[RESENHA #848] A CIVILIZAÇÃO DO OCIDENTE MEDIEVAL - JACQUES LE GOFF


Sinopse: Traduzido para mais de vinte idiomas, este livro é o breviário indispensável para quem deseja familiarizar-se com a Idade Média. Pois, entre a lenda escura de uma "idade das trevas" e a lenda áurea de um "belo período" medieval, há a realidade de um mundo de monges, clérigos, guerreiros, camponeses, artesãos, comerciantes que oscilam entre violência e aspiração à paz, fé e revolta, fome e expansão.

Resenha/Opinião: Considerado um dos maiores historiadores do século XX, Jacques Le Goff destaca-se pelas pesquisas e estudos sobre a idade média, isso fica claro através de sua vasta bibliografia sobre esse período. O presente livro foi publicado originalmente em 1964 e no ano de 2016 foi publicado no Brasil por meio da Editora Vozes, aliás, esse livro está na 5ª reimpressão.

Dividido em duas partes com quatro capítulos cada, Le Goff inicia a sua obra apresentando o mundo antigo à cristandade e para isso ele aborda a instalação e expansão dos povos bárbaros pelo continente europeu, algo que ocorreu sobre as ruínas do mundo romano, pois a ascensão dos bárbaros está ligado a queda do Império Romano, algo que aconteceu no século V d.C. Os bárbaros no século V não eram considerados povos jovens e extremamente selvagens, eles aprenderam muito com seus deslocamentos, mas também com o próprio mundo romano e foi por meio de suas viagens que eles conhecerem outras culturas e civilizações, absorvendo costumes, mas também aspectos das artes e técnicas laborais de outros povos, esses conhecimentos foram úteis no processo de expansão dos povos bárbaros.

Le Goff ao falar dos bárbaros abre espaço para tratar de alguns grupos como Visigodos, Lombardos e Normandos, sendo os principais grupos que ajudaram a desestabilizar e enfraquecer o Império Romano. É interessante perceber que as classes sociais mais carentes de Roma desejavam uma mudança no poder, eles preferiam a ascensão e domínio dos bárbaros do que a exploração contínua das classes romanas mais abastadas, dessa forma essa conquista de Roma pelos bárbaros foi facilitada.


Saindo do Império romano, vemos um movimento de unificação no século VIII, pois Carlos Magno busca uma organização dos povos germânicos, algo que ocorre por meio da vassalagem. Durante os séculos IX e XX entra em cena os povos do norte, basicamente os dinamarqueses, suecos, noruegueses e finlandeses que passam a ser conhecidos como os Vikings. Esses povos invadem as Ilhas Britânicas saqueando e conquistando diversas cidades. Contudo, os povos nortistas nunca tiveram uma organização, sempre houve lutas internas pelo poder e isso foi um dos fatores que atrapalhou a conquista total das Ilhas Britânicas. Essa desorganização também estava presente nos povos das Ilhas Britânicas, tendo em vista que durante um bom tempo das invasões vikings não havia qualquer tipo de governo central ou unidade entre os saxões de Wessex, Ânglia Oriental, Mércia ou mesmo entre os galeses, escoceses e irlandeses.

Outro aspecto interessante abordado pelo autor reside no cristianismo e paganismo. O cristianismo ganhou muita força no século XI, pois nesse século se expandiu para regiões em que ainda resistiam como o norte e leste europeu. A própria Igreja dividiu e separou o Ocidente do Oriente e países que ainda estavam no paganismo foram convertidos ao cristianismo. É também nesse período que teve início das Cruzadas, pois foi empregada uma guerra contra o Islamismo.


Assim como em outros livros de Jacques Le Goff vemos o papel que a Igreja teve no desenvolvimento do comércio, pois a mesma conseguiu aos poucos mudar a mentalidade enraizada greco-romana que perdurou sobro os povos europeus por séculos, tendo em vista que os comerciantes eram mal vistos por senhores feudais, mas agora esses comerciantes serviam para a circulação de mercadoria e riquezas, ainda que limitado a determinado grupo da sociedade. É através do desenvolvimento da economia e do comércio que viu a necessidade do cunho de moedas, pois o comércio deixou de ser à base de trocas. Outro aspecto importante é que o comércio deixou de ser praticado apenas por rotas terrestres, tendo em vista que também passou a ser praticado por rotas marítimas e com isso cidades foram surgindo e portos foram construídos.

O autor mais uma vez apresenta um livro rico em informações e descrições sobre a Europa medieval e faz de maneira magistral, pois ele aborda diversos temas importantes como a economia, a vida do homem comum, mas também aspectos da cultura e política, ou seja, ele busca traçar o "espírito medieval" em linhas gerais. Eu acredito que para alguns leitores as descrições podem ser um fardo, pode ser tornar algo que incomode bastante. Contudo, ainda assim eu recomendo a leitura de "A civilização do ocidente medieval", pois esse é um livro que retrata bem o que foi a idade média e se você tem interesse em estudar sobre esse período não vai ter nenhum arrependimento.


Sobre o autor: Jacques Le Goff (Toulon, 1 de janeiro de 1924 — Paris, 1 de abril de 2014) foi um historiador francês especialista em Idade Média. Autor de dezenas de livros e trabalhos, era membro da Escola dos Annales, pertencente à terceira geração, empregou-se em antropologia histórica do ocidente medieval.

Ficha técnica:
Título: A civilização do ocidente medieval
Autor: Jacques Le Goff
Tradução: Monica Stahel
Editora: Vozes
Páginas: 392
Ano: 2017
ISBN: 9788532652751
Onde comprar: Amazon - Livraria Vozes

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Adorei o post. Estava querendo ler algo relacionado ao período medieval.

    ResponderExcluir