se no consumo excessivo de comidas e bebidas, o que pode ser ampliado nos dias de hoje para o uso de drogas.

Aristóteles ainda aborda a intelectualidade e a divide por tipos de conhecimento, pois segundo ele a intelectualidade por ser apresentada através da: arte (onde o homem demonstra a sua capacidade de produzir algo); conhecimento científico (o que as coisas são); sabedoria prática (capacidade de raciocinar e agir com respeito às coisas que são boas ou más para o homem); razão intuitiva (não incluí o juízo e a opinião, pois estas podem enganar-se); sabedoria filosófica (combinação do conhecimento científico com a razão intuitiva).

Outro campo interessante abordado pelo pensador está no livro VIII e fala sobre a Amizade. Na visão de Aristóteles, essa subdivide-se em: amizade parental (pai e filho); fraternal (união desde o nascimento); matrimonial (amizade de prazer); virtuosa (amizade ligada pelas virtudes); prazer (pessoas espirituosas, pois são consideradas agradáveis) e utilitária (essa o amor ou a amizade decorre de algum bem que recebem um ao outro).

Em suma, "Ética a Nicômaco" é uma grande obra do pensamento filosófico, ao mesmo tempo é um manual que demonstra como obter a felicidade ou chegar próximo disso através do aspecto comportamental, das práticas virtuosas e do desenvolvimento do caráter. Para Aristóteles o primordial é o ser humano agir com ética, pois assim construímos uma sociedade melhor e próxima do ideal de justiça, mas principalmente porque assim vamos ter seres humanos melhores. Ao longo dos dez capítulos o autor discute sobre temas importantes como: forma de governo, justiça, felicidade, amizade, autocontrole, prazer, vontade, virtudes, razão e prudência. Essa obra é atemporal e serve como base para o estudo da ética em todas áreas de conhecimento, especialmente para aqueles das Ciências Humanas.


Sobre o autor: Aristóteles (em grego antigo: Ἀριστοτέλης, transl. Aristotélēs; Estagira, 384 a.C. — Atenas, 322 a.C.) foi um filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande. Seus escritos abrangem diversos assuntos, como a física, a metafísica, as leis da poesia e do drama, a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia e a zoologia. Juntamente com Platão e Sócrates (professor de Platão), Aristóteles é visto como um dos fundadores da filosofia ocidental. Em 343 a.C. torna-se tutor de Alexandre da Macedónia, na época com 13 anos de idade, que será o mais célebre conquistador do mundo antigo. Em 335 a.C. Alexandre assume o trono e Aristóteles volta para Atenas, onde funda o Liceu.

Ficha técnica:
Título: Ética a Nicômaco
Autor: Aristóteles
Tradução: Edson Bini
Editora: Edipro
Páginas: 392
Ano: 2018
ISBN: 978-8572838818
Onde Comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários