[RESENHA #860] A ILHA DO TESOURO - ROBERT LOUIS STEVENSON

  


Sinopse: Com a morte do pirata Billy Bones na Almirante Benbow, a hospedaria de seus pais, Jim Hawkins, um menino de 12 anos, abriu o baú do velho lobo do mar e descobriu, além de moedas de várias nacionalidades, o mapa de uma ilha onde haveria um tesouro enterrado pelo terrível Capitão Flint. Jim mostrou o mapa para o Dr. Livesey e Lorde Trelawney, homens influentes da região. Logo partiram, no navio Hispaniola, para uma expedição à ilha. A tripulação tem, como cozinheiro, Long John Silver, veterano no mar que havia trabalhado no barco de Flint. Silver os ajuda a escolher o restante da tripulação, homens experientes, entre os quais alguns aliados de Long John – que, como tantos outros piratas, queria mesmo era pegar o tesouro.

A partir daí, começa uma eletrizante aventura, com lutas, armadilhas, mortes sangrentas, barcos à deriva, tempestades, descobertas impressionantes. Numa trama cheia de traições e muitas reviravoltas, A ilha do tesouro tem todos os ingredientes para manter o suspense, e é um clássico para ler e reler muitas vezes – e, muito provavelmente, uma fonte na qual beberam os autores da série Piratas do Caribe.

Resenha/Opinião: A ilha do tesouro é sem sombra de dúvidas um dos grandes clássicos da literatura, pois influenciou diversos autores e cineastas, mas o principal, foi lido por diversas gerações desde 1882, ano em que foi originalmente publicado. Robert Louis Stevenson escreveu esse livro pensando no público juvenil, mas sabemos que o sucesso do livro foi tamanho que não ficou retido nesse grupo de leitores.

Em "A ilha do tesouro" acompanhamos a vida de Jim Hawkins, um garoto que trabalha que desde novo trabalha na Hospedaria Almirante Benbow, local esse de propriedade de seus pais e situado em uma cidade litorânea da Inglaterra. O clima de tranquilidade na hospedaria é afetado quando em certo dia chega um novo hóspede no local, um homem misterioso, um velho lobo do mar, conhecido como Billy Bones.

O velho lobo do mar é na verdade um pirata, ele é um sujeito mal-encarado, encrenqueiro e carrega consigo um baú que logo desperta a atenção de todos que estão na hospedaria. Bones está na verdade fugindo de um grupo de piratas, pois eles estão atrás de um segredo que Bones está guardando. Passado algum tempo, Bones é visitado por um antigo companheiro e o inesperado ocorre, ele adoece e acaba morrendo. Após a morte do pirata a curiosidade de Jim fala mais alto e ele vasculha o baú de Bones, é lá que ele encontra um mapa com uma ilha onde está enterrado um grande tesouro e é justamente esse mapa que os piratas tanto querem.


Após essa grande descoberta o garoto procura a ajuda do Conde Trelawney e do médico Dr. Livessey que logo arrumam um navio e tripulação para viajar até a ilha. Durante a viagem conhecemos alguns dos tripulantes como o capitão Smollet, o cozinheiro Long John Silver, um homem que usa muleta, tem uma perna de pau e está sempre acompanhado do seu inseparável papagaio. Nessa grande aventura Jim Hawkins enfrenta adversidades e diversos obstáculos para chegar ao local onde supostamente há um grande tesouro.

A ilha do tesouro é um livro incrível, Robert Louis Stevenson é magistral ao realizar as descrições sobre os comportamentos dos personagens, mas principalmente sobre os cenários e locais que nos apresenta, pois deixa tudo muito real. É possível sentir o clima na ilha, o sal do mar, o barulho do vento e até mesmo a vivacidade das estrelas, são realmente poucos autores capazes de apresentar tamanha experiência ao leitor.

Quanto aos personagens eu preciso falar de Jim Hawkins e Long John Silver. O primeiro é um garoto destemido, valente e fiel aos seus princípios, mas também aos amigos, ele é de extrema importância na história. Long John Silver é na verdade um pirata e é uma figura icônica, pois os piratas apresentados por outros autores e cineastas foram baseados justamente no John, aliás, ele é um ser humano que apresenta uma dualidade, tem um comportamento volúvel, consegue ser atencioso, calmo e amoroso, mas consegue ser sagaz, impaciente e violento, ele apresenta comportamentos díspares. Os piratas de um modo geral são valentes, mas ao mesmo tempo são fanfarrões e atrapalhados.

Esse é um livro fascinante, a leitura fluiu muito bem e fiquei completamente envolvido com a escrita do autor. A Ilha do Tesouro é um livro que recomendo para os leitores de todas as idades, mas em especial para os pré-adolescentes e adolescente. É bem provável que você leitor consiga ler esse livro em poucos dias, pois além de ter uma história envolvente, é uma leitura de fácil compreensão. Ao terminar a leitura você vai compreender porque as histórias sobre pirataria se tornaram tão populares e o quanto esse livro influenciou gerações futuras de autores, cineastas e leitores. Esse livro é simplesmente maravilhoso!


Sobre o autor: Nasceu em Edimburgo (Escócia), em 13 de novembro de 1850. Autor extremamente versátil, Stevenson abordou ao longo de sua carreira os mais diversos gêneros literários, da poesia ao romance policial, do romance histórico ao conto fantástico. O coração de sua obra é a questão moral. Stevenson é considerado um dos maiores representantes do complexo movimento literário que se opôs ao Naturalismo e ao Positivismo. A originalidade de sua narrativa pode ser percebida pelo equilíbrio entre a fantasia e o estilo claro, preciso e vigoroso. Ficou inesperadamente famoso com a publicação de A Ilha do Tesouro (Treasure Island, 1883), ainda hoje seu livro mais conhecido. Com esse romance, Stevenson promoveu uma verdadeira renovação da tradição do romance de aventura. Em 1886, publicou O Médico e o Monstro (The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde), que também contribuiu – e muito – para gravar o nome de Robert Louis Stevenson na história da grande narrativa mundial do século XIX. Morreu em Upolu, nas ilhas Samoa, em 3 de dezembro de 1894.

Ficha ténica:
Título: A ilha do tesouro
Autor: Robert Louis Stevenson
Tradução: Márcia Soares Guimarães
Editora: Autêntica
Páginas: 280
Ano: 2021
ISBN: 9788551303177
Onde comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários